um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

[Reformanda] SOLA SCRIPTURA: A Raiz do Evangelho (10)

John MacArthur – Pregando o Livro que Deus escreveu [parte 4 de 5]

O legado do liberalismo


Um exemplo recente

Dr. Robert Bratcher foi tradutor chefe da Sociedade Americana das Boas Novas para o homem moderno. Um ex-missionário Batista do Sul, ele foi convidado para falar na Comissão de Vida Cristã da Convenção Batista do Sul em março de 1981. Ele abordou o tema “Autoridade bíblica para a igreja hoje.” Bratcher disse:

Somente a ignorância intencional ou desonestidade intelectual podem explicar a afirmação de que a Bíblia é inerrante e infalível. Nenhum amante da verdade, respeitador de Deus, honrando a Cristo, crente deve ser culpado por essa heresia. Para investir a Bíblia com qualidades de inerrância e infalibilidade é idolatria [sic] que, para transformá-la em um falso deus. . . . Ninguém afirma seriamente que todas as palavras da Bíblia são as palavras de Deus. Se alguém faz isso, é apenas porque essa pessoa não está disposta a explorar completamente as suas implicações. . . . Palavras faladas em aramaico por Jesus nos anos trinta do primeiro século e preservadas por escrito em grego 35-50 anos depois, não necessariamente exercem convincente autoridade ou de fé sobre nós hoje. O locus de autoridade das escrituras não são as palavras próprias. É Jesus Cristo como a Palavra de Deus, que é a autoridade para que possamos ser e fazer. ( “Inerrância: Clearing Away Confusion”, Christianity Today [29 de maio de 1981], 12)

Esse pensamento é típico do legado do liberalismo que roubou pregadores da dinâmica da verdadeira pregação. Por que, afinal, devemos ter cuidado com as Escrituras, se a sua veracidade é incerta?

Falsas noções

Bratcher e outros que assinam a “limitada” ou “parcial” inerrância são culpados de erro ao longo de várias linhas de raciocínio.

Primeiro, eles não têm realmente compreendido o que a Escritura ensina sobre si mesma. B. B. Warfield foi ao cerne da questão:

A questão realmente decisiva entre os estudiosos cristãos… é assim vista como “O que faz uma exegese exata e científica determinar ser a doutrina bíblica da inspiração?” (BB Warfield, A Inspiração e Autoridade da Bíblia, 175)

A resposta é que em nenhum lugar das Escrituras deixa em aberto a possibilidade de que a Palavra de Deus contém uma mistura de verdade e erro – nem os escritores nunca deram o menor indício de que eles estavam conscientes desse fenômeno alegado como eles escreveram. Os autores humanos das Escrituras, por unanimidade concordam que é a Palavra de Deus, portanto cada palavra deve ser verdadeira (Pv 30:5).

Em segundo lugar, a inerrância limitada ou parcial, pressupõe que haja uma maior autoridade para estabelecer a confiabilidade das Escrituras do que a revelação de Deus nas Escrituras. Eles pecam em princípios, dando ao crítico um lugar de autoridade sobre as Escrituras. Isso pressupõe que o crítico em si mesmo é infalível.

Terceiro, se a inerrância limitada é verdadeira (condição de primeira classe), então os seus promotores erram ao supor que nenhuma das Escrituras são um comunicador de confiança da verdade de Deus. Uma escritura errante iria desqualificar a Bíblia como uma fonte confiável de verdade.

Pressupostos estão envolvidos de qualquer forma. Será que os homens depositam sua fé nas Escrituras ou nos críticos? Eles não podem ter seu bolo (Escritura de confiança) e comê-lo (a inerrância limitada). Como Clark Pinnock corretamente observou:

A tentativa de diminuir a integridade da Bíblia para as questões de “fé” e sua confiabilidade histórica é um procedimento indevido e insensato. (Clark H. Pinnock, “Nossa fonte de autoridade: a Bíblia,” BSAC 124/494 [1967], 154).

Se a Bíblia é incapaz de produzir a sã doutrina das Escrituras, então é assim incapaz de produzir, com algum grau de credibilidade, uma doutrina sobre qualquer outro assunto. Se os autores humanos das Escrituras cometeram um erro em sua compreensão da pureza Escrituras Sagradas, então eles têm desqualificado a si mesmos como escritores para qualquer outro domínio da verdade revelada de Deus. Se eles são tão desqualificados em todas as áreas, então todo pastor é roubado completamente de qualquer confiança e convicção relativo à verdadeira mensagem alegada que ele estaria retransmitindo para Deus.

O Ponto de Partida

G. Campbell Morgan, aclamado como um dos melhores expositores do século XX foi usado amplamente como mensageiro de Deus. Houve um tempo em sua vida, no entanto, quando ele lutou com o assunto que discutimos muito. Ele concluiu que se haviam erros na mensagem bíblica, não pôde ser proclamado honestamente em público.

Aqui está o relato da luta do jovem Campbell Morgan para saber se a Bíblia era certamente a Palavra de Deus:

Durante três anos, este jovem, contemplando seriamente o futuro do ensino e, finalmente, da pregação, sentiu-se nas águas turbulentas da corrente de controvérsia religiosa levando-o além de sua profundidade. Ele leu os livros novos que debateram questões como: “Deus é conhecível?” e descobriram que a decisão dos autores foi concertada, “Ele não é conhecível. Tornou-se confuso e perplexo. Não era mais a certeza de que seu pai, proclamado em público, e havia lhe ensinado em casa.

Outros livros apareceram, com vista a defender a Bíblia contra os ataques que foram sendo feitos em cima dela. Quanto mais ele lia o irrespondível se tornou mais as perguntas que encheu sua mente. Aquele que nunca sofreu não se pode apreciar a angústia de espírito que o jovem Campbell Morgan sofreu durante este período crucial de sua vida. Através de todos os anos depois lhe deu a maior simpatia com os jovens, passando por experiências semelhantes na faculdade – experiências que ele comparou a “passar por um infindável deserto.” Em crise, a última veio quando ele admitiu para si mesmo a sua total falta de garantia de que a Bíblia é a Palavra oficial de Deus para o homem. Ele imediatamente cancelou todos os compromissos de pregação. Então, tendo todos os seus livros, tanto e atacando aqueles que defendem a Bíblia, pô-los todos em um armário de canto. Relacionando esta tarde, como fazia muitas vezes, na pregação, ele disse de girar a chave na fechadura da porta. “Eu posso ouvir o clique de que o bloqueio agora”, ele costumava dizer. Ele saiu da casa e da rua para uma livraria. Ele comprou uma nova Bíblia e, retornando ao seu quarto com ele, disse para si mesmo: “Eu não estou mais certo de que este é o meu pai alega que ela seja – a Palavra de Deus. Mas isso eu tenho certeza. Se Será a Palavra de Deus, e se eu vir a ele com uma mente aberta e sem preconceitos, que trará a garantia de minha alma de si mesma. ” “Essa Bíblia me achou”, ele disse: “Eu comecei a ler e estudá-lo em seguida, em 1883. Tenho sido um estudante, desde então, e eu ainda sou (em 1938).”

Ao fim de dois anos, Campbell Morgan emergiu daquele eclipse da fé absolutamente convicto de que a Bíblia foi, e de fato é a verdade, ninguém menos que a Palavra do Deus vivo. Citando novamente a partir do seu relato sobre o incidente: “… Essa experiência é que, finalmente, me levou de volta para o trabalho de pregação e na obra do ministério. Logo descobri ponto de apoio suficiente para começar a pregar, e a partir naquela época, eu continuei.”

Com esta crise por trás dele e essa certeza nova emocionante de sua alma, veio uma convicção irresistível. Este livro, que é o que foi merecido tudo o que um homem poderia dar ao seu estudo, não apenas por causa da alegria pessoal de aprofundar o coração e a mente a vontade de Deus, mas também a fim de que as verdades descobertas por tais das Escrituras deve ser dado a conhecer a um mundo de homens tateando para a luz, e perecem na escuridão sem o conhecimento claro daquele Querer. (Jill Morgan, um homem da Palavra: a vida de G. Campbell Morgan, 94)

Que Deus esteja satisfeito em multiplicar a tribo de pastores que, estando convencido da natureza inerrante da Bíblia, diligentemente aplicarem-se para entender e proclamar a sua mensagem como uma comissão de Deus, para entregá-lo em seu lugar.

Por John MacArthur © Grace to You. Website: gty.org
Fonte: Preaching the Book God Wrote, Part 4
Tradução: Voltemos ao Evangelho

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que não o altere de nenhuma maneira e não use para fins comerciais. Para postagens na web, um link para este documento em nosso site, um para o ministério e um para a fonte original do material é o preferido. (Basta copiar os itens acima)

(ao termino das 5 partes postadas, disponibilizaremos uma pdf com o artigo completo para download)


O PROJETO

Reformanda
Igreja Reformada sempre se Reformando
“Ecclesia reformata et semper reformanda est”

Voltar ao Evangelho é sempre estar se Reformando.
Junte-se nesta Reforma – Reformanda!

6 Comentários
  1. (-V-) Diz

    Quilion Peixoto,

    O quinto parágrafo diz que pessoas que acham que a Bíblia é parcialmente infalível confiam que o crítico é infalível.

  2. Quilion Peixoto Diz

    "Em segundo lugar, a inerrância limitada ou parcial, pressupõe que haja uma maior autoridade para estabelecer a confiabilidade das Escrituras do que a revelação de Deus nas Escrituras. Eles pecam por dar a priori o crítico de um lugar de autoridade sobre as Escrituras. Isso pressupõe que o crítico de si mesmo é infalível."

    Não entendi esse quinto paragrafo, o texto é muito bom, queria até usa-lo … mas ficou meio confuso, principalmente apartir do "Eles pecam por dar a priori […]"
    por favor, se não for atrapalhar, me expliquem o que ele quiz dizer no parágrafo em questão, e se alguma coisa estiver errada informe! =)
    porque não podemos nem tentar corrigir para manter a integridade da dada tradução.

    abraços fraternos, amados irmãos!
    Paz!

  3. (-V-) Diz

    Quilion Peixoto, arrumei o parágrafo. Obrigado pela observação.

  4. Wesley Diz

    A tradução da parte final está um pouco complicada.

    Mas o texto é ótimo como sempre

    Deus seja Louvado.

  5. Samuel Silva Diz

    Amigos, bom dia.
    Que belo texto!
    Encontrei alguns erros quanto à digitação. Entendi a mensagem dada, mas tive de ler e reler várias vezes por conta de algumas “más virgulações”.

    Obrigado pelos ótimos conteúdos postos aqui!

    Em amor,
    Samuel.

    1. Vini Diz

      Ajude-nos indicando a correção. =)

Comentários estão fechados.