um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

[PVE] Por que seria justo herdarmos a natureza pecaminosa de Adão?

Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram. (Romanos 5:12)


Se rejeitamos a imputação do pecado de Adão em todos que estão nele, também temos que rejeitar a imputação da justiça de Cristo em todos que estão nele, “porque, se pela ofensa de um morreram muitos, muito mais a graça de Deus, e o dom pela graça, que é de um só homem, Jesus Cristo, abundou sobre muitos” (Romanos 5:15).

 

Deus define o que é Justiça

Deus é o Criador do céu e da terra, de todas as coisas visíveis e invisíveis. Nada do que existe tem a sua origem em si mesma ou continua a existir pela própria suficiência. Tudo e todos que existem derivam toda a sua existência de Deus, sendo completamente subordinados a Ele. Deus, por sua vez, não deriva a sua existência de nada nem ninguém acima ou anterior a ele e por isso é completamente auto-suficiente em seu ser. Por isso Deus revela o seu nome como sendo, “EU SOU O QUE SOU” (Êxodo 3.14). Deus e somente Deus verdadeiramente É, pois é eterno e imutável, não tendo princípio nem fim, mas é ele próprio o Princípio e o Fim de tudo o que existe.

Sendo assim, aquilo que as coisas são, a realidade como ela é, incluindo o conceito de justiça, é estabelecido por Deus, necessariamente existe de forma anterior ao homem, sendo o homem submetido a ela e por isso completamente impotente para determinar a forma que ela deve ser, mas somente responsável por se submeter passivamente. Por isso Paulo perguntou: “Ó homem, quem és tu, que a Deus replicas? Porventura a coisa formada dirá ao que a formou: Por que me fizeste assim?” (Romanos 9.20) O homem que a Deus replica pressupõe que existe acima de Deus uma razão, uma lógica, uma lei para a qual Deus deve satisfações, diante da qual Deus é responsável. O homem que a Deus replica é o homem que deseja destroná-lo para poder entronizar o seu próprio julgamento, a sua própria opinião. Portanto, é justo porque é assim que Deus diz que é justo. E não há qualquer razão, uma lógica, uma lei humana racionalmente estabelecer como injusto aquilo que Deus diz que é justo.

Por Frank Brito © Voltemos Ao Evangelho

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

 

Pecado Original

A Bíblia ensina que, mesmo que nunca tivéssemos pecado—nunca feito algo errado—ainda seríamos contados como pecadores diante de Deus. Essa é a doutrina bíblica do pecado original.

Quando você ouve sobre pecado original, a referência é ao pecado de Adão e ao fato que Deus nos considera responsáveis por esse primeiro pecado de Adão. Somos tão culpados quanto ele foi dessa primeira desobediência—tão culpados que fomos punidos assim como ele o foi. Nascemos em delitos e pecados, sofrendo a penalidade que Deus anunciou no princípio (Gn. 2:17).

Você achará essa doutrina do pecado original em Romanos 5:12. Ali somos lembrados que quando Adão pecou, a morte veio sobre toda a raça humana. Note que esse versículo não diz que a morte virá quando todos tiverem pecado, mas que ela já veio sobre todos, porque todos pecaram. Em algum ponto no passado, todos pecaram, mesmo aqueles que não tinham nascido ainda, e assim, nascem mortos em delitos e pecados. Quando todo o mundo pecou, de forma que todos nascem mortos no pecado? A única resposta possível, a resposta de Romanos 5:12, é que todos pecaram em Adão.

Existem duas partes no pecado original. Há, em primeiro lugar, o fato que todos pecaram em Adão e são considerados culpados de seu pecado. Isso é geralmente mencionado como “culpa original” e chega a todo homem porque Adão representava todos os homens diante de Deus. Em segundo lugar, sendo já culpados, mesmo antes de nascer, todos os homens também vêm ao mundo sofrendo a punição do pecado, que é a morte eterna. Eles nascem mortos em delitos e pecados (Ef. 2:1). Essa parte do pecado original—a punição que vem sobre eles no nascimento—é mencionada como “poluição original” ou “depravação.”

A maioria das pessoas não gosta desse ensino porque parece muito injusto para elas. Mas não é injusto de forma alguma. Em muitas outras áreas de nossas vidas, aceitamos a responsabilidade pelas ações de outros sem considerar isso injusto. Quando nossos líderes políticos criam leis, somos considerados responsáveis por essas leis. Os pais são considerados responsáveis em muitos casos pelo comportamento de seus filhos. Isso é simplesmente parte da vida humana. Mas mesmo na salvação isso é verdadeiro. Não nos queixamos ou pensamos que é injusto Cristo aceitar a responsabilidade por nós e por todos os nossos pecados, como nosso Salvador. Todavia, nossa salvação vem através dele da mesma forma que o pecado veio por meio de Adão.

O pecado original é uma doutrina muito importante da Bíblia, e é da maior importância pessoal. Ela nos ensina quão completamente perdidos somos como pecadores, e nos mostra que não existe nenhuma possibilidade de salvação, exceto em Jesus Cristo. Aprendemos dessa doutrina que, mesmo que nunca cometêssemos qualquer pecado, Deus ainda estaria irado conosco e nos puniria eternamente. Isso nos deixa sem lugar para fugir, senão para a cruz de Cristo para socorro e salvação.

Você sabe que nasceu com o pecado original? Você sabe que mesmo seus bebês estão infectados com ele desde o nascimento? Você sabe que a única cura para essa “doença” horrível é a obra de Jesus Cristo? Essa é a razão da Bíblia nos chamar a crer nele, e somente nele, para a salvação.

Por Ronald Hanko

Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto | monergismo.com

Fonte (original)Doctrine According to Godliness, Ronald Hanko, Reformed Free Publishing Association, pp. 112-113.

39 Comentários
  1. Henrique Diz

    Excelente a resposta.. =D

  2. Susy Guedes Diz

    Excelente postagem. Obrigada por disponibilizá-la!

    Durante a leitura lembrei que, logo no início da minha conversão, que se deu em 1989, tinha dificuldade para compreender a questão do pecado original. Por isso orei ao SENHOR para que me ajudasse a entender esse assunto. Vieram-me, então, duas ideias interessantes, a primeira, logo depois que orei e a segunda, bem depois, há uns três anos, aproximadamente.

    Primeira: a Bíblia diz que somos carnais, vendidos sob o pecado (Rm 7.14). Se somos vendidos, então alguém comprou. E, nesse caso, quem “comprou” foi Satanás, por meio da desobediência de Adão. Este, juntamente com Eva, ao desobedecerem ao SENHOR, passaram ao domínio de Satanás. E, da mesma forma que alguém, quando compra, por exemplo, uma vaca e um touro, passa a ser dono de todas as crias a partir desse casal de bovinos, também toda a descendência de Adão e Eva nasceu sob o domínio do Inimigo. As crias somente deixarão de pertencer a esse primeiro dono se forem compradas por outro. Assim, o ser humano somente deixará de pertencer ao Diabo, de ser escravo do pecado, se for comprado de volta para DEUS. E, nesse caso, CRISTO pagou esse preço, por meio de sua morte e ressurreição. Somente crendo em CRISTO é possível ser salvo, não há outro meio.

    Segunda: o pecado (desobediência de Adão e Eva) causou um dano inimaginável para a raça humana. Foi uma hecatombe. Assim como um acidente nuclear provoca danos genéticos aos seres vivos afetados pela radiação, a humanidade foi totalmente afetada pelo pecado. A morte entrou: toda forma de dor, aflição, deformação, tendências ruins, total malignidade e dureza de coração. Jeremias 13 nos ensina sobre essa separação de DEUS e cativeiro sob o pecado por meio da metáfora do cinto de linho. Enquanto estava sobre os lombos de Jeremias, o cinto estava em bom estado. Mas depois que foi colocado lá na fenda da rocha, junto ao rio Eufrates, foi contaminado pela água, estragou-se, de tal forma que, passado algum tempo, ao ser buscado por Jeremias, já não prestava mais para nada. O pecado nos separa de DEUS, e nos deixa imprestáveis. Somente a redenção (morte e ressurreição) de CRISTO para nos restaurar, por meio do novo nascimento, que é um milagre do Espírito Santo na vida do pecador, que lhe convence do pecado, da justiça e do juízo, dando-lhe arrependimento para que se converta e assim seja feito nova criatura.

    A DEUS seja toda a glória, toda a honra, toda adoração e todo o louvor, por Sua insondável sabedoria, misericórdia e bondade infinitas em providenciar para nós, por meio de JESUS CRISTO, Seu Filho Unigênito, para que todo aquele que n’ELE crê não pereça, mas tenha a vida eterna!!

    1. samuel silva Diz

      Amado irmão em cristo amei seu comentario, principalmente a historia do cinto de linho de jeremias cap.13 nunca tinha visto por este lado a grande revelação do afastamento do homem de Deus, e sua degradação (cinto apodrecido) , e o (cinto na cintura de jeremias) o homem na obediencia a Deus.

    2. Daniel Diz

      A explicação sobre o fazendeiro e as vacas foi ótima!

      Só não consigo entender se a atuação de Satanás é independente ou subordinada a Deus. Não entendo porque Satanás ainda tenta se opor a Deus, não seria melhor se render? Será que ele tem esperança de arrumar um jeito de triunfar sobre o Deus todo poderoso?

  3. André Luz Diz

    Caros autores, boa noite. Permita-me alguns questionamentos sobre o Deus Todo-Poderoso, punitivo, vingativo e cruel, que usa de todo o seu poder infinito para julgar e condenar o seu rebanho miserável pecador. Se TUDO E TODOS estão subordinados a esse Deus “tirano”, digo isso, porque procura-se um Pai amoroso sem fim, então, o insuportável e destruidor “satanás também está em sua subordinação? Tem que se acreditar que o Pai que procuramos para amar, é o mesmo que vai nos punir rigorosamente e mandar que satanás realize os seus desejos maléficos sobre nossa pequenez existência? Interpretando o texto com cautela, compreende-se que não existe o tal tão discutido “livre arbítrio”, pois, se diz que o homem pecador é somente responsável por se submeter passivamente? Humildemente não se pede uma explicação a Deus, já que, não há lógica para Deus dar satisfação. Pede-se, sim, ao semelhante homem pecador fadado a morrer da ira do Deus irado, que esclareça à nossa simples capacidade de raciocinar, que Pai é esse, que não aceita uma relação aberta ao diálogo com o seu próprio filho pecador, que tenta superar uma interpretação medíocre racional da sua existência e que pode condenar ao filho que não pediu para nascer, ainda mais com a herança maléfica do pecado original? Como é difícil entender um Pai que anuncia a condenação do filho, antes mesmo de nascer? E que infelicidade dos filhos que ainda não nasceram, ter como um irmão, um pecador, que desrespeitou ao Pai e não pediu opinião aos seus irmãos se isso lhes agradaria? Em particular, se me perguntasse, se aceitaria o pecador Adão como irmão, obviamente rejeitá-lo-ia veementemente, pois não me agradaria ferir os mandamentos de um Pai, justo, amoroso, fiel e misericordioso.
    Portanto, entendi que os homens do velho testamento, morreram sem perdão, pois não tinha o único Salvador Jesus Cristo. E nós, sortudos do tempo misericordioso, estamos salvos através do Filho do Pai, irado, cruel nas suas condenações e punitivo eternamente e que pré-condena até os bebês que já nascem infectados pelo “presente de grego” da vida pecadora.

    1. Vini Diz

      Caro, André Luz “com Jesus”,

      O próprio Jesus pode responder a seus questionamentos:

      João 3:35,36 – O Pai ama o Filho, e todas as coisas entregou nas suas mãos. Aquele que crê no Filho tem a vida eterna; mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece.

      É uma afirmação forte…

      Lucas 12:5 – Mas eu vos mostrarei a quem deveis temer; temei aquele que, depois de matar, tem poder para lançar no inferno; sim, vos digo, a esse temei.

      Resumindo, a ira de Deus está sob aqueles que não creem em Cristo e Deus vai lançar o corpo e a alma no inferno.

      Eu poderia continuar… Poderia citar o apóstolo que disse que “Deus é amor” afirmar que a ira de Deus será derramada sobre a terra.

      Quanto a Soberania de Deus e livre arbítrio, lhe convido a estudar a Bíblia. Temos também bastante material neste site à sua disposição.

      Permita-me lhe advertir, pois percebi que para você pecadores são só “pobres pecadores” e não “servos do pecado, que amam mais as trevas do que a luz, inimigos de Deus” como a Bíblia descreve.

      Aconselho-o a ter muito cuidado com suas afirmações, pois vejo que segundo elas, não somos salvos por Cristo, pela substituição dele como nosso representante na cruz, pagando por nossos pecados. Afinal, se você deseja ser coerente, se não estamos sob Adão, também não estaremos sob Cristo. Para isso, veja Romanos 5.

      Não se ire contra nós. Antes, busque nas Escrituras e nos ajude a mudar o que acha que há de errado em nós, como irmãos em Cristo devem fazer.

      Estamos à sua disposição para conversar sobre a BÍBLIA e Seu Autor.

      Fique em paz.

    2. Samuel Diz

      Isso mesmo Vini…

      Como disse Paulo: “Estou limpo do sangue de vocês porque preguei todo conselho de Deus”….ou seja, não omiti nada…

      Não devemos pregar somente enfatizando João 3:16:

      “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho Unigênito…”

      E esquecer de olhar alguns versículos na frente onde Jesus diz:

      “mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deussobre ele permanece.”

      Temos que buscar entender Deus como um todo… Do mesmo modo que Ele é Amor, Ele é Justo e é Santo! E é por isso que a “igreja” está essa vergonha que estamos vendo hoje:

      Aonde se prega um Deus que não precisamos temer, pois só enfatizamos a misericórdia, e o amor e as bençãos. É claro que isso é verdade, mas não vamos olhar só prum lado da verdade, mas a verdade toda!

      SOLA SCRIPTURA!

  4. Marcos Diz

    Irmãos, creio piamente na doutrina do pecado original, mas o texto do Hanko me deixou com uma dúvida. Não concordo com a primeira frase, “A Bíblia ensina que, mesmo que nunca tivéssemos pecado—nunca feito algo errado—ainda seríamos contados como pecadores diante de Deus.”

    Até então, compreendo esta doutrina como sendo a herança da natureza pecaminosa e depravada de Adão, após este ter pecado. Por herdarmos essa natureza, o “primeiro” pecado viria como consequencia. Assim como Sete nasceu à imagem e semelhança de Adão (Gn 5:3), assim também somos nós (o que não contradiz que ainda guardamos algo da imagem e semelhança de Deus). Como está lá em Romanos 5:12, “Portanto, da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecaram.” Ou seja, todos pecaram, e o pecado leva à morte, e todos pecaram por herdarem a natureza mórbida de Adão.

    Talvez não tenha ficado claro, mas o que me passou na cabeça foi que o autor poderia estar argumentando que, aidna

    1. Marcos Diz

      Continuando…

      Talvez não tenha ficado claro, mas o que me passou na cabeça foi que o autor poderia estar argumentando que, mesmo que nunca tivéssemos pecado, ainda assim seríamos considerados culpados, e é disso que discordo. Somos culpados por aquilo que fazemos, e não por herdarmos os pecados dos nossos pais. O que herdamos, entretanto, é a natureza totalmente depravada. Entendi certo ou não?

      De qualquer forma, isso me fez pensar também naquela velha pergunta: os bebês que morrem vão para o céu ou para o inferno?

      Hehe… sem querer deixar caraminholas na cabeça dos outros,
      Marcos.

    2. Vini Diz

      É não tinha ficado claro rs

      Então, quando ele diz “A Bíblia ensina que, mesmo que nunca tivéssemos pecado—nunca feito algo errado—ainda seríamos contados como pecadores diante de Deus” ele se refere aos que estão sob Adão. Já sofremos de muitas formas a maldição sobre Adão: morremos fisicamente, adoecemos, etc…

      Como nosso representante capital quando Adão pecou, nós pecamos com ele. Assim como Cristo sendo nosso representando capital, a justiça dele é imputada a nós.

      Ou seja, há duas questões de estar “em Adão”: (1) herdamos a natureza pecaminosa e (2) a representação capital dele. (acho que vou postar mais coisas sobre isso).

      Então, esse é um ponto.

      Outro ponto é que cada um será julgado segundo as suas obras e não haverá ninguém que será culpado “por não ter pecado e ter sido injustamente condenado por causa de Adão”.

      Este é outro ponto.

      As Escrituras falam sobre ambos.

    3. Jack Diz

      Caro Vini, ótimo post!

      Tb concordo com a doutrina do pecado original tal como foi descrita, e também com a doutrina da salvação unicamente pela graça e vontade de Deus. Acredito que Deus nos amou primeiro e que é o Espírito Santo que convence o homem do seu pecado, o leva ao arrependimento e que se não nascer da água e do espírito e da vontade de Deus não pode ir para o Reino dos Céus.

      O debate sobre o pecado original me leva a formular as seguintes perguntas:

      Se o que herdamos de Adão é a natureza pecaminosa pós-queda, e esta é que nos faz invariavelmente pecar, fazendo com que o primeiro pecado imputado de cada pessoa seja decorrente desta natureza e não do pecado de Adão, pergunto: Que natureza havia em Adão antes de pecar? Natureza pecaminosa? Livre arbítrio?

      A Bíblia ensina que no Céu não poderemos pecar. Lá teremos uma natureza incorruptível, sendo assim, podemos concluir que Deus fez Satanás e Adão com natureza corruptível?

      Se não, como que eles pecaram?

      Se sim, Deus sabia que essa corruptibilidade iria se tornar pecado, por que ele sabendo de tudo que iria acontecer no mundo por causa do pecado (fome, guerras, estupros…) ainda assim permitiu que ele fosse realizado? Por que preço? O que seria tão importante ou necessário pra permitir a existência do mal?

      O Livre arbítrio? Porque sem ele seríamos apenas “robôs”, e sem ele não poderíamos ser julgados por nossas obras, de outra forma como poderíamos ser culpados de algo que não escolhemos fazer? De algo que fomos “forçados”? Não é? (Rm 9:17-23)

      Mas que livre arbítrio é esse que nem deixa eu escolher se quero ou não a natureza pecaminosa de Adão? Que não me deixa escolher nascer num berço cristão ou hindu, que dependendo da região onde estiver posso nunca ouvir falar de Cristo e não ter chance nenhuma de Salvação. Deus me mandaria pro Inferno justamente por ser pecador, mas eu não escolhi nascer pecador. Nem escolhi nascer. Então se eu tivesse algo chamado de livre arbítrio, essa coisa seria a Natureza humana antes de Adão pecar, “certo”? Ou ainda poderia ter livre arbítrio nascendo com natureza pecaminosa pós-queda (que mesmo contra “minha vontade” vai me fazer pecar)? Ou essa natureza pecaminosa não significa que invariavelmente leva a prática do pecado? Seria uma natureza pecaminosa “santa”?

      Se nascemos com o tal livre arbítrio, podemos concluir que necessariamente deveríamos ter a natureza humana antes da queda? Se for assim, todos os seres humanos seriam “novos Adãos (ou Adões?)”, certo? A Bíblia ensina isso?

      Ou meu livre arbítrio hoje em dia só serve pra dizer Sim ou Não para Cristo? Só serve pra EU decidir se vou para o céu ou inferno? E as pessoas que nem sequer ouviram falar Dele? De que adiantou ter livre arbítrio?

      Rm 5:19 “Porque, como pela desobediência de UM SÓ HOMEM, muitos foram feitos PECADORES, assim pela obediência de UM muitos serão feitos justos.”

      Rm 7:24-25: “Miserável homem que eu sou! quem me livrará do corpo desta morte? Dou graças a Deus por Jesus Cristo nosso Senhor. Assim que eu mesmo com o entendimento sirvo à lei de Deus, mas com a carne à lei do pecado.”

    4. Vini Diz

      Se o que herdamos de Adão é a natureza pecaminosa pós-queda, e esta é que nos faz invariavelmente pecar, fazendo com que o primeiro pecado imputado de cada pessoa seja decorrente desta natureza e não do pecado de Adão, pergunto: Que natureza havia em Adão antes de pecar? Natureza pecaminosa? Livre arbítrio?

      Acho muito complicado usar o termo livre-arbítrio. Para alguns livre-arbítrio é ter uma vontade, para outros é ter uma vontade que não dependa de nada. Outros entendem como livre de Deus, outros livres da influência do pecado. Então, como a Bíblia não usa esse termo, acho melhor não usá-lo, pois só traz confusão. Não estou falando que termos são ruins, pois trindade também não aparece, mas pelo menos tem um conceito mais intrínseco.
      Acho que este artigo vai solucionar sua dúvidas: http://www.monergismo.com/textos/pecado_original/hum-antes-queda_sproul.pdf

      A Bíblia ensina que no Céu não poderemos pecar. Lá teremos uma natureza incorruptível, sendo assim, podemos concluir que Deus fez Satanás e Adão com natureza corruptível?
      Teremos uma natureza glorificado, o que Adão não tinha. E seremos cobertos pelo sangue de Cristo. Quando a Adão e Satanás terem uma natureza corruptível creio que não é incorreto afirmar isso. Se você não confundir corruptível com corrupta. Como diz o artigo que mandei, Deus criou o homem bom e livre do pecado, mas com a possibilidade de pecar.

      Se sim, Deus sabia que essa corruptibilidade iria se tornar pecado, por que ele sabendo de tudo que iria acontecer no mundo por causa do pecado (fome, guerras, estupros…) ainda assim permitiu que ele fosse realizado? Por que preço? O que seria tão importante ou necessário pra permitir a existência do mal?
      A glorificação do Filho de Deus como Salvador e como Juiz. Veja estes dois vídeos e leia Romanos 9
      http://voltemosaoevangelho.com/blog/2009/04/john-piper-deus-nao-foi-pego-de-surpresa-por-adao/
      http://voltemosaoevangelho.com/blog/2009/04/john-piper-o-plano-de-deus-incluia-o-pecado-desde-o-inicio/

      O Livre arbítrio? Porque sem ele seríamos apenas “robôs”, e sem ele não poderíamos ser julgados por nossas obras, de outra forma como poderíamos ser culpados de algo que não escolhemos fazer? De algo que fomos “forçados”? Não é? (Rm 9:17-23)
      Bom, (1) não encontro essa conclusão nas Escrituras. Ela é baseada na filosofia secular, então eu não a afirmaria com tanta naturalidade; (2) entramos na questão de livre-arbítrio que disse antes; (3) pode alguém ser livre do domínio de Deus?
      A Bíblia relata 2 ideias: (1) o homem é responsável pelo seu pecado porque ele “ama mais as trevas que a luz”; (2) Deus é soberano sobre a vontade humana (provérbios fala bastante disto) e sobre o pecado humano (a crucificação é o maior exemplo).

      Mas que livre arbítrio é esse que nem deixa eu escolher se quero ou não a natureza pecaminosa de Adão?
      Cuidado, porque a insistência no livre-arbítrio pode levar ao abismo do pelagianismo.

      Deus me mandaria pro Inferno justamente por ser pecador, mas eu não escolhi nascer pecador. Nem escolhi nascer. Então se eu tivesse algo chamado de livre arbítrio, essa coisa seria a Natureza humana antes de Adão pecar, “certo”?
      Aqui entra a questão que nós não só herdamos a natureza pecaminosa, mas pecamos em Adão. Esse argumento é mais ou menos assim:
      Eu: levante-se dessa cadeira.
      Você: não, eu amo essa cadeira mais que tudo.
      Eu: Eu estou ordenando.
      Você: não sou culpado por fazer aquilo que amo e eu amo essa cadeira.

      Ou ainda poderia ter livre arbítrio nascendo com natureza pecaminosa pós-queda (que mesmo contra “minha vontade” vai me fazer pecar)? Ou essa natureza pecaminosa não significa que invariavelmente leva a prática do pecado? Seria uma natureza pecaminosa “santa”?
      Não. A bíblia é bem clara. O homem ama as trevas, quem peca é escravo do pecado e a mentalidade da carne é inimiga de Deus.

      Se nascemos com o tal livre arbítrio, podemos concluir que necessariamente deveríamos ter a natureza humana antes da queda? Se for assim, todos os seres humanos seriam “novos Adãos (ou Adões?)”, certo? A Bíblia ensina isso?
      Não. Já expliquei acima.

      Ou meu livre arbítrio hoje em dia só serve pra dizer Sim ou Não para Cristo? Só serve pra EU decidir se vou para o céu ou inferno? E as pessoas que nem sequer ouviram falar Dele? De que adiantou ter livre arbítrio?
      Você não tem livre-arbítrio nem para isso. Sem a obra do novo nascimento pelo Espírito, você não terá a metalidade do Espírito e não poderá se sujeitar a Deus. Aquele que é nascido de carne é carne, mas aquele que é nascido do Espírito é espírito.
      Novamente, a imagem que as Escrituras dão do pecador é alguém apaixonado por seu pecado e não alguém que está contra sua vontade escravizado pelo pecado. Ele é um escravo apaixonado por seu senhor, o pecado.

      Espero ter ajudado,
      Paz

    5. Jack Diz

      Eu não comentei sobre os bebês no post “monstruoso” que fiz primeiro abaixo…

      Marcos, esses bebês de quem tu falas são filhos de Adão? Se sim, eles foram feitos pecadores.

      Se Deus quiser, ele pode salvar esses bebês? Ou eles precisariam aprender a falar pra dizer Sim a Cristo? Ou a natureza pecaminosa só começa aos 18 anos, ou 21, ou 30?

      Esse é um grande exemplo sobre salvação pela graça. Deus salva quem ele quiser, ele pode. O Sangue de Cristo tem poder pra justificar até quem diz não pra Ele. Tudo depende se Deus quer ou não usar de sua misericórdia.

      Fica na Paz

    6. Marcos Diz

      Ainda não entendo dessa maneira… Creio que herdamos somente a natureza pecaminosa de Adão, e seremos pecadores e escravos do pecado enquanto vivermos. Entretanto, à luz de que cada um será julgado por suas próprias obras, e de que seremos julgados de acordo com nossa consciência, posso traçar alguns exemplos para refletirmos.

      1) O famoso “índio na selva distante” que não ouviu o Evangelho morre e irá para o inferno, pois como vemos em Romanos 1:19,20, “Porquanto, o que de Deus se pode conhecer, neles se manifesta, porque Deus lho manifestou. Pois os seus atributos invisíveis, o seu eterno poder e divindade, são claramente vistos desde a criação do mundo, sendo percebidos mediante as coisas criadas, de modo que eles são inescusáveis.” Em outras palavras, o índio continua sendo pecador por não prestar a honra devida ao único Senhor. Ainda que não tenha ouvido o Evangelho de Jesus Cristo, será julgado de acordo com o conhecimento que tinha à sua disposição. Sendo totalmente depravado, estaria cego à revelação de Deus manifesta na criação, e seria condenado.

      2) O bebê recém-nascido, para mim, parece um caso diferente. Não acho que um bebê tenha consciência de qualquer coisa para que eu possa dizer que não prestou a devida honra a Deus, ou que conscientemente realizou o mal. Também não acho que seja possível determinar uma idade na qual surgiria a consciência de bem e mal, mas acho que um recém-nascido (ou até um feto que morre intra-útero, para ser mais claro) definitivamente não poderia ser culpado porque não chegou a ter consciência. Dado que seremos julgados pelo que fizemos, e de acordo com o conhecimento à nossa disposição, acho que bebês que morrem vão para o céu – não por bondade inata, mas simplesmente pela misericórdia de Deus e pela incapacidade de discernimento dos bebês.

      Seguindo este mesmo raciocínio, ainda acho que não somos considerados pecadores pelo pecado de Adão. Para mim, somos considerados pecadores por nossos próprios pecados, e de Adão herdamos somente a natureza corrupta e depravada. Como Romanos 5:12 afirma, “Portanto, da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecaram.” Assim, o pecado é que causa a morte (Romanos 6:23), e vem primeiro. Somos considerados pecadores por nosso pecado pessoal, e não porque Adão pecou. Mas somos pecadores porque Adão pecou e nos transmitiu sua natureza pecaminosa. O único caso que consigo enxergar de alguém que possa ter herdado a natureza pecaminosa, porém não pecou (porque não houve tempo suficiente, hehe) foram os bebês.

      Comentem, por favor…

    7. Vini Diz

      Marcos,

      Como você entende Rm 5:18:
      Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação
      Aqui se está falando sobre condenação de julgamento e não sobre natureza. E essa condenação é a morte (em todo amplo sentido: morte física e espiritual).

      Também tem a questão da imputação da justiça de Cristo. O paralelo Adão/Cristo é basicamente sobre imputação de justiça/condenação. A obra da regeneração é realizada pelo Espírito. Logicamente, esta obra foi comprada pela cruz. Então, vem a questão: se você não aceita a imputação da culpa de Adão, porque aceita a imputação da justiça de Cristo? Ambos estão alicerçados na representação do cabeça por aqueles que estão nele.

      Quanto aos bebês, eu não consigo conceber um meio de salvação a parte de Cristo. Se um bebê é salvo, ele é salvo pelo mérito de Cristo imputado sobre ele (embora não pela fé – o que complica um pouco as coisas rs). Isso, eu, um batista ainda estudando o assunto. Entre os presbiterianos tem a visão de que a fé do pai/mãe cristão é contada pelo filho nestes casos, então só um bebê parte da aliança seria salvo. (Lógico que eles explicam bem melhor que isso)

    8. Marcos Diz

      Eu creio que a imputação da culpa de Adão sobre nós acontece, mas na hora em que pecamos. Primeiro, herdamos sua natureza totalmente depravada, e, ao pecarmos, nos tornamos co-partícipes e herdeiros de sua condenação também.
      A ofensa de Adão trouxe juízo sobre todos os homens, pois todos serão pecadores. A herança dessa natureza maldita de Adão condena a toda a humanidade não porque todos irão pecar, ser escravos do pecado e se deliciar em sua própria iniquidade.

      E é aí que entraria a exceção dos recém-nascidos. Seria uma exceção mesmo! Como disse antes, se os bebês são salvos, não deixa de ser pela misericórdia de Deus. Acho isso (embora também esteja somente engatinhando nesses assuntos!) por que junto 3 coisas em minha mente:

      1) Somos condenados por nossos próprios atos pecaminosos, e não herdamos a injustiça de nossos pais por já termos a nossa (inclusive, há algum bom recurso sobre maldição hereditária?);

      2) Somos julgados de acordo com o conhecimento que temos à nossa disposição acerca de Deus; e

      3) As palavras de Jesus em Mt 19:14 – “Deixai as crianças e não as impeçais de virem a mim, porque de tais é o reino dos céus.” ou “pois o Reino dos céus pertence aos que são semelhantes a elas”.
      E não acho que Jesus esteja defendendo que as crianças seriam inocentes, e sim mostrando que elas são dependentes da graça dos pais (e do Pai).

      Enfim, tenho muitas dúvidas sobre o assunto, mas ainda acho complicado afirmar com o autor: “A Bíblia ensina que, mesmo que nunca tivéssemos pecado—nunca feito algo errado—ainda seríamos contados como pecadores diante de Deus.”

    9. Jack Diz

      Marcos, você colocou:

      “Portanto, da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecaram.”

      Romanos 6:23 “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor.”

      Eu vou tentar traçar um racionício baseado no que entendi.

      “Assim, o pecado é que causa a morte (Romanos 6:23), e vem primeiro.”

      Para haver morte, é necessário pecar antes.

      – Então se alguém não cometer pecado, será imortal.

      a) Que pecado comete um bebê que morre com 3 dias de nascido?

      b) Por que crianças inocentes morrem?

      c) Elas morreriam mesmo se fossem isentas de pecado?

      d) Elas não cometeram nenhum pecado, mas possuem uma natureza pecaminosa que as tornam mortais. Ou seja, o salário da natureza pecaminosa é a morte. Não precisa pecar pra morrer. É isso?

      e) Natureza pecaminosa é apenas a possibilidade de cometer pecado, em vez de já possuir um pecado original = pecador ao nascer, e Adão foi criado com essa natureza pecaminosa, ou seja, a natureza do ser humano nunca foi diferente. E Deus disse que criou todas as coisas boas, logo a natureza pecaminosa é algo bom.

      Marcos, eu não sei se consegui compreender o que tu quer dizer sobre natureza pecaminosa e pecado original. Eu coloquei assim com perguntas pra tu tentar explicar as incoerências de cada resposta com a tua compreensão.

      como está escrito:

      “Pois assim como por UMA só ofensa veio o juízo sobre TODOS os homens para condenação”

      Fiquem na Paz de Cristo!

    10. Vini Diz

      Marcos, você não respondeu sobre Rm 5:18 =)

      Abração, irmão

    11. Jack Diz

      “E desvendou-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito que propusera em Cristo, de fazer Convergir em Cristo todas as coisas, na dispensação da plenitude dos tempos, tanto as que estão nos céus, como as que estão na terra.”

      Efésios 1:10

      Marcos, onde está o erro no fato das crianças nascerem pecadoras se existe Salvação?

      Se não houvesse Salvação, aí sim seria algo totalmente estranho.

      Tudo foi feito pra convergir em Cristo. Até os bebezinhos. Lembre que não somos salvos por obras.

    12. Marcos Diz

      É… vocês estão quase me convencendo!

  5. Jack Diz

    Vini,

    obrigado pelas respostas e pelo artigo, vou ler daqui a pouquinho…

    não sei se você percebeu, mas eu estava apenas esmiuçando o pensamento do livre arbítrio só pra mostrar o quanto ele é contraditório e falso. Tem muita gente que só consegue raciocinar sobre justiça depois de tomar o livre arbítrio como uma doutrina bíblica, aí dá no que dá. E meu texto tem mais interrogações que palavras, foi quase uma reflexão retórica..

    Apenas queria deixar bem claro que a Bíblia ensina que temos a natureza pecaminosa de Adão e somos culpados nele porque Deus assim o quis para colocar todos os seres humanos debaixo do pecado, tornando todos iguais, para colocar a culpa em um e a justificação em um também.

    E quando eu disse corruptível foi no sentido de corruptível mesmo.

    Graças a Deus por Jesus Cristo! Nosso Salvador!

    “Do Senhor é a terra e a sua plenitude; o mundo e aqueles que nele habitam.” Salmo 24:1

    1. Rafael Ravazzi Diz

      Queridos irmãos, a Paz! é uma benção poder compartilhar nossos aprendizados e ver que Deus está fazendo uma obra maravilhosa nessa nossa geração. Só para complementar, e humildemente espero não falar coisa errada rs, não só a natureza pecaminos é imputada mas o pecado:
      Rm 3.23 “porque todos pecaram” – não está escrito “porque todos herdaram a natureza pecaminosa”

      e em Salmos 51, David diz:

      “Pois eu mesmo reconheço as minhas transgressões, e o meu pecado sempre me persegue.
      Contra ti, só contra ti, pequei e fiz o que tu reprovas, de modo que justa é a tua sentença e tens razão em condenar-me.
      Sei que sou pecador desde que nasci, sim, desde que me concebeu minha mãe.” (Sl 51.3-5)

      portanto, somos indesculpáveis. e TODOS necessitamos da Graça de Deus e da Cruz de Cristo!
      abração!!

  6. Roberto Diz

    O fato de Jesus ter ” nascido do Espírito Santo” o libertou do pecado original ?

    1. Vini Diz

      sim, justamente por isso

    2. Roberto Diz

      tem alguma base bíblica que você possa citar para está afirmação?

  7. Diogo Yoshida Diz

    Amados, a Paz do Senhor Jesus!

    Eu creio na doutrina do Pecado Original e, logicamente, na salvação única e exclusiva em Jesus Cristo. Mas toda vez que paro p/ pensar sobre esse assunto não consigo parar de pensar numa coisa: e as crianças?

    Se todos nascemos debaixo da lei e devemos reconhecer e confessar Jesus Cristo como o Senhor e Salvador de nossas vidas para termos a redenção de nossos pecados, o que acontece com uma criança que ainda “não entende” isso? Digamos que ela morra, ou foi abortada, ou seja, não atingiu uma idade na qual “se perde a inocência”. Elas estão, então, condenadas?

    Sei que Jesus disse: “…Deixem vir a mim as crianças e não as impeçam; pois o Reino dos céus pertence aos que são semelhantes a elas” (Mateus 19:14 NVI).

    Lembro-me também que Davi afirmou que veria o bebê que matou na eternidade (II Samuel 12)…

    Por essas duas últimas referências, entendo que as crianças devem ter seu lugar reservado no céu, até que deixem de ser inocentes (i.e., tornem-se corruptas de coração)…mas criança conta mentira, faz maldade com outras e etc…

    minha dúvida é exatamente essa…Como aplicamos a lei p/ as crianças? Ou ela não se aplica a elas? Será que Deus só passa a considerar a humanidade culpada a partir de uma certa idade mental?

    1. Vini Diz

      Diogo,

      Não é uma questão simples. Já vi 3 posições
      1) toda criança será salva
      2) os filhos de pais cristãos serão salvos
      3) nenhuma criança será salva

      Isso assumindo que morreram antes de terem “responsabilidade moral” (o que é outro assunto difícil).

      Eu sinceramente não sei dar uma resposta para você. Sugiro que você busque nas Escrituras e leia alguns livros.

      Paz

    2. José Ricardo Ferreira Netto Diz

      Todas as crianças, que morrem antes de atingir a capacidade de entendimento, são salvas. Elas se enquadram no caso daqueles doentes mentais que nasceram assim e não conseguem discernir o certo do errado. A Bíblia diz que “nem os loucos errarão o caminho”. Deus não é injusto! A salvação de Cristo Jesus, creio eu, atinge aqueles que não chegam à capacidade de entender a Palavra de Deus.

  8. Alexsandro Diz

    Sim… Mas eu peco porque sou pecador, ou sou pecador porque peco?

    1. Vini Diz

      Peca porque você é um pecador. Peca pois você tem uma natureza pecaminosa.

  9. Danilo Diz

    É super injusto sim…é um deus que quis que todos fossem pecadores para ter o prazer de condená-las…felizmente, a ciencia provou irrefutavelmente que a bíblai é uam mentira

    1. Vinícius Musselman Pimentel Diz

      Não provou, não. Isso é só propaganda enganosa do religiosos ateus.

  10. Marcos Vinicius Diz

    Cacete, vocês irracionalmente falam que somos MUITO (se o homem fosse tão depravado o mundo já teria acabado a muito tempo) maus e que precisamos crer para ser salvos, mas ao mesmo tempo precisamos lutar contra o pecado (mesmo que isso não conte em nossa salvação, já que é mérito de Deus) por que se não vou para o inferno sofrer eternamente (sendo esta a vontade do Deus amoroso que tanto pregam) por causa do pecado de um cara que nem conheci.
    Ok… palmas!

    1. Matheus Valentim Diz

      “mas ao mesmo tempo precisamos lutar contra o pecado (mesmo que isso não conte em nossa salvação, já que é mérito de Deus) por que se não vou para o inferno sofrer eternamente” ninguém fala isso, mesmo sendo pecadores, Deus nos ajuda a perseverarmos para ficarmos irrepreensíveis diante do Pai, ninguém vai perder a salvação por conta de nossos pecados

  11. THIAGO Diz

    A QUESTÃO AQUI É SE VOCÊ CRÊ OU NÃO NA BÍBLIA COMO A PALAVRA DE DEUS, SENDO ELA INERRANTE, NÃO HÁ COMO CONDENAR NENHUM ENSINO QUE É DELA TIRADO, CASO NÃO CREIA NA BÍBLIA VIVA DO JEITO QUE BEM LHE ENTENDER! O PROBLEMA É QUE O SER HUMANO QUER DAR DESCULPA PRA DESGRAÇA QUE ELE MESMO É! SEM CRISTO NÃO HÁ POSSIBILIDADE DE SERMOS SALVOS, É SÓ ISSO! SE VOCÊ CRÊ AMÉM SENÃO VIVA SUA VIDA DO JEITO QUE QUISER!

  12. Flavio Alves Diz

    muito legal…………………..

  13. orlando Diz

    como entender a questão da soberania de DEUS, e a responsabilidade humana.

  14. orlando Diz

    Se nascemos mortos como podemos ser responsabilizados por nossos escolhas mas, se não podemos escolher o que é bom.

Comentários estão fechados.