Um blog do Ministério Fiel  Um blog do Ministério Fiel

[DEVOCIONAL] John Piper – Jesus e as Crianças

Jesus e as Crianças

Pensando nas Crianças como Detectores de Orgulho

Uma das coisas que devemos examinar, quando avaliamos as qualificações espirituais de um candidato ao ministério, é a maneira como ele se relaciona com as crianças. Ponha uma criança na sala e observe. Foi isto que Jesus fez para fixar seu ensino. As crianças são indicadores da presença do orgulho.

Talvez você pense que a principal coisa que Jesus pretendia dizer era: “Não seja orgulhoso, torne-se como uma criança”. Ele disse essencialmente isso em Mateus 18.3: “Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus”. Todavia, Jesus disse algo muito mais interessante. Quando os discípulos começaram a discutir entre si qual deles era o maior, Jesus “assentando-se, chamou os doze e… trazendo uma criança, colocou-a no meio deles e, tomando-a nos braços, disse-lhes: Qualquer que receber uma criança, tal como esta, em meu nome, a mim me recebe; e qualquer que a mim me receber, não recebe a mim, mas ao que me enviou” (Marcos 9.34-37).

Receber uma criança nos braços, em nome de Jesus, é uma maneira de receber a Jesus. E receber a Jesus é uma maneira de receber a Deus. Melhor dizendo, a maneira como lidamos com as crianças é um sinal de nossa comunhão com Deus. Alguma coisa está profundamente errada com a pessoa que não desce (ou deveríamos dizer sobe?) para amar e receber uma criança.

Portanto, talvez seja bom recordarmos as maneiras como Jesus lidou com as crianças. Medite nestas passagens, permitindo que elas despertem em você os anelos de Cristo. O que seria mais significativo do que receber a Cristo e receber, nEle, a Deus, o Criador?

Jesus nos diz, de uma maneira admirável, que podemos fazer isso quando ministramos às crianças.

1. Jesus foi uma criança.

“Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz” (Isaías 9.6).

2. Jesus tomou crianças nos braços e as abençoou.

“Deixai vir a mim os pequeninos, não os embaraceis… Então, tomando-as nos braços e impondo-lhes as mãos, as abençoava” (Marcos10.14, 16).

3. Jesus curou a filha de uma mulher estrangeira.

“Ó mulher, grande é a tua fé! Faça-se contigo como queres. E, desde aquele momento, sua filha ficou sã” (Mateus 15.28).

4. Jesus expulsou um demônio de uma criança.

“E Jesus repreendeu o demônio, e este saiu do menino; e, desde aquela hora, ficou o menino curado” (Mateus 17.18).

5. Jesus ressuscitou uma criança.

“Tomando-a pela mão, disse: Talitá cumi!, que quer dizer: Menina,eu te mando, levanta-te! Imediatamente, a menina se levantou” (Marcos 5.41-42).

6. Jesus usou os pães e os peixes de um menino para alimentar uma multidão.

“Está aí um rapaz que tem cinco pães de cevada e dois peixinhos; mas isto que é para tanta gente? Disse Jesus: Fazei o povo assentar-se” (João 6.9-10).

7. Jesus disse que devemos nos tornar como crianças.

“Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus. Portanto, aquele que se humilhar como esta criança, esse é o maior no reino dos céus” (Mateus 18.3-4).

8. Quando Jesus veio, as crianças clamaram: “Hosana ao Filho de Davi”.

“Vendo os principais sacerdotes e os escribas as maravilhas que Jesus fazia e os meninos clamando: Hosana ao Filho de Davi!, indignaram-se” ( Mateus 21.15).

9. Jesus predisse dias terríveis, quando os pais entregariam os filhos à morte.

“Um irmão entregará à morte outro irmão, e o pai, ao filho” (Marcos 13.12).

10. Jesus disse que, se recebemos uma criança em nome dEle, nós recebemos a Ele e ao Pai, que O enviou.

“Qualquer que receber uma criança, tal como esta, em meu nome, a mim me recebe; e qualquer que a mim me receber, não recebe a mim, mas ao que me enviou” (Marcos 9.37).

Que o Senhor nos ensine esta profunda verdade — amar as crianças em nome de Cristo significa amar a Deus Filho e a Deus Pai. De fato, significa muito mais: aceitar, receber a Deus e ter comunhão com Ele. O ministério de berçário, realizado em nome de Cristo, não é uma obra insignificante.


Devocional extraído do livro Provai e Vede, de John Piper.

Copyright: © Editora FIEL

Permissões: a postagem de trechos deste livro foi realizada com permissão da Editora Fiel. Se você deseja mais informações sobre permissões contate-os.

Adquira o livro |





  • Isaiasnogueira1

    Gente, gostaria de saber se usar cracker/keygen, é pecado? programas para tornar programas pagos em gratis.

    aguardo a resposta de voces acerca do assunto.

    • rita maia

      Opinião pessoal: você está lesando o proprietário do programa,  aqueles trabalham para ele, e os que tem seu sustento vindo da área de vendas do programa.
      Já trabalhei com venda de software para projetos, e a pirataria roubava demais de todos os envolvidos, desde desenvolvedores até o vendedor final. Por outro lado, o software era caríssimo e muitos escritórios de engenharia não tinham condições de pagar o +/- US$ 4,000.00 por licença deste Software.
      Pirataria é pecado irmão. É roubo, apesar de não parecer.

    • Pablo

      Concordo integralmente com rita maia. Depois de eu ter mexido muito com software pirata, comecei a trocar tudo por originais ou por opções freeware. Aliás, dá para usar só coisas free numa boa…

  • Isaiasnogueira1

    obg pessoal, voces estão certos. Pablo, verdade, há sim. obg!

  • Pr. José Galvão

    Maravilhosa mensagem!

  • http://profiles.google.com/azaelgw geraldo wellington da silva co

    Eu sei que não justifica, mas imagina quantos crentes usam programas piratas, crakers, por exemplo tem uma irmã q vem a minha casa p pedir as vezes p baixar uma música p poder ensaiar na igreja. Voltando ao assunto percebo q a área mais maltratada nas igrejas é a infantil. Não dizima né?! Mas esquece q os pais dizimam.

  • Lucia Maria Donegá de Moura

    Vejo no trabalho com crianças toda simplicidade eficaz do Evangelho. É a fé do grão de mostarda que se joga por terra confiando na pura ação de DEUS. Mas somos demasiadamente soberbos e precisamos de nossos grandiosos planos de evangelização para a cidade, o estado, o país,…enquanto isso, mais almas ( as das crianças próximas a nós ) vão se perdendo e avultando a multidão dos perdidos. É! Nossa relação com as crianças deixa bem claro se o alvo é a manifestação de Cristo ou de nossos incríveis poderes de atrair multidões para shows evangelísticos.