um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

John Piper – Um Vulcão da Semana Santa (Amor ao Extremo 8/9)

Sábado

Os que detinham Jesus zombavam dele, davam-lhe pancadas e, vendando-lhe os olhos, diziam: Profetiza-nos: quem é que te bateu? E muitas outras coisas diziam contra ele, blasfemando. (Lucas 22:63-65)

Enquanto lia estas terríveis palavras, me achei falando para Jesus: “Sinto muito. Sinto muito, Jesus. Perdoe-me!” Me senti como sendo um ator aqui, não apenas um espectador. Eu tanto era parte daquele horrível bando que eu sabia que eu era tão culpado quanto eles. Senti que se a fúria de Deus derramasse sobre aqueles soldados e me varresse junto, justiça teria sido feita. Não teria sido injusto que eu caísse sob a sentença deles.

Alguma vez já lhe incomodou que, às vezes no Antigo Testamento, quando um homem peca, muitos são varridos com a punição que Deus traz? Por exemplo, quando Davi pecou fazendo o censo do povo (2 Samuel 24:10), “de Dã até Berseba, morreram setenta mil homens do povo” (2 Samuel 24:15). Em outro exemplo, Acã guardou alguns dos despojos de Jericó e toda a sua família foi apedrejada (Josué 7:25). Talvez minha experiência ao ler Lucas 22 seja uma dica da divina justiça nisso.

Minha Rebelião Vulcânica

Uma analogia veio à minha mente. Os corações da humanidade são como um manto de magma sob a superfície de toda a terra. A lava derretida sob a terra é a perversidade do coração humano — a rebelião contra Deus e o egoísmo para com as pessoas. Às vezes um vulcão de rebelião entra em erupção, o que Deus vê como apropriado para julgamento imediato. Ele pode fazê-lo ao fazer com que a abrasadora e destrutiva lava flua não apenas pela montanha que entrou em erupção, mas também através dos vales que não entraram em erupção, mas que possuem o mesmo magma de pecado sob a superfície.

A razão pela qual eu confesso o pecado de espancar Jesus, mesmo que eu não estivesse lá, é que a mesma lava de rebelião existe em meu próprio coração. Eu o conheço o suficiente para saber disso. Então mesmo que ele não entre em erupção em tal atrocidade vulcânica como a crucificação, ele ainda é merecedor de julgamento. Se Deus escolhesse fazer chover lava de suas costas malignas em suas próprias cabeças e um pouco dessa lava consumisse até mesmo a mim, eu não seria capaz de encontrar defeito na justiça de Deus.

Podemos nos perguntar por que Deus escolhe pagar alguns males imediatamente e outros não. E podemos nos perguntar como ele decide quem varrer junto no julgamento. Por que setenta mil? Por que não cinquenta mil, ou cem, ou dez? Por que a esposa de Acã e não o vizinho avarento duas tendas depois? Eu duvido que as respostas estejam disponíveis a nós agora. Cabe-nos confiar que tais decisões vêm de uma Sabedoria tão grande que pode discernir todos os possíveis efeitos em todas as possíveis épocas, lugares e pessoas. O quão amplamente fluirá a lava da rebelião e do julgamento de uma pessoa depende somente da mão de Deus.

E eu acredito a partir de Romanos 8:28 que, mesmo que a lava de castigo me alcance a certa distância do vulcão, há misericórdia nisso. Eu não mereço escapar, pois conheço meu próprio coração. Mas confio em Cristo, então sei que o julgamento será transformado em alegria. Mesmo que ele me mate, ainda assim confiarei nele. Pois preciosa é à vista do Senhor a morte de seus santos.

***

Veja os outros devocionais da série

Por John Piper © 2013 Desiring God Foundation. Usado com permissão. Website em português: www.satisfacaoemdeus.org. Original: Love to the Uttermost (Free eBook for Holy Week)

Tradução: www.VoltemosAoEvangelho.com. Original: John Piper – Um Vulcão da Semana Santa (Amor ao Extremo 8/9)

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

2 Comentários
  1. Thiago Lobão Diz

    .senhor Jesus eu confio em ti, mesmo que venha eu perecer, eu digo mais uma vez, sempre confiarei em ti.

  2. Espada Do Espírito Diz

    Foram os capitães do templo sagrado em Jerusalém que prenderam Jesus. Agora esses supostos guardas da casa santa de Deus começaram a zombar de Jesus e davam-lhe pancadas. Depois de vendar-lhes os olhos, bateram-lhe no rosto, e disseram: "Profetiza-nos quem é que te bateu". Fizeram não somente isso, mas ele suportou com paciência essa contradição dos pecadores contra si mesmo. Lucas 22:63-65 (Comentário Bíblico Popular, versículo por versículo – William Macdonald )

Comentários estão fechados.