Somos cristãos. Radicais, de sangue puro, impregnados de Bíblia, que promovem missões, ganham almas, amam a igreja, buscam a santidade, saboreiam a soberania, cheios da graça, de coração quebrantado, felizes seguidores do onipotente Cristo crucificado. Ao menos esse é o nosso compromisso imperfeito.

Em outras palavras, somos calvinistas. Mas esse rótulo não chega nem perto da utilidade de dizer às pessoas no que você de fato acredita! Então esqueça o rótulo, se isso ajudar, e diga a elas claramente, sem evasão ou ambiguidade, no que você acredita a respeito da salvação.

Se elas perguntarem: “Você é um calvinista?”, diga: “Você decide. Aqui está o que eu creio…”

Eu creio que sou tão espiritualmente corrupto, orgulhoso e rebelde que eu nunca conseguiria chegar à fé em Jesus sem a vitória misericordiosa de Deus sobre os últimos vestígios de minha rebelião. (1 Coríntios 2:14; Efésios 3:1-4; Romanos 8:7).

Eu creio que Deus me escolheu para ser seu filho antes da fundação do mundo com base em nada do que há em mim, sendo pela presciência ou outra coisa. (Efésios 1:4-6; Atos 13:48; Romanos 8:29-30; 11:5-7).

Eu creio que Cristo morreu como um substituto dos pecadores para prover uma genuína oferta de salvação para todos os povos, e que ele tinha um invencível desígnio em sua morte para obter sua noiva escolhida, a saber, a assembleia de todos os que creem, cujos nomes foram eternamente escritos no livro do Cordeiro que foi imolado. (João 3:16; João 10:15; Efésios 5:25; Apocalipse 13:8).

Quando eu estava morto em meus delitos e cego para a beleza de Cristo, Deus me trouxe à vida, abriu os olhos do meu coração, me concedeu o dom de crer e me uniu a Jesus, com todos os benefícios do perdão, da justificação e da vida eterna. (Efésios 2:4-5; 2 Coríntios 4:6; Filipenses 2:29; Efésios 2:8-9; Atos 16:14; Efésios 1:7; Filipenses 3:9).

Estou eternamente seguro não principalmente por causa de qualquer coisa que eu tenha feito no passado, mas decisivamente porque Deus é fiel para completar a obra que ele começou — sustentar minha fé, me livrar da apostasia e me afastar do pecado que leva à morte. (1 Coríntios 1:8-9; 1Tessalonicenses 5:23-24; Filipenses 1:6; 1Pedro 1:5; Judas 25; João 10:28-29; 1João 5:16).

Chame do que quiser, esta é minha vida. Eu creio nisso porque eu vejo isso na Bíblia. E porque eu experimentei isso. Eterno louvor à grandeza da glória e da graça de Deus!

Porque todos os arminianos são calvinistas

O arminiano não consegue escapar da eleição soberana. Em certo sentido, o arminiano ainda é um calvinista, ainda que um “calvinista anônimo”.

Natal e o Calvinismo

O Natal dificilmente parece ser a época apropriada para discutir as doutrinas da graça. Afinal de contas, somos levados a crer que o Natal é gloriosamente abrangente e o Calvinismo é desafortunadamente restrito.

Como o Calvinismo torna pastores menos esgotados

O calvinismo equilibra biblicamente a soberania de Deus e a responsabilidade humana de uma maneira que deve produzir ministros saudáveis e revigorados.

As Doutrinas da Graciosidade: Mais cinco pontos para os jovens calvinistas

David Mathis: É uma enorme vergonha quando a boa teologia ganha má reputação por causa de má conduta.

A Flor de 400 Anos: Armínio, Dort e a Batalha pela Graça

Kevin DeYoung: O Sínodo de Dort é o maior marca d’água do Calvinismo, mas nunca teria acontecido se não fosse pelo Arminianismo.

Calvinista que não é piedoso está com defeito de fabricação

Philip Ryken: O calvinismo é completamente comprometido com o calor da piedade pessoal porque é completamente comprometido com a Bíblia.

Calvinismo da cozinha

John Piper: Charles Spurgeon nunca cursou faculdade, muito menos seminário. Mas aos vinte anos ele sabia mais de teologia bíblica do que muitos pastores de hoje.

Semper Reformanda em seu contexto histórico

W. Robert Godfrey fala sobre o significado do lema reformado “Semper Reformanda” em seu contexto histórico.

João Calvino: teólogo para as eras

Steven Lawson: “João Calvino, sem dúvida, é o mais importante teólogo protestante de todos os tempos”.

A absoluta soberania de Deus…e a evangelização

Nesta tirinha Adam Ford mostra como a crença na absoluta soberania de Deus encoraja a evangelização.