J. I. Packer – O Espírito e a Adoção

[…] nossa adoção nos dá a chave do entendimento do ministério do Espírito Santo.

Os cristãos de hoje enfrentam muitas armadilhas e perplexidades a respeito do ministério do Espírito Santo. O problema não está em encontrar o título correto, mas em saber qual é a experiência correspondente à obra de Deus referente ao título. Portanto, sabemos pelas Escrituras que o Espírito ensina o que vai na mente de Deus e glorifica o Filho de Deus; que ele é o agente do novo nascimento dando-nos compreensão para conhecer a Deus e também o novo coração para obedecer-lhe. Sabemos ainda que ele habita nos cristãos, santifica-os e fortalece-os para a peregrinação diária. Segurança, alegria, paz e poder são seus dons especiais. Todavia, muitos reclamam, confusos, que estas afirmações são para eles simples fórmulas, não correspondendo a nada que reconheçam em sua vida.

Naturalmente, tais cristãos se sentem perdendo algo vital e perguntam ansiosamente como poderão preencher o vazio entre a imagem de vida no Espírito apresentada pelo Novo Testamento e seu sentimento de aridez na experiência diária. Então, talvez em desespero, resolvem empreender por si mesmos a busca de um acontecimento psíquico transformador pelo qual possam sentir que a “barreira da falta de espiritualidade” pessoal foi rompida para sempre. O acontecimento pode ser denominado “experiência de Keswick”1, “rendição total”, “batismo do Espírito Santo”, “santificação total”2, “selamento com o Espírito”, dom de línguas, a “segunda conversão” (se formos guiados por uma estrela católica em vez de protestante) ou a oração silenciosa ou em conjunto.

Entretanto, se alguma coisa acontecer, e eles se sentirem capazes de identificá-la com o que estavam procurando, logo descobrem que a “barreira da falta de espiritualidade” não foi afinal rompida e assim mudam ansiosos para alguma coisa nova. Muitos hoje são apanhados nessa confusão. Perguntamos: que ajuda pode ser oferecida a essas pessoas? A luz derramada pela verdade da adoção sobre o ministério do Espírito fornece a resposta.

A causa de problemas como os descritos é um tipo de sobrenaturalismo falso e mágico que leva as pessoas a ansiar pelo toque transformador, como o de uma força elétrica impessoal, que as libertará completamente de todos os fardos e cadeias da vivência consigo e com os outros. Elas crêem ser esta a essência da verdadeira experiência espiritual. Pensam que a obra do Espírito é dar-lhes experiências como as viagens de LSD (que prejuízo causam os evangelistas quando prometem isto e os viciados equiparam suas fantasias a experiências religiosas! Será que nunca aprenderemos a fazer distinção entre coisas diferentes?).
O fato, porém, é que esta busca por uma explosão interior em lugar de comunhão íntima mostra a profunda incompreensão do ministério do Espírito. A verdade vital a ser aprendida é que o Espírito foi dado aos cristãos como o “Espírito que adota”, e é assim que ele age em todo esse seu ministério. Por isso, sua tarefa e seu propósito é levar os cristãos a pensar com clareza cada vez maior no significado de seu relacionamento filial com Deus em Cristo e a reagir cada vez mais profundamente com relação a Deus. Paulo destaca essa verdade ao escrever: “[vocês] receberam o Espírito que os adota como filhos, por meio do qual clamamos ‘Aba, Pai'” (Rm 8:15); “Deus enviou o Espírito de seu Filho ao coração de vocês, e ele clama: ‘Aba, Pai'” (Gl 4:6).

Assim como a adoção em si mesma é o pensamento-chave para desvendar a idéia da vida cristã no Novo Testamento e o ponto focal para unificá-la, o reconhecimento de que o Espírito vem a nós como o Espírito que adota é a idéia-chave para desvendar tudo o que o Novo Testamento nos fala sobre seu ministério junto aos cristãos.

Partindo dessa idéia central, vemos que sua obra apresenta três aspectos. Em primeiro lugar, ele nos torna e nos mantém conscientes — às vezes mais claramente, mas sempre, de algum modo, conscientes, mesmo quando a parte maldosa que há em nós nos leva a negar tal consciência — de que somos filhos de Deus pela espontânea graça, por meio de Jesus Cristo. Esta é sua tarefa de prover fé, segurança e alegria.

Em segundo lugar, ele nos leva a olhar para Deus como Pai, mostrando para com ele respeitosa ousadia e confiança ilimitada, como é natural em filhos seguros do amor paterno. Esta é sua tarefa de nos fazer clamar “Aba, Pai” — a atitude descrita é a expressa pelo clamor.

Em terceiro lugar, ele nos impele a agir de acordo com nossa posição de filhos reais pela manifestação da semelhança familiar (isto é, de conformidade com Cristo), pela promoção do bem-estar da família (isto é, amando aos irmãos) e pela manutenção de sua honra (buscando a glória de Deus). Esta é sua obra de santificação. Por meio deste aumento progressivo da consciência e do caráter filial, no esforço de procurar o que Deus ama, evitando o que ele odeia “Somos transformados em sua própria imagem com um esplendor cada vez maior, e essa é a obra do Senhor, que é o Espírito” (2Co 3:18; CPH).

Portanto, não é quando nos esforçamos na busca de sensações e experiências de qualquer sorte, mas quando buscamos a Deus, olhando para ele como nosso Pai, valorizando sua amizade e descobrindo em nós a preocupação cada vez maior em conhecê-lo e agradá-lo, que a realidade do ministério do Espírito se torna visível em nossa vida. Esta é a verdade necessária que pode nos tirar do pântano das suposições não-espirituais sobre o Espírito, no qual tantos estão se debatendo hoje em dia.

1 Designação do movimento inglês (desde 1875) que oferecia palestras de quatro ou cinco dias sobre renovação espiritual. Essas palestras tinham por objetivo apresentar às pessoas o malefício do pecado, ensinar a viver de forma vitoriosa e desafiar ao comprometimento total com Deus e seu serviço.
2 Expressão teológica usada nos círculos holiness para designar “o ato divino, posterior à conversão, mediante o qual os crentes são libertados do pecado original, ou depravação, e sua natureza carnal é erradicada e trazida ao estado de devotamento completo a Deus, e à santa obediência do amor, aperfeiçoada” (http://www.freewebs.com/ihcircuitriders/ entiresanctification.htm).


Trecho extraído do livro:
O Conhecimento de Deus, de J. I. Packer
Editora Mundo Cristão

4 Comentários
  1. Anonymous Diz

    Muito bom mesmo!Parabens pelo esforço meu amigo de levar uma palavra seria e equilibrada a todos q navegam por aqui.Q Deus possa continuar lhe abençoando!Paz!

  2. Vinícius Pimentel Diz

    Vini,

    Já li vários textos, transcrições das mensagens levadas nas Conferências Keswick. De fato, há uma ênfase naquilo que alguns chamam de "vida espiritual profunda". Todavia, não me parece que estas conferências estavam centradas numa espécie de experiência de "explosão interior" ou de algum êxtase espiritual momentâneo.

    Ao contrário, tenho lido, por exemplo, textos da missionária Ruth Paxson, que enfatizam três aspectos fundamentais da vida cristã: a nossa posição em Cristo, conquistada unicamente pela obra do Senhor na cruz; a santificação pessoal, experiencial e progressiva; e o "andar no Espírito" ou "ser guiado pelo Espírito", experiência que não é resultado de algum êxtase, mas de submeter-se à vontade de Deus em cada circunstância da vida. Embora não concorde com todo o seu ensino, percebi bastante equilíbrio no ensino acerca da experiência de comunhão com o Espírito Santo.

    Talvez o irmão tenha mais conhecimento do que eu acerca dessas conferências. Mas os textos que li não me permitem ter esta visão negativa que o Packer expressa no texto, relacionando-as a um "sobrenaturalismo falso e mágico".

    Em Cristo,
    Vinícius

  3. Anonymous Diz

    [Mauricio Gomes]- Gloria e paz aos irmãos.Gostei muito da explanação, sempre tive muitas duvidas sobre o Espirito Santo, mas graça ao nosso Pai tudo esta sendo revelado atravez da verdade e pessoas colaboradoras do Evangelio de Cristo.
    Continue firme na caminhada irmão….abraço.

  4. Anonymous Diz

    cvxcvxcv

Comentários estão fechados.