um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

Esposa incrédula: o que fazer?

Graça e Paz sejam convosco irmãos do Voltemos ao Evangelho. Louvo a Deus pelo Blog. Caros Irmão, Deus tem me mostrado a cada dia sua verdade que liberta, tem me dado muito a conhecer a glória do Deus vivo. Mas a cada conhecer de seu caráter, mais tribulações tenho passado. Minha esposa não é convertida e meu casamento está uma guerra. Ela não aceita essa minha mudança e vejo o quanto a guerra é espiritual. Já não estou tendo mais forças. Já pensei em deixá-la, mas a palavra de Deus me diz só em caso de prostituição (Mateus 5;32). O que devo fazer? Já falei a verdade para minha esposa e ela não aceita. Devo continuar ou Deus não me perdoará se deixar minha família que Deus me confiou? Preciso de ajuda o que devo fazer como agir?

Graça e Paz.

Bendito seja o Senhor que te chamou das trevas para a luz, e que graciosamente está a cada dia revelando as preciosas verdades de seu Evangelho a você. Posso dizer que você não é o único filho de Deus que esteja passando por esta batalha familiar.

Vamos primeiro às ordenanças das Escrituras quanto à questão do divórcio.

As Escrituras ordenam que não se aparte o marido não se aparte de sua mulher.

“Ora, aos casados, ordeno, não eu, mas o Senhor, que a mulher não se separe do marido (se, porém, ela vier a separar-se, que não se case ou que se reconcilie com seu marido); e que o marido não se aparte de sua mulher.” I Coríntios 7.10-11

As Escrituras sugerem que se algum irmão ou irmã está vivendo com um cônjuge incrédulo e o mesmo quer continuar vivendo junto, que ambos não se separem.

“Aos mais digo eu, não o Senhor: se algum irmão tem mulher incrédula, e esta consente em morar com ele, não a abandone; e a mulher que tem marido incrédulo, e este consente em viver com ela, não deixe o marido. Porque o marido incrédulo é santificado no convívio da esposa, e a esposa incrédula é santificada no convívio do marido crente. Doutra sorte, os vossos filhos seriam impuros; porém, agora, são santos.” I Coríntios 7.12-14

As Escrituras sugerem que se o cônjuge descrente quiser apartar-se, que se aparte, pois o cônjuge crente não precisa ficar sujeito à escravidão.

“Mas, se o descrente quiser apartar-se, que se aparte; em tais casos, não fica sujeito à servidão nem o irmão, nem a irmã; Deus vos tem chamado à paz.” I Coríntios 7.15

E como você já compartilhou que tem conhecimento de que o divórcio é possível somente em casos comprovados de adultério, resta apenas cumprir a ordenança bíblica com respeito ao casamento.

“Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela, para que a santificasse, tendo-a purificado por meio da lavagem de água pela palavra, para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito. Assim também os maridos devem amar a sua mulher como ao próprio corpo. Quem ama a esposa a si mesmo se ama. Porque ninguém jamais odiou a própria carne; antes, a alimenta e dela cuida, como também Cristo o faz com a igreja; porque somos membros do seu corpo. Eis por que deixará o homem a seu pai e a sua mãe e se unirá à sua mulher, e se tornarão os dois uma só carne. Grande é este mistério, mas eu me refiro a Cristo e à igreja.  Não obstante, vós, cada um de per si também ame a própria esposa como a si mesmo, e a esposa respeite ao marido.” Efésios 5.25-33

Encare esta situação como uma oportunidade de crescimento espiritual, porque nós não podemos nos livrar das pessoas simplesmente porque elas não atendem as nossas expectativas de mudanças. Aproveite esse momento para demonstrar para a sua filha o quanto Deus tem derramado amor em seu coração, essa é uma oportunidade para demonstrar o caráter de Cristo em nós.

Não ignoro a dor, e tudo o que acompanha um relacionamento assim, mas aprouve a Deus permitir que você passe por essa situação, e ciente disso é certo que Deus tem um propósito tanto para a própria glória dele, quanto para o seu desenvolvimento em conformidade com a imagem de Cristo.

Procure o seu pastor, converse com ele, e principalmente peça para que ele esteja orando com você por esta situação. Compartilhe com alguma pessoa mais madura na fé o seu caso e tenha alguém que possa estar orando com você por sua família.

Medite esta exortação bíblica:

“Alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo: alegrai-vos. Seja a vossa moderação conhecida de todos os homens. Perto está o Senhor. Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus. Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento. O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso praticai; e o Deus da paz será convosco.” Filipenses 4.4-9

E por fim. O perdão de Deus é para aqueles que pecaram e se arrependeram de seu pecado, não para aqueles que premeditam pecar e transgredir os mandamentos, sabendo que Deus pode perdoar.

Leia e medite em Romanos 6.1-23.

Confie em Deus!

Por: João Victor. © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Original: Esposa incrédula: o que fazer?

15 Comentários
  1. Filipe Luiz C. Machado Diz

    Amado, queria apenas deixar o adendo de que Paulo diz: “Porque a mulher que está sujeita ao marido, enquanto ele viver, está-lhe ligada pela lei; mas, morto o marido, está livre da lei do marido.” Rm 7.2

    Paulo nos diz também que o casamento é “eterno”, não deve ser desfeito por cousa alguma. Alguns bons comentaristas tem comentado acerca da exceção que Jesus teria dito, quando falou acerca da separação apenas em caso de adultério. Comentam eles que antigamente se dava uma carta de adultúrio quando não se queria mais o conjuge, o fato é que essa carta não era data durante o casamento, mas no que pra nós se tornou o noivado. Ou seja, caso o homem ou a mulher tivesse adulterado pré-casamento (na verdade nos tempos antigos o namoro e noivado eram tidos como coisa séria. Para eles, a partir do momento em que um homem e uma mulher estavam prometidos em casamento, já se encontravam casados, apenas não habitavam juntos nem se relacionavam), era-lhes lícito não co-habitar nem ter sequer uma relação com aquela pessoa, pois visto que estava prometida em casamento (já “casada”), havia adulterado. Partindo disso, Jesus então não concede exceção ao divórcio.

    Como você bem colocou, se a esposa do amado irmão do texto realmente não quiser mais, ele não deve se sentir culpado por fazer o divórcio (embora esteja consumido de extrema tristeza, algo que não faço ideia do quão é doloroso, graças a Deu). Caso venha a se separarem, importa que o marido permaneça só. De acordo com a palavra, ele poderá apenas casar quando sua “antiga” esposa falecer.

    Deixo o link de uma breve explicação sobre o assunto. Caso queira dar prosseguimento a essa conversa, peço que me mande um e-mail ou recado em meu blog.

    Grande abraço!
    e-mail: [email protected]

    Link: http://www.monergismo.com/textos/familia_casamento/divorcio_novo_casamento_piper.htm

    1. Pr João Victor Diz

      Sim de fato esta é a minha posição. Caso separe- se que fique sozinho até morte da esposa. Alguns usam do argumento que quando há o adultério o adultero “se tornou uma só carne” com a outra pessoa deixando a pessoa traída “livre” para recasar-se, mas ainda sim essa posição não tem apoio Escriturístico, simplesmente porque devemos (Esposos) amar como Cristo amou a igreja, e sendo assim, Cristo nunca se apartaria de sua amada.

    2. Filipe Luiz C. Machado Diz

      Que bom que o irmão compartilha da mesma doutrina. É que no texto você não havia deixado claro essa posição, daí pensei ser oportuno salientar.

      Um abraço!

    3. André Diz

      Excelente matéria! Penso que este tópico, bem como os comentários aqui partilhados, fecham esse assunto. O homem sempre vai requer achar um modo a satisfazer o seu desejo carnal momentâneo, ou tentar justificar-se, em cima do erro do próximo, no caso, do conjuge. E na sábia colocação do Pr. João Victor através das palavras de Paulo em Efésios 5.25: “Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela…” não nos resta outra opção a não ser amar as nossas esposas incondicionalmente, tal como Cristo assim fez por nós.

    4. Rejane Diz

      Isto que é a verdade.nem por adultério seguido por abandono, a parte inocente tem que permanecer sozinha,assim estarás vivendo a verdade de Cristo.

  2. anselmo ´véras Diz

    Irmão, eu tenho 58 anos de idade, tenho dois filhos e duas filhas, nove netos, próximo mês nascerá o décimo (Samuel Lucas), e fiz 37 anos de casado no dia 29/12/2010.
    Sendo conhecedor da soberania de Deus, sem, entretanto desprezar a responsabilidade humana e, passando pelo mesmo problema que o irmão passa, e por todo o exposto acima, creio que tenho bastante experiência para dizer o seguinte: entregue toda esta situação a Deus. A sua responsabilidade é tratar sua esposa cada vez melhor. Você tem que fazer sua parte de crente, independente das circunstâncias que o cercam. O crente é você, não sua esposa. Todo sofrimento agora é pequeno demais com a glória do porvir. Lembre-se, estaremos um dia face a face com o Senhor Jesus. Não vale a pena passar por qualquer eventualidade? Lembre-se do que nosso irmão Paulo disse aos colossenses em 3.19 e 4.5-6: “Maridos, amai vossas esposas, e não vos torneis amargos para com ela” e “Andai em sabedoria para com os que estão de fora, remindo o tempo. A vossa palavra seja sempre em graça, temperada com sal, para que saibas como haveis de responder a cada um.”
    Que Deus te abençoe.

    1. Pr João Victor Diz

      Amém!

    2. Carlos Nazari Diz

      bênção! amém.

    3. AM Diz

      Prezado irmão, eu estou a viver uma situação parecida, mas
      vou perseverar, porque a minha esposa apesar de tudo é uma esposa fiel, e sei
      que Deus vai mudar o seu coração.

  3. Gaby Branda Diz

    que texto abençoado. simples e claro.

  4. Christiane Diz

    Não estou passando por essa situação.Mas,teve algumas palavras que me chamarão a atenção e foi muito edificante para mim!!!
    Estou me tornando uma leitora arsidua deste site!rsrsrsr
    Muito abençoador em todos os pontos!

    Deus abençoe!

  5. Cibele Diz

    Irmãos estou numa situação parecida, é uma luta constante e já perdi algumas batalhas, meu marido era assíduo na igreja antes de casarmos, quando o conheci estava afastado, quando nos casamos ele foi ficando cada vez mais distante e agora está irreconhecível, não aceita nem que eu louve em casa e quando quero ir aos cultos levanta mil questões para me impedir, isso me fez me afastar da igreja e pra piorar mudamos para um local muito distante da igreja que congregava. Ah irmãos snto-me tão só nesta caminhada, só jesus sabe quantas lágrimas derramadas! Se alguém puder me orientar, agradeço. Que a paz do Senhor sea com todos.

  6. Ester Diz

    Agradeço a Deus! pelas pessoas que estão dedicando neste site, que de muita forma esta sendo muita benção para a minha vida! obrigada pelos textos postados, são edificantes a palavra de Deus!!!

  7. Elaine Diz

    Creio esteja numa situação em termos parecida, porém somos os dois cristãos mas ele não aceita se casar , moramos juntos a 3 anos, e ele alega que por motivos dele não pensa em se casar, meu coração chora porque não posso fazer a obra do Senhor, me sinto impedida, infeliz, oro todos os dias, mas não vejo alternativa , somente ouço o NÃO todos os dias.. peço perdão a Deus..mas meu coração esta contrito demais.. já busquei na bíblia, busquei ajuda de pastores…mas agora descanço no Senhor…

  8. Jorge Luiz Ramos Diz

    QUE DEUS TE ABENÇOE! E QUE POSSA ORAR POR MIM TAMBÉM!

Comentários estão fechados.