Kevin DeYoung – Jesus odeia religião? Talvez… na verdade, não

Há um novo vídeo no Youtube virando um viral e ele é sobre Jesus e religião.

Especialmente sobre como Jesus odeia religião.

O vídeo – que em poucos dias foi de centenas de visitas a milhares e milhões – mostra Jefferson Bethke, que vive em Seattle, recitando uma poesia bem elaborada e acuradamente produzida. O argumento, de acordo com Bethke, é “enfatizar a diferença entre Jesus e a falsa religião”. Nos últimos dias, vi esse vídeo aparecer por todo Facebook. Vi algumas pessoas da minha igreja que gostaram. Algumas perguntaram o que eu acho. Outros me disseram que há algo estranho sobre o poema, mas não souberem articular muito bom o que é. Tentarei explicar o que é isso em um momento. Mas primeiro assista o vídeo você mesmo.

Antes de dizer qualquer coisa, permita-me dizer que Jefferson Bethke parece ser um jovem sincero que deseja que as pessoas conheçam a escandalosa graça de Deus. Estou certo de que ele diz a verdade quando fala em sua página no Facebook: “Eu amo Jesus, sou viciado na graça, e sou apenas um cara bagunçado tentando torná-lO conhecido”. Se eu o encontrasse face a face, aposto que eu gostaria de Jefferson e de sua honestidade e paixão. Aposto que ficaria encorajado por sua história e seu desejo de libertar pessoas das garras da religião de auto-ajuda e auto-justificação.

Ainda assim (você sabe que ia chegar nisso), em meio a tantas coisas verdadeiras nesse poema, há muito que é enganoso ou pouco proveitoso

Esse vídeo é o tipo de coisa que muitos cristãos mais jovens amam. Ele soa bem, bem feito e nos faz sentir-nos bem. Mas é verdadeiro? Essa é a questão que devemos sempre perguntar. E para responder essa questão, quero caminhar pelo poema lentamente, verso por verso. Não porque eu acho que essa é pior coisa de todos os tempos. Certamente não é. Não porque  acho que esse vídeo gerará uma revolução mundial. Quero gastar algum tempo nisso porque Bethke capturou perfeitamente o temperamento e, em minha mente, a confusão de muitos dos jovens cristãos mais sinceros.

Verso 1

E se eu lhe disser que Jesus veio para abolir a religião?
E se eu lhe disser que votar num partido conservador não realmente era a missão dele?
E se eu lhe disser que ser conservador não significa que automaticamente você é um cristão?
E só porque você chama algumas pessoas de cegas
Isso não lhe dá visão automaticamente

Ok, a linha sobre os conservadores é um golpe baixo (se você votar neles) ou uma declaração profética (se você gosta de Jim Wallis – NT.: conselheiro espiritual de Barack Obama). Embora seja verdade que “conservador não signifique automaticamente cristão” e, em algumas partes dos EUA, essa pode ser uma palavra que os membros de igreja devem ouvir, duvido que colocar os direitistas em seu lugar é a questão mais séria de Seattle.

Mais importante é a abertura de Bethke: “Jesus veio abolir a religião”. Esse é o argumento central do poema. O argumento – e muitos poemas estão argumentando sobre algo – repousa na distinção rígida entre religião de um lado e Jesus do outro. Se esse argumento é justo vai depender de sua definição de religião. Bethke vê a religião como a tentativa do homem de merecer o favor de Deus. Religião é igual a autojustificação, orgulho moral e hipocrisia. Religião é totalmente Lei e nada Evangelho. Se isso é religião, então Jesus certamente é contrário.

Mas, não é isso que religião é. Podemos dizer que é o que se tornou para algumas pessoas ou o que entendemos que ela seja. Mas palavras ainda importam e não devemos simplesmente defini-las da maneira que quisermos. “Jesus odeia religião” comunica algo que “Jesus odeia a autojusticação” não diz. Dizer que Jesus odeia orgulho e hipocrisia não é novo. Dizer que ele odeia religião – ah, isso é legal. As pessoas ouvem “religião” e pensa em regras, rituais, dogma, pastores, sacerdotes, instituições. As pessoas amam Oprah, A Cabana e adesivos “tenho um lado espiritual, independente das religiões” porque o clima de nosso país é de que quer-se Deus, mas sem as estruturas que vêm com o cristianismo tradicional. Amamos o Jesus que odeia religião.

O único problema é que ele não odiava. Jesus era um judeu. Ele participou de cultos na sinagoga. Ele obedeceu os dias santos. Ele não veio abolir a Lei e os Profetas, mas cumpri-los (Mt 5.17). Ele fundou a igreja (Mt 16.18). Ele estabeleceu a disciplina eclesiástica (Mt 18.15-20). Ele instituiu uma refeição ritual (Mt 26.26-28). Ele ensinou seus discípulos a batizar pessoas e ensinar os outros a obedecer tudo que ele ordenou (Mt 28.19,20). Ele insistiu que as pessoas cressem nele e em certas coisas sobre ele (João 3.16-18; 8.24). Se religião é caracterizada por doutrina, mandamentos, rituais e estrutura, então Jesus não é seu garoto-propaganda do ódio à religião. Esse é o argumento central do livro que eu e Ted Kluck escrevemos anos atrás.

Se religião é caracterizada por doutrina, rituais e estrutura, Jesus não é seu garoto-propaganda do ódio à religião.

A palavra “religião” aparece cinco vezes na versão ESV da Bíblia. É, em si mesma, uma palavra inteiramente neutra. Religião pode referir-se ao Judaísmo (At 26.5) ou à fé judaico-cristã (At 25.19). Religião pode ser ruim quando é fabricada (Cl 2.23) ou falha em domesticar a língua (Tg 1.26). Mas religião também pode ser boa, quando preocupa-se com viúvas, órfãos e pratica a pureza moral (Tg 1.27). A não ser que definamos a palavra para encaixar-se a nossos propósitos, simplesmente não há base bíblica para dizer que Jesus odiava a religião. O que se ganha ao usar esse palavreado, sem uma explicação ou alertas cuidadosos, será superado pelo que se perde quando damos a impressão de que religião é mistura que corrompe um relacionamento com Jesus.

Verso 2

Quero dizer, se a religião é tão boa, por que causou tantas guerras?
Por que constrói igrejas enormes, mas não consegue alimentar os pobres?
Diz às mães solteiras que Deus não as ama se elas já estão divorciadas
Mas no Velho Testamento, Deus realmente chamou pessoas religiosas de prostitutas

Essas alegações dizem muito pouco porque tentam dizer demais. Aconteceram guerras religiosas nos últimos dois mil anos? Sim. Aconteceram guerras por dinheiro, terra, egos, mulheres, escravidão, democracia, liberdade, comunismo, fascismo, nazismo, terrorismo e qualquer outra coisa que você imaginar? Sim. Mais ainda, se você quer culpar a religião pelos conflitos, não pode retirar Jesus facilmente da equação. Você pode não gostar das Cruzadas, mas muitos dos cruzados pensavam que estavam sinceramente lutando por Jesus ao tentar retomar a Terra Santa das mãos dos muçulmanos.

Mais importante, os cristãos precisam parar de perpetuar o mito de que nós basicamente grandes fracassos no mundo. Isso pode ganhar alguma atenção dos não-cristãos, mas não é verdade. Somos pecadores como todos os outros, portanto nosso registro é variado. Fomos estúpidos e egoístas por vários anos. Mas também temos sido o sal da terra. O avivamento evangélico na Inglaterra, no século XVIII, é grandemente reconhecido por evitar o tipo de banho de sangue que foi derramado na França durante a “iluminada” Revolução Francesa. Cristãos (e conservadores em geral) dão mais para causas de caridade que suas contrapartes seculares. Cristãos administram incontáveis abrigos, centros de gravidez, missões de resgate e estoques de alimentos. Cristãos cuidam de orfanatos, ajudam clínicas, cavam poços, plantam lavouras, ensinam crianças e combatem a AIDS por todo globo. Embora é sempre possível que façamos mais e possamos estar cegos para as necessidades ao nosso redor às vezes, não existe grupo de pessoas que fez mais pelos pobres que os cristãos. Se você souber de uma igreja com um monte de elevadores, mas nenhum dinheiro e nenhum coração junto aos feridos, então ataque essa igreja. Mas, precisamos parar com a autoflagelação e a difamação de que cristãos nada fazem pelo pobre. Quanto ao divórcio, isso é frequentemente (mas nem sempre) errado. Mesmo quando foi feito errado, há perdão quando as pessoas se arrependem. Que qualquer igreja que não pense ou demonstre haver espaço na cruz para mães solteiras ou divorciadas envergonhe-se.

E sobre a linguagem dura do Velho Testamento – fere dos dois lados. Todas as pessoas no Antigo Testamento, e em toda a área do antigo Oriente, eram pessoas religiosas. Alguns deles eram falsos e hipócritas e prostituídos. Alguns eram idólatras e adúlteros. Alguns realizam seus rituais e ignoravam as questões mais importantes da Lei. E alguns desses religiosos eram o remanescente de Deus, o povo santo de Deus e amigos de Deus. Nos dois testamentos, Deus não tem problema em repreender os religosos e nem problema em amá-los.

Verso 3

A religião pode pregar sobre graça, mas o que pratica é uma outra coisa
Tendem a ridicularizar o povo de Deus, como fizeram com João Batista
Eles não podem corrigir os seus problemas, e tentam apenas mascará-lo
Sem perceber que a religião é como jogar perfume sobre um caixão
O problema com a religião é que ela nunca chega no centro do problema
É apenas modificação de um comportamento, como uma longa lista de tarefas
É como se vestir bem por fora, parecendo bonito e arrumado
Mas é engraçado que eles faziam isso com as múmias
Enquanto o corpo apodrecia por baixo daquilo tudo

Já comentei que não acho que “religião” é o termo certo para o que Bethke está comentando. Mas ele fez um ótimo trabalho em descrever a falsa religião. Jesus recriminou os fariseus por serem “sepulcros caiados”, por parecerem-se belos por fora e cheios de pessoas mortas por dentro, por parecerem justos, mas serem cheios de hipocrisia e impiedade (Mt 23.27,28). É possível que igrejas e frequentadores tenham a reputação de estar vivos, mas na verdade estarem mortos (Ap 3.1). Algumas igrejas alegam amar a graça, mas tudo que elas te dão é legalismo. Bethke está atacando um problema real.

Verso 4

Não estou querendo julgar ninguém
Só estou dizendo que não adianta sair na rua com cara de crente, porque há um problema
Se a pessoas só sabem que você é cristão pelo seu Facebook
Quer dizer, em todos os outros aspectos da vida, você sabe que não tem lógica
É como dizer que você joga para um time só porque você comprou uma camisa oficial
Eu sei como é, pois já passei por isso, mas ninguém parecia se importar comigo
Agir como um garoto crente, enquanto é viciado em pornografia
No Domingo vai para a igreja, mas no sábado fica bêbado
Vivendo como se tivesse sido criado apenas para transar muito e se acabar na balada
Eu passei minha vida inteira construindo essa fachada bonita
Mas agora que conheço Jesus, me vanglorio em minha fraqueza

Eu queria que Bethke, e críticos como ele, admitissem que eles estão “julgando”. Ele está avaliando o cristianismo. Ele está criticando a igreja enquanto a examina. O poema inteiro é um julgamento duro sobre pessoas religiosas. Claro, julgar não é o mesmo que realizar um julgamento farisaico. Afinal, eu estou julgando esse poema. Logo, não acho que o Bethke está fazendo é errado. Só queria que ele não tentasse alegar um nível moral mais elevado.

Fora isso, esse é outro bom verso. Bethke conta sua própria história para provar que podemos ser realmente bons em enganar alguém incluindo a nós mesmos. Precisamos perceber que existem muitas pessoas em muitas de nossas igrejas que parecem ter tudo certo, mas não têm. Elas estão brincando consigo mesmas e não deveríamos encorajá-las a essa auto-ilusão.

Verso 5

Porque se a graça é como água, então a igreja deveria ser um oceano
Não é um museu para pessoas boas, é um hospital para doentes de alma
Isso significa que eu não preciso esconder meus erros, eu não preciso esconder meu pecado
Porque não depende de mim, eu é que dependo dEle
Veja bem, porque quando eu era inimigo de Deus, certamente não era um fã
Ele olhou para baixo e disser “eu quero esse cara”
É por isso que Jesus odiava religião, e chamou-os de “tolos”
Você não vê que seguir a Ele é melhor que seguir algumas regras
Agora vou deixar bem claro: Eu amo a igreja! Eu amo a Bíblia! E sim, eu acredito no pecado!
Mas, se Jesus fosse até a sua igreja, vocês o deixariam entrar?
Vale lembrar que ele foi chamado de glutão e beberrão por homens religiosos
Mas o filho de Deus nunca suportou autojustificação. Nem então e nem agora

Há muita coisa boa e umas poucas confusas nesse verso. A igreja deve ser um oceano de graça. Nós não temos de esconder nossos pecados diante de Deus. Isso não depende de nós. Deveríamos amar a igreja e a Bíblia, e acreditar que o pecado existe. Jesus morreu por nós enquanto ainda éramos pecadores. Jesus nunca apoiou a autojustificação. Tudo isso é maravilhosa e poderosamente verdadeiro.

Porém, permita-me levantar alguns pontos.

Primeiro, precisamos nos lembrar de que o propósito de um hospital é ajudar pessoas doentes a melhorarem. Tenho certeza de que Bethke concordaria com isso. Mas, não há indicação nesse poema de que a graça que perdoa é a graça que transforma. Seguir Jesus é mais que guardar regras, mas não é menos. Em um sentido, amar Jesus também é guardar regras. (João 14.15,21,23,24). Não estou certo de como o Jesus de João 14 se encaizaria no mundo do poema de Bethke.

Segundo, não há dignidade inerente em estar doente. Jesus ama a honestidade que reconhece o pecado, o odeia e abandona, mas ele não ama a autenticidade por si mesma. Temos de ser mais cuidadosos com nossa linguagem. Quando Paulo gloriou-se em sua fraqueza, ele gloriava-se em seu sofrimento, sua falta de grandeza e as provações que suportou (1 Co 2.3; 2 Co 11.30, 12.9). Ele nunca gloriou-se em sua tentação ou em seus pecados – passados ou presentes. Não foi isso que ele quis dizer com fraqueza. Ser doente não é a questão, mas ser perdoado e transformado.

Terceiro, os líderes religiosos odiavam Jesus, primeira e principalmente porque pensavam que ele era um blasfemo que ousou fazer-se igual a Deus (Mt 26.57-68; Mc 14.53-65; Lc 22.66-71; e menos claro em Jo 18.19-24). É verdade que muitos da elite religiosa acharam Jesus muito liberal em relação a suas refeições e conhecidos. Eles o chamaram de “glutão e beberrão” (Lc 7.34), embora não fosse nenhum dos dois. Mas eles também disseram que João Batista “tinha demônio” (Lc 7.33). Eles eram tão contrários ao asceticismo de João quanto estavam furiosos com a liberdade de Jesus. Mais que odiar a graça, os líderes judeus odiavam a verdade sobre Cristo e encontraram maneiras de rejeitar os mensageiros de Deus.

Verso 6

De volta ao assunto, uma coisa é vital mencionar: Jesus e a religião estão de lados opostos
Ele é obra de Deus, mas ela uma outra invenção de homens
Ele é a cura, mas ela é a infecção
A religião diz o que você deve fazer, Jesus diz o que Ele já fez
A religião diz “escravo”, Jesus diz “filho”
A religião coloca você em uma prisão, enquanto Jesus liberta você
A religião te deixa cego, mas Jesus faz você ver
E é por isso que a religião e Jesus são coisas tão diferentes

Não repetirei meus comentários iniciais sobre religião e Jesus, e se eles estão em “lados opostos”. Não creio que eles estejam. Fora esse ponto, Bethke fala a verdade nesse trecho. A diferença entre escravidão e filiação, prisão e liberdade, cegueira e visão são temas bíblicos.

Verso 7

Religião é o homem procurando Deus, o cristianismo é Deus procurando o homem
É por isso que a salvação é de graça e o [eu?] recebi o perdão
Não por causa dos meus méritos, mas apenas pela obediência de Jesus
Porque ele recebeu uma coroa de espinhos, e o sangue escorreu do seu rosto
Ele sofreu o que todos nós merecíamos, acho que é por isso que chamamos de “graça”
Ao ser assassinado, ele gritou: “Pai, perdoa-lhes, eles não sabem o que fazem”
Porque quando estava pendurado na cruz, Ele estava pensando em você
Ele pagou por todos os seus pecados, e os levou com ele para o túmulo
É por isso que pra quem se ajoelha diante da cruz, Ele diz: “Vem, tem espaço pra mais um”
E a religião? Não, eu odeio isso. Na verdade, eu literalmente não suporto mais isso
Porque quando Jesus disse “está consumado”, eu acredito que estava mesmo

Há muita coisa boa nessa seção final. Ótima afirmação da obediência ativa de Jesus.  Ótimo foco na cruz. Ótimo convite para pecadores virem a Cristo. Creio que Bethke compreende a justificação pela fé somente por meio da graça somente em Cristo somente. Gostaria de ter ouvido algo sobre a ira de Deus ser derramada na cruz em oposição a simplesmente “absorveu todo seu pecado”. Mas, dado o vídeo anterior de Bethke criticando Love Wins (NT: livro de Rob Bell que questiona os conceito cristão ortodoxo de inferno), é melhor dar o benefício da dúvida. Similarmente, não estou certo de que o melhor é enfatizar o que Jesus pensou sobre nós na cruz. A “alegria diante dele” em Hebreus 12.12 foi a alegria de estar sentado à destra de Deus, não a alegria de estar conosco, como Bethke defende em outro vídeo. Mas, esses pequenos pontos não negam a forte mensagem de graça e perdão.

Conclusão

Sei que escrevi um monte de palavras sobre um vídeo de YouTube que talvez ninguém esteja mais comentando daqui a um mês. Mas, como disse no início, há muita coisa útil no poema, misturado com muita coisa inútil – e algumas tão comuns – que achei válido o esforço de examinar a teologia em detalhe.

Os pontos fortes desse poema são os pontos fortes que vejo em muitos jovens cristãos – uma fé apaixonada, um foco em Jesus, um amor pela graça e um ódio por qualquer coisa falsa ou cheia de justiça própria. Os pontos fracos podem ser os pontos fracos da minha geração (e das mais recentes) – não falar o suficiente de arrependimento e santificação, uma tendência de subestimar a importância da obediência na vida cristã, uma visão unidimensional da graça, pouca consciência de que nosso Pai celestial talvez discipline seus filhos ou se entristeça por suas contínuas transgressões, e uma atração por frases de efeito ao invés de atenção às sutilezas.

Sei que a internet é um lugar gigante, mas um monte de pessoas estão conectadas a um monte de outras pessoas. Assim, quem sabe, talvez Jefferson Bethke leia esse texto. Se você o fizer, irmão, quero que saiba que eu amo o que você ama nesse poema. Eu assisti o seu testemunho e dou graças a Deus por Sua obra em tua vida. Eu amo o humilde desejo de ser honesto a respeito de suas falhas e de levar pessoas a Cristo. Eu amo o que você ama na igreja e na Bíblia. Amo que você deseje que as pessoas realmente entendam o Evangelho. Você tem coisas importantes a dizer e milhões de pessoas estão ouvindo. Apenas, esteja certo de que, sendo um mestre, você precisa de cuidado e precisão extras (Tiago 3.1). Se você não recebeu treinamento teológico, te encorajo que o faça. Seu ministério será fortificado e enriquecido e durará mais. Eu te encorajo a falar a partir da Bíblia antes de falar a partir de sua própria experiência. Eu te encorajo a amar o que Jesus ama sem destruir o que ele também ama. Eu te encorajo a cavar profundamente todo o conselho de Deus.

Obrigado por nos lembrar de Jesus. Mas tente ser mais cuidadoso quando falar sobre religião. Afinal, há uma religião cujo objetivo é adorar, servir, conhecer, proclamar, crer, obedecer e organizar-se ao redor desse Jesus. E, sem todos esses verbos, não resta muito desse Jesus.

Por Kevin DeYoung. Copyright © 2012 The Gospel Coalition, Inc. All rights reserved.

Traduzido por Josaías Jr | iPródigo.com | Original aqui

Obs.: Para ver a resposta de Jeff Bethke aos comentários de Kevin DeYoung, clique aqui

29 Comentários
  1. Fellipe de miranda Diz

    Muito bom o artigo! ja tinha visto o video,mas essa analise foi espetacular!,li tambem a resposta que Jeff Bethke deu a esse texto,ele demonstrou a humildade em reconhecer que estava errado em alguns pontos e se mostrou sincero ao responder as criticas,um verdadeiro servo!.
    Fiquem com Deus

    1. Alan Albuquerque Diz

      terminei de ler a resposta dele agora, muito fera mesmo. Gloria a Deus

  2. Alan Albuquerque Diz

    Bênção, não tinha visto o ponto de vista a respeito da religião e o conceito atribuído a ela, muito bom. #GraçadeCristo

  3. Joao Florentino DaSilva Diz

    Ha’ controversias! Nao so a respeito de algunas pontos do poema, (pois, controversias ha, ate nos escritos Biblicos, quando queremos que existam), mas tambem, no texto que aponta os “erros do poema”.
    Se entendi direito, voce esta justificando os erros da religiao, com os erros que qualquer outro segmento da sociedade cometeu, como guerras e tal? Isso nao e’ verdade!
    Se entendi direito, voce tambem, diz que Jesus fundou uma religiao? Isso nao e’ verdade!
    Se entendi direito, tambem diz que, as pessoas precisam de religiao para se aproximarem de Deus? Isso tambem nao e’ verdade, pois posso praticar todos os verbos citados, adorar, servir, crer, proclamar, e uns tantos outros, sem, necessariamente, precisar ter uma religiao. o que acontece e’ que as pessoas ficaram presas a ideia do “religare” e, sao incapazes de obedecer, adorar, servir, etc, sem estarem aprisionados por uma “coleira” (doutrinaria)religiosa que as facam sentir proximas de Deus. Cristo as liberta de uma escravidao e elas se submetem a outra.

    1. Vini Diz

      João,

      1) Erros da religião.

      Não. A justificativa dada no texto é: “Somos pecadores como todos os outros, portanto nosso registro é variado”

      2) O que você entende por religião?

      Jesus estabeleceu a igreja, estabeleceu ritos e doutrinas.

      3) Cristo acusou as falsas religiões

      Cristo de fato acusou as falsas religiões e o legalismo. Mas religião não é sinônimo de legalismo e moralismo – o texto deixa isso bem claro.

      Abraço

  4. Incendiário Diz

    O poema do Jeff Bethke é pura besteira.

    A resposta do Kevin DeYoung foi boa, mas poderia ter sido melhor.

  5. Carlos Ribeiro Jr. Diz

    A analise ta corretíssima. A resposta de Bethke também mostra seu coração ensinável.
    Apenas acho que não tem muito sentido fazer uma analise sem usar a perspectiva do autor do poema. Senti duas pessoas falando a mesma coisa, mas usando palavras diferente. O que Bethke ataca como religião é o legalismo, moralismo e falsa espiritualidade, o que Kevin chama de falsa religião.
    Devia ter tido a mesma visão do autor O.o

    1. Vini Diz

      Carlos,

      Até concordo, mas dizer somente Jesus odeia a religião, sem definir “religião” pode trazer outras conotações. Como DeYoung aponta.

      Paz

  6. Douglas Iran Diz

    Excelente visão crítica do DeYoung!

    Quando assisti o vídeo pela primeira vez não havia percebido que a falta de definição do termo “religião” causaria tanto problema, apenas tinha tomado o termo com o sentido que a ele tem sido atribuído e que certa vez o Mark Driscoll fez uso deste mesmo sentido para com o termo em uma crítica no video “porque eu odeio religião”.

    O Mark Driscoll simplesmente atribuiu o sentido a religão ou religiosidade como sendo semelhante ao comportamento farisaico.

    Após ver a crítica do DeYoung eu percebi que é realmente tratar o termo “religião” com seu sentido original e que existe sim uma religião pura e verdadeira que consisti em ajudar os necessitados e não se contaminar com a corrupção do mundo – isso de acordo com o versículo:

    A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo. Tg. 1.27

    Paz.

  7. shenna Diz

    A religião me impede muitas vezes de pregar o evangelho, porque quando eu vou falar de Jesus para alguém, a pessoa fala logo que cada um tem a sua religião. As pessoas estão confundindo religião com evangelho, e para mim é algo muito diferente.

    1. Vini Diz

      Explique para a pessoa a diferença entre o Evangelho (a verdadeira religião) e as (falsas) religiões.

      Mostre primeiro a Lei de Deus para que a pessoa tenha consciência de seu pecado. Então mostre que o Evangelho salva pela graça através da fé, por causa do sacrifício de Cristo, quanto as (falsas) religiões salvam pelo esforço próprio, mas nunca chegaremos á perfeição pelo esforço próprio.

      Paz

    2. Carlos Ribeiro Jr. Diz

      É válido ter o conhecimento do sentido biblico da palavra religião.. Mas não é o sentido que a maioria das pessoas encara.. dificulta mesmo ter o Evangelho agregado a ESSA idéia de religião.
      Por esse motivo, acho sensacional que o video tenha tido tanta repercussão. A resposta é mais de valor “teórico”.

    3. shenna Diz

      Amém!!
      Obrigada pelas palavras!

    4. shenna Diz

      Amém!
      Obrigada pela ajuda!

  8. shenna Diz

    ótimo texto, só queria saber a sua opinião sobre o que eu falei anteriormente, a respeito que muitas vezes a religião impede que eu fale do evangelho para uma pessoa.

    Paz!

  9. caio Diz

    eu so to em duvida em uma parte q vc n destacou, ai eu qria saber a sua opniao sobre essa frase
    “Ele é obra de Deus, mas ela uma outra invenção de homens”
    na parte “Ele é obra de Deus” n estaria errado? pq eu intendi nessa parte q Jesus e uma obra Dele, ou seja foi feito por Ele, em vez de ser Ele

    1. Vini Diz

      Não sei como ele usou essa frase. Poderia ser interpretada que a encarnação é obra de Deus. Não veria nenhum problema nisso.

      Paz

  10. Alisson Barateli Bodelon Diz

    Meu Deus!!!
    Que pancada na moleira!!!
    Aleluia!!!
    Como veio a calhar esse vídeo! Acaso não é esse o retrato da Igreja Evangélica Brasileira, com raríssimas exceções, obviamente?
    Saúde a todos em 2012, sobretudo espiritual!
    Somente a Deus glória!

  11. Vinícius S. Pimentel Diz

    Fiquei muito feliz de ver esse texto aqui no VE.

    Penso que precisamos resgatar o significado da palavra “religião”. Precisamos dar o devido valor à igreja organizada, à fé disciplinada, à adoração expressa de maneira adequada. Muitas vezes enfatizamos a espontaneidade – e isso é muito bom, pois a adoração a Deus precisa ser com sinceridade e com o coração. Mas a espontaneidade do nosso serviço a Deus não exclui a disciplina, a organização, o método. Isso é um engano sorrateiro dos movimentos de “espiritualidade” que encontraram espaço no Cristianismo, mas não é o que a Bíblia ensina.

    Deus ama a verdadeira religião, pois foi Ele mesmo quem a criou. Ele instituiu a Igreja. Ele determinou que ela observasse os sacramentos (o batismo e a mesa do Senhor). Ele estabeleceu que ela fosse supervisionada por presbíteros e assistida por diáconos, e ainda ordenou que esses ministros fossem sustentados pelos demais irmãos para desempenharem com excelência o seu serviço. Ele dispôs que os irmãos se reunissem com regularidade para (entre outras coisas) receberem o ensino da Palavra através de homens aptos. Ele nos deu um corpo imutável de doutrinas a serem preservadas pela igreja. Ele distinguiu os papéis do homem e da mulher na congregação. Ele inspirou os apóstolos a organizarem um método de assistência aos irmãos mais necessitados, especialmente as viúvas. Enfim, a lista seria quase interminável…

    Somente a mentalidade “tenho um lado espiritual independente de religiões” – tão na moda em nossos dias – é incapaz de perceber que o Cristianismo é uma religião. Na verdade, é a única religião verdadeira. Todas as outras são falsificações. Devemos combater a religiosidade hipócrita, o moralismo e todas as outras falsas demonstrações de religiosidade. Mas não devemos desprezar a religião de Deus, aquela que Ele mesmo nos deu para que nos acheguemos a Ele da maneira que Lhe agrada.

    Em Cristo, nossa vida,
    Vinícius

  12. Salatiel Diz

    Olá, gostei de tudo, uma boa analise, mas ao meu ver esse cara erra quando diz que não suporta religião, ao meu ver isso soa como se ele fosse contra igreja, pois só há igreja se há religião, algo que seguimos, e em Hebreus 10:25 “Não abandonando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia.” Concordo que em alguns aspectos a religião falha, mas não devemos abandoná-lá, ou odiá-la, assim como o versiculo diz devemos admoestar uns aos outros.
    Não sei se fui bem claro, mas isso foi apenas uma analise que tirei para mim, se estou errado, perdoem-me!

    1. Marcelo Hartz Diz

      Bom dia !Salatiel, quando Paulo diz(
      Não abandonando a nossa congregação)ele se refere a graça e a lei,para não deixarmos de congregar na graça, ou seja estar na graça, leia o capítulo todo de hebreus que vc vera esta interpretação, pois  não devemos interpretar apenas um versículo e sim o contexto todo.E não à apenas igreja se á religião, pois igreja são pessoas e não prédio, e religião e cuidar dos órfãos , viúvas e manter-se incontaminado do mundo,paz!!

  13. Jair Barreto Diz

    Na verdade , a verdadeira religião existe e é segundo Deus e seus preceitos.

    Isaías 58 fala bem de como ela deve ser…

  14. Raquel Sanches Franca Diz

    A unica coisa que ele precisa é ler um dicionário, se o fizer verá a besteira que fala, e que Jesus é fundador de uma religião, e o que ele odiava era o legalismo religioso, ou seja pessoas que criticam outras achando que são boas de mais. 

  15. Raquel Sanches Franca Diz

    A unica coisa que ele precisa é ler um dicionário, e vera quanta besteira falou sobre religião, e ai vai entender que Jesus não só é a favor dela como ate fundou uma nova religião no seu tempo, na verdade o que ele odiava era o legalismo religioso, que nada mais era do que ele fez, alguém que tenta ainda que sutilmente se mostrar melhor do que o sistema.

    1. Pr. Claudinei B. de Souza Diz

      É, e eu já vi este filme antes, alguém afirmando qu religião era o ópio da sociedade ( Karl Marx). Pois afinal é no seio da igreja que independente de denominações, que Deus levanta e forma pessoas com os dons dados pelo Espirito Santo, a fim de proclamar que o reino de Deus é já inaugurado.
      É úm risco atacar um segmento que Deus tem usado e sultantado desde a formação em territórios hebraicos.

  16. Bruno Santos Diz

    Nós tbm passamos por esse caso ‘ Devido à várias Postagem de uma certa Imagem
    que Diz o seguinte : “Jesus é o meu Salvador e não minha Religão” esta
    aqui nosso esclarecimento à cerca do assunto …

    Religião –
    deriva do termo latino “Re-Ligare”, que significa “religação” com o
    divino(DEUS). quem nos religou a Deus ? Resposta= JESUS CRISTO, quando
    ele rasgou o véu do templo em dois, de alto a baixo; e tremeu a terra,
    ele nos concedeu livre acesso ao Pai. Mateus 27:51
    Portanto, SIM JESUS É A MINHA RELIGÃO foi ele que me religou a Deus! só para o nosso esclarecimento.
    Gostei de ver o VOLTEMOS AO EVAGELHO NESSA
    {http://www.facebook.com/Geracaoeleita10}

  17. Silas Moreira Diz

    Evagelho não é religiao

  18. Silas Moreira Diz

    RELIGIÃO OU EVANGELHO?Religião:
    Religião é um conjunto de crenças e filosofias que são seguidas, formandodiferentes pensamentos.Cada religião tem suas diferenças quanto a alguns aspectos, porém a grandemaioria se assemelha em acreditar em algo ou alguém do plano superior e na vidaapós a morte.Entre a grande quantidade de religiões existentes hoje no mundo, existem aquelasque se sobressaem e conseguem conquistar um grande número de fiéis. Podemosenumerar:JudaísmoCristianismoIslamismoHinduísmoBudismoReligião é um sistema qualquer de idéias, de fé e de culto, como é o caso da fécristã. Religião é um conjunto de crenças e práticas organizadas, formando algum sistemaprivado ou coletivo, mediante o qual uma pessoa ou um grupo de pessoas éinfluenciado. Religião é um corpo autorizado de comungantes que se reúnem periodicamentepara prestar culto a um deus, aceitando um conjunto de doutrinas que oferecealgum meio de relacionar o indivíduo àquilo que é considerado ser a naturezaúltima da realidade. Religião é qualquer coisa que ocupa o tempo e as devoções de alguém. Há, nessadefinição, um quê de verdade, já que aquilo que ocupa o tempo de uma pessoa égeralmente algo a que ela se devota, mesmo que não envolva diretamente aafirmação da existência de algum ser supremo ou seres superiores. E a devoçãoencontra-se na raiz de toda religião.Religião é o reconhecimento da existência de algum poder superior, invisível; éuma atitude de reverente dependência a esse poder na conduta da vida; emanifesta-se por meio de atos especiais, como ritos, orações, atos de misericórdia,etc.
    Evangelho:
    O Evangelho por sua vez é Cristo crucificado, sua obra consumada na cruz. Epregar o evangelho é apresentar Cristo publicamente como crucificado.O evangelho não é apenas as boas novas de um nenê na manjedoura, de um jovemnuma banca de carpinteiro, de um pregador nos campos da Galiléia, ou mesmo deuma sepultura vazia.O evangelho trata de Cristo na cruz. O evangelho só é pregado quando Cristo é “publicamente exposto na sua cruz”.Quando pregamos o evangelho, temos de nos referir a um acontecimento (a mortede Cristo na cruz), expor uma doutrina (o particípio perfeito “crucificado” indicandoos efeitos permanentes da obra consumada de Cristo), e fazê-lo publicamente,ousadamente, vivamente, para que as pessoas vejam como se o testemunhassemcom os seus próprios olhos.

    Enquanto as religiões feitas pelos homens enfocam o esforço humano; ocristianismo enfoca a obra de Cristo.
    Diferenças Entre Religião e Evangelho:
    A religião é obra do homem. O Evangelho nos foi dado por Deus.A religião é o que o homem faz por Deus. O Evangelho é o que Deus tem feito pelohomem.A religião é o homem em busca de Deus. O Evangelho é Deus buscando o homem.A religião é o homem tentando subir a escada de sua própria justiça, na esperançade encontrar-se com Deus no último degrau. O Evangelho é Deus descendo aescada da encarnação de Jesus Cristo e encontrando-se conosco, na condição depecadores, no primeiro degrau.A religião é constituída de bons ponto-de-vista. O Evangelho de boas novas.A religião traz bons conselhos. O Evangelho, uma gloriosa proclamação.A religião toma o homem e o deixa como está. O Evangelho toma o homem comoestá e o transforma naquilo que ele deveria ser.A religião termina como uma reforma exterior. O Evangelho termina com umatransformação interior.A religião passa uma caiação. O Evangelho alveja.A religião muitas vezes torna-se uma farsa. O Evangelho é sempre uma força, opoder de Deus para a salvação de todo aquele que crê (Romanos 1.16).Há muitas religiões, mas apenas um Evangelho.A religião enfatiza o “fazer”, enquanto o Evangelho enfatiza a condição de “ser”.A religião diz: “Faça o bem, continue a fazer o bem e eventualmente você setornará bom”. O Evangelho diz: “Primeiro, você nasce de novo, pela Graça deDeus. A conseqüência natural disso assim como o dia segue a noite, é que vocêfará o bem”.A religião coloca em destaque princípios e preceitos, códigos e credos. O Evangelhocoloca em destaque uma pessoa:
    JESUS
    .A religião diz: “Alcance”. O Evangelho: “Obtenha”.A religião diz: “Tente” O Evangelho: “Receba”.A religião diz: “Esforce-se”. O Evangelho: “Confie”.A religião diz: “Desenvolva-se a si mesmo”. O Evangelho: “Negue-se a si mesmo”.A religião diz: “Salve-se”. O Evangelho: “Entregue-se”.A religião diz: “Faça… faça isso, faça aquilo, e será salvo”. O Evangelho afirma: “Jáfoi feito. Creia e será salvo”.A religião pretende manifestar a boa vontade do homem; o Evangelho é a boa novado amor de Deus

    1. Silas Moreira Diz

      tá ae a Diferença gente espero ter esclarecido

Comentários estão fechados.