um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

William Lane Craig – A veracidade da ressurreição de Cristo

Atos 17:31 – A ressurreição é a forma que Deus vindicou a veracidade das afirmações de Cristo.

A resposta de que sabemos que Cristo vive, pois Ele vive em nós é razoável em ambiente pessoal, mas em conversas públicas esse tipo de afirmação não tem mais credibilidade de que qualquer outra religião ou pessoa que afirme ter uma experiência religiosa.

Como o cristianismo está arraigado na história podemos verificar se tais afirmações são verdadeiras. Então, consideremos, por enquanto, os evangelhos como documentos históricos. Há três fatos sobre a morte e ressurreição de Cristo considerados como históricos pela maioria dos acadêmicos.

Fato #1 – Após a crucificação Jesus foi sepultado por um membro do sinédrio chamado José de Arimateia.

Isso significa que tanto judeus como gentios conheciam o local onde Jesus foi sepultado. E isso é importante, pois os apóstolos jamais poderiam falar de ressurreição se o corpo estivesse no local.

Argumentos a favor da historicidade:

  1. O sepultamento de Jesus é confirmado pela antiga tradição citada por Paulo em 1 Co 15, uma tradição bem antiga e muito próxima a morte de Cristo para ser considerada como mito.
  2. O evangelho de Marcos muda dramaticamente em seu estilo no relato da morte de Cristo, mostrando que ele tinha uma fonte mais velha que o próprio evangelho, que é considerado por muitos acadêmicos o evangelho mais antigo.
  3. É altamente improvável que fosse inventado que um membro do sinédrio, que levou Cristo à morte, desse sepultasse a Cristo.
  4. Não existe nenhum outro relato concorrente. Se o relato fosse fictício era de se esperar algum vestígio histórica ou alguma lenda, mas todas as fontes são unânimes em afirmar o honroso funeral por Jose de Arimateia.

Fato #2 – No domingo seguinte a crucificação o túmulo de Jesus foi encontrado vazio por alguma de suas seguidoras.

Argumentos a favor da historicidade:

  1. O túmulo vazio também faz parte do evangelho de Marcos. As histórias da morte e do túmulo vazio são uma unidade gramatical que não de tal forma que não se pode falar que foi acrescentada posteriormente.
  2. A antiga tradição de 1 Co 15 que diz que Cristo ressuscitou implica em um túmulo vazio, principalmente por causa da expressão “no terceiro dia”.
  3. O relato de Marcos é um relato simples, desprovido de extravagâncias e acréscimos presentes em lendas.
  4. O relato de mulheres na época não tinha valor como testemunho na época. Então, a ressurreição ser anunciada por mulheres é considerado algo vergonhoso, sendo um argumento a favor da veracidade do que foi descrito.
  5. As próprias mentiras inventadas pelos judeus na época afirmam que o túmulo estava vazio. A própria reação dos judeus foi uma tentativa de explicar o túmulo vazio. Uma evidência vinda dos próprios inimigos do Cristianismo.

Fato #3 – Em várias ocasiões e circunstãncias, diferentes pessoas e grupos de pessoas afirmaram terem visto aparições de Cristo

Argumentos a favor da historicidade:

  1. A lista de testemunha citada pela tradição de Paulo em 1 Co 15 aponta às aparições.
  2. As diferentes aparições são confirmadas entre os evangelhos (lembre-se que cada evangelho é um livro distinto), um forte indicativo para saber se algo é histórica (fontes independentes atestando os mesmos eventos).
  3. Certas aparições tinham marcas próprias de historicidade, como o irmão de Tiago que não era um crente em Cristo, de acordo com os evangelhos (e não havia nenhum motivo de inventarem isso), mas que virou um mártir pela causa de Cristo. A única explicação possível para essa notável transformação na vida de Tiago é que Cristo apareceu a ele.
  4. Os primeiros discípulos acreditavam que Jesus havia ressuscitado dos mortos, mesmo tendo tudo para não crerem isso: (1) os judeus não tinham nenhuma crença de um Messias morto, mas um Messias que ia expulsar os romanos da Terra Prometida; (2) segundo a lei judaica, a execução de Cristo, pendurado no madeiro, atestava que ele estava sob a maldição de Deus; (3) as crenças judaicas da época sobre vida após a morte não continham nada sobre alguém ressuscitar antes do último dia.

Então, a pergunta passa a ser qual a melhor explicação para (1) o sepulcro vazio, (2) as aparições de Jesus após a morte e (3) o início da convicção dos discípulos na ressurreição de Cristo.


Craig então passou a defender que a ressurreição de Cristo é a melhor explicação para esses três fatos históricos. Você pode ler mais sobre as outras tentativas débeis de explicações naturalistas no livro Em Guarda.

6 Comentários
  1. Fabiocarreto Diz

    Bem, a historicidade existe, agora se a historicidade pode ser uma mentira, essa é a questão. Não existe provas históricas em Ressurreição mesmo porque ninguém viu, ok. O amigo escritor não pode confundir relatos históricos da ressurreição com a ressurreição em si, algo totalmente diferente. Ora, a história a respeito da  ressurreição esta carregada de contradição coloque todos os relatos um ao lado do outro e verás.  A vida pós morte(ressurreição) não esteve presente na crença judaica, por isto os evangelhos foram escritos no ano 70 após a morte de Cristo, neste período os cristãos já estavam embebidos nas crenças gregas, até Paulo que escreveu no ano 30 atesta isto em seus escritos.  Logo, a construção da ressurreição não encontra nem amparo nos gregos originais, e´por isto que a invenção desta história é fruto de uma interpretação bem tardia.
    O autor do livro é um infeliz e escreve como se um reporter estivesse entrevistando cada fato ocorrido no momento e escrevendo, mas sabemos que esta mentalidade é demasiadamente infantil, se o primeiro evangelho foi escrito no ano 70 o de Mt, logo este Mateus leva o nome do evangelho, mas de fato tudo indica que não foi ele quem escreveu, por isto esta escrito katá do grego, ou seja, segundo mateus.
    Exegeta amiguinho, vai debruchar um pouco mais em teologia e deixa de ser fundamentalista biblico.

    1. Fabiocarreto Diz

      E isto vale também para o evangelho de marcos escrito bem antes.

    2. Hugodemelosilva Diz

      Vich…

      Mais uma da série:
      Cristianismo X Liberalismo…rs

      O meu amigo liberalista, enquanto você fica esperando pela invenção de uma máquina do tempo para te levar até o momento da ressurreição para você finalmente crer (em tese…) eu já me conformei com a verdade estampada nos evangelhos. 

    3. Vinícius Musselman Pimentel Diz

      Meu caro amigo liberal,

      Por favor, informe-se melhor lendo o livro Em Guarda do Craig.

      A ressurreição de Cristo é atestada por Paulo na tradição que ele afirma ter recebido. E isso remonta a datas bem próximas a morte de Cristo.

      A defesa que Craig faz é: o que explica melhor estes 3 fatos (ou 4 incluindo o nascimento e a expansão do Cristianismo). E a melhor explicação é a ressurreição.

      Agora, quanto a estar presente para dizer se algo é histórico, então rasgue TUDO que for de conteúdo histórico.

      Grato

    4. Marco Tulio Diz

      Estude um pouco sobre cultura judaica, e veras que seus argumentos não farão sentido,por favor, tente enter melhor as coisas antes de tentar ser um ‘bonzão’ da teologia, e não  vai ser um mero iniciante de teologia que mudará um fato histórico mais aceito nos últimos séculos. 

  2. Faldva Diz

    Fabio,
    Como você gosta de pensar, pense: se você estiver certo e os cristãos errados, todos nós vamos para o mesmo lugar seja ele qual for. No entanto, se os cristãos estiverem certos, nós iremos para um lugar e você para outro. “Se você não crer na ressureição sua fé é vã”. Ap. Paulo.

Comentários estão fechados.