um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

Thomas Watson – Sobre o Amor a Deus [1/3]

[dt_call_to_action content_size=”normal” text_align=”left” background=”fancy” line=”true” style=”2″ animation=”right”]

O Voltemos ao Evangelho está traduzindo o livro Um Tônico Divino, do puritano Thomas Watson. Confira os capítulos já traduzidos:

  1. As melhores coisas cooperam para o bem [Parte 1 | Parte 2 | Parte 3 | Parte 4 | Parte 5]
  2. As piores coisas cooperam para o bem [Parte 1 | Parte 2 | Parte 3 | Parte 4 | Parte 5 | Parte 6 | Parte 7 | Parte 8]
  3. Por que todas as coisas cooperam para o bem do homem piedoso? [Parte 1 | Parte 2 | Parte 3]
  4. Sobre o Amor a Deus [Parte 1 | Parte 2 | Parte 3]
  5. Os Testes do Amor a Deus [Parte 1 | Parte 2 | Parte 3 | Parte 4 | Parte 5 | Parte 6]

[/dt_call_to_action]

Passo, agora, à segunda seção geral deste texto. As pessoas interessadas nesse privilégio. Tais pessoas são os amantes de Deus. “Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus.”

Desprezadores e odiadores de Deus não têm porção nem parte nesse privilégio. Este é o pão dos filhos, ele pertence apenas àqueles que amam a Deus. Uma vez que o amor é o próprio coração e espírito da religião, eu devo lidar com este assunto da maneira mais plena possível; e, para a sua posterior discussão, notemos estas cinco coisas concernentes ao amor a Deus.

1. A natureza do amor a Deus.

O amor é uma dilatação da alma, ou a explosão das afeições, pela qual um cristão suspira por Deus como o seu bem supremo e soberano. O amor é para a alma como os pêndulos do relógio; ele dispõe a alma a correr na direção de Deus, como as asas pelas quais nós voamos para o céu. Pelo amor, nós nos apegamos a Deus, assim como a agulha é atraída pela pedra-ímã.

2. O fundamento do amor a Deus.

O fundamento do amor é o conhecimento. Nós não podemos amar aquele a quem não conhecemos. Para que o nosso amor possa ser fortemente direcionado a Deus, nós precisamos conhecer estas três coisas que há Nele:

(i) Uma plenitude (Cl 1.19). Ele possui uma plenitude de graça para nos purificar, e uma plenitude de glória para nos coroar. Essa plenitude não é apenas suficiente, mas excessiva e superabundante. Ele é um mar de bondade que não possui limites ou barreiras em suas dimensões.

(ii) Uma liberalidade. Deus tem uma propensão inata para dispensar graça e misericórdia; Ele destila como o favo de mel. “Aquele que tem sede venha, e quem quiser receba de graça a água da vida” (Ap 22.17). Deus não exige que nos aproximemos Dele com dinheiro, apenas com apetite.

(iii) Uma propriedade. Nós precisamos saber que essa plenitude que há em Deus é nossa. “Porque este Deus é o nosso Deus” (Sl 48.14, ARC). Aqui está o fundamento do amor: a Sua deidade, e o interesse que nós temos Nele.

3. Os tipos de amor.

Eu os classificarei em três:

(i) Há um amor de apreciação. Quando nós atribuímos um alto valor a Deus e O consideramos como sendo o bem mais sublime e infinito, nós estimamos a Deus de tal maneira que, se tivermos a Ele, nós não ficaremos preocupados, ainda que todas as demais coisas nos faltem. As estrelas desvanecem quando o sol aparece. Todas as criaturas desvanecem em nossos pensamentos quando o Sol da justiça brilha em seu pleno esplendor.

(ii) Um amor de satisfação e deleite. Um homem se deleita no seu amigo, a quem ama. Assim também, a alma que ama a Deus se alegra Nele como o seu tesouro, e descansa Nele como o seu centro. O coração está de tal maneira apegado a Deus que não mais deseja coisa alguma. “Mostra-nos o Pai, e isso nos basta” (Jo 14.8).

(iii) Um amor de benevolência. Isso significa uma boa disposição em favor da causa de Deus. Aquele que tem estima e afeição por seu amigo deseja a ele toda felicidade. Assim também, nós demonstramos amor a Deus quando temos essa boa disposição. Nós desejamos que o Seu interesse prevaleça. Nossos votos e orações são para que o Seu nome seja honrado; e para que o Seu evangelho, que é o bordão de Sua força, floresça e dê frutos, assim como a vara de Arão.

Por Thomas Watson. Original: A Divine Cordial By Thomas Watson

Tradução: voltemosaoevangelho.com

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

5 Comentários
  1. Rodolfo Belchior Diz

    Amém

  2. ieda Diz

    Maravilhosa graça!!!!

  3. Thiago Diz

    Amar a Deus requer de nós sacrifícios de fé, esforços espirituais, embora existam muitos opositores como por exemplo a nossa própria natureza pecaminosa e o vosso adversário que muitas vezes se utiliza disso. Nós temos o Espírito Santo de Deus que nos é derramado sobre toda carne e nos ajuda em nossas fraquezas para que o amor a Deus seja aperfeiçoado a cada dia em nós. Eu creio que essa luta que nós travamos nos torna mais amantes de Deus, ao rejeitar os deleites e preferir buscar os atributos transferíveis de Deus; Justiça, Santidade, Amor, Humildade e etc… Coisa Linda, Vale a pena sempre amar a Deus.

  4. paulo Diz

    vale a pena se esvaziar de nós mesmos e darmos lugar ao nosso Deus que é: grandioso, poderoso e rico para conosco.

  5. manuel Diz

    aprendi muito com esse estudo.

Comentários estão fechados.