um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

Missões: O Amor de Deus nos Compele #TGC13

A pré-conferência missionária do The Gospel Coalition tratou do tema  “O amor de Deus nos compele”. Houve vários testemunhos de pessoas de diferentes culturas e partes do mundo, workshops, plenárias temáticas e expositivas. Abaixo trazemos um pequeno resumo das plenárias expositivas, as quais mostraram implicações missionarias em 2 Coríntios 4 e 5.

O Fundamento Bíblico para Missões: Tesouros em Vasos de Barro (Don Carson) - 2 Co 4.1-12

O Fundamento Bíblico para Missões: Tesouros em Vasos de Barro (Don Carson) – 2 Co 4.1-12

3 Lições sobre a base Bíblica de missões em 2 Co 4.1-12:

  1. Ministério do Evangelho exige Integridade sem ressalvas. Apesar da glória do ministério (capítulo 3), temos razões para estar desanimados. Mas nosso coração não se desespera. Por que somos tentados a nos desesperar? Pois muitas pessoas se sentem ofendidas pelas Escrituras. Muitos não pensam em si mesmos como culpados, mas como vítimas, mas na verdade as pessoas são intolerantes à própria verdade. Jesus disse: “Porque eu digo a verdade: vocês não crêem.” Até mesmo Paulo foi tentado a se desesperar. Contudo, por causa da misericórdia de Deus, não nos desesperamos.
  2. O próprio Evangelho mostra a Glória de Cristo. Nós não proclamamos a nós mesmos, mas a Jesus Cristo como Deus (v. 5). Nós anunciamos as Boas Novas – toda a história do Evangelho. Não só um “crer” vazio. Proclamamos o Evangelho e  cremos que Deus fará a sua luz brilhar soberanamente sobre as pessoas.
  3. A luz do Evangelho é marcada pelo paradoxo de morte para si e a abundância de vida em Cristo. V.10: trazendo sempre no corpo a morte de Jesus, para que a vida de Jesus também pode ser manifestada em nossos corpos. Essas duas verdades estão necessariamente juntas: Nós sofremos, mas temos  vida. Nunca um sem o outro.

Por que a grande comissão é grande: alcançando mais e mais pessoas (David Platt) - 2 Co 4.13-18

Por que a grande comissão é grande: alcançando mais e mais pessoas (David Platt) – 2 Co 4.13-18

1. Assim como cremos com profunda convicção no Evangelho, proclamemos com plena confiança desafiando a morte pela Palavra.

O sofrimento não pode diminuir o espírito de fé. “Nós acreditamos e também proclamamos”. Acreditar e proclamar estão conectados. Não há tal coisa como uma fé particular. Temos que proclamar. Privatizar o cristianismo é uma maldição em nossa nação.

De fato, seria correto achar arrogante a afirmação de que o evangelho é o único caminho (exclusivismo), a menos que isso seja verdade. Se o cristianismo é a verdade, então temos que dizer a verdade do Evangelho por todo o caminho. E nesse processo, iremos sofrer. A perseguição segue a proclamação.

2. Da mesma forma como vivemos para transmitir a graça de Deus entre todos os povos, também devemos proclamar a glória de Deus entre todos os povos.

“Porque tudo isto é por amor de vós, para que a graça, multiplicada por meio de muitos, faça abundar a ação de graças para glória de Deus.” (2 Coríntios 4.15)

Este versículo resume os dois propósitos de Missões Mundiais (a extensão da graça): a salvação dos povos e a glória de Deus.

Sobre o excelente alvo de libertar pessoas da condenação eterna está o alvo de que sejam dadas ações de graças a Deus, pois a situação do mundo é que eles não “deram graças a Deus” (Romanos 1); e Deus é digo de toda glória.

Sendo assim, fazemos missões não porque nos sentimos culpados, mas porque Deus merece o louvor das nações.

3. Ao vislumbrar continuamente a glória eterna com Deus, abracemos alegremente sofrimento terreno que Ele nos dá.

Ninguém disse que fazer discípulos seria fácil. Fazer missões nunca será fácil, pois estamos proclamando uma mensagem que é ofensiva. Ninguém gosta de ser ofendido.

“Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia. Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente” (2 Coríntios 4.16-17, 2)

Todos os nossos sofrimentos são obras de Deus em nossas vidas. Há um propósito. Deus dá sofrimento para que possamos conhecê-Lo mais e mais.

Quatro Fundamentos para uma Coragem Alegre e Séria na Causa Missionária (John Piper) - 1 Coríntios 5:1-10

4 Fundamentos para uma Coragem Alegre e Séria na Causa Missionária (John Piper) – 1 Coríntios 5:1-10

Paulo afirma que ele não perde sua coragem em meio à obra missionário, mesmo em meio à perseguição, e ele dá quatro motivos para isso:

1. Realismo

Poucas coisas são mais desanimadoras na obra missionária do que expectativas irreais. Paulo era bem realista sobre a obra missionária. Ele chama nosso corpo de tendas e não de fortalezas, pois tendas não duram muito sob condições extremas.

  1. Fazemos missões em nossos corpos, que são fracos e temporárias;
  2. Essa tenda pode ser destruída;
  3. Nessa tenda nós gememos;
  4. O Santo Espírito é uma garantia (parte do pagamento daquilo que vem – é um pagamento, mas não é a plenitude).

2. Ressurreição

  1. Essa tenda temporária será revestida de imortalidade. Não ficaremos “nus”, almas desencarnadas, mas teremos um corpo glorificado permanente. Um edifício;
  2. É um corpo não feito por mãos humanas – um corpo semelhante ao de Cristo;
  3. Eternamente teremos um corpo glorificado;

3. Reunião

Se morrermos antes da volta de Cristo na obra missionária, estaremos temporariamente sem o corpo glorificado, mas com Cristo – o que é bem melhor do que estar nesta tenda. Em escala de prioridade Paulo coloca: (1) Estar com Cristo em corpos glorificados, (2) Estar temporariamente com Cristo em existência incorpórea e (3) estar nesta tenda temporária longe de Cristo.

4. Recompensa

A alegria que temos é séria pois todos estaremos diante do tribunal de Deus. Por isso agimos debaixo do temor do Senhor. Pedro coloca o temor do Senhor perfeitamente compatível com a paternidade divina. Se você coloca temor e amor como emoções contraditórias, você que precisa mudar, pois é este padrão emocional que a bíblia coloca.

O ministério da reconciliação (Mack Stiles) - 1 Coríntios 5:11-21

O ministério da reconciliação (Mack Stiles) – 1 Coríntios 5:11-21

5 Marcas do mensageiros:

  1. A motivação
  2. Entendimento das pessoas
  3. Entender a obra de Deus no mundo
  4. Nosso papel como cristãos
  5. Entender o papel de Cristo e o evangelho

Para mais fotos veja o Facebook e Instagram do TGC.

 

1 comentário
  1. Rodrigo Gil Esteves Diz

    Matheus Cotta.

Comentários estão fechados.