Reprise / Resumo – Conferência Fiel para Pastores e Líderes – A Audaciosa Alegação do Evangelho – Dave Harvey

Acompanhe conosco a Conferência Fiel para Pastores e Líderes de 2013! Assista às reprises e leia os resumos das mensagens aqui no blog. Nesse post, veja a mensagem “A Audaciosa Alegação do Evangelho”, por Dave Harvey:

Reprise

Resumo

A Audaciosa Alegação do Evangelho

Dave Harvey

 

Atos 20:17-25

 

A data é 57 da era crista. O barco em que Paulo estava parou em Mileto, e lá ele chama os lideres de Éfeso para se juntar a ele, e ele faz isso por razoes distintas. Primeiro, ele era um homem relacional. Ele esta unido com esses homens em comunhão, e quer ver seus amigos. A segunda, e talvez mais importante razão, é porque ele acha que ele está para morrer.

Eu considerei que caminhar era a melhor oportunidade para ter comunhão com meus filhos. Uma vez levei meu filho para caminhar na Pensilvânia. Lá nós nos encontramos com alguns alunos que estavam indo explorar uma caverna, e nós resolvemos ir com eles, após sermos convidados. La dentro, nós encontramos uma câmara, e dentro da câmara, um feixe de luz que passava por um buraco no alto, e além do buraco se via o lugar onde eles estavam antes, fora. Então os estudantes começaram a subir para sair pelo buraco da caverna e meu filho ficou muito animado, com vontade de ir atrás. Quando o ultimo estudante subiu, meu filho pediu para subir também. Eu disse que não, mas após alguns minutos de consideração, resolve deixar ele subir. Mas, após isso, eles pediram para eu subir também, o que eu não havia considerado antes. Eu não queria ir, disse que não iria. Eu dei a volta para me encontrar do lado de fora com meu filho. De repente, me senti velho, ultrapassado. Quando estávamos de volta na trilha, eu estava pesado por não ter subido. De repente, eu parei e disse, “Filho, eu decidi, vou subir a parede da caverna!” e ele comemorou. Voltei à caverna e, 15 minutos depois de analisar a caverna, eu comecei a subir. Quando eu estava lá em cima, a caverna se estreitou e, de repente, eu estava com uma mão em cada parede, pendurado e preso. Eu não sabia para onde ir, mas continuar a subir não era seguro. Eu não queria desistir e, nesse momento, minha mente começou a viajar. É impressionante o que a mente pode fazer. Comecei a pensar que ali era um lugar bom para ficar, se estabelecer, trazer minha esposa, criar meus filhos. Eu tinha que sair dali, mas o único jeito era indo em frente,  mas o custo era muito arriscado.

Muitas vezes, a vida com Cristo é assim, o único caminho é seguir em frente, mesmo que isso seja muito arriscado. Era essa a situação em que eu me encontrava. Eu subi até o fim, eu sobrevivi, mas fiz isso porque eu não queria decepcionar meu filho. Paulo seguiu em frente por Cristo, através da força de Deus em sua vida. Ele estava em uma situação muito difícil, onde ele só poderia ir em frente, mas era muito arriscado.

Há muitas diferenças entre a vida de Paulo e a nossa, mas há, também, muitas semelhanças. Por exemplo, nós não estivemos no terceiro céu, mas nós compartilhamos do mesmo evangelho. Isso não significa que correremos os mesmos perigos que Paulo, mas que esse evangelho nos leva adiante mesmo por meio de perigos e desafios, através de custos e sacrifícios.

O evangelho faz uma afirmativa audaciosa. Quero falar hoje sobre três afirmativas que o evangelho faz a líderes e a suas esposas (caso eles sejam casados).

1 – Lideres avançam incertos

Paulo estava sempre avançando, mas sem saber o que iria acontecer. Paulo tinha que obedecer, seguir confiando. Deus não estava revelando tudo a ele, mas ele seguia através do que o espírito o revelava. Deus queria que ele se movesse, mesmo não sabendo para onde ou porque, Deus estava ajudando Paulo a se acostumar a ter um Senhor. Estava ensinando Paulo a obedecer sem saber.
Por que Deus faria isso com Paulo?

Por que ele faz isso conosco?
Eu não posso deixar de dizer que isso é para nos lembrar a diferença entre um líder e Deus. A existência de risco nos lembra que Deus é muito maior do que nós. Deus não corre riscos. Riscos nos lembram de duas coisas, nós não somos oniscientes, não sabemos de tudo. Nós não somos onipotentes, e Deus controla tudo!

Os riscos existem porque não podemos controlar eventos nem saber o que vai acontecer. O risco afirma que nós somos fracos e dependentes. Nos temos que confiar a Deus o nosso presente e nosso futuro. Nos podemos ser incertos no presente se tivermos confiança no que Cristo fez no passado e esperançosos nas promessas do futuro.
Tem um ponto precioso que podemos destacar aqui. Essa incerteza do que vai acontecer e o que nos move a ter mais dependência Dele.

Deus se agrada em nos colocar na posição de ir sem saber. Deus ama nos colocar em situações arriscadas, porque isso nos coloca em uma posição de mais dependência Dele. Ele usa isso para o nosso bem e para a glória Dele.

Ele ensinou a Abraão a andar por fé e não por vista. O evangelho faz essa afirmativa audaciosa.

2 – Lideres se preparam pra dificuldades

O verso 23 acrescenta um detalhe ao pedido de Deus. Paulo sabia de um detalhe. Prisões e tribulações o aguardavam. Paulo sabia que estava se movendo rumo ao perigo, ele sabia, mais ou menos, o final da historia, ele só não sabia como isso iria acontecer. Ele sabia que teria um custo, que existiriam dificuldades e tribulações. Por que Deus faz disso uma missão que seguiria a diante? A maioria de nós buscaria um caminho de resistência, um desejo, um impulso, em busca de conforto. Uma necessidade de cuidar da nossa vida como se fossemos um deus. Dificuldades retiram os nossos confortos e nos mantem conectados ao que realmente nos importa. Elas nos mantém seguros no evangelho.

O homem natural não quer ir sem saber, nós queremos evitar as dificuldades, mas o evangelho vem para bagunçar com tudo isso.

Você não vai ser poupado de riscos se for um líder!

3 – Lideres valorizam o evangelho acima de tudo

Verso 24

Ele diz que valoriza o evangelho acima de sua própria vida, diz que cumprir a chamada do evangelho vale muito mais que sua vida. Ele não se protege por ser muito valioso. Ele está disposto a sacrificar seus relacionamentos e valorizava o evangelho até mesmo acima dos frutos. Ele não se preocupava em ver os frutos do seu ministério. Paulo simplesmente queria ser fiel ao testemunhar o evangelho de Jesus. Ele percebeu que algumas coisas são tão dignas que é glorioso simplesmente fazer parte delas.

 

Constrangidos pelo espírito, nós estamos indo para Jerusalém, sem saber o que espera por nós.