A importância da justificação pela fé no aconselhamento

A justificação pela fé é uma doutrina fundamental para a vida cristã. Ela não só transforma nossa posição diante de Deus, mas limpa nossa consciência das obras mortas (Hb 9.14). Sendo assim, essa doutrina é igualmente fundamental para o aconselhamento. Heber Campos Jr. comenta isso em sua aula sobre “A Doutrina da Justificação na Reforma” no Curso Fiel de Liderança:

Horatius Bonar, no livro “A Justiça Eterna – Como o homem será justo diante de Deus?” (Editora Fiel, 2012 – pp. 95-96) – um excelente recurso sobre o assunto – comenta:

O reconhecimento da PERFEIÇÃO do Senhor Jesus Cristo, bem como de Sua excelência pessoal, de Sua adequação, de Seu valor vicário é a única coisa que satisfaz o coração e a consciência do pecador. Satisfaz o primeiro, presenteando-o com o mais amável de todos os objetos sobre o qual um coração pode descansar; e à última, suprindo-o com a única coisa que remove da consciência trêmula todos os motivos possíveis para acusações. Somente o verdadeiro conhecimento da pessoa Daquele que é “o Cristo de Deus”, a apreciação de Seu sacrifício consumado e a ligação vívida com o próprio Cristo podem alcançar a condição miserável na qual o homem afundou; não só levantando-o para fora do poço de perdição e do um tremedal de lama; não apenas firmando os seus pés sobre a rocha eterna; mas elevando-o a um reino de paz e santidade como nenhum outro meio menos valioso poderia realizar ao filho caído de Adão.

“Aquele que não conheceu o pecado foi feito pecado por nós”. É sobre esse fundamento que edificamos para a eternidade. A apropriação de todas as nossas responsabilidades judiciais por parte de um Substituto divino é o que nos traz libertação. Essas responsabilidades eram grandes, e nenhum esforço nosso para nos livrar delas poderia ser bem-sucedido. Todas elas deveriam ser cumpridas. Tamanhas acusações judiciais, como essas que foram apresentadas contra o pecador, não poderiam ser anuladas. Elas são acusações justas e devem ser resolvidas de modo justo. Deus nos oferece uma resolução, transferindo-as a Alguém que pode responder por elas. A base para essa determinação foi lançada na cruz, e sobre essa base, Deus está disposto a lidar com qualquer pecador para o cancelamento total de todas as suas dívidas.

[…]Nosso caráter não é transferido para Cristo, mas sim as nossas dívidas; e por nossa aceitação desse modo de transferência realizado por Deus, nós fazemos a troca completa, por meio da qual somos absolvidos de toda a culpa e entramos num estado de “não condenação”. O pecado é atribuído a Cristo, como o nosso substituto; e a justiça é atribuída a nós, como aceitantes desse substituto. Isso é libertação, paz e vida eterna.

Por: Vinicius Musselman Pimentel. © 2015 Ministério Fiel. Original: A importância da justificação pela fé no aconselhamento.

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

5 Comentários
  1. Jafferson Alves Diz

    Queridos, tenho uma duvida a respeito da salvação.
    Ontem a noite em meu devocional eu lia Mateus 25:1-13, que fala da parábola das dez virgens.
    No final dessa parábola Jesus diz: “Portanto, vigiem, porque vocês não sabem o dia e nem a hora”.
    A parábola conta de 5 virgens prudentes que levaram ajeite reserva para suas lampadas e 5 virgens imprudentes que não se preparam. Quando o noivo se aproximava as imprudentes notaram que o seu ajeite não seria suficiente para manterem suas lampadas acessas e pedirem as prudentes que lhes dessem um pouco do seu ajeite, mas essas negaram e mandaram que fossem comprar, enquanto foram comprar ajeite o noivo chegou e recebeu as prudentes, quando as imprudentes chegaram pedirem que as deixassem entrar, mas ele afirmou que as não conhecia.
    Bom minha primeira dúvida é: O que é vigiar? O que Jesus quis dizer com Isso?
    A segunda: Qual a interferência que “vigiar” tem sobre minha salvação?

    1. Paulo Diz

      Ser vigilante, ter zelo, a bíblia está repleta de advertências quanto a isso. Não que sejamos salvos pelas obras, mas como Tiago afirma: “a fé, se não tiver obras, por si só está morta” (Tg 2.17). As Escrituras nos mostram que a perseverança na fé cristã é necessária para receber a recompensa final da salvação eterna, no entanto, sabemos que só somos capazes de fazer isso, perseverar ou ser prudente, como no caso das 5 virgens da parábola, porque Cristo, por meio do Espirito Santo, garante que todo cristão verdadeiro se manterá firme até o fim.

    2. Jafferson Alves Diz

      Desde já agradeço a sua disposição em responder. Certo eu entendi. E acredito. Mas em meio e sua explicação me surgiu uma outra dúvida. Porque motivo Jesus nos mandou ser vigilante. Se ele sabia que os eleitos conseguiriam, então porque adverti-los dessa possibilidade? O que eu quero entender de fato é porque ele disse isso, qual o objetivo dele.

    3. Paulo Diz

      Disponha meu irmão! Pouco sei, mas no que puder vou buscar ajudar sempre. Citando a sua pergunta vou tentar tirar sua dúvida.

      “Porque motivo Jesus nos mandou ser vigilante”

      Efésios 1.4 nos diz:

      “Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos SANTOS e irrepreensíveis diante dele em amor;”

      Fomos chamados para sermos santos, e como sabemos, santidade está em oposição ao pecado, fugir dele é responsabilidade nossa. Esse é o motivo das advertências a sermos vigilantes.

      “Se ele sabia que os eleitos conseguiriam, então porque adverti-los dessa possibilidade?”

      A Soberania de Deus não anula a responsabilidade humana. Deus nos garante a preservação, Ele nos sustentará, no entanto, enquanto estivermos nessa terra estaremos sujeitos a pecar, então as advertências são exatamente quanto a esse risco, devemos estar sempre vigilantes para que não caiamos em pecado. 1 João 1.6 nos diz:

      “Se dissermos que mantemos comunhão com Ele e andarmos nas trevas, mentimos e não praticamos a verdade.”

      Não dá para dizer que somos salvos se levamos uma vida regrada de pecados. Conversão significa mudança de direção, mudança de vida, e a falta dela significa um falso arrependimento e, logo, uma falsa conversão.

      “O que eu quero entender de fato é porque ele disse isso, qual o objetivo dele.”

      Por fim, se você tiver em mente que Deus em sua infinita sabedoria conciliou a Sua soberania junto com a responsabilidade do homem e que essas advertências são alertas a fugirmos do pecado e levarmos uma vida santa, você facilmente entenderá qual o objetivo de Jesus ao dizer isso.

    4. Jafferson Alves Diz

      Obrigado querido, ajudou muito a entender esse assunto, de verdade. Que Deus o abençoe.

Comentários estão fechados.