um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

Deve-se dançar e tocar shofar pois está no Antigo Testamento?

O que exatamente nós estamos fazendo quando nos congregamos como igreja para a adoração? Devemos fazer aquilo que o povo de Deus fazia no Antigo Testamento? A fim de responder essas questões, Bobby Jamieson, no artigo Teologia Bíblica e o Culto de Adoração, afirma que “precisamos de uma teologia bíblica da adoração. Teologia bíblica é a disciplina que nos ajuda a observar tanto a unidade como a diversidade, tanto a continuidade como a descontinuidade, em meio ao vasto enredo da Escritura.” Sendo assim, entender as continuidades e descontinuidades nas alianças nos ajudará a responder se devemos dançar ou tocar o shofar no culto hoje. Jamieson continua:

Como então devemos nós olhar para a Escritura, a fim de que ela nos ensine o que fazer na adoração corporativa?

Primeiro, acredito que é importante afirmar que a Escritura de fato nos ensina o que nós devemos fazer nas assembléias regulares da igreja. Lembre-se de que, embora a vida inteira seja adoração, a reunião semanal da igreja ocupa um lugar especial na vida cristã. Todos os cristãos são ordenados a se reunirem com a igreja (Hebreus 10.24-25); frequentar a igreja não é opcional para o cristão. Isso significa que, efetivamente, tudo o que uma igreja faz no culto se torna uma prática exigida dos seus membros. E Paulo insta os cristãos a não permitirem que quaisquer regras ou práticas de culto inventadas pelos homens sejam impostas à sua consciência (Colossenses 2.16-23).

Eu sugiro que esses princípios bíblicos convergem na direção daquilo que historicamente se tem chamado de “princípio regulador” do culto. Em outras palavras, em suas reuniões corporativas, as igrejas devem realizar apenas aquelas práticas que são positivamente prescritas na Escritura, seja por um mandamento explícito ou por um exemplo normativo. Fazer qualquer outra coisa seria comprometer a liberdade cristã. Assim, as igrejas devem olhar para a Escritura, a fim de que ela nos ensine a adorar juntos, e devem fazer somente o que a Escritura nos ordena fazer.

Mas isso levanta a pergunta: o que exatamente a Escritura nos ordena fazer? Para ser mais preciso, como nós sabemos qual material bíblico acerca da adoração é normativo e obrigatório? Responder essa pergunta exaustivamente demandaria um livro; aqui, apresentarei apenas um esboço muito breve.

Discernir quais ensinamentos bíblicos acerca da adoração são obrigatórios exige alguma destreza, uma vez que a Escritura em nenhum lugar nos apresenta, por exemplo, uma “ordem de culto” completa e confessadamente normativa. Mas há alguns mandamentos no Novo Testamento os quais são claramente obrigatórios a todas as igrejas. O fato de as igrejas em Éfeso e em Colossos serem ambas ordenadas a cantar (Efésios 5.18-19; Colossenses 3.16), bem como a referência ao canto na igreja de Corinto (1Coríntios 14.26), sugere que todas as igrejas devem cantar. O fato de Paulo ordenar Timóteo a ler e pregar a Escritura em uma carta destinada a instruir Timóteo acerca de como a igreja deve se conduzir (1Timóteo 3.15; 4.14) sugere que a leitura e pregação da Escritura são a vontade de Deus não apenas para aquela igreja em particular, mas para todas as igrejas.

Por outro lado, alguns mandamentos, como “Saudai-vos uns aos outros com ósculo santo” (Romanos 16.16), parecem expressar um princípio universal (“recebam uns aos outros com amor cristão”) em uma forma que pode não ser culturalmente universal.

Além disso, alguns mandamentos contextuais podem ter uma aplicabilidade mais ampla, como o fato de Paulo dizer aos coríntios para separarem dinheiro no primeiro dia da semana. Aquilo era para uma oferta específica aos santos em Jerusalém, mas todas as igrejas são ordenadas a sustentar financeiramente os seus mestres (Gálatas 6.6), de modo que a oferta bem pode ter lugar na adoração corporativa.

Até aqui, porém, nós lidamos apenas com o Novo Testamento. O que dizer do Antigo? Afinal, o Antigo Testamento está repleto de mandamentos acerca da adoração:

Louvai-o ao som da trombeta; louvai-o com saltério e com harpa.
Louvai-o com adufes e danças; louvai-o com instrumentos de cordas e com flautas.
Louvai-o com címbalos sonoros; louvai-o com címbalos retumbantes. (Salmo 150.3-5)

Isso significa que, para serem bíblicos, os cultos de nossas igrejas precisam incluir trombetas, saltérios, harpas, tamborins, danças, instrumentos de cordas, flautas e címbalos? Eu sugiro que não.

Lembre-se que os salmos são expressões de adoração sob a aliança mosaica, referida por alguns dos escritores do Novo Testamento como a “antiga aliança” (Hebreus 8.6). Agora que a nova aliança prometida em Jeremias 31 foi estabelecida, a antiga aliança é obsoleta. Nós não estamos mais sob a lei de Moisés (Romanos 7.1-6; Gálatas 3.23-26). Portanto, formas de adoração atreladas à era mosaica não são mais obrigatórias a nós. O templo era servido por sacerdotes, alguns dos quais especializados na música litúrgica (1Crônicas 9.33). De fato, são eles que nós vemos tocando os mesmos instrumentos mencionados no Salmo 150 (2Crônicas 5.12, 13; 9.11). Assim, o Salmo 150 não está provendo um modelo para a adoração cristã; em vez disso, está invocando uma forma específica de adoração da antiga aliança, associada ao templo e ao sacerdócio levítico.

Isso não define, por si só, a questão de quais instrumentos podem servir de acompanhamento apropriado ao canto congregacional da igreja. Mas significa que o simples apelo a um precedente do Antigo Testamento não tem lugar, assim como o apelo a um precedente do Antigo Testamento não pode legitimar o sacrifício de animais. É aqui que muitas tradições cristãs falham em alcançar uma teologia bíblica da adoração, ao apelarem de modo seletivo a precedentes do Antigo Testamento, como se certos aspectos do sacerdócio levítico e da adoração do templo adentrassem na era da nova aliança.

Certamente, muito do Antigo Testamento informa o modo como adoramos. Os Salmos nos ensinam a adorar com reverência e temor, alegria e admiração, gratidão e júbilo. Mas o Antigo Testamento não prescreve nem os elementos nem as formas da adoração na igreja da nova aliança.

Nesse sentido, o Novo Testamento provê uma nova constituição para o povo de Deus da nova aliança, assim como muito do Antigo Testamento serviu como a constituição para o povo de Deus sob a antiga aliança. Deus tem um único plano de salvação e um único povo a salvar, mas o modo como o povo de Deus se relaciona com ele mudou radicalmente após a vinda de Cristo e o estabelecimento da nova aliança.

É por isso que precisamos empregar todas as ferramentas da teologia bíblica – agregando as alianças, traçando as conexões entre tipo e antítipo, observando promessas e cumprimentos, delineando continuidades e descontinuidades – a fim de chegarmos a uma teologia da adoração congregacional. Como o povo de Cristo da nova aliança, habitados pelo Santo Espírito da promessa, nós adoramos em Espírito e em verdade, de acordo com os termos que o próprio Deus especificou na Escritura.

[dt_call_to_action content_size=”normal” text_align=”left” background=”fancy” line=”true” style=”2″ animation=”right”]

Teologia Bíblica e o Culto de Adoração

Leia o artigo completo de Bobby Jamieson para um breve panorama do que a Bíblia inteira fala sobre adoração:

Leia[/dt_call_to_action]

Por: Bobby Jamieson. © 2014 9Marks. Original: Biblical Theology and Corporate Worship.

Tradução: Vinícius Silva Pimentel. Revisão: Vinícius Musselman Pimentel. © 2015 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Original: Teologia Bíblica e o Culto de Adoração.

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

17 Comentários
  1. Gustavo Matias Diz

    Olá, que A Paz de Cristo Jesus seja com todos vocês. Bom, minha opinião é a seguinte: Não é errado louvar a DEUS com dança, ou um estilo de música, se isso vier do coração. Acho muito errado dançar, tocar e até pregar por obrigação ou com falsidade no coração, ou seja, com interesses carnais. Não vivemos mais no jugo da Lei, como foi falado, mas Davi, por exemplo, foi abençoado por ter dançado, mas não só por ter dançado, por ter louvado a DEUS de coração com a DANÇA. Então, resumindo, o que penso é: Se é de coração, e é pra DEUS, e realmente é certo o que você quer fazer, ou seja, não é algo que é realmente pecado, então siga! DEUS aprova. Abraços, DEUS lhes abençoe grandemente.

    1. Ezedequias Ventura Diz

      Poderosa é a Graça de Cristo na pena do escritor. Ele delineia “a partir da Escritura” a Teologia Bíblica da Adoração e não exprime “forma de pensar”. Enganoso é o coração do homem, já vaticinou o Verbo!

    2. Fernando Diz

      Pra mim não existe uma regra em posta, foi sitado alguns textos bíblicos do novo testamento que fala sobre o uso do canto da palavra pregada pó até mesmo a coleta de dinheiro tudo bem mas no caso do canto a Bíblia não cita se precisa ter acompanhamento ex: violão bateria teclado etc…
      Por quê ninguém fala do piano do órgão como eles cantavam naqueles tempos será que tinha música sacra ou foi feito por homens isso ninguém fala.
      Me desculpem mas nos sabemos que está prática litúrgica é mais em igrejas tradicionais e dança litúrgica são mais usados em igrejas pentecostais.
      Pra mim se fomos usar uso como uma regra aí sim feri a liberdade cristã.

    3. Filipe Moura Diz

      Que a adoração litúrgica e a individual devem ser feitas com honestidade e sinceridade é inegável. Mas acho inadequado utilizar somente a sinceridade do adorador em questão como critério para a validade da adoração. Acredito, como o autor do artigo, que há critérios mais objetivos. Deve-se lembrar que estamos falando da forma como o Deus Vivo deve ser adorado. É o que penso. Não gosto nem de danças nem de teatro, por exemplo, no culto público. Não creio que alguém vá para o inferno por isso, mas acho que essas não são formas que a Bíblia nos prescreva para que adoremos a Deus.

  2. Sonia Rodrigues Diz

    Cada

  3. Victor Alberto Bottke Manerich Diz

    a Bíblia mostra claramente que os homens de Deus, louvavam a Deus com danças, mas creio que essas danças não são nada parecidos com as apresentadas nas igrejas hoje em dia, pois as danças de hoje vem cercadas de sensualidade, e isto a Bíblia condena.

  4. Ismael Ribeiro da Silva Diz

    Vamos adorar a Deus e parar de discurso de como se deve adorá – lo, quando discípulos disse senhor tem um que prega em teu nome mas não te segue devemos proibi – lo ? O Senhor disse não! Quem não é contra mim e à favor.

  5. Vinicius Freitas Diz

    Olá querido, bom dia!
    Ressalto minha análise sobre seu texto.

    1-
    Afirma que “frequentar a igreja não é opcional para o cristão”, e usa
    Hb 10:24-25 para sustentar esta afirmação. No entanto este texto diz claramente
    que é “costume de alguns”.

    2- Usa o texto de Col 2:16-23 coibindo as praticas de culto inventadas pelos
    homens, mas no parágrafo seguinte sugere que tudo se volte para o chamado
    “Princípio regulador de Culto”???

    3 – E o principal texto sobre adoração no novo testamento faz apenas uma pequena
    citação sem nem pôr o endereço? [abaixo]

    “Nossos antepassados adoraram
    neste monte, mas vocês, judeus, dizem que Jerusalém é o lugar onde se deve
    adorar”.

    Jesus
    declarou: “Creia em mim, mulher: está próxima a hora em que vocês não
    adorarão o Pai nem neste monte, nem em Jerusalém.

    Vocês,
    samaritanos, adoram o que não conhecem; nós adoramos o que conhecemos, pois a
    salvação vem dos judeus.

    No
    entanto, está chegando a hora, e de fato já chegou, em que os verdadeiros
    adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade. São estes os adoradores que
    o Pai procura.”

    João 4:20-23

    Não existe teologia bíblica neo-testamentária sobre adoração,
    deixe as palavras bonitas e impressionantes de lado e sejamos objetivos. Nem no
    monte, nem na igreja, nem na esquina; mas nas atitudes no convívio, no tratar
    do próximo, isso é adoração! Deus se importa pouco com a música que cantamos
    para ele, ou se dançamos etc… Desde os farizeus já louvavam com lábios, mas
    com o coração distante! Adoração nada tema a ver com música ou dança! Ame ao
    próximo e amarás a Deus! Faça o bem, busque a justiça, defenda a causa dos
    oprimidos, pobres e desfavorecidos, foi assim que Jesus glorificou ao Pai e
    assim o glorificaremos também!

    As orientações de Paulo são sempre de acordo com os costumes locais e nós
    sabemos muito bem disso!

    Voltemos ao evangelho, EVANGELHO!

    Grande abraço!

    1. Vinícius Musselman Pimentel Diz

      Xará, considere o seguinte:

      1) Hebreus condena o “costume de alguns”.

      2) Princípio regulador do culto não é uma invenção, mas um rótulo para “fazer no culto somente o que Deus prescreve no Novo Testamento”. Como fazer só o que Deus prescreve pode ser invenção de homens?

      3) Recomendo a leitura do artigo completo: http://fiel.in/1FwVRXg

      Por Cristo e pelo Evangelho (Mc 8.35), Vinícius.

    2. Vinicius Freitas Diz

      Obrigado pelo link, xará!

      É um bom artigo e concordo com as ponderações e colocações sobre o AT.
      Mas de fato, usar Hb10 para justificar a ‘obrigatoriedade’ de congregar, não foi uma boa colocação! O texto de Hb10 24-25 fala que o costume de congregar era de alguns, por tanto de maneira nenhuma podemos usar o ultimato: “só é cristão quem congrega”! Hebreus condena o costume de alguns, mas “alguns” que por não entenderem a nova aliança se colocavam sob o julgo da antiga! Não é a questão em pauta!

      O principio regulador de culto é uma sugestão bem engessada, mas se de fato entendermos que o conceito de adoração e culto não diz respeito a simplesmente músicas, danças e momentos; mas a vida e relacionamento com o próximo, aí talvez não façamos somente “entretenimento gospel”.

      Abraços!

    3. Vinícius Musselman Pimentel Diz

      Brother, o texto não fala que “só é cristão quem congrega”, mas que “o cristão deve congregar”. São duas coisas bem diferente. :)

    4. Nahum Pereira Diz

      Prezado Vinicius, parece-me claro que o versículo quer dizer que é costume de alguns “deixar de congregar”, e que os crentes não deveriam agir assim…

  6. Vinicius Freitas Diz

    Olá querido, bom dia! Ressalto minha análise sobre seu texto.

    1- Afirma que "frequentar a igreja não é opcional para o cristão", e usa Hb 10:24-25 para sustentar esta afirmação. No entanto este texto diz claramente que é "costume de alguns".
    2- Usa o texto de Col 2:16-23 coibindo as praticas de culto inventadas pelos homens, mas no parágrafo seguinte sugere que tudo se volte para o chamado "Princípio regulador de Culto"???

    3 – E o principal texto sobre adoração no novo testamento faz apenas uma pequena citação sem nem pôr o endereço? [abaixo]

    “Nossos antepassados adoraram neste monte, mas vocês, judeus, dizem que Jerusalém é o lugar onde se deve adorar".
    Jesus declarou: "Creia em mim, mulher: está próxima a hora em que vocês não adorarão o Pai nem neste monte, nem em Jerusalém.
    Vocês, samaritanos, adoram o que não conhecem; nós adoramos o que conhecemos, pois a salvação vem dos judeus.
    No entanto, está chegando a hora, e de fato já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade. São estes os adoradores que o Pai procura.”

    João 4:20-23

    Não existe teologia bíblica neo-testamentária sobre adoração, deixe as palavras bonitas e impressionantes de lado e sejamos objetivos. Nem no monte, nem na igreja, nem na esquina; mas nas atitudes no convívio, no tratar do próximo, isso é adoração! Deus se importa pouco com a música que cantamos para ele, ou se dançamos etc… Desde os farizeus já louvavam com lábios, mas com o coração distante! Adoração nada tema a ver com música ou dança! Ame ao próximo e amarás a Deus! Faça o bem, busque a justiça, defenda a causa dos oprimidos, pobres e desfavorecidos, foi assim que Jesus glorificou ao Pai e assim o glorificaremos também!

    As orientações de Paulo são sempre de acordo com os costumes locais e nós sabemos muito bem disso!
    Voltemos ao evangelho, EVANGELHO!

    Grande abraço!

  7. Julio Cesar Correa Gomes Diz

    Quem dera o maior problema da igreja atualmente fosse somente quanto a adoração, a igreja tá longe de ser 100% cristã,é uma mistura de judaísmo cristão, com catolicismo romano, em alguns ministérios misturam até elementos pagãos, ser evangélico hoje, não significa ser discípulo de Cristo, precisamos de uma reforma urgente, pois não é essa a igreja que o Senhor virá buscar.

  8. sam Diz

    percebo que algumas coisas são da antiga aliança! Mas os dízimos não entra nesta antiga aliança ou testamento?

  9. Wilson Kocis Diz

    Quero aqui apenas expor minha opinião referente a dança dentro do templo.
    Só quero que me respondam uma única pergunta: Deus permitia ao seu povo dançar dentro do templo? Se alguém encontrou alguma passagem bíblica citando que dançavam dentro do templo, por favor me mostrem. As passagens bíblicas que encontrei citando que dançavam, foi fora do templo e em alguma festa em comemoração as colheitas.

  10. Daniel Diz

    Nossa..Quanta gente ignorante biblicamente..Que igreja vocês frequentam? É algumas daquelas seitas, ou comunidades?
    Vamos estudar bíblia gente, Deus é Senhor do universo, para ele toda glória, ele prescreveu a forma de ser adorado e zela pelo seu nome, que mania de achar que somos o centro das coisas..

Comentários estão fechados.