Dostoiévski vs. Superman

Nota do tradutor: esse texto revela detalhes cruciais dos enredos de duas das principais obras de Dostoiévski: “Crime e Castigo” e “Os Irmãos Karamazov”.

Este ano marca um século e meio desde que o grande romancista russo Fiódor Dostoiévski presenteou o mundo com Crime e Castigo (1866). Como é típico de seus romances, Crime e Castigo não é o que se pode chamar de uma leitura empolgante ou animada. Ele tem, suponho, um “final feliz”, mas exige muita dor até chegar lá, e até mesmo o final é doloroso. Afinal de contas, trata-se de um romance russo.

Raskolnikov, o protagonista, é um estudante pobre e melancólico que passa tempo demais vivendo em seu próprio mundo. Ele ressente-se do mundo em torno dele, considerando-se um ser humano superior que não deve ser constrangido pelas preocupações éticas da massa. Julga-se um grande homem, um benfeitor, um líder carismático.

Convencido de sua superioridade sobre as leis de Deus e do homem, Raskolnikov assassina brutalmente um penhorista e sua irmã com o propósito de roubar-lhes o dinheiro, mas, em última instância, porque acha que tem o direito de fazê-lo. No tempo devido, contudo, ele descobre que não pode enganar tão facilmente a sua consciência. Ele confessa o crime e é exilado para Sibéria, mas lá, acompanhado pela religiosa Sonia, encontra paz e perdão.

Crime e Castigo é, com justiça, aclamado por sua profundidade psicológica e realismo, mas existe outra razão para a sua fama que o torna leitura obrigatória, especialmente para cristãos preocupados com os efeitos devastadores do relativismo moral no mundo moderno. Exatamente como Alfred Lord Tennyson, em seu poema épico In Memorian (publicado em 1850, mas cuja maior parte foi escrita nos anos 1830) lutou com as implicações da seleção natural darwiniana mais de uma década antes da publicação de A Origem das Espécies (1859), Dostoiévski também, em Crime e Castigo, expôs os perigos e desilusões da teoria do übermensch (super-homem) de Nietzsche mais de vinte anos antes de este ter introduzido tal figura no mundo em Assim Falou Zaratustra (1883).

O Superman de Nietzsche

Segundo Nietzsche, o übermensch (palavra alemã para super-homem) é alguém que encontra dentro de si a coragem para libertar-se das cadeias da moralidade da classe-média – os padrões morais e éticos que nos foram “impostos” pela religião. Considerando que Marx repudiaria a religião como o “ópio do povo”, Nietzsche viu-a como um ética escrava, um instrumento usado pelos fracos para controlar os fortes.

Sem temer os códigos religiosos e superstições, o übermensch supera tais estruturas artificiais – move-se além do bem e do mal – para afirmar o seu desejo de poder. Somente um indivíduo que se liberta dessas estruturas pode conduzir a sociedade rumo a um futuro glorioso. Embora não seja totalmente justo culpar Nietzsche por Hitler, suas teorias forneceram ampla justificativa para líderes totalitários de todos os tipos políticos esconderem seus atos de injustiça sob a aparência de instrumentos para o avanço da civilização.

Em Raskolnikov, Dostoiévski nos presenteia com o que seria um superman nietzscheano, alguém que não crê que as leis se aplicam a ele, embora certamente espere que os outros as sigam. O fato de ele sentir a necessidade de justificar suas ações para si mesmo prova que ele é um ser ético em quem as reivindicações de moralidade estão vinculadas. Ele pode considerar-se imune à punição legal, mas não pode escapar de seu próprio juiz interno: a consciência que Deus colocou em todos nós. Raskolnikov sabe que cometeu um crime, e o conhecimento disso exige a existência de um padrão sobrenatural que não é nem relativo nem artificial.

Assim como a dor indica algo que está debilitado em nosso corpo, a culpa indica algo que está debilitado em nossa alma. Mesmo enquanto tenta convencer-se de seu status de super-homem, Raskolnikov é profundamente atingido pela culpa e pelo remorso. Um terapeuta freudiano moderno provavelmente lhe diria que o problema são os seus sentimentos de culpa, não ele. A realidade de sua culpa está no fato de que ela desmente o relativismo moral, a falsa crença de que o homem pode viver, fazer escolhas e prosperar em um mundo além do bem e do mal.

Ideias resultantes

É claro, para mim, que Dostoiévski viu como parte de sua missão como romancista advertir-nos contra a tentação satânica daquilo que se tornaria conhecido como o super-homem nietzscheano. Digo isso porque, 13 anos após Crime e Castigo, ele começou Os Irmãos Karamazov, uma obra-prima que refuta o übermensch de uma maneira que nenhum tratado filosófico ou teológico poderia esperar fazer.

Fiódor Karamazov, um louco depravado e estúpido, é o pai de três filhos que incorporam, respectivamente, os lados físico, intelectual e espiritual do homem: Dmitri, um soldado impetuoso e impulsivo; Ivan, um intelectual excessivamente racional que rejeita a fé em Cristo; e Aliócha, um monge piedoso que tenta ajudar seu pai e irmãos atormentados.

Durante o curso do romance, Fiódor é morto, e a suspeita recai sobre o cabeça-quente Dmitri. No final, contudo, descobrimos que Fiódor foi morto não por um de seus filhos legítimos, e sim por um ilegítimo, o bastardo Smerdiakov. Essa revelação surpreende a todos, incluindo o leitor, mas a ninguém mais que a Ivan.

Perceba: por muitos anos o grotesco Smerdiakov foi um discípulo do niilista Ivan. Ivan ensinou-lhe como as coisas são e que não pode haver justiça ou verdade no mundo; ao contrário, uma vez que Deus está morto, tudo é permitido. Para Ivan, essa visão nietzscheana da moralidade como puramente relativa e artificial não passa de um jogo intelectual. De fato, ele sofre um intenso conflito interior por causa disso, mas não vê necessidade de colocar suas teorias acadêmicas em prática.

Com Smerdiakov não foi assim. Idolatrando o seu meio-irmão, ele toma tudo o que Ivan diz como a verdade do evangelho e constroi a sua própria visão de mundo distorcida em torno dele. Se Ivan está certo e a moralidade é meramente relativa, então por que Smerdiakov não deveria se comportar exatamente como Raskolnikov em Crime e Castigo? Ou seja, por que ele não deveria cometer um crime para o seu próprio bem? Se ele não está limitado por qualquer padrão moral ou código ético, o que irá impedi-lo de matar o pai que ele detesta?

O nietzscheano moderno que lê Os Irmãos Karamazov provavelmente irá consolar-se ao concluir que Smerdiakov deturpou e perverteu o niilismo de Ivan. Mas não é assim que Ivan recebe a confissão orgulhosa e sem remorsos de Smerdiakov de como e por quê ele matou seu pai. Ivan vê que suas teorias não são apenas defeituosas; elas são falsas, más e intrinsecamente destrutivas.

Dostoiévski obriga Ivan a ver os frutos de suas crenças, a ver com o que o verdadeiro übermensch se parece – não belo, trágico e nobre (como Napoleão no exílio), mas vil, mesquinho e grotesco. Como resultado de seu autoconhecimento, Ivan abandona o seu ateísmo e abraça o Deus que outrora havia rejeitado. As ideias, ao que parece, têm consequências.

Não livres da queda

Nossa era pode julgar-se radicalmente democrática, mas não estamos livres de cair na retórica enganosa e nas promessas utópicas do übermensch. Pelo contrário, não estamos livres de nos tornarmos um. Então, tomemos cuidado e prestemos atenção às advertências de Dostoiévski, que era intuitivo o suficiente para ver os perigos por trás de uma teoria que Nietzsche iria propor em breve.

Há, em cada um de nós, um Raskolnikov ou Smerdiakov presunçoso, mesquinho e ressentido lutando para sair.

Por: Louis Markos. © 2016 The Gospel Coalition. Original: Dostoevsky vs. Superman.

Tradução: Leonardo Bruno Galdino. © 2016 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Original: Dostoiévski vs. Superman.

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

8 Comentários
  1. Bruno Bueno Diz

    O título do texto foi isca para minha leitura.
    Não gostei do texto, mas talvez porque seja algo que eu não concorde.
    O texto parece ter sido escrito por um cristão : ( Ele pode considerar-se imune à punição legal, mas não pode escapar de seu próprio juiz interno: a consciência que Deus colocou em todos nós. ) etc.
    Afirmar que Ivan abraçou a Deus ( ideia de Deus ) é presunçoso / convencido.
    E Nietzsche é muito superior a essa ideia.

    1. lbgaldino Diz

      Olá, Bruno.

      A imagem de Dostoiévski junto à de Nietzsche foi justamente para as pessoas não acharem que o texto versa sobre o Superman da DC Comics, e vez do de Nietzsche. Mas se você ler com atenção, vai perceber que o texto resvala, sim, não só no herói da DC, mas em todos os outros heróis em quadrinhos.
      Sim, Dostoiévski era cristão.
      Ivan abraçou-a, pois o autor diz que abraçou-a.
      Poderia dar um exemplo dessa superioridade e que frutos positivos trouxe ao mundo?

    2. Bruno Bueno Diz

      Eu sei que Dostoiévski era cristão. Mencionei no comentário Ivan Karamazov.
      Que autor ? A interpretação é a partir da capacidade de interpretação alheia.
      E não entendi sua pergunta.

    3. Lucas Ferreira Diz

      Não vejo nada de errado no texto, é exatamente o que ocorre nas obras. E a visão catastrófica decorrente do pensamento de Nietzsche é clara em todos os aspectos, eu digo ainda mais do que apenas humanitária, que é o enfoque do livro de Dostoiévski, a visão de Nietzsche falha em sua lógica por si só, já que o homem está acima do bem e do mal, como poderia considerar determinadas ações boas ou ruins para si mesmo. O übermensch representa o caos em si, a impossibilidade da manutenção da vida em si. Nisso você está correto, Nietzsche é muito superior a ideia da inexistência do bem e do mal, ele é personificação da morte (inclusive para si mesmo) e do caos.

    4. Bruno Bueno Diz

      Distinções de bem e mal são construções sociais, todas pessoas, de forma inata, possuem essa dualidade.

    5. Lucas Ferreira Diz

      Discordo, pois se são construções sociais, não podem ser inatas, caso sejam inatas, não precisam ser construídas. O fato é que o bem e o mal têm prevalência sobre as demais dualidades, por exemplo, um homem não poderia assassinar alguém para poder saquear seus bens, a não ser que ele acreditasse que possuir tais bens fosse algo bom em primeiro lugar. A manutenção da vida e do prazer também recaem sobre este fato, se considerássemos a vida e o prazer como conceitos desvantajosos, lutaríamos contra ambos, por acharmo-os ruins. Em outras palavras, não há como abolir o conceito de bem ou mal, porque ao fazermos isto nos entregaríamos a outros conceitos que consideramos bons, corretos ou desejáveis; fato que manteria o conceito de bem e mal. As única alternativas são o caos e a inércia, sendo o caos a capacidade de atividade apesar da impossibilidade de distinção entre as decisões de um ser humano, e a inércia, a incapacidade das atividades. Porém quando fala-se de vida, a inércia gera a morte.

    6. Bruno Bueno Diz

      Eu não disse isso. Sua interpretação que distorceu.
      Eu disse que o conceito de bem e mal são construções sociais e, que a dualidade é inata.
      Somos intelectualmente primitivos.

    7. Lucas Ferreira Diz

      Não, minha interpretação não distorceu nada. Eu disse que o bem e o mal não são construções sociais, pois são inatas. Concordo com o que você disse sobre o conceito de dualidade, e é exatamente por ser inata que o pensamento de Nietzsche é ilógico, pois ataca o conceito de bem e mal. Acho que você concorda comigo, só não percebeu ainda.

Comentários estão fechados.