um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

Doutrinas mortais: o padrão e a proteção

Nós aprendemos que a igreja de todas as épocas é atormentada por falsos mestres e sua doutrina mortal. Conhecemos sete desses falsos mestres e vimos a devastação que eles trazem. Nós identificamos cinco testes que podemos aplicar a qualquer doutrina para determinar se ela é falsa ou verdadeira. Mas isso nos deixa com algumas questões importantes: Como uma igreja chega a rejeitar a sã doutrina? Como nos protegemos contra os falsos mestres e suas doutrinas mortais? Como protegemos nós mesmos, nossas famílias e nossas igrejas de suas mentiras sedutoras? Felizmente, Deus nos deu orientação clara em sua Palavra, mostrando-nos como as igrejas caem em doutrina mortal e como podemos nos proteger contra ela.

O padrão da doutrina mortal

A maioria dos estudiosos da Bíblia concorda que 2 Timóteo é a última epístola de Paulo. Ele estava quase chegando ao final de sua vida, então pegou sua pena para escrever mais uma vez ao seu jovem amigo. Em suas últimas palavras a Timóteo, Paulo faz questão de alertá-lo sobre o perigo dos falsos mestres. “Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos; e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas” (2Tm 4.3-4). Nesses versículos, ele olha para o futuro e descreve uma igreja sendo minada e destruída. Esta não é uma profecia da morte de uma única congregação, mas uma descrição geral da morte de um mil. Ele descreve quatro etapas que podem levar progressivamente qualquer congregação da saúde à morte.

Passo 1: Rejeitar a verdade. Paulo adverte Timóteo de que as pessoas “se recusarão a dar ouvidos à verdade”. O primeiro passo para destruir uma igreja é uma rejeição corporativa do ensino claro da Bíblia. Primeiro, um indivíduo se afasta e depois outro, até que a maioria da congregação começa a questionar o que antes consideravam verdade. Isso pode acontecer gradualmente, à medida que a desconfiança em relação à verdade revelada de Deus se espalha. Ou isso acontece rapidamente, à medida que o amor ao mundo sufoca a fecundidade de uma congregação. De qualquer maneira, o que antes era amor à verdade se transforma em antipatia e repugnância. O que antes era ódio do erro se torna intriga e depois interesse.

Passo 2: Rejeitar os pregadores da verdade. Quando uma igreja se afasta da verdade, seus membros logo se voltam contra os que falam a verdade. Paulo diz a Timóteo que, naqueles dias vindouros, as pessoas “não suportarão a sã doutrina”. Tais pessoas não mais tolerarão o ensino do qual antes desfrutavam. Porque começaram a questionar a verdade, estas pessoas se voltarão contra aqueles que a proclamam corajosamente. Os próprios mestres que uma vez os atraíram e em quem tiveram prazer começam a se tornar repulsivos para eles.

Passo 3: Acolher os falsos mestres. Uma vez que a igreja tenha rejeitado aqueles que ensinam a verdade, ela os substituirá por mestres que lhes deem o que desejam ouvir. “Cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos”. Essa igreja agora deseja novidade mais do que verdade, superficialidades mais do que exortação. Eles querem religião e até querem o rótulo de “cristão”, desde que consigam manter o respeito da sociedade e permaneçam palatáveis ​​em um mundo sem Deus. Então, eles convidam falsos mestres para guiá-los em uma distorção profundíssima e completa da verdade.

Passo 4: Abraçar a falsa doutrina. Uma vez que as pessoas rejeitaram a verdade e os pregadores da verdade, e uma vez que encontraram mestres que os conduzirão à verdade distorcida, eles se desviarão “entregando-se às fábulas”. Agora, eles vão abraçar a heresia total. Eles se tornarão tão endurecidos em seu pecado que elevarão o erro ao status de verdade. Em sua rebelião, eles celebrarão em nome de Deus exatamente em coisas que Deus odeia. Sob a orientação de falsos mestres, eles irão abraçar completamente a doutrina mortal. Eles se desviarão, como ovelhas se desviando do cuidado vigilante de um bom pastor para um bando de lobos.

Paulo esboça uma progressão trágica que começa com pessoas cansadas e envergonhadas da verdade, não mais dispostas a suportar um ensino saudável, que se livram dos pregadores da verdade e acumulam para si mesmos mestres que correspondem às suas próprias cobiças. Inevitavelmente, tais pessoas se afastam de ouvir a verdade e se desviam para as fábulas. Inúmeras igrejas foram destruídas por esse padrão mortal.

A proteção contra a doutrina mortal

Lembre-se de que Paulo está escrevendo ao jovem pastor Timóteo para instruí-lo a proteger sua congregação. Como Timóteo pode guardar sua igreja contra sucumbir aos falsos mestres e à doutrina mortal? Ele deveria estudar os métodos dos hereges para que pudesse antecipar todos os seus movimentos? Deveria estudar a doutrina dos hereges para poder refutá-los ponto por ponto? Paulo oferece uma solução muito mais simples: pregar. “Prega a palavra, insta, quer seja oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda a longanimidade e doutrina” (2Tm 4.2).

A solução para os falsos mestres e a doutrina mortal não é ficar obcecado com falsidades, mas buscar a verdade. A igreja que permanece fiel a Deus é a igreja que permanece fiel à Palavra de Deus. Aqui vemos como Paulo diz que Timóteo — e cada um de nós — deve proteger a igreja contra o padrão da doutrina mortal.

Pregue a Palavra. A igreja que deseja permanecer saudável deve pregar a Palavra de Deus. Pregar é tão poderoso quanto sua fidelidade à Bíblia. O modo mais fiel de pregar a Palavra é pregar expositivamente, para assegurar que o assunto de um texto se torne o assunto do sermão. Essa forma de pregação restringe o pastor à Palavra de Deus e garante à congregação que cada palavra é extraída fielmente das Escrituras.

Pregue com persistência. A igreja deve persistir nessa pregação para estar pronta “quer seja oportuno, quer não”. Há momentos em que a pregação da Bíblia é amada e considerada eficaz, e há momentos em que ela é odiada e considerada lamentavelmente ineficaz. Hoje ouvimos de muitos supostos especialistas que a pregação expositiva está morrendo, e que logo ela fará uma igreja diminuir e desmoronar. Mas esse tipo de pregação fiel e baseada na Palavra deve ser central para a igreja quer seja oportuno, quer não, quando é popular e quando é impopular.

Pregar para aplicação. A pregação deve envolver um elemento de ensino dos fatos da Bíblia, mas deve também “corrigir, repreender, exortar”. Deve sempre ter uma dimensão prática que se dirige ao coração do ouvinte e confronta a sua incredulidade. Enquanto o ensino se destina a acumular fatos, a pregação se destina a salvar almas, a transformar vidas e a motivar o viver santo. A pregação fiel confronta e corrige a falsa doutrina e os padrões pecaminosos de viver (corrige, repreende), e treina e encoraja aquelas coisas que honram a Deus (exorta).

Pregue com longanimidade. A igreja deve continuar tal pregação “com toda a longanimidade…”. Uma congregação nunca deve se cansar desse tipo de pregação e nem perder a confiança em sua bondade e eficácia. Eles nunca devem pedir aos seus pastores algo além da Escritura, nem vacilar em seu compromisso com a exposição fiel da Palavra de Deus como o próprio coração da adoração cristã.

Pregue a sã doutrina. Finalmente, a pregação de Timóteo deve ter um elemento de “doutrina”. Pregar é estar cheio da verdade cristã. É comunicar toda a verdade de Deus a partir de toda a Palavra de Deus. As pessoas que se afastam de Deus não suportam o ensino sadio, mas aqueles que seguem a Deus o desejarão e exigirão. A melhor pregação é aquela cheia de sã doutrina e que nunca a contradiz. O tipo de pregação que Paulo chama de “ensinar todo o conselho de Deus”, pregar toda a Palavra de Deus.

O chamado em todo cristão

Paulo olha para um futuro em que as pessoas não tolerarão a verdade, e ele diz a Timóteo para permanecer fiel ao seu chamado central — liderar a igreja com e por meio da Palavra de Deus. Esse foi o encargo de Paulo para Timóteo há dois mil anos e esse encargo continua hoje sobre você e sobre mim. Como o povo de Deus vive em uma época de comichão nos ouvidos, devemos permanecer comprometidos com nada menos que a fiel pregação semanal da preciosa Palavra de Deus.

Individualmente, somos responsáveis ​​por encontrar e participar de tal igreja. Juntos, somos responsáveis ​​por construir tais igrejas e garantir que elas continuem a pregar fielmente a Palavra de Deus. A igreja saudável é a igreja em que há pregação, a igreja firmemente fundamentada na Palavra de Deus.

Por: Tim Challies. © Challies. Website: challies.com. Traduzido com permissão. Fonte: Deadly Doctrines: The Pattern and Protection.

Original: Doutrinas mortais: o padrão e a proteção. © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Tradução: William Teixeira. Revisão: Camila Teixeira.

2 Comentários
  1. Ana Carolina Figueiredo Diniz Fausto Diz

    Gostei muito desse pequeno alerta infelizmente estamos vivendo isso nos últimos dias, meu esposa é pastor é pregar a essência da palavra de Deus não é fácil.
    Vamos enfrente, nosso alvo é Jesus, a Paz do Senhor Jesus

  2. Rosana barbosa rodrigues Diz

    Oi. Vocês poderiam abrir um compartilhamento por meio do whatsapp ou Instagran? Facilitaria a divulgação. Obrigada

Comentários estão fechados.