Separando o melhor para Deus

A primeira vez que li esta passagem, eu realmente fiquei desgostosa quanto ao rei Davi. Eu não conseguia entender porque Deus havia exterminado Uzá, se, justamente, Uzá havia tentado resguardar a arca de cair!!

Porém, um dia desses, estava orando com meu filho e fui profundamente constrangida por Deus, quando percebi o quanto eu estava sendo parecida com Uzá, negligente no meu temor e reverência a Deus (1Cr 13.12)[1]. O devocional, a oração e o louvor estavam sendo feitos do “meu” jeito, e não conforme as instruções de Deus.

Não podemos levar a arca (arca da aliança, arca do testemunho) de qualquer jeito, ou do “nosso” jeito (1Cr 13.7)[2], pois o próprio Senhor nos instruiu como devemos carregá-la (Êx 25.12-15)[3]. A arca deve ser carregada sem ser tocada, por isso os varais, que destacam a santidade de Deus.

Precisamos aprender a obedecer e buscar a Deus, separando o melhor tempo para Ele. Particularmente, meu melhor horário são aquelas primeiras horas matinais, quando minha mente acabou de despertar e ainda não foi massacrada pelas muitas exigências do dia. Meu corpo está descansado, o meu espírito sedento para reabastecer-se na fonte de água viva[4], além disso, a casa ainda repousa em silêncio. Porém, conheço algumas pessoas que conseguem se concentrar mais no período da noite, quando estão se preparando para dormir. O horário não é o que mais importa. O essencial é separar o nosso melhor tempo para se relacionar com Deus.

Enquanto somos santificados, lavados e purificados pela Palavra (Ef 5.26)[5], Deus se agrada de nossos louvores (Sl 51.17)[6]. Somente santificados, podemos entrar na presença de Deus sem sermos fulminados (Hb 12.28-29)[7].

Para sermos estes que “carregam a arca” (tabernáculos) de acordo com a vontade de Deus, havemos de ser santos (1Pd 1.15-16)[8].

Como citou C. H. Spurgeon: “o cumprimento de um dever de modo errado altera sua natureza e o torna em pecado”.

[1] I Crônicas 13.12 Temeu Davi a Deus, naquele dia, e disse: Como trarei a mim a arca de Deus?

[2] I Crônicas 13.7 Puseram a arca de Deus num carro novo e a levaram da casa de Abinadabe; e Uzá e Aiô guiavam o carro.

[3] Êxodo 25.12-15 Mande fundir quatro argolas de ouro para ela e prenda-as em seus quatro pés, com duas argolas de um lado e duas do outro. Depois faça varas de madeira de acácia, revista-as de ouro e coloque-as nas argolas laterais da arca, para que possa ser carregada. As varas permanecerão nas argolas da arca; não devem ser retiradas.

[4] João 4.10 Replicou-lhe Jesus: Se conheceras o dom de Deus e quem é o que te pede: dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva.

[5] Efésios 5.26 (…) tendo-a purificado por meio da lavagem de água pela palavra

[6] Salmo 51.17 Os sacrifícios que agradam a Deus são um espírito quebrantado; um coração quebrantado e contrito, ó Deus, não desprezarás.

[7] Hebreus 12.28-29 Portanto, já que estamos recebendo um Reino inabalável, sejamos agradecidos e, assim, adoremos a Deus de modo aceitável, com reverência e temor, pois o nosso “Deus é fogo consumidor!”

[8] I Pedro 1.15-16 Mas, assim como é santo aquele que os chamou, sejam santos vocês também em tudo o que fizerem, pois está escrito: “sede santos, porque eu sou santo.”

Por: Renata Gandolfo. © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Original: Separando o melhor para Deus.