Pregando Cristo no Antigo Testamento (10)

[dt_call_to_action content_size=”normal” text_align=”left” background=”fancy” line=”true” style=”2″ animation=”right”]

Esta é uma série de postagens sobre como pregar a Cristo no Antigo Testamento. Muitos tem pregado de forma errada usando o Velho Testamento para pregações moralistas ou de auto-ajuda. Pregador, quer aprender a pregar com base no Antigo Testamento? Esta série de postagem lhe dará uma boa introdução.

| Parte 1 | Parte 2 | Parte 3 | Parte 4 | Parte 5 |

| Parte 6Parte 7Parte 8Parte 9 | Parte 10 |

[/dt_call_to_action]

Encerramos hoje esta preciosa série sobre como pregar a Cristo no Antigo Testamento, com a conclusão de Dario de Araújo Cardoso:

Os estudos de Greidanus e Chapell tornam imperativo aos pregadores evangélicos o dever de reavaliar teologicamente a hermenêutica aplicada à preparação de sermões. O ensino bíblico apostólico e os personagens da orto­doxia eclesiástica, como Lutero, Calvino e Spurgeon, ensinam a necessidade do reconhecimento da centralidade de Jesus Cristo, sua pessoa, obra e ensino em todas as passagens da Escritura e não somente naquelas especificamente consideradas messiânicas. No que tange à pregação biográfica esse dever torna-se urgente uma vez que a hermenêutica exemplarista, quase que universalmente aplicada a esses sermões, mostra-se antropocêntrica, desvia o pregador e sua congregação do foco e do propósito da Escritura, despreza a unidade histórica da redenção e banaliza as porções bíblicas equiparando-as a qualquer outro livro histórico ou religioso. Além disso, falseia o ensino cristão estabelecendo paralelos inconsistentes, e até mesmo errôneos, entre os personagens bíblicos e os ouvintes da atualidade, refugiando-se na moralização, na espiritualização e na tipologização para atribuir relevância aos relatos bíblicos. Por isso, o retorno à centralidade de Deus em Cristo, de modo especial nos sermões biográficos, é uma exigência que não pode ser desprezada sem que grandes prejuízos continuem a ser impostos à pregação cristã da atualidade. Como foi visto, o método cristocêntrico-redentor do professor Greidanus é uma alternativa viável para o cumprimento dessa exigência, visto que mantém o zelo pela interpretação literária e histórica preconizada pelo método gramático-histórico de interpretação, ao mesmo tempo em que desafia o pregador a considerar teologicamente a mensagem do texto no âmbito da história da redenção, objeto da revelação bíblica, e de seu centro e plenitude, Jesus Cristo. A partir de então, o pregador estará preparado para anunciar fielmente o ensino do texto bíblico e aplicá-lo com segurança à realidade de seus ouvintes.

Para você ter mais conteúdo sobre o assunto, postamos abaixo 3 vídeos do Mauro Meister, professor de Antigo Testamento. Na  primeira, ele fala sobre como pregar sobre o Antigo Testamento – um ótimo resumo do artigo do Cardoso. As outras duas postagens são das palestras de Meister na Conferência Fiel de 2011. Lá você encontrará o vídeo da pregação, mais um resumo escrito e mais os livros que Meister recomenda sobre o assunto.

Mauro Meister – Como pregar sobre o Antigo Testamento?

Durante a Conferência Fiel de 2011, o Reforma21conversou com alguns pastores e líderes sobre diversos assuntos. Neste ProdcasTV , o Dr. Mauro Meister fala sobre um assunto que é especialidade dele: Antigo Testamento. Nesse vídeo, ele nos fala sobre a pregação no Antigo Testamento: que erros devem ser evitados e como ela deve ser feita? Confira!

Por: Reforma21. O Rev. Mauro Meister é professor de Antigo Testamento no Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper (CPAJ) e escreve no blog O Tempora, o Mores.

Mauro Meister: A missão de Deus no Antigo Testamento: O princípio

Mauro Meister: A missão de Deus no Antigo Testamento: Dos patriarcas a Cristo