O Papa é o infalível sucessor de Pedro?

O novo papa assumiu seu posto nesta semana e, para espanto de muitos evangélicos modernos, a figura do papa sido identificada pelos protestantes como um anticristo pela sua oposição ao verdadeiro evangelho, o qual proclama salvação pela graça, através da fé somente – o que a Igreja Católica Romana nega.

Há muitos erros teológicos e heresias que tal instituição afirma, contudo, hoje, queremos focar na figura do papa. Ele é o infalível sucessor de Pedro?

Augustus Nicodemus – Pedro, Paulo e Francisco

A renúncia do papa Bento XVI e a eleição do cardeal argentino Jorge Mario Bergoglio para substituí-lo trazem à tona, mais uma vez, a questão da reivindicação da Igreja Católica de que o papa é o legítimo sucessor do apóstolo Pedro como cabeça da Igreja de Jesus Cristo aqui na terra. Francisco se senta no trono de Pedro. Então, tá.

Obviamente, a primeira questão a ser determinada é se o apóstolo Pedro, de alguma forma, teve algum trono, se ele foi uma espécie de papa da nascente igreja cristã no século I e se ele deixou sucessor, que por sua vez, nomeou seu próprio sucessor e assim por diante, até chegar, de Pedro, a Francisco. Eu digo “primeira questão” não somente por causa da sequência lógica da discussão, mas por causa da sua importância. Tanto católicos quanto protestantes tomam as Escrituras Sagradas como a Palavra de Deus. Portanto, é imprescindível que um conceito de tamanha importância como este tenha um mínimo de fundamento bíblico. Mas, será que tem?

É verdade que Cefas, também chamado de Simão Pedro, foi destacado pelo Senhor Jesus em várias ocasiões de entre os demais discípulos. Ele esteve entre os primeiros a serem chamados (Mt 4:18) e seu nome sempre aparece primeiro em todas as listas dos Doze (Mt 10:2; Mc 3:16). Jesus o inclui entre os seus discípulos mais chegados (Mt 17:1), embora o “discípulo amado” fosse João (Jo 19:26). Pedro sempre está à frente dos colegas em várias ocasiões: é o primeiro a tentar andar sobre as águas indo ao encontro de Jesus (Mt 14:28), é o primeiro a responder à pergunta de Jesus “quem vocês acham que eu sou” (Mt 16:16), mas também foi o primeiro a repreender Jesus afoitamente após o anúncio da cruz (Mt 16:22) e o primeiro a negá-lo (Mt 26:69-75). Foi a Pedro que Jesus disse, “apascenta minhas ovelhas” (Jo 21:17). Foi a ele que o Senhor disse, “quando te converteres, fortalece teus irmãos” (Lc 22:32). E foi a ele que Jesus dirigiu as famosas palavras, “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Dar-te-ei as chaves do reino dos céus; o que ligares na terra terá sido ligado nos céus; e o que desligares na terra terá sido desligado nos céus” (Mt 16:18-19).

Apesar de tudo isto, não se percebe da parte do próprio Pedro, dos seus colegas apóstolos e das igrejas da época de Pedro, que ele havia sido nomeado por Jesus como o cabeça da Igreja aqui neste mundo, para exercer a primazia sobre seus colegas e sobre os cristãos, e para ser o canal pelo qual Deus falaria, de maneira infalível, ao seu povo. Ele foi visto e acolhido como um líder da Igreja cristã juntamente com os demais apóstolos, mas jamais como o supremo cabeça da Igreja, sobressaindo-se dos demais.

Para começar, o apóstolo Paulo se sentiu perfeitamente à vontade para confrontá-lo e repreendê-lo publicamente quando Pedro foi dissimulado em certa ocasião para com os crentes gentios em Antioquia (Gl 2:11-14). O apóstolo Tiago, por sua vez, foi o líder maior do Concílio de Jerusalém que definiu a importante questão da participação dos gentios na Igreja, concílio este onde Pedro estava presente (Atos 15:1-21). E quando uma decisão foi tomada, ela foi enviada em nome dos “apóstolos e presbíteros” e não de Pedro (Atos 15:22). Os judeus convertidos, líderes da Igreja de Jerusalém, e que achavam que a circuncisão era necessária para os gentios que cressem em Jesus, não hesitaram em questionar Pedro e confrontá-lo abertamente quando ele chegou a Jerusalém, após ouvirem que ele tinha estado na casa de Cornélio, um gentio. E Pedro, humildemente, se explicou diante deles (Atos 11:1-3). Os crentes da igreja de Corinto não entenderam que Pedro estava numa categoria à parte, pois se sentiram a vontade para formarem grupos em torno dos nomes de Paulo, Apolo e do próprio Pedro, não reconhecendo Pedro como estando acima dos outros (1Cor 1:12).

O apóstolo Mateus, autor do Evangelho que carrega seu nome, não entendeu que a promessa de Jesus feita a Pedro, de que este receberia as chaves do Reino dos céus e o poder de ligar e desligar (Mt 16:18-19), era uma delegação exclusiva ao apóstolo, pois no capítulo seguinte registra as seguintes palavras de Jesus, desta feita a toda igreja:

Se teu irmão pecar contra ti, vai argüi-lo entre ti e ele só. Se ele te ouvir, ganhaste a teu irmão. Se, porém, não te ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas, para que, pelo depoimento de duas ou três testemunhas, toda palavra se estabeleça. E, se ele não os atender, dize-o à igreja; e, se recusar ouvir também a igreja, considera-o como gentio e publicano. Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra terá sido ligado nos céus, e tudo o que desligardes na terra terá sido desligado nos céus (Mat 18:15-18 – itálico adicionado para ênfase).

É muito instrutivo notar a maneira como o apóstolo Paulo via Pedro, a quem sempre se refere como Cefas, seu nome hebraico. Paulo o inclui juntamente com Apolo e a si próprio como meros instrumentos através dos quais Deus faz a sua obra na Igreja (1Cor 3:22). Se Paulo tivesse entendido que Pedro era o líder máximo da Igreja, não o teria citado por último ao dar exemplos de líderes cristãos que ganhavam sustento e levavam as esposas em missão (1Cor 9:4-5). Ele reconhece que Cefas é o líder da igreja de Jerusalém, mas o inclui entre os demais apóstolos (Gl 1:18-19) e ao mencionar os que eram colunas da igreja deixa Cefas em segundo, depois de Tiago (Gl 2:9). E em seguida narra abertamente o episódio em que o confrontou por ter se tornado repreensível (Gl 2:11 em diante). Bastante revelador é o que Paulo escreve quanto ao seu próprio chamado: “aquele que operou eficazmente em Pedro para o apostolado da circuncisão também operou eficazmente em mim para com os gentios” (Gal 2:6-8). Por estas palavras, Paulo se considerava tão papa quanto Pedro!

Nem mesmo Pedro se via como um primus inter pares, alguém acima dos demais apóstolos. Quando entrou na casa de Cornélio para pregar o Evangelho, o centurião romano se ajoelhou diante dele em devoção. Pedro o ergue com estas palavras, “Ergue-te, que eu também sou homem” (Atos 10:26). Pedro reconhece humildemente que os escritos de Paulo são Escritura inspirada por Deus, esvaziando assim qualquer pretensão de que ele seria o único canal inspirado e infalível pelo qual Deus falava ao seu povo (2Pedro 3:15-16). E claramente explica que a pedra sobre a qual Jesus Cristo haveria de edificar a sua igreja era o próprio Cristo (1Pedro 2:4-8), dando assim a interpretação final e definitiva da famosa expressão “tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha igreja”. A “pedra” referida pelo Senhor era o próprio Cristo.

Em resumo, ninguém no século I, ninguém mesmo, nem o próprio Pedro, entendeu que Jesus tinha dito a ele que ele era a pedra sobre a qual a Igreja cristã seria edificada. E nunca esta Igreja tomou medidas para achar um substituto para Pedro após a sua morte.

E isto introduz a segunda questão, que é a sucessão de Pedro…

Clique aqui para continuar a leitura

Brian Schwertley – O Papa é infalível?

A Igreja Católica Romana ensina que o papa é infalível quando fala sobre assuntos de doutrina. Ralph Woodrow contestou tal reivindicação examinando muitas afirmações e decisões papais através da história. O fato é que nem em prática nem em doutrina os papas foram infalíveis. Deixe-nos mostrar algumas das centenas de contradições dessa doutrina da infalibilidade papal:

Papa Honório I, depois de morto, foi denunciado como um herético pelo Sexto Concílio no ano 680. Papa Leão confirmou sua condenação. Ora, se os Papas são infalíveis, como pode um condenar o outro?

Papa Virgílio, depois de condenar certos livros, removeu sua condenação, depois os condenou novamente e então retratou sua condenação, e então os condenou de novo! Onde está a infalibilidade aqui?

O duelo foi autorizado pelo Papa Eugênio III (1145-53). Mas depois o papa Julio II (1509) e o papa Pio IV (1506) o proibiram.

No século onze houve três papas rivais ao mesmo tempo, todos os quais foram depostos pelo concílio coordenado pelo imperador Henrique III. Depois no mesmo século, Clemente III foi deposto por Vitor III e posteriormente por Urbano II. Como os papas podem ser infalíveis se eles se opõem uns aos outros?

Então veio o “grande cisma”, em 1378, que durou cinqüenta anos. Os italianos elegeram Urbano VI e os cardeais franceses escolheram Clemente VII. Os papas amaldiçoavam um ao outro ano após ano até que um concílio depôs a ambos e elegeu a um outro.

Papa Xisto V preparou uma versão da bíblia que ele declarou como sendo autêntica. Dois anos depois o Papa Clemente VIII declarou que ela era cheia de erros e ordenou que uma outra fosse feita.

Papa Gregório I reputou o título de “bispo universal” como sendo “profano, supersticioso, arrogante, e inventado pelo primeiro apóstata” (Epistola 5:20-7:33). Ainda assim, através dos séculos, outros papas reivindicaram o título. Como então podemos dizer que os papas são infalíveis definindo doutrina, se eles contradizem diretamente uns aos outros?

Papa Adriano II (867-872) declarou o casamento civil como sendo válido, mas o Papa Pio VII (1800-1823) os condenou como inválido.

Papa Eugênio IV (1431-1447) condenou Joana D’Arc a ser queimada numa estaca como bruxa. Mais tarde, um outro papa, Bento IV, a declarou como sendo uma “santa.” É isto que é infalibilidade papal?

Como todos os papas podem ser infalíveis quando certo número dos próprios papas condenou tal ensino? Virgílio, Inocente III, Clemente IV, Gregório XI, Adriano IV, e Paulo IV, todos rejeitaram a doutrina da infalibilidade papal. Pode um papa infalível ser infalível e não saber disto? Que inconsistência!

[fonte]

16 Comentários
  1. Jonas Guedes Diz

    Embora saiba que o ponto de vista defendido pela Igreja Católica defendem Pedro como sendo o primeiro Papa, quero esboçar meu ponto vista, entretanto, sem enfocar em achismos ou vãs conjecturas mas com base na história de Roma, onde a beira da queda do Império Romano, Constantino oficializa a cristianismo com religião oficial de Roma através do Édito de Milão em 313 d.C., pois os cristãos eram cerca de 56,5% da população de Roma, portanto, não convinha lutar contra a prática do cristianismo e sim oficializá-la. Isto não enseja de modo algum que a igreja primitiva oriunda de Jesus era a mesma que Constantino oficializou através do Édito de Milão, apenas que oficializava-se o cristianismo como religião oficial de Roma representado pela Igreja de Roma. Ressalta-se ainda que o imperador romano Constantino ao oficializar o cristianismo com a junção de outras da época visto que o mesmo era pagão. isto posto, percebe-se que a igreja instituída por Cristo não restringe-se a uma oficialização por Roma, visto que a igreja referida por Cristo a Pedro seriam as ovelhas as quais seguiriam a Cristo, ou seja, o povo eleito por Cristo antes da fundação do mundo.

  2. António Diz

    Algum tempo que não visitava o seu blog, hoje encontrei-o e vim fazer uma visita.

    É para mim uma alegria ver o seu trabalho, e a sua dedicação em anunciar a Palavra. 1º gostaria de deixar a minha opinião, o anti-cristo, ainda que seja um homem religioso é um político, visto governar e os judeus tolerarem que se assente no trono. Por isso acho que o papa nada tem haver com isso. 2º já li a Bíblia mais de vinte vezes fora os estudos, e nunca encontrei algum verso que mostre que Pedro foi papa, nem tão pouco que tenha sido nomeado cabeça da igreja, se assim fosse Cristo não seria a cabeça da igreja ou então a igreja tinha duas cabeças. 3º quando Jesus falou em chaves, era apenas a verdade expressa de Pedro, sobre a verdade que Pedro tinha dito, Jesus ia construir a igreja, te darei as chaves, as verdades. Tudo o que ligares. Mas isto é lógico se me ligar a Cristo, isso é conhecido no céu, se me ligar a qualquer coisa neste mundo isso é conhecido no céu. Bem para terminar, se o papa fosse o sucessor de Pedro não seria infalível visto Pedro ter falhado várias vezes. Mas como é o papa pode ser sucessor de Pedro? Visto haver vários papas? Então não tinha um sucessor mas vários. Jesus nunca constituiu algum dirigente ou chefe ou líder para Sua igreja, porque Ele é o dirigente da igreja.
    Abraço.
    António.
    Ps. Meu blog é o Peregrino E Servo.

    1. Antonio Diz

      Sr. Antonio Ingnorante….você não vai encontrar na Bibilia a palavra Papa..como também não irá encontrar o nome do Edir Macedo e de outros que fundaram sua própria Igreja usando o nome de Jesus para enganar o povo. Saiba o senhor que a palavra papa significca Pedro Apostolo Primeiro dos Apostolos.

  3. Leonardo Diz

    O fiel e infalível cabeça de Igreja é o seu próprio criador, Jesus. Ele é a pedra angular, inclusive a qual muitos tropessam e tem tropessado ao longo dos tempos. O que o povo de Deus tem que se conscientizar é que a Igreja pertence a Deus, e que Jesus Cristo é o maior representante dessa Instituição, gerada no Trono de Deus!

  4. Kohelet Diz

    Shalom Adonai!, amados, eu passei 10 anos em seminário católico Salesiano em Carpina/PE, ouve uma discussão se o fato da sequencia da sucessão papal era uma teoria divina ou era uma organização dos doutores da lei de Roma?. Numa época de muito sigilo e coisas secretas, inclusive a revelação dentro da Maçonaria como a única inimga seria Roma, o que se sabe é muito duvidoso e sem argumentos veridicos e comprovatórios. Mesmo nas inerrãncias da Bíbilia, não tem revelação de como era feita a sucessão papal, tanto na sua secretíssima reunião e como chegamos ate aos dias atuais. Já bastante avanço, mas permanecemos em revelaçãos se identificar a sua veracidade histórica da sucessão papal. O Vaticano esconde nas suas tumbas essa forma de escolha que ainda hoje nos supreende. SEJA BEM VINDO FRANCISCO, UM JESUITA SECRETO. HALLELUJAH

    1. Nilo Diz

      a minha reposta pra vc e pra esta religião quero dar no dia do Senhor amigo. Lá é vamos ver. Deus irá nos revelar muitas verdades. Aqui nós sabemos que a igreja catolica apostolica romana não são fieis representantes do Senhor. Mas o dia do Senhor mostrará esta verdade. Lá Deus mostrará quem eles são de verdade. Lembra dos dias de Jesus? Ele era minoria no meio de uma religiosidade extrema. Assim também é hoje. Espero que estejamos preparados para este dia.

    2. carlos Diz

      Sr. Nilo “Essa religião”, com todas as suas falhas, pois é guiada por homens, vem desde a época dos apostolos. E a sua? Quem foi o homem que colocou uma biblia debaixo do braço e com ela fundou sua própria Igreja usando o nome de Jesus Cristo….Assim com ele há muitos hoje e muitos iludindo o povo.

  5. Franklin Medeiros Diz

    Ri de mais com a seção da infalibilidade.
    Excelente postagem!

  6. Joao Ribeiro Damasceno Diz

    A SUCESSAO PAPAL DE PEDRO A FRANCISCO: Amados, alguns irmãos dizem e afirmam que sou pol~emico e entro em muitas burradas, e essa é uma das burradas e confessadas pela história da sucessão papal. Talves nem os cardeais atuais saibam ou conheçam plenamente as armadilhas dos doutores da lei. Incrível, o Vaticano somente foi páreo para a Maçonaria e os maçons são hoje um grupo que conhecem muito pouco de sua história. Se não foi Pedro ou Cefas o primeiro Papa, o escolhido ainda não foi revelado, mas tem gerado uma confrontação que nada alimentam nem a história nem cooperam para a salvação da humanidade. Quem veio primeiro foi o ovo ou galinha? sabeis provar? então é melhor ficar calado silensiosamente ouvinte ate que se descubra uma caveira dos préhistoricos e provem foi o Primeiro papa. agora é FRANCISCO, amanha será LOIOLA, se H. Caves não tivesse sido chamado pra os infernos Ele se candiatar ao cargo de papa universal, e quanta gente ia segui-lo, KOITADO. Eeu sei a resposta , mas se eu falar vcv vai querer que prove. Podeis continuar. . .

  7. Pedro Teobaldo Diz

    Pr. André Holanda, segue uma matéria que tem haver com sua pregação deste último domingo! Abração e fique com na Paz de Deus!

  8. Fernanda Pereira Diz

    A religião que se diz cristã e não tiver a Bíblia como única regra de fé e prática não é cristã.

  9. Ricardo Martins Diz

    Boa tarde, paz do Senhor! Que a igreja romana está repleta de falhas e heresias é um fato. (muitas denominações “evangélicas” também). O que me deixa intrigado é que conhheço católicos romanos que tem vida de Deus, pessoas que acredito que realmente nasceram denovo. Scary hu!?

    1. Lucas Yahn Diz

      A idolatria sempre será uma prova concreta de uma falsa conversão, Ricardo.

  10. Elias Alves Diz

    Sinceramente eu percebo que vcs todos estão sendo enganados pelo diabo. Pois eu já fui em algumas denominações protestantes neo pentecostais, e vi sessões de libertação onde se falava coisas similares. Em cada denominação o demônio falava que a igreja do outro era imunda, que o possesso poderia ir a todas menos naquela, e por aí vai. Estas afirmações e pensamentos levam a vaidade e ao individualismo. E se for parar pra ver o que tá acontecendo com a igreja hoje está sendo obra disso. A cada vez mais e mais elas se dividem, se dizendo ser portadora da palavra viva, boa nova. Igreja não é uma construção, igreja são as pessoas que vivem em comunhão com cristo. Pois da mesma forma que Jesus e Deus são um. O corpo de cristo que é a Igreja (nós todos) tbm tem que ser um. Então estaria Cristo dividido? É Edir Macedo quem foi crucificado por vós? É em nome de Valdemiro que fostes batizados? Onde está o sábio? Onde está o homem culto? Onde está o argumentador deste mundo? Por acaso, Deus não tornou louca a sabedoria deste mundo? O diabo está separando a igreja e muitos não percebem. Pois qual evangelizador( protestante,católico ou ortodoxo) incentiva que se frequente uma igreja diferente da sua própria? É certo de que não são todos, mas muitos não creem que possa a salvação ser alcançada fora da igreja a qual frequenta. A salvação está em aceitação ao Cristo total. Rezo para que termine toda essa distinção. Fiquem todos em paz e que Deus vos ilumine e ajude a tirar os ciscos dos olhos.

  11. Samuel Aleixo Diz

    E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.
    João 8:32

    Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.
    João 8:36

  12. Samuel Aleixo Diz

    Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.
    1 Timóteo 2:5

Comentários estão fechados.