um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

Criado à Imagem de Deus

Neste artigo, Mike Ross nos convida a refletir mais profundamente sobre o que significa ser criado à imagem de Deus:

O capítulo de abertura da nossa Bíblia é a história emocionante da criação e formação, que lança as bases para tudo o que vem depois. Conta-se que, “no princípio”, a terra, o nosso lar no universo, era sem forma e vazia, coberta de água e envolta em trevas, enquanto o Espírito de Deus pairava sobre as águas (versículo 2). À medida que os dias da criação se desenrolaram, Deus deu forma à terra e a preencheu. Ele separou o dia da noite, as águas acima das águas de baixo, e a terra seca das águas de baixo. Deus encheu esses ambientes, colocando luzes no céu para separar o dia da noite, formando criaturas viventes para nadar nas águas de baixo, e pássaros para voar no céu acima, e fazendo com que a terra produzisse seres vivos sobre a terra seca. Finalmente, como o ato culminante, Deus criou um outro tipo de ser vivo, o homem.

O foco da narrativa recai claramente sobre essa criatura. Este não foi apenas o ato final da criação, mas um quarto da história é centrado nele. Algo muito especial e muito importante está diante de nós.

O capítulo divide a totalidade dos seres em duas categorias básicas: o Criador e a criação. Deus é o Senhor de tudo, aquele que não foi criado, mas é o criador dos céus e da terra. Todo o resto é criado e, portanto, finito, temporal, dependente e mutável. Alguns são seres vivos (plantas e animais). Alguns têm o fôlego de vida neles (versículo 30). Nesse grupo está o homem. Assim como outros membros do grupo, o homem é criado em ambos os sexos e chamado para ser frutífero, multiplicar-se e encher a terra (versículos 22, 28). Outras semelhanças poderiam ser notadas (cabelo sobre a pele, as mulheres dão à luz as suas crias e as amamentam, e assim por diante). Mas com todas as semelhanças que podem ser notadas, há algo sobre o homem que o distingue bastante de todas as outras criaturas.

A vegetação que Deus fez brotar da terra seca (versículo 11) é o primeiro ser vivo a ser mencionado. Em seguida, vêm as criaturas que vivem nos mares e os pássaros que voam no ar (versículo 20), gado, animais que rastejam e animais selvagens(v. 24). Eles são todos formados conforme a sua espécie. Esta frase ocorre dez vezes e deixa uma impressão de destaque na narrativa. Indica que, enquanto há uma grande diversidade entre todos os seres vivos, há grupos entre os que compartilham características comuns, formando como que “famílias” de coisas, com a distinção moderna entre gênero e espécie. No entanto, o objetivo principal da frase não é muito de nos apresentar o trabalho científico de taxonomia, mas sim fornecer a base necessária para trazer um contraste dos seres humanos com todos os outros seres vivos.

Quando Deus faz o homem, ele quebra o padrão que estabeleceu durante a criação de seres vivos conforme a sua espécie. A menção repetida dez vezes deste padrão nos leva a esperá-la em cada nova criatura viva que aparece, mas algo completamente diferente acontece quando o homem é feito, ele não é criado “conforme a sua espécie”. Também não é criado conforme qualquer outra espécie entre os seres vivos. Dessa forma, o homem não pertence às suas espécies, qualquer que sejam as semelhanças que existam entre ele e as outras criaturas. Em uma linguagem científica moderna, ele não é uma espécie em particular dentro de um determinado gênero de criaturas viventes. O homem é diferente de quaisquer outros seres vivos (versículo 26). Por mais surpreendente que seja, o homem é criado conforme a “espécie” de Deus, criado à imagem de Deus (imago Dei).

Leia o artigo completo

2013_TBT_04_April_161x1000Mark Ross é deão e professor associado de teologia sistemática no Erskine Theological Seminary, situado na Carolina do Sul, EUA. Ele também é diretor do Institute for Reformed Worship.

Por Mark Ross. Extraído do site www.ligonier.org. © 2013 Ligonier Ministries. Original: Imago Dei

Este artigo faz parte da edição de Abril de 2013 da revista Tabletalk.

Tradução: Isabela Siqueira. Revisão: Renata do Espírito Santo – © Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: www.MinisterioFiel.com.br. Original: Criado à Imagem de Deus

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

Veja mais artigos desta revista

2 Comentários
  1. Jean Correa Diz

    E não é que a ideia de que o ser humano é um animal racional estava certa? Assim como os animais, fomos feitos do pó da terra e tornados almas viventes. O que nos diferencia é que temos uma relação especial com Deus: ele próprio nos fez, com suas mãos, e soprou em nós a vida. Isso nos torna especiais.

    Jean Corrêa
    http://prosadecrente.blogspot.com

  2. Alankardec Vieira Treguas Diz

    É interessante e muito claro o seguinte: O Senhor Deus faz a biodiversidade dos seres em grupos, plantas e os animais conforme a sua "espécie", o homem (alma vivente), e o espírito eterno ( Imagem de DEUS). Contudo não fez conforme a "espécie" de algum animal, criou à sua semelhança ( um ser moral e espiritual ) para governar a terra, há uma distinção clara no texto entre ação por instinto (animais), e ação por escolha pessoal ( o homem). Um forte abraço a todos. Deus abençoe!

Comentários estão fechados.