um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

Disciplina na igreja: castigo ou amor?

Disciplina na igreja — a própria frase parece trazer à mente da maioria dos cristãos um desfile de horrores. Parece que a nossa imagem atual da disciplina eclesiástica é aquela de tiranos repressivos e alheios, nos dizendo o que podemos e o que não podemos fazer. Isso não nos surpreende quando consideramos os incidentes públicos de abuso de autoridade tanto dentro quanto fora da igreja. Também há a ideia de que a disciplina na igreja parece alheia ao nosso entendimento moderno de liberdade cristã, um entendimento no qual o indivíduo cristão é seu próprio juiz em todas as questões concernentes à fé e à vida cristãs. Mas para entender o motivo pelo qual a disciplina eclesiástica tem sido considerada uma “marca” na igreja historicamente, devemos nos lembrar do verdadeiro propósito da disciplina na igreja.

Uma marca da igreja

Desde o tempo dos reformadores, para distinguir entre uma igreja verdadeira e uma igreja falsa, teólogos têm descrito três “marcas” da igreja: a pregação adequada da Palavra de Deus, a administração apropriada dos sacramentos e a administração apropriada da disciplina eclesiástica. Embora não seja controverso pensar que uma igreja verdadeira ensinaria a Palavra de Deus e obedeceria o mandamento de Cristo para observar os sacramentos, muitos cristãos duvidariam que a disciplina eclesiástica é necessária para se ter uma verdadeira igreja. Na realidade, contudo, a ideia da disciplina na igreja é um paralelo essencial às primeiras duas marcas. Afinal, a Bíblia não nos diz que não é suficiente que a Palavra seja ensinada e pregada apropriadamente, mas que ela também deve ser obedecida e praticada (Rm 2.13; Tg 1.22)? E como a igreja pode administrar os sacramentos apropriadamente sem determinar a quem eles se aplicam? A disciplina eclesiástica é o mecanismo que o Senhor decretou para designar e edificar a sua igreja, a família de Deus.

A igreja não é apenas uma organização — é a personificação do propósito e do plano de Deus para redimir pecadores e reconciliá-los consigo mesmo. O mesmo crente em Jesus Cristo que é justificadoatravés da fé também é adotado através da fé. Nosso grande Deus triuno não se satisfaz apenas com o fato de seu povo ser declarado não culpado diante do seu trono de julgamento (Rm 5.1). Ele também torna cada pecador redimido seu filho, parte da família de Deus (João 1.12). Quando vemos a igreja como uma família, começamos então a ver o propósito e a bênção da disciplina eclesiástica. Assim como pais e mães que carinhosamente amam os seus filhos devem tomar tempo para corrigi-los e encorajá-los, pastores e presbíteros que amam o Senhor e o povo do Senhor devem tomar tempo para corrigi-los e encorajá-los.

Disciplina e discipulado

Para melhor apreciar a posição da disciplina na vida da igreja, devemos vê-la através de uma lente bíblica em vez de tentarmos enxergá-la por meio de casos individuais que possamos ter ouvido (ou experimentado). A palavra disciplina traz à tona imagens de julgamento e punição que podem nos colocar imediatamente na defensiva. Mas esse não é o uso bíblico primário da disciplina. A disciplina bíblica está mais relacionada com outra palavra bíblica bem conhecida: discípulo. Um discípulo é alguém que é ensinado (Mt 10.24), e no Novo Testamento, discípulo tem uma especial referência a aprender a observar todos os mandamentos de Jesus (28.19-20). De maneira similar, disciplina é aprender os caminhos do Senhor. Paulo usa a palavra nesse sentido em Efésios 6.4: “Pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor”. De fato, a palavra do Novo Testamento para disciplina é a mesma palavra grega que é usada para educação ou instrução (especialmente de crianças) em um sentido mais amplo. Disciplinar alguém é treiná-la no caminho em que ela deve seguir (Pv 22.6) e edificar alguém que é querido (Hb 12.5-11) por amor (Ap 3.19).

Esse modelo bíblico também nos ajuda a entender que a disciplina eclesiástica é necessária para o nosso crescimento na graça e no conhecimento do Senhor Jesus Cristo. Se disciplina é o trabalho de um pai amoroso que instrui os seus filhos, como podemos recusar a instrução do nosso Pai celestial? O Senhor concedeu pastores à sua igreja para o propósito de edificar e capacitar o rebanho, e ele usa esses pastores como meio para disciplinar o seu povo (Ef 4.11-16). Em primeiro lugar, disciplina começa com instrução a partir da Palavra de Deus. Disciplina na igreja nunca deveria começar no estágio de algum tipo de ação formal. Ela começa com os líderes da igreja dando direção, instrução e admoestação a partir da Bíblia. Para que sejamos edificados pelo Senhor, devemos conhecer os mandamentos do Senhor. Para sermos colocados no caminho correto, devemos conhecer os caminhos do Senhor. Em um sentido muito real, se não desejamos ser parte de uma igreja que pratica a disciplina eclesiástica, estamos desistindo do privilégio de sermos instruídos e constrangidos pela Palavra de Deus.

Como deve ser a disciplina na igreja?

Se a disciplina eclesiástica é uma marca de uma igreja legítima, e se isso é uma extensão da disciplina amorosa de Deus para com seus filhos, por que ela não é praticada em mais igrejas? Por que ela é tão subestimada? A resposta para tais perguntas é frequentemente encontrada na maneira comoa disciplina eclesiástica é (mal) praticada. Assim como os pais devem cuidar de aplicar fielmente e biblicamente  disciplina a seus filhos, os líderes da igreja devem usar a sua autoridade com coerência e amor. O Antigo Testamento está cheio de advertências sobre os perigos do favoritismo (como Jacó com José e seus irmãos), e a falha em aplicar a disciplina (como Eli e seus filhos). O Senhor de fato disciplina aqueles a quem ele ama (Hb 12.6), e a igreja também deve fazê-lo. Mas nunca podemos nos esquecer que a disciplina eclesiástica é um exercício de amor. Isso significa que a disciplina na igreja não é algo que deve ser buscado apenas após uma situação não parecer mais ter jeito. Disciplina não é a “gota d’água”, onde o julgamento é pronunciado. Disciplina eclesiástica bíblica é uma cultura de responsabilidade, crescimento, perdão e graça que deve permear as nossas igrejas. Cada membro de igreja tem a responsabilidade de ajudar os outros em suas lutas contra o pecado — não através de julgamento e críticas, mas, ao invés disso, com gentileza e visando à restauração, sabendo que ele mesmo também está sujeito à tentação (Gl 6.1). Mateus 18 não descreve uma espécie de litígio alternativo; é uma cartilha sobre como abordamos amorosamente uns aos outros, pacientemente esgotando os passos menores (por exemplo, ir até a pessoa) antes de passar para os passos maiores (por exemplo, levar à igreja).

Os líderes da igreja devem sempre se lembrar que a autoridade que eles possuem quanto à disciplina não vem deles mesmos, mas é a autoridade de pastoreio de Cristo. Esta é a igreja de Cristo (Ef 1.22-23; Cl 1.18), e é ele quem a está edificando para torná-la sem mácula (Ef 5.27). Os líderes, portanto, devem fazer todo esforço para evitar agir de maneira dominadora e tirânica simplesmente para resolver rapidamente os problemas (1Pe 5.3), ou demonstrando parcialidade em disciplinar alguns enquanto ignora outros (Tg 2.1). Os membros devem saber que o processo de disciplina não é um método secreto de punição, mas é a maneira de Deus restaurar pecadores, curar relacionamentos e honrar a sua Palavra. Os líderes não devem temer que a disciplina na igreja seja vista à luz do dia, ao passo que, ao mesmo tempo, devem empregar todo esforço para proteger a reputação dos membros de desnecessária notoriedade e potenciais fofocas. O fim almejado não é simplesmente resolução, mas o fortalecimento de crentes individuais e de todo o corpo de Cristo.

Qual é o propósito da disciplina na igreja?

Por último, a disciplina eclesiástica é algo que requer oração, reflexão e coerência, porque possui propósitos importantes na vida da igreja. Há três propósitos principais para a disciplina na igreja. Primeiro, a disciplina na igreja existe para recuperar o pecador de volta à igreja, e em última análise, ao Senhor. A disciplina eclesiástica que é praticada em amor é uma poderosa maneira de confrontar um pecador com seu pecado e mostrar que a igreja o ama, não desistirá dele e deseja vê-lo restaurado à plena comunhão. Em um sentido muito real, a disciplina pode ser a atuação do evangelho diante dos nossos olhos. Devemos reconhecer o nosso pecado, nos arrepender e pedir perdão, o qual é livre e plenamente concedido.

Segundo, a disciplina é necessária para manter a pureza da igreja e seu testemunho diante de um mundo vigilante. Isso não significa que colocamos uma máscara hipócrita de perfeccionismo, mas admitimos diante do mundo que a Palavra de Deus é o padrão para as nossas vidas e que somos verdadeiros cristãos — não perfeitos, mas perdoados.

Por último e mais importante, a disciplina na igreja é feita para a glória de Deus. Cristãos são exposições vivas da glória de Deus, e nós mostramos muito mais a sua glória quando lutamos para refletir seu amor e seu santo caráter (Ef 3.10). Que maneira melhor de mostrar que um Deus santo é um Deus amoroso do que através da disciplina? Conforme buscamos a restauração daqueles que tropeçam, em espírito de amorosa humildade, colocamos em exposição uma honorável conduta que apontará para aquele que é a fonte de toda a restauração no universo (1Pe 2.12).

Por: Fred Greco. © Ligonier Ministries. Website: ligonier.org. Traduzido com permissão. Fonte: Church Discipline.

Original: Disciplina na igreja: castigo ou amor? © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Tradução: Alan Cristie. Revisão: Renata do Espírito Santo.

10 Comentários
  1. Welerson Ferreira Diz

    Geralmente se faz uma distinção entre duas coisas inseparáveis: disciplina x amor.

    Se não há amor não é disciplina; é punição.

    Não há problemas na disciplina na igreja, desde que:

    – TODOS, inclusive os líderes, estejam ao alcance da vara;
    – Seja corretiva e não punitiva;
    – A vara "com espinhos" não dá frutos.

    É bom nos lembrarmos de que na Arca da Aliança, que trazia a presença de Deus, havia 3 coisas:
    O maná, as tábuas da lei e a vara de Arão.

    Em sentido figurativo, elas representam respectivamente, provisão, direção e correção do Senhor ao seu povo.
    Na vara, havia dois elementos bem significativos também: flor e frutos.

    Não creio que foi por acaso que a vara trazia esses elementos.

    Acredito que o Senhor está ali mostrando como é a correção que vem dEle.

    As flores são o amor com que Ele nos disciplina e os frutos me dizem que Sua vara, ainda que doa, vem cheia de cuidado, e que consequentemente produzirá bons frutos.

  2. Jonas Capiski Diz

    A DISCIPLINA E O FATO DA IGREIJA ,SEGUIR POR CAMINHOS DE SANTIDADE ,COMO DIZ O CONHECIMENTO,DISCIPULO E DISCIPLINA ,NÃO PODEMOS SERE DISCIPULO SEM PRIMEIRO NÃO APREDEMOS O QUE É DISCIPLINA

  3. Paulo Ricardo Diz

    Algo tão simples e confortante o sentido verdadeiro disciplina. Pena que muitas igrejas a torna isso o fardo.PAZ SEJA COM TODOS.

  4. Marcelo Bento Diz

    Graça e a paz. Meu nome é Marcelo Bento e na Minha opinião não existe Disciplina dentro dos Ministerios (pois igreja Sao os santos e não lugar) . Eu observo muito Jesus nos evangelhos, e nunca vi Jesus deixar alguem de Disciplina (ou no modo ignorante BANCO), pois Jesus ao saber que Judas roubava o dinheiro na Bolsa, Ele nunca colocou Judas de Disciplina. Nao Existe Referencia no Novo Testamento de Separar alguem que cometeu algum pecado, e essa passagem de HB e PV se refere ao Pai, somente a Deus, que é Único pai. E se vier alguma consequência ou correção de um pecado cometido, vira somente de Deus. Essa é Minha Visão com Base nas Escrituras….

    1. Luciano Diz

      Amigo, permita-me discordar de tal opinião. Com todo respeito, mas você está errado. Quando diz: “Nao Existe Referencia no Novo Testamento de Separar alguem que cometeu algum pecado”, você demonstra grande ignorância bíblica. Citarei alguns casos de disciplinas nas igrejas primitivas, fundadas pelos apóstolos:

      Caso de incesto: 1 Coríntios 5:1-13 . A disciplina do apóstolo Paulo sobre o incestuoso produziu frutos, como diz em 2 Coríntios 7:8-12.

      Caso de heresias: 2 João 1:9-11
      Caso de ociosidade: 2 Tessalonicenses 3:5-15
      Caso de pecados públicos: 1 Timóteo 5:19-22
      Ananias e Safira: Atos dos Apóstolos 5:1-10

      Nosso próprio Senhor Jesus ensinou-nos a disciplina eclesiástica: Mateus 18:15-20. Cristo também usou palavras duras com seus discípulos: Mateus 17:14-21 e Lucas 9:37-41.

      O próprio apóstolo Pedro e Barnabé foram disciplinados por Paulo, e publicamente: Gálatas 2:11-14

      Himeneu, Alexandre e Fileto foram “entregues a Satanás”, como forma de disciplina, assim como o incestuoso de 1 Cor 5: leia 1 Timóteo 1:18-20

      Então, torço pela mudança do seu pensamento. Pois a disciplina eclesiástica é bíblica e ordenada por Deus. Não como forma de humilhação e vergonha, mas para impedir o avanço do ‘endurecimento do pecado’, como diz Hebreus 3:12-13. É com vista ao arrependimento, restauração e o amor que somos ordenados a disciplinar e sermos disciplinados, como ensina também Hebreus 12.

      Fica com Deus.

  5. Thiago Queiroz Diz

    A disciplina de forma pública na igreja só deve ocorrer em caso de pecado obstinado, seja ele qual for. Caso contrário teríamos que abrir uma sessão de descarrego toda semana onde TODOS os membros teriam de confessar seus pecados da semana. Aliás, nem a igreja, nem a Igreja estão em lugar de Deus para ouvir confissões e pedidos de perdão. Não há nada na escritura que dê margem à isso.

  6. Luiz Ribeiro Diz

    O texto é, os comentários são ótimos, porem esqueceram que não vivemos mais na era da igreja santa, a igreja de hoje é adultera, é profana, os pupitos deram lugares aos lobos que nem mais precisam se vestir de ovelhas, estão descarados, são lobos em pele de lobos, e as pessoas ao invés de crentes, são supersticiosos, que vivem um evangelho mentiroso, sem a maior virtude dos evangelhos "CRISTO". Sei q muitos vão contestar esta visão, mas é a realidade. Como punir um indivíduo q traiu a esposa? quem vai punir, o pastor? aquele cara que vive adulterando a palavra de Deus! Pessoas deveriam enxergar seus erros para depois corrigirem os dos outros, como disse Jesus, "coa um mosquito e engole um camelo" Nem todos os que estão na igreja são profanos, mas a grande maioria é supersticiosa, desconhecem o Deus que adoram, e não existem profetas para anunciarem a verdade, não pelo fato de terem apenas se corrompidos, mas pq desconhecem num todo o plano da salvação, anunciam um evangelho paralelo, evangelho de homens e não de Deus…

  7. Rildo Bezerra Diz

    Disciplina é um código de conduta.
    Disciplinar alguém é exigir que ela se
    Alinhe a uma conduta da qual é exigida
    por uma pessoa ou instituição.
    As empresas, escolas, repartições públicas e Igrejas tem seus próprios codigos de conduta.

  8. Paulo De Souza Junior Diz

    SERIA MUITO BOM SE NÃO HOUVESSE A NECESSIDADE DE APLICÁ-LA !!! MAS, JÁ QUE É PRECISO, QUE SEJA BÍBLICA E AMOROSA !!!

  9. Ronald Deison Diz

    Somente quem pastoreia uma ígreja sabe o peso da responsabilidade que carrega. Se um pastor não tiver autoridade, em vão pastoreia e se ele for liberal, vira bagunça. É na própria palavra de Deus que os misistros do Senhor são instruidos a exortar e repreender com amor, alem do mais todos aqueles que Deus constituiu como bispos sobre a sua igreja, prestaram conta de cada alma que o Senhor colocou em “suas mãos,” logo, eu entendo que a disciplica precisa sim ser aplicada quando necessário, desde que o zelo e o temor do Senhor esteja sobre a vida do pastor na igreja. Agora, imagine uma pessoa, exercendo alguma atividade de liderança na igreja e esse sugeito começa a fazer coisas erradas, será que o pastor teria que ser negligente em não advertir e posteriormente disciplina-lo ou ate mesmo afasta-lo daquela atividade, justificando que, porque Jesus não disciplinou Judas, o bispo ou pastor na igreja não tem o direiro de disciplinar ninguém? A pessoa que pensa assim, precisa estudar mais a palavra de Deus e conhecer a sua vontade.

Comentários estão fechados.