um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

O Evangelho da Prosperidade em Meu Próprio Coração

[dt_call_to_action content_size=”normal” text_align=”center” background=”fancy” line=”false” style=”0″ animation=”none”]

O Coelhinho da Páscoa é um pregador da prosperidade. Você se achega a ele buscando bênçãos – “que trazes para mim” – e ele lhe traz gostosuras terrenas. O Cordeiro de Deus é um pregador do arrependimento. Você se achega a ele quebrantado e ele lhe traz vida eterna. Nesta Páscoa, não siga o Coelhinho da Prosperidade, mas o Cordeiro de Deus. Acompanhe as postagens do Especial de Páscoa:

Clique aqui

[/dt_call_to_action]

Embora eu tenha sido exposto ao evangelho da prosperidade mais cedo em minha vida, eu nunca pensei nele seriamente até ter começado o seminário. Eu comecei a servir em igrejas locais durante meus estudos, e fiquei espantado ao descobrir tantas pessoas sob meu cuidado consumindo material do evangelho da prosperidade via diferentes formas de mídia. Além disso, muitas pessoas pareciam ver seus relacionamentos com Deus como uma relação quid pro quo. Ele era tratado como um velho interesseiro celestial que existia para deixá-las saudáveis, ricas e felizes em troca de serviços prestados.

No início de minha carreira acadêmica, publiquei em um jornal teológico bastante desconhecido um artigo chamado “The Bankruptcy of the Prosperity Gospel” (A Falência do Evangelho da Prosperidade, em tradução livre).[1] Nele eu tentei sintetizar minhas objeções iniciais à teologia da prosperidade, assim como (se possível) dar direções básicas àqueles cercados pelo movimento do evangelho da prosperidade. Para a minha surpresa, eu recebi imediato feedback sobre minha curta publicação — tanto positivo, quanto negativo. De fato, eu continua a receber mais feedback sobre aquele artigo do que sobre qualquer coisa que eu tenha escrito.

Essas duas experiências me fizeram fazer a seguinte pergunta: porque cristãos evangélicos são atraídos ao evangelho da prosperidade? E por que, em geral, tantas pessoas se identificam com ele? Após alguma reflexão e investigação, a resposta à qual cheguei foi surpreendente: o evangelho da prosperidade reside no coração de todos os homens; o evangelho da prosperidade está até mesmo no meu próprio coração.

Imagine que você está dirigindo para a igreja em uma manhã fria e chuvosa, e para a sua consternação, o seu pneu fura. Qual é o seu pensamento imediato? “Sério, Deus? Estou indo para a igreja. Não há algum traficante de drogas ou um marido abusivo que tu poderias ter afligido com um pneu furado?” Isso é evangelho da prosperidade.

Ou talvez você não receba aquela promoção no trabalho, seu filho fica doente, ou você é injustamente criticado na igreja. Resultado? Você fica irritado com Deus porque você foi negligenciado, afligido ou menosprezado. Isso é evangelho da prosperidade.

O próprio pensamento de que Deus nos deve uma vida relativamente livre de problemas, e a raiva que sentimos quando Deus não age da maneira que cremos que ele deveria agir, mostram um coração que espera que Deus nos faça prosperar por causa de nossas boas obras. Isso é evangelho da prosperidade.

Pode ser fácil para você apontar os charlatães espirituais na televisão, vendendo suas indulgências modernas, distorcendo passagens bíblicas e nos prometendo o melhor desta terra se simplesmente tivermos fé o suficiente na fé. Mas não se esqueça que o que torna o evangelho da prosperidade tão atrativo é que ele fornece atende aos desejos do coração humano decaído. Ele promete muito, pedindo pouco. Ele cede à carne.

Embora você possa ser maduro o suficiente para resistir ao evangelho da prosperidade sistematizado dos autodeclarados provedores do movimento, não ignore o evangelho da prosperidade latente que habita dentro de seu próprio coração. O verdadeiro evangelho diz que o que quer que surja no caminho, Jesus é suficiente.

Ele é suficiente para você?

[1] David W. Jones, “The Bankruptcy of the Prosperity Gospel: An Exercise in Biblical and Theological Ethics,” Faith and Mission 16, no. 1 (Outono de 1998): 79–87.

Por: David W. Jones; Original: The Prosperity Gospel in My Own Heart. website: www.9marks.org

Tradução: Alan Cristie. Original: O Evangelho da Prosperidade em Meu Próprio Coração

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

11 Comentários
  1. Renato De Jesus Ferreira Diz

    muito bem explicado.quem não entender o que é o evangelho da prosperidade apos ler este artigo, me pede que eu DESENHO.

  2. Ray Henrique Diz

    Ótimo artigo! Que Deus tenha misericórdia de mim.

  3. Muito bom!

  4. Luis Felipe Rodrigues Diz

    Ótimo! Que Deus me guarde de ter um coração assim.

  5. Léa Oliveira Diz

    Que Jesus seja suficiente pra mim!!

  6. Edenilsom Leardini Diz

    Meu irmão que comparação mais estúpida da teologia da prosperidade!Voce cita atitudes de um homem natural ou seja a manifestação da natureza carnal que reside em todo o homem como o Apóstolo Paulo descreve em Romanos 7,e que somente e extinto a partir de seu novo nascimento conforme Romanos 8,e coloca a culpa na Teologia da prosperidade.Veja bem eu não estou dizendo que concordo com a tal Teologia da prosperidade.O problema não e a Teologia e sim de uma natureza pecaminosa que está dentro de muitos cristãos inclusive de igrejas tradicionais.A murmuração faz parte do egocentrismo humano que precisa de regeneração .Cristo disse "e vos não quereis vir a mim para terdes vida"

  7. Claudia Benjamim Coelho Diz

    MUITO BOM , INFELISMENTE O EVANGELHO HOJE, MUITAS DAS VEZES NÃO É PREGADO COMO CRUZ É SIM PROSPERIDADE.

  8. José Flora Diz

    verdade

  9. Ramiro Rodrigues Silva Filho Diz

    Irmão Edenilson Leardini a Paz de Cristo! Eu concordo com o autor do artigo (David W. Jones) abordou sobre a "famigerada" Teologia da prosperidade. Há problemas sim na tal teologia. Acredito que o irmão deva ser um defensor da mesma e tenha se incomodado um pouco com a verdade. Não vejo como estupidez, mas, como sensatez.. Realmente o materialismo tomou conta de uma grande parte dos púlpitos de hoje.

  10. Celia Kitsuta Diz

    O autor resume muito bem a essência da teologia da prosperidade. Me parece que, entendida desse modo, ela pode ser rastreada até o Éden, ao momento quando, para os nossos primeiros pais, a abundante e maravilhosa graça de Deus deixou de ser suficiente. Daí a importância, sim, de humilde e fervorosamente pedirmos ao Espírito Santo que sonde os nossos próprios corações revelando-nos de que modo a semente daquela insatisfação ancestral pode estar atuando hoje em nós, contaminando a forma como nos relacionamos com Deus. O SENHOR tenha misericórdia de nós!

  11. Mirameles Sabino Diz

    Excelente reflexão!!! Compartilhando!

Comentários estão fechados.