A habitação do Espírito Santo nos crentes no AT: Definições

Nesta palestra, Mauro Meister argumenta que apesar de haver algumas descontinuidades entre os Testamentos, há mais continuidade, o que implica dizer que os crentes do Antigo Testamento também eram habitados pelo Espírito.

Problema básico sobre a doutrina do Espírito Santo no AT

Qual era a atuação do Espírito Santo nos crentes no tempo do Antigo Testamento? Como era operada a salvação dos crentes no tempo do Antigo Testamento? O Espírito Santo age de forma diferente nas duas dispensações (AT e NT)? Se age, qual a diferença na sua atuação e ministérios? Existe material suficiente no AT sobre o Espírito?

Posições sobre o assunto:

  1. Continuidade: Regenerados e habitados
  2. Mais continuidade do que descontinuidade: Diferenças reconhecidas, mas não vistas como fundamentais
  3. Alguma continuidade e alguma descontinuidade: Regenerados, mas não habitados
  4. Mais descontinuidade do que continuidade: Recebem a operação e, por inferência seu Espírito, mas não são habitados.
  5. Descontinuidade: O Espírito nada tem a ver com a fidelidade dos crentes da Antiga Aliança.
  6. Descontinuidade vaga: Habitação negada mas a regeneração não é levantada

Um ponto de vista comum é que não havia a habitação do Espírito nos crentes do AT. O Espírito somente vinha ‘sobre’ os crentes para tarefas especiais, mas não habitava nos crentes. Esse ponto de vista normalmente afirma também que o AT era o tempo da Lei e o NT o tempo da graça. Contudo, creio que há mais continuidade do que descontinuidade.

mauro-dispensacionalismo

Claro no NT; como semente no AT

A teologia reformada afirma que há somente uma forma de salvação, uma operação da Graça, uma só fé, um só Evangelho, a atuação básica do Espírito é a mesma nos dois Testamentos, continuidade dos sacramentos. A santificação sempre foi pela graça e a regeneração pelo Espírito. Para a teologia reformada, não se divide o AT como o tempo da Lei e o NT o tempo da graça, mas somente um pacto da graça sob várias dispensações. Toda humanidade está sob a Lei e, depois da queda, sob a maldição da Lei e todos os crentes sob a Graça e livres da maldição da Lei, no Novo e no Antigo Testamento.

mauro-alianca

Assim como a doutrina da Trindade, percebemos que várias doutrinas se encontram de forma clara no Novo Testamento, mas isso não significa que estão ausentes no Antigo. Elas estão lá em sua forma seminal. Isso é reflexo da revelação ser progressiva.

mauro-progressiva

 Doutrinas claras no NT e como semente no AT:

  • Salvador: 1 Tm 2:5; Is 43:11
  • Graça/Misericórdia: Rm 3:24; Sl 6:4
  • Fé: Rm 3:28; Gn 15.6
  • Evangelho: Rm 1:16; Gl 3:8-9
  • Sacramentos: Lc 22:15; Gn 17:10
  • Regeneração: Tt 3.5 Jo 3:5-7 (Nicodemus era um membro da antiga aliança)
  • Santificação: 2Ts 2.13; Lv 20.7
  • Habitação do Espírito: Rm 5.5; ????

E quanto à habitação? Devemos lembrar que o Espírito é a terceira pessoa da Trindade e é onipresente, então o que significa afirmar que ele está ausente? Significa que ele não age? Mas o Espírito age tanto em crentes como incrédulos, mesmo que de forma diferente, afinal é a ação dele sobre incrédulos que traz a conversão. Então, por dedução, da clara doutrina no NT, podemos dizer que sim o Espírito habitava nos crentes do AT.

Alguns textos que são usados para ‘indicar’ a ausência do Espírito são:

  • Tendo-se retirado de Saul o Espírito do SENHOR, da parte deste um espírito maligno o atormentava. (1Sm 16.14)
  • Não me repulses da tua presença, nem me retires o teu Santo Espírito. (Salmo 51.11)

Mas se o Espírito não estava presente, como Davi poderia clamar e ensinar (salmo didático): “Bem-aventurado aquele cuja iniquidade é perdoada, cujo pecado é coberto. Bem-aventurado o homem a quem o SENHOR não atribui iniquidade e em cujo espírito não há dolo… Confessei-te o meu pecado e a minha iniqüidade não mais ocultei. Disse: confessarei ao SENHOR as minhas transgressões; e tu perdoaste a iniqüidade do meu pecado.”

Na próxima palestra responderemos melhor os textos citados acima e veremos mais sobre as dificuldades em se afirmar a habitação do Espírito.

Por: Mauro Meister. © 2014 Ministério Fiel. Original: A habitação do Espírito Santo nos crentes no AT: Definições.

Gravado na Conferência Fiel 2014.

Veja outros vídeos da Conferência Fiel 2014

Acompanhe às reprises da Conferência Fiel 2014, onde estamos estudando nas Escrituras “A Obra do Espírito Santo”.

8 Comentários
  1. Diego Ramos Diz

    A conclusão de Meister em favor da posição 2 é mais um resultado de sua adesão a priori às premissas da Teologia Aliancista (não confundir com Teologia Reformada) do que de uma análise cuidadosa do texto bíblico. Este aponta na direção da posição 3 com algumas ressalvas. Regeneração, sem habitação permanente, mas com capacitaçao (por meio de habitação contingente) para o exercício de ministérios específicos (profetas, reis, juízes). Os textos citados acima de 1 Sam 16.14 e Salmo 51.11 são inconclusivos para a posição 2 e corroboram esta forma modificada da posição 3.

    1. Thiago Herrera Diz

      Aliancismo não tem nada a ver com a teologia reformada e a teologia Bíblica.

  2. Gabriela Amado Frutuoso Diz

    Acreditava piamente que os crentes da Antiga Aliança não tinham a Presença Permanente do Espírito Santo…. mas ainda tenho algumas dúvidas… Se O Espírito Santo já habitava nos crentes do AT, a que Se referia Jesus, então, ao prometer: "E Eu pedirei ao Pai, e Ele lhes dará outro Conselheiro para estar com vocês para sempre, O Espírito da verdade…." Jo 15:16,17 Ficaria mto grata, caso esclarecessem!

  3. Guest Diz

    Isso é teologia da Aliança o que não tem nada a ver com a teologia reformada e a teologia Bíblica.

  4. Thiago Herrera Diz

    Isso é teologia Aliancista uma distorção da teologia da reforma e da teologia Bíblica.

    1. Vinícius Musselman Pimentel Diz

      Thiago, o que é teologia da reforma? Se for teologia produzida na Reforma Protestante, então aí deve-se incluir luteranos, calvinistas e outros. Então, é errado dizer que o aliancismo é uma distorção da teologia da reforma. Antes, é um fruto. Concordando ou discordando com a posição, isso é fato histórico.

      Quanto a posição do Mauro, obviamente há pressupostos aliancistas. Todos nós utilizamos pressupostos e sistemas em nossa interpretação bíblica, principalmente em pontos mais claros. Mauro Meister apresentou educadamente seu ponto de vista e cabe a nós como bom bereanos analisarmos tudo à luz da Escritura e expormos nossa opinião de forma similar, educadamente.

  5. Silvanira Souza Diz

    Não consigo assistir aos vídeos, Como se eles não carregassem. Tem como ver diretamente pelo youtube?

  6. Vinícius Musselman Pimentel Diz

    Só quando o vídeo oficial sair. Esse daí é uma reprise :)

Comentários estão fechados.