um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

Toda autoridade no céu e na terra

Quem tem autoridade para mandar em outros? O que dá a alguém o direito de mandar em alguém? Essa questão pode ser levantada em relação a todas as áreas da vida: a vida em família (pais), a vida na igreja (pastores, presbíteros), a vida civil (governantes, reis e assim por diante). Quem autoriza os pais, pastores, presbíteros e reis a governarem em suas respectivas esferas?

É digno de nota que, antes de Jesus comissionar seus discípulos em Mateus 28.18-20, ele asseverou a sua autoridade para fazê-lo. Havendo realizado a obra da redenção, ele antecipou sua ascensão e coroação, aquele ponto em que ele haveria de se assentar à destra do Pai e receber o nome que está acima de todo nome nos céus e sobre a terra (Efésios 1.20-23).

Autoridade é o direito de governar, de mandar, de exercer domínio. A palavra grega exousia, traduzida para o português como autoridadeem Mateus 28.18-20, literalmente significa “aquilo que emerge do ser”. É o direito de governar que emerge das presentes condições (estado de ser) ou da relação em que alguém se encontre. Um pai tem o direito de governar em virtude da relação ordenada por Deus que o pai tem com seu filho. Jesus tem o direito de governar em virtude do seu presente estado de ser, ou condição, como aquele que venceu o pecado, a morte e o inferno.

Assim, antes de o Senhor Jesus comissionar os seus discípulos, ele asseverou a sua autoridade para fazê-lo. Eis aqui a reivindicação de autoridade universal e ilimitada. Devemos notar primeiro a fonte de sua autoridade: ele a recebeu de seu Pai. Em seu estado de humilhação (a sua vida terrena antes da ressurreição), ele possuía autoridade, mas havia voluntariamente limitado o seu exercício. Contudo, em algumas ocasiões ele a asseverou com grande poder.

Durante o seu ministério, a sua autoridade era manifestada no modo do seu ensino (Mateus 7.29), ao assegurar o perdão de pecados (9.6), ao acalmar o mar (8.26), ao curar toda sorte de enfermidade e doença (9.35), ao expulsar demônios (12.22) e ao obter a vitória sobre a própria morte (João 11.43).

Mas todos esses exercícios de autoridade não eram senão manifestações pálidas da autoridade ilimitada e universal que lhe foi devolvida pelo Pai em sua exaltação. Agora Jesus reivindica “toda autoridade no céu e na terra”. E, depois, o apóstolo Paulo escreve aos Filipenses, dizendo que agora Deus o Pai “exaltou sobremaneira” o Filho, de modo que ao seu nome “todo joelho se dobrará”. Todas as coisas foram colocadas sob sua autoridade (Filipenses 2.9-10).

Certamente, Jesus, sendo o eterno Filho de Deus, tem autoridade em si mesmo. Ele possui autoridade, segundo a sua divindade, juntamente com o Pai e o Filho. Ele, juntamente com o Pai e o Espírito, é o soberano criador e sustentador de tudo o que existe.

Contudo, em sua encarnação e humilhação, ele escolheu não exercitar a sua autoridade do mesmo modo como fazia antes. Como afirma o Breve Catecismo de Westminster, ele foi “colocado sob a lei” (P&R 27). Ele, que com o Pai e o Espírito expressara a sua soberana vontade na autoridade da sua santa lei, estava agora sujeito à sua lei. Jesus, em sua encarnação, experimentou a humilhação de estar sob a autoridade de meros homens: pais, governantes civis, e assim por diante. Ele escolheu não exercer os plenos privilégios de sua autoridade e permitiu a si mesmo ser governado, até mesmo abusado, por homens mortais e malignos.

Mas, depois de ter realizado a obra que o Pai lhe confiara, ele foi exaltado às alturas como o Deus-homem, o Messias. Jesus então recebeu autoridade do Pai. Sua autoridade pré-encarnada foi restabelecida, ao ser ele investido da autoridade do alto como Senhor e Cristo. A profecia messiânica do Salmo 2 se cumpriu em Jesus (Atos 13.33; Hebreus 1.5; 5.5). Ao longo do Antigo Testamento, Israel recebeu a promessa de um Messias que seria exaltado ao lugar de suprema autoridade e domínio. O Salmo 2.6-8 estabelece que o Messias receberia as próprias nações da terra como sua herança. Todos os seres angelicais, santos, profetas e apóstolos se prostram diante dele, reconhecendo que ele é o Rei dos reis e o Senhor dos senhores. E, um dia, todos os seus inimigos serão conquistados e postos por estrado de seus pés (Salmo 110.1).

Observe também a extensão da sua autoridade. É ilimitada. A sua autoridade não se restringe por jurisdição ou geografia. Ele recebeu do Pai toda a autoridade, sem limitações ou restrições. Nós sabemos que é assim porque Jesus acrescenta a esclarecedora expressão “nos céus e na terra” – todo lugar no universo em que qualquer autoridade possa ser exercida. Ele recebeu toda a autoridade nos reinos espiritual e material, nos céus e na terra. Não há lugar neste universo sobre o qual ele não tenha recebido autoridade. A sua autoridade penetra cada reino e cada esfera de influência.

Foi sobre esse fundamento que Jesus comissionou seus discípulos. Não seria a Grande Comissão se ela não repousasse sobre essa grande reivindicação de autoridade universal e ilimitada. E, sendo autorizados pelo próprio Senhor, os discípulos seguiram adiante e viraram o mundo de cabeça para baixo.

Por: Roland Barnes. © Ligonier Ministries. Website: ligonier.org. Traduzido com permissão. Fonte: All Authority in Heaven and on Earth.

Original: Toda autoridade no céu e na terra. © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Tradução: Vinícius Silva Pimentel.

1 comentário
  1. Adriano Delfor Diz

    preciso de ajuda, eu tenho 27 anos e praticamente nao saio de casa a uns 10 anos, obviamente eu saio de vez enquando mas eu ja cheguei a ficar cerca de 5 meses dentro de casa sem cortar cabelo, fazer barba, com a higiene precaria. ja passei por tempos de solidoes horriveis onde pensei fortemente em me suicidar porque a solidao é horrivel, mas o medo do inferno me reprimiu, hoje em dia eu observo um pouco mais sobre a bondade comum de Deus na natureza, na minha vida por eu ter familia, saude etc, nao tenho razao para querer me suicidar, mas eu vivo sem vontade pra viver, eu tenho vonade de voltar a estudar e trabalhar mas ao mesmo tempo nao consigo dar os primeiros passos e pelo jeito que as coisas estao indo nao creio que vou conseguir tao cedo e por isso que estou pedindo ajuda, creio que eu devo ser uma pessoa muito egoista mas nao consigo admitir isso, existe muito mais coisas que eu poderia falar sobre minha vida, mas inicialmente vou apenas escrever isso.

Comentários estão fechados.