7 recomendações para ler a Bíblia melhor (parte 2/2)

Todos desejamos ler a Bíblia melhor. Entendê-la corretamente não é fácil, mas certamente não é impossível. Existem, no entanto, algumas armadilhas e ciladas a serem evitadas, e passaremos nesta séria de dois artigos algumas dicas bem básicas. Então, o que devemos ter em mente enquanto pensamos em ler a Bíblia melhor?

Na primeira parte, Mez McConnell sugeriu para (1) evitarmos ser superficial, (2) não super-espiritualizarmos a Bíblia, (3) termos cuidado com a linguagem e (4) atentarmos para história. Veja abaixo as próximas três recomendações:

Certifique-se de pesquisar as palavras que você não entende. Em Romanos 3.25 lemos: “a quem Deus propôs, no seu sangue, como propiciação, mediante a fé, para manifestar a sua justiça, por ter Deus, na sua tolerância, deixado impunes os pecados anteriormente cometidos”.

Propiciação não uma palavra familiar para muitas pessoas. Não é como se fosse usada diariamente (exceto pelos nerds da Bíblia)! Contudo, é uma palavra de enorme importância na Bíblia e, por essa razão, nós precisamos lidar bem com ela.

Ela está ligada a restabelecer o relacionamento com alguém que esteja irado por alguma coisa que você fez. Neste caso, é Deus satisfazendo sua ira para com o homem por meio da morte do seu Filho.

Certifique-se de usar uma ilustração apropriada quando estiver tentando entender uma palavra complicada.

Muitos de nós trabalham com pessoas com problemas não resolvidos de raiva. Esta é a raiz de muitos problemas. Alguém sofreu abuso, foi rejeitado, machucado e/ou fez alguma coisa contra uma pessoa querida ou membro da família. Talvez alguém esteja doente ou morreu. Talvez o responsável tenha se livrado, ou pensam que se livraram, e nós queremos justiça. Fervemos por dentro. Ficamos com raiva. Ficamos deprimidos. Queremos que alguém pague por esse mal que nos foi feito. Nós, com frequência, sentimos a necessidade de soltar todas essas emoções em cima daqueles que nos fizeram mal. Se não gastarmos essa raiva e se não lidarmos com essa emoção, nós nunca encontraremos paz. Nunca saberemos o que é o verdadeiro perdão. Então precisamos encontrar uma maneira saudável de liberar, expressar e gastar nossa raiva – para canalizá-la efetivamente. Isso pode significar muitas coisas: desde fazer aulas de boxe e lidar com a raiva de forma física, até ter um diário no qual derramamos no papel nossos pensamentos raivosos. Ao passar o tempo, a medida que aquela raiva assassina é liberada e gasta, nós nos tornamos mais calmos e alguns de nós podem inclusive chegar ao ponto de perdoar aqueles que nos feriram. Para aqueles que são cristãos, podemos também chegar ao ponto de amar, ao invés de odiar, aqueles que nos fizeram mal e nos reconciliar sempre que for seguro e possível.

Agora, vamos levar isto de volta para cruz. Deus foi profundamente ofendido, por todos os nossos pecados – milhões de vezes mais do que qualquer um de nós experimentou ou experimentará. Mas, diferente de nós, Deus é completamente perfeito, santo e justo por natureza e nunca pecou ou cometeu algo de errado. Logo a raiva que qualquer de nós tenha sentido por causa da injustiça feita contra nós, não pode ser comparada nem de longe a justa ira de Deus. Se nós – pessoas que fazem mal e machucam os outros o tempo todo – ficamos com raiva daquilo que nos é feito, quanto mais Deus? Se nós procuramos justiça, quanto mais Deus?

A fúria justa de Deus precisa ser canalizada. Ele é Deus. Ele precisa receber justiça em razão daqueles que lhe ofenderam. Então, Deus o Filho voluntariamente entregou sua vida para ser o objeto para o qual Deus canalizou sua justa ira. Não existia outra forma de sermos perdoados, nenhuma outra forma de sermos reconciliados. Ainda não existe. A ira de Deus pelo nosso pecado – a maneira como lhe ferimos, abusamos, abandonamos e ofendemos – é derramada sobre Jesus ou um dia será derramada sobre nós.

Quando entendemos as palavras, elas se tornam poderosas e nos enchem com adoração. Nunca passemos por cima de uma palavra só porque ela nos dá dor de cabeça. Nós podemos perder verdades extremamente importantes que podem até afetar negativamente nosso entendimento do evangelho.

Procure por palavras e frases repetidas. Um estudo rápido de Efésios 1.3-14 vai rapidamente mostrar a importância de palavras e frase repetidas para nos ajudar a encontrar o ponto chave de um texto. Meu argumento é que Deus se deu o trabalho de repetir algo, então isso é muito importante!

3 Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo, 4 assim como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor 5 nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade, 6 para louvor da glória de sua graça, que ele nos concedeu gratuitamente no Amado, 7 no qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça, 8 que Deus derramou abundantemente sobre nós em toda a sabedoria e prudência, 9 desvendando-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito que propusera em Cristo, 10 de fazer convergir nele, na dispensação da plenitude dos tempos, todas as coisas, tanto as do céu como as da terra; 11 nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade, 12 a fim de sermos para louvor da sua glória, nós, os que de antemão esperamos em Cristo; 13 em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa; 14 o qual é o penhor da nossa herança, até ao resgate da sua propriedade, em louvor da sua glória.

Procure por comparações e contrastes. 1 João 3.11-18 nos oferece uma chance prática de observar comparações e contrastes. Aqui é digna de nota a diferença entre os filhos de Deus e os filhos do diabo.

11 Porque a mensagem que ouvistes desde o princípio é esta: que nos amemos uns aos outros; 12 não segundo Caim, que era do Maligno e assassinou a seu irmão; e por que o assassinou? Porque as suas obras eram más, e as de seu irmão, justas. 13 Irmãos, não vos maravilheis se o mundo vos odeia. 14 Nós sabemos que já passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos; aquele que não ama permanece na morte. 15 Todo aquele que odeia a seu irmão é assassino; ora, vós sabeis que todo assassino não tem a vida eterna permanente em si. 16 Nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós; e devemos dar nossa vida pelos irmãos. 17 Ora, aquele que possuir recursos deste mundo, e vir a seu irmão padecer necessidade, e fechar-lhe o seu coração, como pode permanecer nele o amor de Deus? 18 Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas de fato e de verdade.

[dt_call_to_action content_size=”normal” text_align=”left” background=”fancy” line=”true” style=”2″ animation=”right”]

Oitava Recomendação

Leia uma oitava recomendação no texto completo, no site do Ministério Fiel.

Clique aqui para ler a oitava recomendação[/dt_call_to_action]

Por: Mez McConnell. © 2015 20schemes. Original: Can We Read & Understand The Bible If We’re Not Experts? (2).

Tradução: Fabio Luciano. Revisão: Vinícius Musselman Pimentel. © 2016 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Original: Podemos Compreender a Bíblia se Não Somos Experts? (parte 2/2).