um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

Girolamo Zanchi – A imutabilidade de Deus e de seus decretos (Reforma500)

Proposição 1. Deus é essencialmente imutável em si mesmo. Se ele fosse de outra maneira, ele seria confessadamente imperfeito, uma vez que quem muda deve mudar para melhor ou para pior; seja qual for a mudança que alguém sofra, esse ser deve, ipso facto, tornar-se ou mais excelente do que era ou perder alguma excelência que tinha. Mas nenhum destes pode ser o caso com a deidade: Ele não pode mudar para melhor, pois isso implicaria necessariamente que ele não era perfeitamente bom antes; Ele não pode mudar para pior, pois então ele não poderia ser perfeitamente bom depois dessa mudança. Portanto, Deus é imutável. E esta é a voz uniforme da Escritura. “Porque eu, o Senhor, não mudo” (Malaquias 3.6). “[Nele] não há mudança nem sombra de variação” (Tiago 1.17). “Porém tu és o mesmo, e os teus anos nunca terão fim” (Salmo 102.27).

Proposição 2. Deus também é absolutamente imutável em relação aos seus propósitos e promessas. “Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria?” (Números 23.19). “A Força de Israel não mente nem se arrepende; porquanto não é um homem para que se arrependa” (1Samuel 15.29). “Mas, se ele resolveu alguma coisa, quem então o desviará?” (Jó 23.13). “Eu, o SENHOR, o disse: viva isso, e o farei, não me tornarei atrás, e não pouparei, nem me arrependerei” (Ezequiel 24.14). “Os dons e a vocação de Deus são sem arrependimento” (Romanos 11.29). “Ele permanece fiel e não pode negar a si mesmo” (2Timóteo 2.13).

Pelo propósito ou decreto de Deus, intencionamos o seu conselho determinado, pelo qual ele, desde toda a eternidade, preordenou tudo que ele faria, ou permitiria que fosse feito, no tempo. Em particular, significa sua designação eterna de alguns homens para a vida, e de outros para a morte, cuja designação flui totalmente a partir da sua vontade livre e soberana. “Porque, não tendo eles ainda nascido, nem tendo feito bem ou mal (para que o propósito de Deus, segundo a eleição, ficasse firme, não por causa das obras, mas por aquele que chama), foi-lhe dito a ela: O maior servirá ao menor. Como está escrito: Amei a Jacó, e odiei a Esaú” (Romanos 9:11-13).

O apóstolo, então, nas próximas palavras, antecipa uma objeção, que ele prevê que os homens de mentes corruptas fariam quanto a isso: “Que diremos pois? que há injustiça da parte de Deus?”; ao que ele responde: “De maneira nenhuma” e resolve todo o procedimento de Deus com suas criaturas em sua própria vontade soberana e independente, pois Ele disse a Moisés: “Compadecer-me-ei de quem me compadecer, e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia”.

Afirmamos que os decretos de Deus não são apenas imutáveis ​​quanto ao próprio Deus, sendo inconsistentes com sua natureza alterar os seus propósitos ou mudar a sua mente; mas que eles são imutáveis ​​também em relação aos objetos desses decretos, de modo que tudo o que Deus determinou, em relação a cada pessoa ou coisa individual, certa e infalivelmente será cumprido neles e sobre eles. Por isso, encontramos que ele realmente mostra misericórdia a quem ele decretou mostrar misericórdia, e endurece a quem Ele resolveu endurecer (Romanos 9.18); “Porque o seu conselho permanecerá, e fará toda a sua vontade” (Isaías 46.10). Portanto, a sua eterna predestinação dos homens e coisas deve ser imutável tanto quanto ele mesmo é imutável e, tão longe de ser reversível que nunca pode admitir a menor variação.

Proposição 3. “Apesar”, para usar as palavras de Gregório, “de Deus nunca se desviar do seu decreto, ainda assim, ele muitas vezes varia em suas declarações”: isso é sempre seguro e imutável; estes são por vezes aparentemente discordantes. Então, quando ele sentenciou contra os ninivitas por meio de Jonas, dizendo: “Ainda quarenta dias, e Nínive será subvertida” [Jonas 3.4], o significado das palavras não é que Deus absolutamente pretendia no fim deste tempo, destruir a cidade, mas que se Deus tratasse essas pessoas de acordo com os seus merecimentos, elas seriam totalmente extirpadas da terra, e seriam destruídas a menos que se arrependessem rapidamente.

Semelhantemente, quando ele disse ao rei Ezequias, por meio do profeta Isaías: “Põe em ordem a tua casa, porque morrerás, e não viverás” [2Reis 20.1; Isaías 38.1], isso significava que, no que diz respeito às causas secundárias e, considerando o mau estado de saúde do rei e condição de enfraquecimento, ele não poderia, humanamente falando, viver por mais muito tempo. Porém, ainda assim o acontecimento mostrou que Deus determinou imutavelmente que ele viveria por mais quinze anos, e por isso colocou em seu coração a oração pela bênção decretada; semelhantemente, no caso de Nínive, mencionado anteriormente, Deus tinha resolvido não destruir aquela cidade naquele momento, e para a realização do seu próprio propósito de uma maneira digna de si mesmo, fez do ministério de Jonas o meio de levar aquele povo ao arrependimento. Tudo isso, enquanto mostra que a predestinação absoluta de Deus não exclui o uso dos meios, também prova que por mais diversas que as declarações de Deus possam aparecer (a saber, quando dizem respeito à consideração das causas naturais), os seus conselhos e propósitos permanecem firmes e inabaláveis, e não podem admitir mudança em si mesmos, nem obstáculo em seu cumprimento. Veja isso mais amplamente na exposição de Romanos 9 por Martin Bucer, onde você encontrará a certeza da designação divina solidamente afirmada e irrevogavelmente vindicada.

500 anos de Reforma Protestante

Em comemoração aos 500 anos de Reforma Protestante, o Voltemos ao Evangelho trará artigos semanais e biografias de diferentes reformadores: Girolamo Zachi (jan), Theodoro Beza (fev), Thomas Cranmer (mar), Guilherme Farrel (abr), William Tyndale (mai), Martin Bucer (jun), John Knox (jul), Ulrico Zuínglio (ago), João Calvino (set) e Martinho Lutero (out).

Por: Girolamo Zanchi. Fonte: Absolute Predestination

OriginalGirolamo Zanchi – A imutabilidade de Deus e de seus decretos (Reforma500). © 2017 Voltemos ao Evangelho. Website: VoltemoAoEvangelho.com. Tradução: William Teixeira. Revisão: Camila Rebeca Teixeira. Todos os direitos reservados.

Comentários estão fechados.