um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

Jogue Como uma Garota – Por que o Feminismo Insulta Mulheres Reais

O movimento feminista conquistou muito nos Estados Unidos. Além da carnificina do aborto, eu suspeito que a conquista mais infeliz seja a destruição da ideia de alcançar a excelência como uma mulher.
Isso pode parecer contraintuitivo. Afinal, as feministas não lutam para que as mulheres possam ter mundos inteiros de oportunidades se apresentando à nossa frente – para que possamos voar alto, ir atrás de nossos sonhos, conquistar, nos destacar? Bem, na verdade, não.
Se você perguntar às pessoas comuns qual é a causa feminista, elas irão responder que é sobre mulheres serem iguais aos homens – sobre garantir que não sejamos tratadas como inferiores, ou cidadãs de segunda categoria. E, claro, se colocado dessa forma, que pessoa sã discordaria, certo? Entretanto, quando a posição feminista é resumida dessa maneira, há um trabalho sorrateiro acontecendo, como que por debaixo dos panos.

O Fruto da Igualdade Feminina

A ideia de que mulheres são iguais aos homens não é uma ideia feminista; é uma ideia cristã. O apóstolo Paulo o disse muito antes que Elizabeth Cady Staton ou Gloria Steinem, quando nos ensinou que em Cristo não há nem judeu, nem grego, escravo ou livre, homem ou mulher (Gálatas 3.28). E ele o disse quase dois milênios antes que o pessoal do direito das mulheres aparecesse.
As feministas tentam levar o crédito por algo que é fruto do evangelho, trabalhando por meio da cultura como o fermento em uma massa. Nós precisamos parar de deixar as feministas agirem como se elas, de alguma forma, alcançaram nossa igualdade. Sociedades não convertidas nunca tratam as mulheres bem, e isso é extraordinariamente fácil de documentar. Mulheres tratadas com respeito é um fruto que cresce em apenas um tipo de árvore, e essa árvore é a cruz.
É claro que, nós, cristãos, cremos que as mulheres são iguais aos homens. Essa crença não é algo que comprometemos pelas feministas, ou que aprendemos delas, na verdade, é um de nossos distintivos. Temos versículos para essas convicções, e sempre tivemos.

O que é igualdade?

Então, o que há de errado com o feminismo? Honestamente, muito se resume a uma luta por definições. O que “igual” realmente significa? Significa “o mesmo”? Um cristão crê que mulheres são diferentes de homens – com diferentes qualidades, habilidades e responsabilidades. Nós não acreditamos que essas diferenças implicam em desigualdade. Uma feminista, por outro lado, crê que a verdadeira igualdade não pode ser alcançada sem semelhança.
No entanto, um rolo de massa é diferente de um copo de medidas, e podemos constatar isso sem dizer que um é melhor que o outro. E que coisa estranha seria se não pudéssemos! Imagine mostrar os seus utensílios de cozinha para alguém e essa pessoa acusar você indignamente de acreditar que o copo de medidas é melhor que o rolo de massas. Melhor em quê? Se você deseja medir farinha, será muito difícil fazê-lo com um rolo de massas, e terá problemas similares se tentar abrir uma massa com um copo de medidas. Um rolo de massas deve ser avaliado de acordo com os padrões do que faz um bom rolo de massas e copos de medida também devem ser julgados em seus próprios termos. (Como nota, se você se incomoda com a analogia doméstica, isso mostra que você está fazendo exatamente o que estou falando.)

O Potencial das Mulheres para a Excelência

Cremos que as mulheres são diferentes dos homens, e, portanto, devem se realizar nos padrões do que consiste uma mulher excelente, julgada em seus próprios termos. Uma mulher admirável e bem-sucedida é diferente de um homem admirável e bem-sucedido, e ela irá alcançar coisas diferentes.
Isso está, realmente, no coração de nosso desacordo com as feministas. Elas desejam que os padrões, categorias e julgamento sejam exatamente os mesmos tanto para homens quanto para mulheres. A surpresa, porém, está aqui: os padrões que elas desejam aplicar para todo mundo são os que sempre foram aplicados aos homens. “Quebrar o teto de vidro” é pouco pela insistência em que padrões masculinos de sucesso sejam agora impostos às mulheres.

O Potencial das Mulheres para a Excelência

Em nossa sociedade, uma mulher que alcança a excelência realmente feminina é considerada retrógrada e constrangedora. As poucas mulheres que conseguem atingir o sucesso no mundo masculino recebem um tapinha nas costas e um brinde de participação. É terrivelmente condescendente.
Pense na maneira como nossa sociedade celebra as mulheres que conseguem entrar nas equipes militares de elite, ou qualquer coisa similar a isso. Honestamente, é a mesma reação quando uma criança muito, muito lerda finalmente cruza a linha de chegada da corrida, 12 minutos depois de todo mundo.  Nós, mulheres, precisamos parar de ser tão facilmente lisonjeadas com esse tipo de admiração. Se você prestar atenção, perceberá que não é mesmo um elogio.

Nós cristãos, particularmente mulheres cristãs, precisamos lutar mais para recapturar a ideia da excelência feminina. Muitas vezes, em nome do conservadorismo, nós compramos o estereótipo e abraçamos a figura da mulher “impotente, fraca e medíocre”, pensando que isso significa feminilidade. Mas precisamos estudar nossas Bíblias e aprender a incorporar virtudes como mulheres, obediência como mulheres, ambição como mulheres, sabedoria como mulheres, coragem como mulheres, fidelidade como mulheres, força como mulheres.

Por: Rebekah Merkle. © Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org. Traduzido com permissão. Fonte: Throw Like a Girl: Why Feminism Insults Real Women.

Original: Jogue Como uma Garota: Por que o Feminismo Insulta Mulheres Reais. ©Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Tradução: Cecília J. D. Reggiani. Revisão: Renata M Gandolfo.

9 Comentários
  1. João Marcelino Diz

    Em relação ao trecho: “Mas precisamos estudar nossas Bíblias e aprender a incorporar virtudes como mulheres, obediência como mulheres, ambição como mulheres, sabedoria como mulheres, coragem como mulheres, fidelidade como mulheres, força como mulheres.”. Concordo tudo exceto a obediência, porque pela própria Bíblia podemos ver que o homem deve fornecer uma contraposição à obediência que é o amor sacrificial (como o de Cristo), logo o sujeitar-vos que Paulo fala nem seria um peso, como a obediência é. Elenco algumas questões para vocês refletirem: 1 – Quem têm maior propensão à questões espirituais, homens ou mulheres? 2 – A mulher que casou com um homem que não é tão firme na fé pode deixa-lo conduzir o lar, e se ele o conduzir para a perdição, de acordo com a palavra de Deus cada um será julgado conforme seu conhecimento (Romanos 2: 11 – 16), ela não seria culpada? 3 – Não seria melhor a igreja, no sentido de instituição religiosa, no lugar de ensinar as mulheres à serem submissas, ensinar junto os homens a amarem elas com amor sacrificial? 4 – Será que a interpretação machista, essa de ensinar somente as mulheres e não os homens, não é o que leva o mundo (digo as feministas) à procurarem o que é bom no evangelho e melhorarem ainda mais? Afinal se a Igreja, agora me referindo à todos os salvos em Cristo, fossem de fato o que pregão o mundo não teria do que os condenar ou mesmo julgar (e se caso forem falar sobre a morte de Cristo, lembrem-se que Pilatos, que representava declarou-o Justo, e quem na verdade quis julga-lo foram os RELIGIOSOS)? 5 – E será que nós ao nos levantarmos contra uma bandeira não estamos no lugar de sendo luz em meio à treva, na verdade estamos sendo como o mundo que busca uma solução em nós mesmos? Afinal quem convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo seria a igreja, não é mesmo??? (João 16: 8).

  2. Isabella Prado Diz

    Se o feminismo está tentando tomar o lugar do evangelho então qualquer outra entidade ou luta social também está, o mundo não cristão vai lutar com suas armas para tentar alcançar a perfeição que só Cristo oferece, isso não está necessariamente prejudicando mulheres cristãs ou qualquer outro cristão vivendo neste mundo injusto.

  3. Jessica Ayleen Diz

    Segundo esse raciocinio, oque seria a excelencia das mulheres? Ser a “bela, recatada e do lar”????

    Porque nao usam o Galatas para aceitar homosexuais, bisexuais e pessoas trans, jah que todos somos um soh perante Cristo???

    1. Christian de Oliveira Torres Diz

      Por que é pecado? Aceitar nada tem a ver com concordar com os atos, no que diz respeito sobre acolher as pessoas, na igreja só entra quem tem pecado!! mas a ideia é não permanecer no pecado, qualquer pecado, mentiras, infidelidades, devassidão, etc.
      O Feminismo que andam exaltando deteriora o feminino, extrapola o que é liberdade e introduz a libertinagem e a falta de bom senso.
      Mulheres tem que ter os mesmos direitos ante a civilidade mas serem tratadas como mulheres, que na minha visão sofre ainda, o resíduo do pensamento que a história construiu, mas não é mostrando os seios que isso vai mudar.

    2. Jessica Ayleen Diz

      Você está pegando uma visão “radical” do feminismo e usando como exemplo.

      O feminismo não eh ser masculina ou mostrar os peitos.

      O feminismo eh o fato que a maioria das mulheres têm salários menores, piores cargos e dupla jornada. Que a maioria das mulheres eh agredida de inúmeras formas dentro e fora e casa. E achar que o exemplo de mulher eh a bela, recatada (por que se for estuprada com certeza eh culpa dela) e do lar (por que lugar da mulher eh na cozinha) e eh claro, obedecendo o marido….

      Um exercício, pegue uma frase ou sentença e substitua mulher por homem, se vc se ofender, vai perceber que aí eh necessário o feminismo.

    3. Christian de Oliveira Torres Diz

      Também não é isso que falei, alias eu uso da premissa de que, um erro não justifica o outro, ou seja, não se pode “radicalizar” a desigualdade, que eu disse que existe, para justificar as ações de certas pessoas, sou conservador dos valores bons, não das chagas culturais errôneas, há valores antigos mas nunca “velhos”.
      Por exemplo minha esposa, assim como eu, trabalha e dividimos as tarefas, é nossa realidade, hoje! Ele tem que ter todos os direitos que eu tenho, e até outros a mais, isso eu apoio…enfim. Mas o feminismo que se prega por ai, não é isso, não é sobre igualdade cível é uma imposição da visão delas anulando quem quer ser diferente delas…
      A questão do estupro, acho a sociedade criou um monstro libertino, e ainda o alimenta, e depois se queixa do rastro de imundícia que ele deixa.
      Uma sociedade, que alimenta a sexualidade, a liberdade, a sensualidade, a promiscuidade (masculina e feminina), nas músicas, comerciais, em tudo! Vai colher toda sorte de aberrações.
      Isso é um ponto.
      outro ponto é, hoje há sim, machismo embutido no pensamento contemporâneo, e deve aos poucos ser extirpado, mas não através de mulheres que eu já tive o desprazer de debater (as “feminazis”) as quais tem um discurso de ódio contra os homens, e me disse o seguinte: Se tu não tem útero tu não tem o direito de falar sobre o aborto! (aos berros)
      Antes de ser qualquer “ismo” seja uma pessoa “boa”, uma pessoa sensata, uma pessoa! e talvez não vamos precisar ter mulheres feministas e sim só as femininas.
      Feminismo não é necessário para o bem da sociedade mas lucidez o é!

    4. João Marcelino Diz

      Porque as pessoas tem complexo de serem como Deus e pensam que mesmo Ele dando o livre arbítrio aos homens eles ainda assim podem fazer um papel do Espirito Santo… Ah e pra completar a trindade eles esquecem o que Cristo falou em relação à lei se ressumir em duas, onde a segunda era amar ao próximo como a ti mesmo, tipo homossexuais, bissexuais e trans não são próximo de acordo com a interpretação deles. Ainda bem que Deus não faz accepção de pessoas e a sua justiça é conforme a medida de luz que cada um recebe!

    5. Jessica Ayleen Diz

      Sem contar que na sociedade judaica pessoas intersex e trans eram aceitas lol

    6. João Marcelino Diz

      Infelizmente a Igreja deixou de ser corpo de cristo e virou instituição religiosa, não sei qual sua base de fé, mas o mesmo chamado dado aos Judeus em Êxodo 19: 5-6, foi dado ao corpo de Cristo 1 Pedro 2: 9. E no que consistia um sacerdote para os Judeus senão o de mediador, e para o corpo de Cristo apesar dEle ser o Sumo-Sacerdote ainda assim nós temos o papel de levar o Evangelho à todos! Vejo que a igreja tem caído no mesmo erro que levou Cristo a morrer, a religiosidade que infla o ego do homem (através da lei, que na verdade condena-o, Romanos 3: 19-31) e deixa Deus de lado na obra redentora!

Comentários estão fechados.