um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

Jesus e a depressão

O texto abaixo foi extraído do livro A Depressão de Spurgeon, de Zack Eswine, da Editora Fiel.

“É um consolo indizível que nosso Senhor Jesus conheça essa experiência”

Na obra O Demônio do Meio-dia: Uma Anatomia da Depressão, Andrew Solomon, que não professa seguir Jesus, observa que “mesmo as pessoas que se apoiam em uma fé que lhes promete uma existência diferente no além não podem evitar a angústia neste mundo”. O autor relembra que o próprio Cristo foi um “homem de dores”.

Esta designação “homem de dores” vem de Isaías 53.3, quando o profeta do Antigo Testamento descreve o prometido de Deus. Charles testemunhava regularmente sobre a força abençoadora que o relacionamento com Jesus, enquanto homem de dores, lhe proporcionou:

Pessoalmente, eu também trago o testemunho de que foi para mim, em épocas de grande dor, espantosamente confortável saber que em cada pontada que aflige seu povo o Senhor Jesus igualmente possui identificação com o sentimento. Não estamos sozinhos, pois aquele “semelhante ao filho do homem” caminha conosco na fornalha de fogo ardente.

Jesus também sofreu depressão

A “identificação com o sentimento” (fellow-feeling) que os sofredores encontram na visão mais ampla de Jesus inclui aqueles que sofrem de depressão. Os cristãos estão acostumados a serem estudantes da Cruz. Não obstante, Charles convida os doentes a encontrar o socorro do nosso Salvador no Jardim do Getsêmani.

Esse “jardim de tristeza” se torna para Charles uma imagem da “depressão mental” de Jesus. “A dor corporal deve nos ajudar a entender a cruz”, mas “a depressão mental deveria nos fazer aptos estudiosos do Getsêmani”, diz ele. “Ao lado de seu sacrifício, a simpatia de Jesus consiste na próxima coisa mais preciosa”. Faz bem aos auxiliadores tomarem conhecimento disso.

Então, quando o livro de Hebreus, no Novo Testamento, diz que Jesus é aquele que “foi tentado em todas as coisas, à nossa semelhança” e que “naquilo que ele mesmo sofreu, tendo sido tentado, é poderoso para socorrer os que são tentados” (Hb 4.15; 2.18), Charles prontamente postula que essa simpatia ou compaixão de Jesus inclui não só nossa fraqueza física, mas também nossa “depressão mental”.

O resultado? Aqueles que sofrem de depressão podem encontrar um lugar para descansar na experiência de vida de Jesus. “Quão completamente é removida a amargura da tristeza”, explica Charles, ao “saber que ela fora, outrora, sofrida por Cristo”.

Por isso, mesmo quando nos tornamos insensíveis aos teólogos de plantão, cuja fé não é realista ou que não sabem nada do que vivenciamos, não precisamos ignorar Jesus. Pelo contrário, se procuramos por alguém, qualquer que seja, para saber o que significa caminhar em nossos sapatos, Jesus emerge como a mais proeminente e verdadeira companhia para as nossas aflições. A esperança realista é algo saturado de Jesus. Aqueles que sofrem de depressão têm um aliado, um herói, um companheiro-redentor e que advoga em prol do mentalmente assediado.

A Depressão de Spurgeon

Eu sei, pessoalmente, que não há nada no mundo que o corpo físico possa sofrer que se compare à desolação e à prostração da mente. – Charles Spurgeon A depressão afeta muitas pessoas, tanto pessoalmente quanto através da vida daqueles que amamos. Neste livro, vemos como o Príncipe dos Pregadores do século XIX, C.H. Spurgeon, lutou com a depressão. O fato de um pastor cristão tão proeminente ter vivenciado a depressão, e dela ter falado tão abertamente, convida-nos à empatia com um companheiro sofredor. Porque esse pastor e pregador saiu à luta com fé e dúvida, sofrimento e esperança, nós ganhamos um companheiro na jornada. O que ele encontrou de Jesus na escuridão pode nos servir de luz para as nossas próprias trevas.

CONFIRA

Por: Zack Eswine. © Editora Fiel. Website: EditoraFiel.com.br. Traduzido com permissão. Fonte: Extraído do livro: Zack Eswine, A Depressão de Spurgeon: Esperança realista em meio à angústia.

Original: Jesus e a depressão. © Ministério Fiel. Website: MinisterioFiel.com.br. Todos os direitos reservados.

1 comentário
  1. Clayton Inácio Diz

    Bom, parece bonito de se ler, mas desolador para quem está passando por depressão. Tudo oque um deprimido quer é se ver livre deste estado de desesperança, agonia e asfixia da alma, por isso muitos suicidam-se. Já vivi miseravelmente debaixo desse jugo e os anos me fizeram ver que na verdade dor e sofrimento são diferentes de depressão. Jesus foi um homem de dores, mas não de depressões. Não estamos imunes às aflições desta vida, e Jesus nos convida a vencer, porque Ele venceu o mundo, contudo, oque aprendi do Espírito Santo é que a depressão, inclusive, não é uma doença, ela é apenas um sintoma. A doença é o pecado. Mesmo no caso de depressões de cunho orgânico, a morte e a enfermidade só têm poder sobre nossas vidas devido à influência do pecado, ainda que seja o pecado remanescente de nossos antepassados, que acompanha nossa carne (daí o fato de Jesus não ter sido concebido por vias normais). Hoje, eu uso um medicamento fitoterápico para controle da ansiedade, e felizmente me libertei da depressão que provinha da exaustão física e mental causada pela ansiedade. Minha vitória completa virá quando eu abandonar a medicação. Ansiedade é reflexo de falta de confiança em Deus. Também é pecado.

Comentários estão fechados.