Recuperando-se de um divórcio

O texto abaixo foi extraído do livreto Recuperando-se de um Divórcio, de Winston T. Smith, da Série Aconselhamento, lançamento de agosto de 2018, da Editora Fiel.

Deus reconhece o quão prejudicial e doloroso é o divórcio. Quando Deus criou o relacionamento matrimonial de uma só carne, a intenção era que ele durasse a vida toda. Foi por isso que ele disse: “Eu odeio o divórcio” (Ml 2.16 NVI). No entanto, Deus admite que, em um mundo caído, o pecado, às vezes, destrói o casamento. Quando Israel abandonou sua devoção a Deus, que é semelhante ao casamento, e quebrou sua promessa de fidelidade, indo em busca de relacionamentos com outros deuses, Deus se descreve emitindo uma carta de divórcio para o seu povo (Jr 3.8). Embora isso o tenha magoado, depois de anos e anos de advertências, Deus não poderia deixar que a infidelidade do povo para com ele continuasse; então ele enviou Israel para longe, divorciando-se dela.

Pode parecer estranho o fato de o casamento de Deus com o seu povo ter acabado. No entanto, Deus não acabou com o casamento; o pecado o fez. Todavia, o pecado não teve a palavra final; Deus escolheu corrigir o casamento em vez de abandoná-lo. Tal atitude nos diz algo importante com relação a Deus: ele tem prazer na restauração daquilo que está partido. Para Deus, o restaurado é mais bonito do que o novo. Isso não quer dizer que ele restaurará o seu casamento anterior, mas que ele restaurará e aperfeiçoará você por meio das feridas do divórcio.

A cura começa com o seu relacionamento com Deus

Como isso acontece? A cura começa quando você percebe que a sua maior necessidade é que o seu relacionamento com Deus seja restaurado. Felizmente, a restauração de seu relacionamento com Deus não depende de você. O Senhor criou uma forma de o seu relacionamento com ele ser restaurado ao enviar o seu Filho, Jesus, para resgatá-lo. Jesus veio a esta terra, sofreu e morreu na cruz, para que você pudesse ser perdoado de sua infidelidade para com Deus. Sejam quais forem os pecados que o separaram de Deus – e cada um de nós tem a sua própria lista –, eles foram pagos por meio da morte de Jesus na cruz. A ressurreição de Jesus garante que nada, nem mesmo a morte, pode separá-lo do amor de Deus. Quando você pedir que Deus o perdoe por amor de Jesus, o seu relacionamento com ele será curado e restaurado. Deus é o seu cônjuge fiel que vence o seu coração inquieto com sua fidelidade para com você. Deus não promete recompor o seu casamento, mas ele promete recompor você. Ainda mais do que isso, ele lhe promete, em meio a essa situação dolorosa, revelar a sua fidelidade, sarar as suas feridas e fazê-lo crescer de maneira nova e surpreendente.

Ele planeja fazer por você muito mais do que você é capaz de pedir ou pensar (Ef 3.20).

Deus entende a sua dor

Não importa o quão cruelmente você foi ferido pelo seu cônjuge, você lamentará o fim de seu casamento. Você está enfrentando duas situações dolorosas: a perda de seu cônjuge e o fim da esperança e dos sonhos que tinha para a vida de casal. Se o seu casamento foi longo e difícil, especialmente se o seu cônjuge foi abusivo, as outras pessoas talvez não entendam a sua dor. No entanto, Deus compreende, e ele não se surpreende nem se ofende. Assim como você, Jesus sofreu quando viu as consequências do pecado sobre este mundo. Quando o seu amigo Lázaro morreu, Jesus permaneceu do lado de fora do túmulo e chorou, mesmo sabendo que, algum tempo depois, ressuscitaria Lázaro da morte (Jo 11.28-37).

Por que ele chorou? Porque o pecado e a morte são horrendos e dolorosos. Sim, é profundamente consolador saber que Deus é maior do que os nossos problemas, e que ele estará conosco e até nos tornará melhores por causa deles. Contudo, conhecer o consolo de Deus não significa fingir que somos intocáveis pela mágoa. Deixe o amor e o consolo de Deus serem o recipiente a guardar a sua dor. A sua dor não o destruirá porque ela está contida no amor e nas promessas de Deus para você (Rm 8.18-39).

Parte do processo do sofrimento é expressar a sua perda em palavras. Converse com um amigo ou familiar a respeito de sua dor. Se não estiver preparado para conversar com alguém, faça uma lista de todas as maneiras diferentes de como você está sofrendo. Siga adiante e lembre-se dos bons tempos. Lembre-se da esperança que tinha para o seu casamento. Lamente pelos sonhos que nunca se realizaram – as viagens, os projetos; talvez, até mesmo os filhos e netos. Permita-se sentir as emoções e tristezas, e expresse-as em palavras. Ao fazer isso, lembre-se de que Deus o está ouvindo. Não se esqueça de que ele também compreende a dor de relacionamentos rompidos.

Por: Winston T. Smith. © Ministério Fiel. Website: ministeriofiel.com.br. Trecho extraído com permissão. Fonte: Extraído do livro: Winston T. Smith, Recuperando-se de um Divórcio.

Original: Recuperando-se de um divórcio. © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados.

3 Comentários
  1. Rubens Rodrigues da Silva Diz

    Lamento que este tão conceituado site reformado esteja apoiando diretamente à causa do divórcio que a própria Palavra não mostra apoio! A argumentação desenvolvida pelo autor do artigo não tem contexto em relação ao divórcio. O que ele desenvolve em argumento é mais conveniência! Pensava que os irmãos sustentariam a indissolubilidade do casamento! “A mulher está ligada ao seu marido enquanto ele viver. Mas, se o marido morrer, ela fica livre para casar com quem quiser, mas somente no Senhor”. I Co 7.39; “Por exemplo, a mulher casada está ligada pela lei a seu marido, enquanto ele vive; mas, se o marido morrer, ela ficará livre da lei conjugal”. Rm 7.2. Lamento de coração!

    1. Gleisson Alves Diz

      Ao Sr. Rubens Rodrigues da Silva: Então significa, que se um casamento se desfazer (seja pelo egoísmo/orgulho/falta de perdão/falta de amor de um ou outro) os indivíduos envolvidos no divórcio, que apesar de seus erros e falhas, estão fadados ao insucesso familiar?? Tendo em vista que, segundo alguns entendedores, não se deve casar de novo. É isso mesmo ou estou concluindo errado? Se não, favor citar a solução para uma cura emocional e a continuidade de um sonho (e necessidade humanitária) de se formar uma família e viver feliz dentro de um seio matrimonial. Ok?

    2. José Antonio Abuid Diz

      Qdo não se tem algo útil e adequado para falar é melhor ficar quieto! Vc deveria ler de novo o artigo e procurar entender o propósito do autor ao escrevê-lo. Em momento algum foi defendida a ideia de divórcio e novo casamento. O que o autor faz é tratar com sensibilidade da dor de quem passou por essa triste experiência. Ou será que Deus não se importa com o sofrimento de quem vivenciou ou está vivenciando semelhante tragédia?

Comentários estão fechados.