Deus vai te responder na sua crise

Sua crise está chegando. Se ela ainda não chegou ou se você não está no meio de uma nesse momento, sua hora vai chegar.

E não apenas uma crise. Em sua misericórdia severa, Deus pontua nossas vidas nessa era caída com momentos de crises com graus variáveis, destinados para o nosso bem eterno. Durante milênios, o povo de Deus tem conhecido “momentos de crise” e “dias de angústia”, às vezes demasiadamente. E o mesmo continua atualmente. Nosso Pai nunca prometeu que o fato dos nossos problemas serem dele significaria que não teríamos os nossos.

De novo e de novo, as Escrituras descrevem os fiéis não como aqueles que nunca tiveram problema, mas como aqueles que clamaram a Deus em suas crises. Os homens e mulheres que lembramos como modelos enfrentaram os maiores momentos de crise e dias de angústia. E Deus ouviu seu clamor por ajuda. Ele não era surdo naquela época, e nem é hoje, para as vozes do seu povo, quer de pessoas grande ou pequenas, especialmente na crise.

Em Problemas e Angústias

Nosso Deus não é apenas o Deus que fala, memorável que seja, mas também, maravilha sobre maravilha, o Deus que ouve. Quando Tiago chama cada um de nós a ser “pronto para ouvir” (Tg 1.19), ele nos chama para sermos como nosso Pai celestial. Temos um Pai “que escutas a oração” (Sl 65.2), que atende a voz das nossas petições (Sl 66.19). Nosso Deus não apenas vê todas as pessoas, mas vê os seus de maneira especial, como aqueles com quem ele se aliançou em amor. Ele ouve seu povo com o ouvido de um Marido e de um Pai. Ele não é perturbado ou incomodado pelas nossas petições, especialmente durante nossos problemas e angústias.

Os Salmos, em particular, celebram a vontade de Deus em ouvir e ajudar seu povo no seus “dias de angústia” e “momentos de crise”. Davi testificou que Deus tinha sido para ele “alto refúgio e proteção no dia da minha angústia.” (Sl 59.16 e também 9.9; 37.39; 41.1). Ele sabia para onde se voltar quando a crise chegasse: “No dia da minha angústia, clamo a ti, porque me respondes” (Sl 86.7). “No dia da adversidade, ele me esconderá no seu pavilhão” (Sl 27.5). E Davi sabia para onde direcionar os outros: “O Senhor te responda no dia da tribulação” (Sl 20.1). “O Senhor é também alto refúgio para o oprimido, refúgio nas horas de tribulação” (Sl 9.9).

E não apenas Davi, mas o salmista Asafe também diz: “No dia da minha angústia, procuro o Senhor” (Sl 77.2). O próprio Deus diz: “invoca-me no dia da angústia; eu te livrarei, e tu me glorificarás” (Sl 50.15). Longe de ser incomodado pelo nosso choro por ajuda, Deus é honrado quando nos voltamos para ele com nosso fardo. Talvez o mais surpreendente de todos seja o refrão do Salmo 107 (repetido quatro vezes): “Então, na sua angústia, clamaram ao SENHOR, e ele os livrou das suas tribulações” (vv. 6, 13, 19 e 28). Essa não é apenas a história de Israel de novo e de novo, mas a nossa também.

E Deus está no seu melhor nas nossas crises.

Contemple Nosso Deus

Este é quem nosso Deus é desde o princípio. Esse é o Deus de Abraão e Isaque. E esse é quem Jacó, nos seus vários altos e baixos, esforços e lutas, descobriu que Deus é: “[O] Deus que me respondeu no dia da minha angústia” (Gn 35.3).

 

O Deus de Jacó não é como os falsos deuses das nações vizinhas. Ele não é como os deuses do lar do tio de Jacó, Labão (Gn 31.19; 34-35). E não é como os deuses canaanitas que os filhos de Jacó encontraram quando saquearam Siquém (Gn 34.29; 35.2). Outros “deuses” não respondem no dia da angústia. Eles simplesmente foram feitos pela imaginação e mãos humanas. Eles são brinquedos de bebês. Eles não respondem. Eles não agem.

A vida de Jacó foi uma sucessão de momentos de crise, e Deus provou que é fiel como o Deus que ouve e responde. Assim como Deus viu Lia na sua crise (Gn 29.31) e se lembrou de Raquel na dela (Gn 30.22), ele vê, ele ouve, ele se lembra, ele se importa. Ele é o Deus vivo que quer que nos voltemos para ele, lutemos com ele (Gn 32.22-28), e não apenas com nossas circunstâncias, em nosso momento de crise. Esse é o Deus de Jacó, e o Deus de Naum (Na 1.7), Obadias (Ob 12,14), Jeremias (Jr 16.19) e Ezequias (Is 37.3).

O Como e Quando Perfeitos Dele

Na nossa finitude e natureza caída, pode parecer para nós, por vezes, que Deus está se escondendo nos momentos de crise (Sl 10.1). Mas se nos achegarmos a ele humildemente, não estimando o pecado no nosso coração (Sl 66.18; e também 1Pe 3.7), nós podemos esperar que “Deus me tem ouvido e me tem atendido a voz da oração” (Sl 66.19). Ainda assim, o fato de Deus ouvir não significa que ele sempre, ou até mesmo tipicamente, vai responder como e quando nós esperamos ou queremos.

Quando nós lembramos de Deus como aquele que nos responde nos momentos de crise, como ele fez com Jacó, os salmistas e os profetas, não assumimos que ele responde como responderíamos ou quando nós gostaríamos. Jacó, uma vez, passou vinte anos debaixo da tirania de Labão, e seu filho José passou treze anos indo cada vez mais baixo. Foi vendido como escravo, acusado falsamente, jogado na prisão e então esquecido, antes que Deus o levantasse. Nosso Deus trabalha no seu “tempo oportuno” (1Pe 5.6), no seu “tempo” (Gl 6.9).

Ele, de fato, vai nos ouvir e responder, mas geralmente de formas e num tempo que nós não antecipamos. Seus caminhos e pensamentos são maiores que os nossos (Is 55.8-9), e ele faz “mais do que tudo”, não menos, do que nós pedimos ou pensamos (Ef 3.20). Em Cristo, não assumimos que Deus não está nos vendo, ouvindo ou respondendo porque nossas vidas não estão se desdobrando de acordo com nossos planos. Longe de assumir que ele não está respondendo, queremos receber suas misericórdias severas enquanto ele continua a fazer sua surpreendente obra de desdobrar a história, e nossas vidas, não de acordo com as expectativas humanas, mas de acordo com seus planos e propósitos infinitamente majestosos, os quais nós vemos claramente no momento de crise do próprio Filho de Deus.

Sua Resposta Maior

“E, levando consigo a Pedro, Tiago e João, começou a sentir-se tomado de pavor e de angústia” (Mc 14.33). Ali, naquele jardim de crise, Jesus tinha “oferecido, com forte clamor e lágrimas, orações e súplicas a quem o podia livrar da morte e tendo sido ouvido por causa da sua piedade” (Hb 5.7). Deus ouviu seu Filho em seu momento de crise, mas ele não deixou o cálice passar. Ele não o livrou da morte. O fato de Deus ouvir e responder Jesus não significava salvação de passar pela cruz, mas salvação através da cruz.

Seu Pai “salvando-o da morte” poderia ter significado proteção da morte. Porém, seus caminhos são sempre mais altos. Ele fez muito mais abundantemente do que nós estamos propensos a pedir ou agir. O resgate que Deus deu ao seu Filho nesse momento não foi proteção da morte, mas graça que sustenta durante a morte. E então, ressurreição. E ao menos que Jesus volte primeiro, todos nós enfrentaremos a morte cedo o bastante, e a resposta de Deus para nós será a graça que sustenta durante a morte, e a ressurreição do outro lado.

Nosso Deus é muito real, muito grande e muito glorioso para trabalhar de acordo com as expectativas humanas e cronogramas convenientes. Ele nos ama demais para regularmente fazer o que nós queremos e quando nós queremos nos momentos de crise. Porém, ele sempre nos vê. Ele sempre nos ouve. E em Cristo, ele irá responder, não necessariamente quando e como nós queremos, mas com a resposta que nós precisamos, mesmo que possam ser dolorosas por agora, para nosso bem e glória definitivos.

Por: David Mathis. © Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org. Traduzido com permissão. Fonte: God Will Answer in Your Crisis.

Original: Deus vai te responder na sua crise. © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Tradução: Marcelo Rigo dos Santos. Revisão: Vinicius Musselman Pimentel.