Os domingos são bons para os bebês?

“Os domingos são complicados para os bebês”, disse um membro da igreja, com simpatia, quando me entregou a minha filha chorosa. Esta é uma verdade universal reconhecida. Aos domingos, a agenda das sonecas, cuidadosamente organizada nos outros seis dias, se curva e depois se encaixa sob as restrições dos cultos matinal e vespertino. Aos domingos, as interações tranquilas da vida familiar desvanecem diante do ruído de uma congregação inteira. Aos domingos, punhados de cereais preenchem a lacuna entre uma refeição atrasada e outra. Aos domingos, as coisas são diferentes.

A interrupção semanal do domingo muitas vezes deixa pais cristãos desanimados e cansados. Ao colocarmos os nossos pequeninos na minivan após o culto, ficamos nos perguntando se os domingos são bons para as crianças. Pode parecer muito mais fácil ficar em casa e manter a rotina habitual.

É claro que devemos ter compaixão dos nossos filhos todos os dias das suas vidas. Reconhecemos que eles são fracos e satisfazemos as suas necessidades físicas e emocionais com amor e misericórdia. Lembramos de trazer os cereais e aquele pedaço reconfortante de cobertor esfarrapado. Mas não podemos escapar do fato de que aos domingos tudo é diferente. E isto, realmente, é uma coisa boa.

Se o Senhor disse que esse dia é abençoado (Êxodo 20.11) e o criou para o nosso bem (Marcos 2.27), então, podemos nos alegrar nele, não apenas por nós mesmos, mas também pelos nossos pequeninos. O dia que vem com prescrições e provisões para filhos e filhas, patrões e empregados, animais e convidados, também vem com bênção para os bebês. Aos domingos, o Senhor nos ensina – até mesmo ao mais jovem de nós – algo sobre si mesmo e sobre a sua graça.

Deus é o Senhor do tempo

Aos domingos, nós reconhecemos que Deus é o autor e o governador do próprio tempo. Na criação, Deus fez o tempo. Ele separou a luz das trevas e estabeleceu o ciclo diário de manhã e tarde (Gênesis 1.3-5). Na criação, Deus também organizou esses dias num padrão de seis e um (Gênesis 2.1-3): seis dias para trabalho e recreação comuns, um dia para descanso (Êxodo 20.11).

Por mais tentador que pareça crer que somos mestres do nosso próprio tempo – manipulando cuidadosamente um quebra-cabeça interconectado de entradas no Google – nós não o somos. Deus é aquele que criou o tempo, que nos colocou nele e nos uniu por ele, e é Deus quem nos dirige de maneira a usá-lo corretamente. Quando nos submetemos ao seu padrão de seis e um, reconhecemos que Deus é o Senhor do tempo.

Também para os nossos filhos, a interrupção do domingo é uma chance de lembrar que até mesmo os nossos horários estão debaixo da autoridade do Senhor. Uma vez por semana o Senhor invade a nossa rotina e nos lembra que os momentos das sonecas e do lanche não são irrevogáveis, nem são determinados por nossos próprios desejos. Em todas as coisas servimos ao Senhor.

O povo de Deus é um povo corporativo

Aos domingos afirmamos que o povo de Deus é um povo corporativo. Não somos discípulos solitários, seguindo a Cristo num caminho solitário para a santidade e o céu. Nós somos uma igreja. Cristo veio para redimir e aperfeiçoar todo o seu corpo (Efésios 4.1-16). Quando nos reunimos como igreja, lembramos que nós, que pertencemos a Cristo, também pertencemos ao corpo do qual ele é a cabeça.

Aos domingos, o silêncio dá lugar ao canto congregacional, a solidão desaparece numa multidão de rostos, e a Palavra, lida em círculos privados, é agora a Palavra pregada em público. Para os nossos filhos, os domingos são cheios de novos sons, novos cheiros e novas pessoas. Esta é uma oportunidade para aprender que Deus não é meramente o Senhor de indivíduos ou famílias, mas ele é o Senhor de uma vasta multidão de pessoas – tantas que nem mesmo um adulto seria capaz de contar todas elas (Apocalipse 7.9). Para os pequeninos, a igreja reunida parece esmagadoramente enorme. Do ponto de vista da eternidade, ela é.

Descansar é melhor do que dormir, comer é melhor do que fazer um lanche

O domingo nos é dado como um dia de descanso – um lembrete do descanso de Deus na criação e uma antecipação do descanso eterno dos santos no céu. Mas o descanso do dia do Senhor não é simplesmente uma soneca da tarde prolongada. O verdadeiro descanso se encontra em fazer uma pausa em nosso trabalho ordinário e, como a Confissão de Fé de Westminster explica, realizar “exercícios públicos e privados de adoração e obras de necessidade e misericórdia”. Nessas atividades reabastecemos as nossas almas. Aos domingos, Deus nos dá um descanso ainda melhor do que dormir.

O domingo também é um dia de festa. Os puritanos costumavam chamar o dia do Senhor de “o dia da feira da alma”. Da mesma forma como um mercado expõe prateleiras transbordando de carne, pães e produtos nutritivos, assim também o dia do Senhor oferece suprimentos doces e nutritivos para as nossas almas. Quando nos reunimos para cultuar ao Senhor na assembleia dos santos, aprendemos com a sua Palavra e crescemos em nosso amor por ele.

Tudo isso são boas novas para os nossos filhos pequenos. Os domingos podem significar cochilos interrompidos e refeições atrasadas, mas nossos filhos estarão trocando provisões terrenas por algo muito melhor para as suas almas imortais. Aos domingos, tudo é rearranjado para que eles possam ouvir a Palavra proclamada no poder do Espírito. Aos domingos, cada coisa comum ocupa um lugar menor em favor da “única coisa necessária” (Lucas 10.42).

Muitas vezes eu me pergunto a respeito das crianças cujos pais as trouxeram a Jesus, para que ele orasse por elas (Mateus 19.13-15). Provavelmente, algumas tiveram que perder suas sonecas e almoçar posteriormente. Elas podem ter ficado agitadas e superestimuladas pela multidão. Mas, pelo resto de suas vidas, elas saberiam que mamãe e papai as trouxeram para Jesus. Pelo resto de suas vidas, elas seriam mudadas porque o Senhor as tomou em seus braços e intercedeu por suas almas.

A cada domingo, pais cristãos têm a oportunidade de levar seus pequeninos a Jesus. Pode quebrar toda a rotina semanal. Mas essa é uma coisa boa.

Pastoreando o Coração da Criança

Eu sou um texto de promoção! Clique no botão editar para trocar este texto. Pastoreando o Coração da Criança é uma obra sobre como falar ao coração de nossos filhos. As coisas que seu filho diz e faz brotam do coração. Lucas 6.45 afirma isso com as seguintes palavras: “A boca fala do que está cheio o coração”. Escrito para pais que têm filhos de qualquer idade, este livro esclarecedor fornece perspectivas e procedimentos para o pastoreio do coração da criança nos caminhos da vida.

CONFIRA

 

Por: Megan Hill. © The Gospel Coalition. Website: thegospelcoalition.org. Traduzido com permissão. Fonte: Are Sundays Good for Babies?

Original: Os domingos são bons para os bebês? © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Tradução: Alan Rennê Alexandrino Lima. Revisão: Filipe Castelo Branco.

Comentários estão fechados.