um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

É possível conhecer Deus?

Frio na barriga é como posso descrever o temor que senti quando pensei em escrever sobre os atributos de Deus.

Lembro-me claramente da primeira vez que li, no livro de Êxodo, que Deus iria guardar Moisés com sua mão:

Disse mais o Senhor: Eis aqui um lugar junto a mim; e tu estarás sobre a penha. Quando passar a minha glória, eu te porei numa fenda da penha e com a mão te cobrirei, até que eu tenha passado. Êxodo 33.21-22

Esse texto me fez tremer diante da grandiosidade de Deus, pensei – Deus é tão grande que pode cobrir Moisés inteiro apenas com sua mão! Agora percebo que foi uma visão simples da grandiosidade de Deus, mas, naquele dia, o frio na barriga já se manifestou.

Eu buscava conhecer Deus com todas as minhas forças, afinal, eu havia sido traiçoeiramente enganada por uma falsa doutrina, eu não podia admitir que perderia mais tempo da minha vida acreditando em mentiras. Basta!

Então, comecei a jornada de conhecer aquele para quem minha vida deveria ser gasta.

Preciso dizer que sou grata a Deus por ter colocado em meu coração um desejo ardente de buscá-lo[i]e, também, por ele estar disponível para mim em sua Palavra. Graça bendita!

Onde Deus habita

Onde encontrar Deus foi uma das primeiras perguntas que me fiz quando quis conhecê-lo. E, sem pensar muito, fui procurar uma resposta para essa pergunta na própria Palavra de Deus.

Lendo as Escrituras, soube que Deus mora no céu, mas surpreendentemente também habita com o aflito e contrito de espírito[ii]. Escândalo! Deus está com os miseráveis. Deus também habita com seu povo, ele é um Deus acessível[iii]. Vamos dar um “Glória a Deus” juntas por isso?! \O/ \O/

Assustadoramente, fui ficando pequena, muito pequena enquanto Deus se revelava a mim, pouco a pouco, pelas Escrituras, na Palavra proclamada e esmiuçada, na exposição em cada culto. Deus se tornou um grande Senhor, deixou de ser o meu mordomo particular, a quem eu ousadamente dava ordens, e tornou-se Maravilhoso, amigo, irmão mais velho (se você tem um irmão mais velho sabe que estou falando de alguém que abre o caminho em sua jornada, que a protege e ensina, um exemplo que você admira e quer seguir).

Deus, Deus, somente Deus, poderia ser tão delicado em me mostrar quem ele é. Bendito Senhor!

Entre um domingo e outro, ando a cavoucar os textos sagrados, procurando por pequenos detalhes do caráter de Deus que nos escapam à atenção. Então, buscar, conhecer e experimentar a comunhão do Senhor Todo-Poderoso vai se tornando uma rotina cativante, indispensável, familiar.

Minha intenção é motivar você a aprofundar-se na busca pelo conhecimento de Deus. O Pr John MacArthur disse que o conhecimento de Deus é a essência do que é ser cristão[iv].

Nos próximos textos, vamos falar um pouco de quem ele é e espero que esse conhecimento a faça prosperar em seguir adiante, escavando, buscando e encontrando pessoalmente nosso Senhor.

Deus é cognoscível[v]?

Você pode olhar para a criação espetacular de Deus e imaginar que deve haver um ser grande e poderoso, com uma inteligência sobrenatural, que tenha realizado todas as maravilhas da terra. Mesmo que não creia, que não tenha fé em Deus, mesmo que sua mente esteja obscurecida, você pode intuir que há um ser maior que fez toda a criação[vi].

Talvez você possa conhecer Deus apenas por ouvir falar. Esse é um conhecimento que não exige esforço de sua parte, é uma informação que você recebe aleatoriamente nos lugares onde costuma frequentar. Lugares em que Deus pode estar, mas não exatamente no lugar onde habita, porque, afinal, Deus é também onipresente, atributo que veremos em outro texto.

No entanto, você pode conhecer Deus porque ouve muito sobre ele nos lugares onde ele habita, por exemplo, no meio de seu povo escolhido, com os santos congregando no templo. E para esse tipo de conhecimento de Deus foi necessária uma prévia disposição a fim de se achegar até o local de culto e permanecer ali com sua atenção voltada para escutar sobre ele.

Em tudo isso, Deus tem se revelado a nós de forma comum. No entanto, podemos fazer um movimento mais intencional para buscar o conhecimento de Deus e, então, podemos mergulhar nas Escrituras e iniciar um conhecimento que será assombrosamente ampliado em nossa mente e envolverá todas as esferas de nosso ser. Essa experiência é o conhecimento pessoal de Deus, quando nos relacionamos com Deus ordinariamente, do jeito que somos, com nossas misérias expostas e rendidas aos pés do Todo-Poderoso, sem artifícios. Essa rica experiência nos aperfeiçoa no conhecimento do Santo. O conhecimento deixa de ser apenas cognitivo e passa a ser conhecimento entranhável, que envolve toda as dimensões de nosso ser. É aí, nesse lugar de nossa alma, onde Deus nos alcança e se revela, quando nos flagramos desesperadamente necessitadas da salvação que ele nos oferece gratuitamente em Cristo. Sem conhecimento de Deus, não temos padrão, nem tão pouco, referência para nos percebermos miseráveis de espírito e necessitadas de resgate.

Quando o EU SOU é desvendado aos nossos olhos, a luz banha nosso entendimento. Nossa mente pequena sofre uma renovação[vii], ela é ampliada. A mente renovada desabrocha, abre extensas passagens na aridez de nosso coração pecador e o transforma em um coração grato, que ama, adora e louva o Criador por toda a eternidade.

No dia em que Cristo se manifestar em glória, a terra toda conhecerá Deus[viii]. Nesse dia, ovelha, nossos joelhos se dobrarão diante do trono em adoração pelo que iremos conhecer dele perpetuamente[ix].

Então, face-a-face, veremos como ele é perfeito[x].

Esteja preparada; esse dia não tardará[xi], mas, enquanto o dia não chega, prossiga em conhecer o Senhor[xii].

Avante, ovelha!

“Por esta razão, também nós, desde o dia em que o ouvimos, não cessamos de orar por vós e de pedir que transbordeis de pleno conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e entendimento espiritual; a fim de viverdes de modo digno do Senhor, para o seu inteiro agrado, frutificando em toda boa obra e crescendo no pleno conhecimento de Deus.” Colossenses 1.9-10

[i] Filipenses 2.3 porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade.
[ii] Isaías 57.15 Porque assim diz o Alto, o Sublime, que habita a eternidade, o qual tem o nome de Santo: Habito no alto e santo lugar, mas habito também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos e vivificar o coração dos contritos.
[iii] Jeremias 29.13 Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração.
[iv] John MacArthur, Deus: Face a Face com Sua Majestade. Editora Fiel, 2013, p. 10
[v] Cognoscível: Que se consegue conhecer; que pode ser reconhecido; conhecível.
[vi] Romanos 1.20 Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis;
[vii] Romanos 12.2 E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.
[viii] Habacuque 2.14 Pois a terra se encherá do conhecimento da glória do Senhor, como as águas cobrem o mar.
[ix] João 17.3 E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.
[x] 1 Coríntios 13.12 Porque, agora, vemos como em espelho, obscuramente; então, veremos face a face. Agora, conheço em parte; então, conhecerei como também sou conhecido.
[xi] Hebreus 10.37 Porque, ainda dentro de pouco tempo, aquele que vem virá e não tardará;
[xii] Oséias 6.3 Conheçamos e prossigamos em conhecer ao SENHOR; como a alva, a sua vinda é certa; e ele descerá sobre nós como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra.

Renovadas

10 maneiras de refletir os atributos de Deus

Com boa teologia e uma pitada de humor, Jen Wilkin nos mostra que a principal pergunta que devemos fazer a nós mesmas não é ‘Qual é a vontade de Deus para minha vida?’, mas, sim, ‘Quem eu devo ser?’. E a Bíblia tem a resposta: seja como a própria imagem de Deus.

Ao explorar dez atributos comunicáveis de Deus – santo, amoroso, bom, justo, misericordioso, gracioso,  fiel, paciente, verdadeiro e sábio –, Wilkin nos ajuda a entender quem Deus quer que sejamos. Por meio de Cristo, o reflexo perfeito da imagem de Deus, descobrimos como esses atributos afetam a maneira como vivemos, levando-nos à liberdade e ao propósito que ele tem para as nossas vidas quando seguimos sua vontade e nos conformamos à sua imagem.

CONFIRA

Por: Renata Gandolfo. © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Original: É possível conhecer Deus?

1 comentário
  1. Tirciane Diz

    Amo seus textos

Comentários estão fechados.