Solteiro para a glória de Deus

*Este artigo é um resumo da palestra de Sillas Campos proferida na Conferência Fiel Jovens Interativa 2020.

O que Deus diz sobre permanecer solteiro não corresponde com a opinião popular no mundo, nem a de muitos crentes e igrejas. Muitos pensam que o casamento é o único estilo de vida normal ou que estar solteiro é prejudicial. É comum que os pais comecem a ficar preocupados ao ver seus filhos ainda solteiros em seus 25, 27 anos. Até mesmo com relação ao ministério pastoral, frequentemente se pensa que um bom pastor é apenas aquele que é casado e tem filhos, e que o solteiro não é adequado.

De onde vem essa ideia? Ela vem de uma visão judaica de Gênesis 2.18, “Não é bom que o homem esteja só”. Interpreta-se que aquele que não tem uma esposa vive sem bondade, sem alegria, sem bênção e sem redenção. Escritos judaicos como o livro apócrifo Eclesiástico, além do próprio Talmud, reforçam esta ideia.

As pessoas que pensam assim se esquecem que excelentes homens e mulheres foram solteiros (Elias, João Batista, Jesus, Paulo, etc.) e que, com santidade e dinamismo, honraram sua posição de solteiros; e que o Novo Testamento lança uma nova visão para a condição de solteiro. Vejamos os seguintes pontos.

Permanecer solteiro pode ser um dom, uma vocação. Em Mateus 19, na conversa de Jesus e os fariseus sobre o divórcio, Jesus declara algo bombástico no verso 9: exceto por imoralidade sexual, divórcio é adultério. E dos vv. 10 a 12, Jesus diz que, se for para fazer isso, é melhor permanecer solteiro. Essa era uma ideia absurda à tradição judaica. Mas Jesus afirma que esta é uma opção muito válida. Na providência e permissão de Deus, alguns são eunucos de nascença ou destinados a isso: alguns não possuem “carência” de um companheiro ou não possuem capacidade sexual para consumar o matrimônio. Outros, se fazem eunucos e escolhem ser solteiros tendo em vista servir algum tipo de ministério específico que não seria possível se estivesse casado, como em campos difíceis. Há também o caso dos viúvos e divorciados que, por amor a Deus, abrem mão de outro casamento. 

Portanto, precisamos parar e reavaliar nosso conceito acerca dos solteiros. Em 1 Co 7.7, Paulo confirma que ser solteiro é um chamado, um dom de Deus. Então, se casar é um dom divino, ser solteiro também é. Se é possível glorificar a Deus sendo casado, também é possível fazê-lo sendo solteiro. Os casados possuem privilégios? Os solteiros também possuem. Mas qual o lado positivo de estar ou permanecer solteiro? Analisemos 1 Co 7.25-35. 

  1. Diante da situação atual do NT, é melhor permanecer solteiro (v. 25-28). Paulo sabia que vivemos em dias difíceis, os quais Jesus prenunciou em Jo 15.18 e 16.2. Tudo isso se confirmou com as perseguições sofridas pelos cristãos, sendo Paulo um dos maiores exemplos. Será que isso ainda se aplica para nós hoje? 1 Tm 3.1-5 afirma que nós vivemos em dias difíceis. Observe o mundo ao redor: ataques fora do comum contra a família e a liderança do pai; perseguição aos cristãos; materialismo selvagem; corrupção feroz; vida corrida e estressante; imoralidade sendo exaltada; violência doméstica e urbana; terrorismo; marxismo cultural e ideologia de gênero; divórcio por motivos fúteis; inversão e abolição dos valores; relativismo; etc. Sem dúvidas, casar-se complica a situação, pois é necessário que cuidar do cônjuge e dos filhos. Logo, se você tem o chamado para ser solteiro, permaneça assim. Resista à pressão dos pais ou da sociedade. Longe de ser pecado casar-se, mas Paulo avisa: dificuldades virão. O casamento envolve confortos e bênçãos mas, por ainda sermos pecadores, também há labutas, pois cada um terá que lutar contra o pecado dentro de si, e não deixar que este contamine ainda mais o parceiro.
  2. Diante da brevidade da vida, é melhor ser solteiro (v. 29-31). Tudo o que é terreno passa e o casamento não é exceção. Apesar de ser uma instituição de Deus, ela não é eterna. Jesus ensina que no reino vindouro ninguém se casará ou se dará em casamento. Então esteja consciente disso e leve em consideração nas suas decisões.
  3. Para se dedicar mais ao reino de Deus, é melhor permanecer solteiro (v. 32-35). A grande vantagem do solteiro é poder consagrar-se inteiramente ao Senhor. Quando se é casado, naturalmente precisa-se dedicar tempo e esforço nas questões familiares. O solteiro terá mais tempo para buscar mais a Deus, testemunhar, discipular, ajudar, preparar estudos bíblicos, fazer viagens missionárias, etc.

Portanto, reavalie seu conceito à luz do Novo Testamento. Nem todos os solteiros são solitários. Há uma diferença enorme entre estar só e ser solitário. O solteiro sempre estará bem acompanhado pelo povo de Deus. Além disso, saiba que o melhor estilo de vida é aquele para qual o Deus chamou, e não o que alguém diz que é.

Por fim, o casamento não é o segredo da felicidade, e sim a total consagração a Deus. Quando Jesus falou sobre a real felicidade nas bem aventuranças, ele não mencionou casar-se ou estar solteiro. Ele falou sobre algo maior e melhor do que isso. Ele falou que a felicidade profunda e interior não é baseada na condição da pessoa, mas em seu caráter. Não no que se possui, mas no que Deus faz em sua vida. Não é algo superficial, mas profundo e eterno. Somente em Deus encontramos plena satisfação. E qual o caminho até Deus? Jesus Cristo. Creia e o confesse como seu salvador e você será religado a Deus.