Um blog do Ministério Fiel  Um blog do Ministério Fiel

Malaquias 3:10, o Dízimo e o Novo Testamento

Antes de ler, vote na pesquisa ao lado.

“Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas. Com maldição sois amaldiçoados, porque a mim me roubais, sim, toda esta nação. Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes. E por causa de vós repreenderei o devorador, e ele não destruirá os frutos da vossa terra; e a vossa vide no campo não será estéril, diz o SENHOR dos Exércitos.” (Malaquias 3:8-11)

O que a bíblia fala sobre o dízimo? Qual a relação do dízimo com o Novo Testamento? Devemos dar dízimos e ofertas ou só ofertas? Devemos ser dizimistas? E Malaquias 3:10?

Anteriormente, postamos respondendo se o dízimo é válido para o dia de hoje e falando sobre a não continuidade do dízimo no Novo Testamento, sendo suplantado pelas ofertas voluntárias (postagem 1, postagem 2). No vídeo abaixo, Augustus Nicodemus expondo o livro de Malaquias fala sobre a questão do dízimo. A posição dele é bem equilibrada e representa o nosso pensamento sobre o assunto.

Se você tiver alguma dúvida, sinta-se a vontade para perguntar. Se você não concorda, primeiro acalme seus ânimos (orar ajuda), depois leia as postagens anteriores e os comentários e, só depois, venha expor com argumentos bíblicos sua defesa.

Perguntas e Respostas

Estou acostumado a dizimar. Posso continuar ou estarei pecando?

Não há nenhum problema em dar ofertas voluntárias rotineiras e proporcionais a 10% a seu ganho. “Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria.” (2 Coríntios 9:7)

Como igrejas, pastores e missões serão sustentados?

Da mesma forma, com a contribuição generosa e voluntária do povo de Deus que serve somente ao Senhor e não a Mamom.

Mas se você não pregar e ameaçar com as maldições de não dizimar as pessoas não dão.

Então, as pessoas de sua igreja estão fazendo algo que Deus não ama, pois Deus ama aquele que dá com alegria e voluntariedade.

Abraão deu o dízimo antes da lei, então o dízimo está instituído antes da lei.

Abraão também circuncidou-se antes da lei, isso não significa que você o deva fazer também. Veja nas postagens anteriores sobre isso.

Se eu não dizimar, serei amaldiçoada pelo gafanhoto cortador, o peregrino, o devastador e o devorador de Joel 1:4?

Primeiro, se você é um cristão genuíno, não há mais nenhuma condenação para você (Romanos 8:1), pois Cristo o resgatou de toda maldição (Gálatas 3:13) e você foi adotado por Deus. Isso significa que o Pai está continuamente buscando seu bem, isto é, você ser cada vez mais parecido com Cristo (Romanos 8:28,29) – e não mais parecido com os ricos deste mundo – e nosso Pai tomará até medidas disciplinares para isso, pois Ele o recebe como Filho (Hebreus 12:6). Portanto, isso significa que se o Pai achar melhor ele pode levá-lo a provações econômicas para aprender a ser generoso (2 Coríntios 8:2) e não colocar seu coração nas riquezas (Salmos 62:10).

Eu dei o dízimo e funcionou e conheço testemunho de pessoas que enriqueceram ao dar o dízimo.

Os que entram em sociedades secretas também enriquecem. Isso quer dizer que está certo? Não. Então, esse não é um argumento válido. Além do mais, ofertar a Deus não é uma moeda de troca ou uma barganha, mas um gesto de adoração e amor ao próximo. Se sua intenção ao dizimar ou ofertar é, no fundo, enriquecer, então você não ama a Deus, mas o usa para seus desejos pecaminosos e carnais.





  • Adrianne

    O dízimo é um problema para alguns crentes, por causa da Teologia da Prosperidade que é ensinada nos púlpitos de algumas denominações religiosas que aparecem na televisão, que distorcem as Escrituras Sagradas.

    Concordo que devemos contribuir de coração em ofertas para expansão do reino de Deus, para alcançar almas de vários lugares, investir em materiais de estudos espirituais, fazer distribuições das bíblias e panfletos gratuitos (sem propaganda de placas), enviar evangelistas e missionários em várias regiões e para o sustento e despesas deles, construção de bases para evangelização, ajudar os órfãos, viúvas, estrangeiros, pobres, enfermos e outros necessitados, ajudar e construir abrigos aos necessitados, ajudar pessoas que vivem em países pobres e etc. Não devemos ser avarentos e amar ao deus Mamon. Temos que amar e servir o próximo, se doar, dar e dividir os bens quando necessário.

    Mas, na verdade eu quero comentar aqui sobre o verso de Malaquias 3:10.
    Quem já leu o livro inteiro de Malaquias na Bíblia, percebeu que a palavra “sacerdote” está presente em vários capítulos, portanto quem roubava de Deus naquela época do Antigo Testamento, eram os sacerdotes e não os fiéis. Alguns interpretam e escolhe somente um verso para justificar o seu entendimento e não lê o livro inteiro. Temos que ter discernimento e revelação da verdade da palavra de Deus, temos que ter uma visão mais ampla e cuidado na
    palavra de Deus, pois podem haver mal interpretação e distorção, por causa dos
    próprios interesses.

    Nestes versos abaixo do livro Malaquias, entendi que não se pode explorar a nação, pois será maldito o enganador que era o sacerdote. Deus fala também sobre a vinda de Jesus, o mensageiro que fará justiça.

    Agora, ó SACERDOTES, este mandamento é para vós. (…) (Malaquias 2:1-17) [quem quiser ler todo o capítulo]

    E chegar-me-ei a vós para juízo; e serei uma testemunha veloz contra os feiticeiros, contra os adúlteros, contra os que juram falsamente, contra os que DEFRAUDAM o diarista em seu SALÁRIO, e a viúva, e o órfão, e que pervertem o direito do estrangeiro, e não me temem, diz o Senhor dos Exércitos. (Malaquias 3:5)

    O filho honra o pai, e o servo o seu senhor; se eu sou pai, onde está a minha honra? E, se eu sou senhor, onde está o meu temor? diz o SENHOR dos Exércitos a vós, ó SACERDOTES, que desprezais o meu nome. E vós dizeis: Em que nós temos desprezado o teu nome?

    (…) E dizeis ainda: Eis aqui, que canseira! E o lançastes ao desprezo, diz o Senhor dos Exércitos; vós ofereceis o que foi ROUBADO, e o coxo e o enfermo; assim trazeis a oferta. Aceitaria eu isso de vossa mão? diz o Senhor.

    Pois seja maldito o enganador que, tendo macho no seu rebanho, promete e oferece ao Senhor o que tem mácula; porque eu sou grande Rei, diz o Senhor dos Exércitos, o meu nome é temível entre os gentios. (Malaquias 1:6-14)

    Roubará o homem [sacerdotes] a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas. [alimentos, animais e outros]
    Com maldição sois amaldiçoados, porque a mim me roubais, sim, toda esta nação. [rouba de Deus e de toda a nação]
    Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa [no Antigo Testamento, a glória de Deus permanecia temporariamente e não sempre nos templos construídos por homens, mas já no Novo Testamento e atualmente, Deus habita nos que vivem pela graça por meio do Espírito Santo, ou seja Deus habita em nós que somos templo do Espírito Santo], e depois fazei prova de mim nisto, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes. (Malaquias 3:8-10)
    E por causa de vós repreenderei o devorador, e ele não destruirá os frutos da vossa terra; e a vossa vide no campo não será estéril, diz o Senhor dos Exércitos. (Malaquias 3:11)

    Alguns homens religiosos querem colocar medo nos fiéis por não cumprirem suas obrigações impostas pelo sistema religioso e falam de modo ameaçador que o devorador é o inimigo e que vão ser amaldiçoados se não cumprirem. Mas, na verdade o devorador é o gafanhoto que pode atacar as plantações de alimentos, que naquela época era retirado o dízimo dos
    alimentos, e o inimigo não pode tocar naqueles que já vivem pela graça de Deus em obediência (santificação, arrependimento constante e etc).

    É bom ler o capítulo 3 de Malaquias inteiro ou melhor ler desde o capítulo 1 até o 4, para compreender melhor a escritura.
    Infelizmente, em algumas denominações ainda se pregam de maneira equivocada porque seguem o que aprenderam (tradição) ou do seguimento do sistema religioso.