[Reformanda] SOLA SCRIPTURA: A Raiz do Evangelho (7)

John MacArthur – Pregando o Livro que Deus escreveu [parte 1 de 5]
Acreditamos na inerrância bíblica. E daí? Como é que a verdade da inerrância bíblica e a revelação da autoridade escrita de Deus afeta o nosso modo de pregar e ministrar? Há um pequeno ponto em defender a inerrância das Escrituras se estamos dispostos a ceder à autoridade da Bíblia na nossa abordagem ao ministério.

Este artigo é adaptado de um artigo escrito por John MacArthur, no auge do debate sobre a inerrância no início de 1980.

O destaque teológico do século 20 teve um intenso foco evangelicalísta sobre a doutrina da inerrância bíblica.[1] Muito do que foi escrito em defesa da inerrância na década de 1970 e 80 representou a fundamentação teológica mais aguda que a nossa geração produziu.

No entanto, parece que o nosso compromisso prático com a inerrância está um pouco deficiente. O compromisso do evangélico moderno com a autoridade e a infalibilidade da Bíblia, nem sempre é refletido no ministério. A nossa pregação não deve refletir a nossa convicção de que a Palavra de Deus é infalível autoritária? Demasiadas vezes, não. Na verdade, há uma tendência perceptível no evangelicalismo contemporâneo distante da pregação bíblica, e um correspondente à experiência-centrada, pragmática, e mensagens temáticas no púlpito.

Como pode ser isso? A nossa pregação não deve refletir a nossa convicção de que a Bíblia é verbalmente inspirada, inerrante Palavra de Deus? Se acreditarmos que “toda a Escritura é inspirada por Deus” e infalível, não deveríamos estar igualmente comprometidos com a verdade que é “útil para o ensino, para correção, para repreensão, para educação na justiça, para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente habilitado para toda boa obra”?[2] Esta magnífica verdade não deveria determinar como devemos pregar?

É evidente que isso deve acontecer. Paulo deu este mandato a Timóteo: “Conjuro-te, perante Deus e Cristo Jesus, que há de julgar vivos e mortos, pela sua manifestação e pelo seu reino: prega a palavra, insta, quer seja oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda a longanimidade e doutrina.”[3] Qualquer forma de pregação que ignore a sua finalidade e concepção de Deus é muito deficiente.

J I Packer capturou eloqüentemente o propósito da pregação:

Pregação aparece na Bíblia como uma afinação do que Deus diz sobre Si mesmo e suas ações, e sobre os homens em relação a Ele, mais uma ênfase de seus mandamentos, promessas, avisos e garantias, com vista a ganhar o ouvinte ou ouvintes… Para uma resposta positiva.

A única resposta lógica, então para inerrância das Escrituras é pregar expositivamente. Por expositivo, quero dizer para pregar de tal forma que o significado do texto bíblico é apresentado inteiramente e exatamente como foi planejado por Deus. A pregação expositiva é a proclamação da verdade de Deus, mediada através do pregador.

Alguns, que são conhecidos como expositores nem mesmo acreditam na inerrância bíblica. Também poderia ser o caso que a maioria dos que afirmam a inerrância bíblica não praticam pregação expositiva. (Novamente, a tendência mais popular entre os evangélicos nos dias de hoje é decididamente na direção oposta – em direção a pregação impulsionada por “necessidades sentidas”, e outras abordagens atuais para o ministério do púlpito.) Estas são as incoerências desconcertantes, porque uma perspectiva inerrante demanda uma pregação expositiva, e uma perspectiva não-inerrante torna desnecessária a pregação expositiva.

Da mesma forma, o que adianta termos um texto inerrante se não lidarmos com os fenômenos básicos da comunicação, por exemplo, palavras, frases, gramática, morfologia, sintaxe, etc. E se não fizermos isso, por que se preocupar em pregar? Em sua obra de referência sobre a teologia exegética, Walter Kaiser acertadamente analisa o estado anêmico da igreja, devido à alimentação inadequada do rebanho:

Não é segredo que a Igreja de Cristo não é de todo em boa saúde em muitos lugares do mundo. Ela foi definhando, porque ela tem sido alimentada, como a linha atual, “algo que é agradável e atraente mas tem pouco valor real”; todos os tipos de conservantes artificiais e outros tipos de substitutos naturais foram servidas a ela. Como resultado, a desnutrição teológica e bíblica tem afligido a presente geração, muito que tenha tomado qualquer passos gigantescos para garantir que a saúde física não esteja danificada, usando alimentos ou produtos que são cancerígenos ou prejudiciais aos seus corpos físicos. Simultaneamente, uma fome espiritual no mundo inteiro devido à ausência de qualquer publicação séria da Palavra de Deus (Amós 8:11) continua a correr solta e quase sem esmorecer na maioria das áreas da Igreja.
A cura óbvia para a má nutrição espiritual do evangelismo é a pregação expositiva.

O mandato é claro. A pregação expositiva é o gênero declarativo em que a inerrância encontra sua expressão lógica e à igreja sua vida e poder. Simplesmente, a inerrância demanda exposição como o único método de pregar que preserve a pureza das Escrituras e realiza a finalidade para a qual Deus nos deu a Sua Palavra.

Ou, como R B Kuiper sucintamente afirmou que: “O princípio de que a pregação cristã é o anúncio da Palavra deve, obviamente, ser determinante no conteúdo do sermão.”

Notas:
[1] A doutrina da inerrância bíblica é “a alegação de que, quando todos os fatos são conhecidos, as Escrituras nas suas grafias originais e devidamente interpretadas serão mostradas ser sem erro em tudo o que elas afirmam ao grau de precisão pretendido, quer essa afirmação se refira à doutrina, história, ciências, geografia, geologia, etc”; Paul D. Feinberg, “Infallibility and Inerrancy,” Trinity Journal, VI:2 (Fall, 1977), 120.
[2] 2 Tm 3:16-17
[3] 2 Tm 4:1-2, ênfase adionada

Tradução: Equipe Voltemos ao Evangelho

(ao termino das 5 partes postadas, disponibilizaremos uma pdf com o artigo completo para download)


O PROJETO

Reformanda
Igreja Reformada sempre se Reformando
“Ecclesia reformata et semper reformanda est”

Voltar ao Evangelho é sempre estar se Reformando.
Junte-se nesta Reforma – Reformanda!

2 Comentários
  1. Lucas Da Silva Maria Diz

    Congratulations for the ongoing hard work.

  2. AMÉRICO SANTOS Diz

    VINíCIUS, TUDO QUE O PASTOR FALOU É UMA MARAVILHOSA VERDADE, EM ESPECIAL A CITAÇÃO DO COMENTÁRIO DE PAUL D. FEINBERG, ENTRETANTO, BASEADO ATÉ PELO ARTIGO ANTERIOR DO PRÓPRIO PASTOR MacARTHUR, SOBRE SERVO E ESCRAVO,TRADUÇÃO EQUIVOCADA DE ALGUNS TRADUTORES PARA NOSSA LÍNGUA PORTUGUESA,QUE COMPLICA MUITA VEZES A MENSAGEM DIVINA, MAS DEUS TEM OS SEUS CAMINHOS, E MUITA VEZES USA ESSAS TRADUÇÕES PARA CONFUNDIR OS SÁBIOS DESTE SÉCULO, POIS ELE SÓ ABRE OS OLHOS E O ENTENDIMENTO DE QUEM ELE ESCOLHE; CONTUDO CREIO PIAMENTE NA INSPIRAÇÃO DOS ESCRITORES BÍBLICOS DE GÊNESIS A APOCALÍPSE.

Comentários estão fechados.