Chamada à Contemplação [2]

Amado Leitor,

Escrevo este livreto porque a verdade e a beleza de Jesus Cristo, o Filho de Deus, são fascinantes. Eu faço coro com o salmista:

Uma coisa peço ao Senhor, e a buscarei:
que eu possa morar na Casa do Senhor todos os
dias da minha vida, para contemplar a beleza
do Senhor e meditar no seu templo.
(Salmo 27:4)

Se você é um guia turístico e sabe que os turistas anseiam por desfrutar da beleza — que estão até mesmo dispostos a arriscar suas vidas para que a vejam — e assim se vê diante de um pico de tirar o fôlego, então o seu dever é mostrá-lo a eles e insistir que desfrutem da vista. Bem, a raça humana de fato anseia pela experiência da admiração.

E não há realidade mais arrebatadora do que Jesus Cristo. Estar com Ele não significa estar livre de perigo, mas a sua beleza é extraordinária.

Deus colocou a eternidade na mente do homem e encheu o coração humano de anelos. Mas nós não sabemos pelo que anelamos até que nós vejamos o quão formidável Deus é. Esta é a causa da inquietação universal. Daí a famosa oração de Santo Agostinho: “Fizeste-nos para Ti, e inquieto está o nosso coração, enquanto não repousa em Ti”.

O mundo tem um anseio insaciável. Tentamos satisfazer este anseio por meio de férias com paisagens pitorescas, habilidades criativas, produções cinematográficas extraordinárias, aventuras sexuais, esportes espetaculares, drogas alucinógenas, devoções rigorosas, excelência administrativa, dentre muitas outras coisas. Mas o anseio permanece. O que isto significa? C. S. Lewis responde:

Se encontro em mim um desejo que nenhuma experiência deste mundo pode satisfazer, a explicação mais provável é a de que fui criado para um outro mundo.

A tragédia do mundo é que o eco é confundido com o grito que o iniciou. Quando estamos de costas para a beleza fascinante de Deus, fazemos sombra na terra e nos apaixonamos por ela própria. Mas isto não nos satisfaz verdadeiramente.

Os livros ou a música onde pensamos estar a beleza nos trairão se confiarmos neles… Pois eles não são a coisa em si; eles são somente o aroma de uma flor que não encontramos, o eco de um tom que ainda não ouvimos, notícias de um país que nunca visitamos.

Escrevi este livro porque a Beleza encantadora nos visitou. “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai” (João 1.14). Como, então, eu poderia deixar de clamar, Olhe! Creia! Seja satisfeito! Contemplar tal beleza pode custar a sua vida. Mas valerá a pena, pois sabemos, baseados na autoridade da Palavra de Deus, que “a tua graça é melhor do que a vida” (Salmo 63.3). Delícias infinitas são um dever arriscado. Mas você não se arrependerá da busca. Eu a chamo de prazer cristão.

Por John Piper. © Desiring God. Website: desiringGod.org
Prefácio do Livro: Plena Satisfação em Deus, publicado pela Editora Fiel, a qual distribui gratuitamente em março o e-book do livro para todos os assinantes do informativo. Visite o site da Editora Fiel e assine o informativo!

3 Comentários
  1. Alam Martins Diz

    Denso, profundo e verdadeiro.

  2. Anonymous Diz

    Muito bom esse texto. Hoje mesmo eu estava conversando com uma colega de trabalho, sobre a vinda de Crito e a beleza da Glória que nos será revelada, com a volta de Cristo. Mas ela me retrucou e disse: temos que lutar pelas as coisas da presente era.

  3. Ermeson Diz

    Eu tenho meditado sobre a verdadeira razão da minha adoração.
    Quando eu me pego louvado o Senhor pelo meu deitar dormir e acordar ou ainda pelo café da manhã, almoço e janta.
    Ou ainda louvando o Senhor por maus pais ou irmãos em Cristo.
    Sabe, quando vejo cada objeto em minha casa, computador televisão, aparelho de som ou minha gatinha de estimação.
    Em tudo isso eu reconheço o Senhor sua grande bondade.
    Porém, eu penso e se não existisse tudo isso? Sabe sem pai ou mãe ou ainda sem meu irmão ou sem minha gatinha de estimação, meu computador e tudo que me cerca.
    Será que ainda assim louvaria o Senhor?
    Irmãos orem por mim, eu sinto que não, por isso nesse momento eu choro peço perdão ao Pai Celestial. Meu pai me ajuda a te amar de verdade, pois me sinto envergonhado diante de tua graça e eu não consigo corresponder a tudo isso, perdoa esse pecador.

Comentários estão fechados.