um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

[PVE] Últimos dias: avivamento ou apostasia?

“Paz, irmãos! Sempre ouvimos, na nossa vida, falar sobre o avivamento dos últimos dias. O que garante realmente o avivamento da Igreja dos últimos dias? Esse avivamento é geral? local? individual?”

Diferente do que muitos cristãos pensam, quando a Escritura menciona os “últimos tempos”“últimos dias” e termos parecidos, ela está se referindo a toda a história do mundo a partir da primeira vinda de Jesus Cristo e não somente aos últimos momentos da história antes de sua segunda vinda.

Nos Atos dos Apóstolos, “Pedro, porém, pondo-se em pé com os onze, levantou a voz e disse-lhes: Varões judeus e todos os que habitais em Jerusalém, seja-vos isto notório, e escutai as minhas palavras. Estes homens não estão embriagados, como vós pensais, sendo esta a terceira hora do dia. Mas isto é o que foi dito pelo profeta Joel: E nos últimos dias acontecerá, diz Deus, que do meu Espírito derramarei sobre toda a carne; e os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, os vossos jovens terão visões, e os vossos velhos sonharão sonhos; e também do meu Espírito derramarei sobre os meus servos e minhas servas, naqueles dias, e profetizarão”. (Atos 2.14-18) Pedro menciona que Joel havia profetizado a efusão do Espírito para acontecer nos últimos dias. Portanto, os últimos dias já haviam chegado.

Em sua carta, Pedro diz: “… sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver, que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com precioso sangue, como de um cordeiro sem defeito e sem mancha, o sangue de Cristo, o qual, na verdade, foi conhecido ainda antes da fundação do mundo, masmanifesto no fim dos tempos por amor de vós”. (I Pedro 1.18-20) Pedro lembra aos cristãos que eles foram salvos não por dinheiro, mas pelo sacrifício expiatório de Jesus Cristo. Isso aconteceu, diz Pedro, no fim dos tempos.

Em sua carta aos Coríntios, Paulo escreveu: tudo isto lhes acontecia como exemplo, e foi escrito para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos”. (I Coríntios 10.11) Paulo menciona que ele e seus contemporâneos já haviam chegado aos fins dos séculos. Ele não poderia estar falando dos últimos momentos da História do mundo, bem antes da vinda de Jesus Cristo porque ele escreveu isso há cerca de vinte séculos.

Em sua carta a Timóteo, ele escreve: “Sabe, porém, isto, que nos últimos dias sobrevirão tempos penosos; pois os homens serão amantes de si mesmos, gananciosos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a seus pais, ingratos, ímpios, sem afeição natural, implacáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando-lhe o poder. Afasta- te também desses. Porque deste número são os que se introduzem pelas casas, e levam cativas mulheres néscias carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências; sempre aprendendo, mas nunca podendo chegar ao pleno conhecimento da verdade”. (II Timóteo 3.1-7) Aquilo que Paulo diz que viria nos últimos dias, era o que já havia começado a acontecendo em seu próprio tempo. Pois ele menciona tais homens que ele disse que viria nos últimos tempos como já estando ativo e inclusive manda que Timóteo se afaste deles.

Quando a Bíblia fala nos últimos tempos ou nos últimos dias, a premissa é que a História da Humanidade está centralizada na pessoa de Jesus Cristo. Quando fala nos primeiros tempos está uma referência toda a História antes da vinda de Jesus Cristo. Quando fala nos últimos tempos está uma referência toda a História depois da vinda de Jesus Cristo. Como profetizou Isaías:

“Mas a terra, que foi angustiada, não será entenebrecida; envileceu nos primeiros tempos, a terra de Zebulom, e a terra de Naftali; mas nos últimos tempos a enobreceu junto ao caminho do mar, além do Jordão, na Galiléia das nações. O povo que andava em trevas, viu uma grande luz, e sobre os que habitavam na região da sombra da morte resplandeceu a luz… Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. Do aumento deste principado e da paz não haverá fim, sobre o trono de Davi e no seu reino, para o firmar e o fortificar com juízo e com justiça, desde agora e para sempre; o zelo do SENHOR dos Exércitos fará isto”. (Isaías 9.1-2,6-7)

O Evangelho de Mateus narra o cumprimento:

“E, deixando Nazaré, foi habitar em Cafarnaum, cidade marítima, nos confins de Zebulom e Naftali; Para que se cumprisse o que foi dito pelo profeta Isaías, que diz: A terra de Zebulom, e a terra de Naftali, Junto ao caminho do mar, além do Jordão, A Galiléia das nações; O povo, que estava assentado em trevas, Viu uma grande luz; E, aos que estavam assentados na região e sombra da morte, A luz raiou. Desde então começou Jesus a pregar, e a dizer: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus”. (Mateus 4.13-17)

O motivo pelo qual muitos pensam que quando a Escritura menciona os últimos dias, ela esteja se referindo aos últimos momentos da história antes de segunda vinda de Cristo é que a palavra dias se referir, para muitos, parece se referir necessariamente a um período curto de tempo. Mas o uso da palavra pela própria Bíblia mostra que ela não precisa necessariamente indicar um período curto de tempo, mas pode se referir a um período de séculos de duração. Vemos isso já nos primeiros capítulos de Gênesis: “E foram todos os dias que Adão viveu novecentos e trinta anos, e morreu”. (Genesis 5:5). Todos na genealogia de Gênesis 5 viveram durante muitos séculos. E a palavra dias – do hebraico yom – é usada pra se referir a esse longo período de tempo.

Sendo assim, nos últimos existiram muitos avivamentos e muitas apostasias. Oremos a Deus para que Ele envie avivamento.

Por Frank Brito © Voltemos Ao Evangelho

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

20 Comentários
  1. Anderson Diz

    Mas vale apena destacar,que a profecia do profeta Joel, não se cumpriu toda em Atos, pois se reparar a mensagem é de que o Espírito seria derramado em toda carne.Mas nem todos receberam tal promessa.

    1. Frank Brito Diz

      Como eu mencionei no texto: “Quando a Bíblia fala nos últimos tempos ou nos últimos dias, a premissa é que a História da Humanidade está centralizada na pessoa de Jesus Cristo… Quando fala nos últimos tempos está uma referência toda a História depois da vinda de Jesus Cristo”. Nós ainda estamos nos últimos dias e estaremos até a Segunda Vinda de Jesus Cristo (o que eu acredito que vai demorar ainda séculos pra acontecer). Sendo assim, o Espírito Santo continua a ser derramado sobre todos os que tem fé em Jesus Cristo durantes os últimos dias: “Pedro então lhes respondeu: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para remissão de vossos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo”. (Atos 2.38)

      Sobre “toda carne”, a expressão não se refere a todas as pessoas individualmente, mas se refere a “toda CLASSE de pessoas”, “todo TIPO de pessoas”: judeus, gentios, jovens, velhos, homens, mulheres, etc.

      Abraços.

    2. wagner Diz

      irmão vc realmente acredita que a vinda de Cristo vai demorar msm séculos para acontecer?

    3. Felipe Lima de Sousa Diz

      Eu ia perguntar a mesma coisa. Porque demoraria séculos com tamanha veemência?

    4. Frank Brito Diz

      Eu acredito que vai demorar séculos porque “Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos por escabelo dos teus pés” (Salmo 110.1) e “Então virá o fim… quando houver destruído todo domínio, e toda autoridade e todo poder. Pois é necessário que ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo de seus pés”. (1Co 15:24-25) Isso se cumpre historicamente “até que a PLENITUDE dos gentios haja entrado” (Romanos 11:25) e “todo o Israel será salvo” (Romanos 11.26) pois “Todos os limites da terra se lembrarão e se converterão ao Senhor, e diante dele adorarão todas as famílias das nações”. (Salmo 22:27) Por isso antes de subir ao céu, Jesus disse: “Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos”. (Mat 28:18-20) Como eu acredito que nós não estamos ainda perto de concluir esse trabalho de que todas as nações tenham se convertido, eu acho que ainda vai demorar alguns séculos pra acontecer.

      Fiquem na paz de Nosso Senhor!

    5. Thiago Dylan Diz

      Essa sua visão, Frank, é amilenista ou pós-milenista? Obrigado e que Deus o abençoe!

    6. Alan de Oliveira Diz

      Frank Brito, mas o que em Mateus 24 está dizendo não parece ser um mundo numa realidade Cristã.
      e Analisando o que diz em 2 Tessalonicenses 1 – 4:
      Ora, irmãos, rogamo-vos, pela vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, e pela nossa reunião com ele,
      Que não vos movais facilmente do vosso entendimento, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como de nós, como se o dia de Cristo estivesse já perto.
      Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição,
      O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus.

      e ,
      1 Timóteo 4
      Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios;

      e se analisar as cartas as igrejas da Ásia,
      acho que é diferente do que você está pensando.

  2. Carlos Augusto Craveiro Diz

    Caro Frank Brito,
    Alderi Souza de Matos, um pastor presbiteriano e historiador da Igreja Presbiteriana do Brasil, escreveu um artigo para a revista Fides Reformata no 2, ano 2006, entitulado “O movimento pentecostal: Reflexões a propósito do seu Primeiro Centenário”. Ele cita um autor chamado Donald W. Dayton, que escreveu o livro “Theological roots of Pentecostalism”. Eu quero apresentar um pouco da explicação que é dada: Um dos nomes que foram dados ao movimento pentecostal em seus primórdios foi a “chuva tardia”. Por quê? A expressão está baseada na menção que é feita às primeiras e às últimas chuvas nas seguintes passagens das Escrituras: Joel 2:23 e Tiago 5:7-8, devendo servir para a compreensão mais abrangente de passagens como Joel 2:28-29 e Atos 2:17-20.

    Apresento uma citação de Dayton, feita por Alderi Souza:

    “O Pentecoste original do Novo Testamento foram as “primeiras chuvas”, o derramamento do Espírito que acompanhou a “plantação” da igreja. O Pentecostalismo moderno são as “últimas chuvas”, o derramamento especial do Espírito que restaura os dons nos últimos dias como parte da preparação para a colheita, o retorno de Cristo em glória”.

    As características que acompanham o derramamento do Espírito “nos últimos dias” são comuns tanto no início da Igreja, no caso do dia de Pentecostes e nos outros eventos descritos no livro de Atos, como também são comuns nos dias que antecedem a vinda de Cristo, como a declaração de que “o sol se converterá em trevas, e a lua, em sangue, antes que venha o grande e glorioso dia do Senhor“ (Jl 2:28-29 e At 2:17-20). Uma conclusão razoável é a de que a derramamento do Espírito Santo ocorre tanto no início como no final da era da igreja. É uma explicação bíblica para os avivamentos que ocorreram após a reforma, para o avivamento metodista do século XIX, conhecido como avivamento holinees, e o crescimento do movimento pentecostal nos últimos tempos.

  3. Eduardo Diz

    Algumas da Citações que voce fez na resposta dada ao Felipe não se referem ao Reino Milenial de Cristo? Me parece que voce espera que este mundo em que vivemos converta-se integralmente a Jesus, assim o mundo todo seria Igreja?

    1. Frank Brito Diz

      Alan de Oliveira:

      Você citou:

      “1 Timóteo 4
      Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios;

      e se analisar as cartas as igrejas da Ásia,
      acho que é diferente do que você está pensando”.

      Como eu disse no meu texto, “Quando [a Bíblia] fala nos últimos tempos está é uma referência toda a História depois da vinda de Jesus Cristo” e não somente aos últimos momentos da História. Paulo já estava nos últimos dias. Nós estamos nos últimos dias há 2.000 anos. Apostasia sempre aconteceu. A Reforma aconteceu há 500 anos por causa de apostasia. Este texto não está falando de nada especial para os últimos momentos da História.

      Você citou também Mateus 24. É verdade que há muitas desgraças em Mateus 24. Mas em nenhum momento de Mateus 24 diz que essas desgraças como guerras, etc. são o fim. “E ouvireis falar de guerras e rumores de guerras; olhai não vos perturbeis; porque forçoso é que assim aconteça; mas ainda não é o fim”. (Mateus 24,6) Muitos cristãos acreditam que a existência de guerras ou o aumento no número de guerras são um sinal de que já chegamos aos últimos dias e que Jesus está prestes a voltar a qualquer momento. Mas como é que a existência de guerras poderia ser um sinal de qualquer coisa se guerras existem desde o principio do mundo? Guerras não passaram a existir somente no século XX ou XXI, mas sempre existiram em larga escala. Na própria Bíblia há muitas narrativas de guerras, incluindo genocídios de diversas nações. As palavras de Jesus são claras. Ele não menciona as guerras pra dizer que são o sinal do fim. Pelo contrário, as guerras são um sinal de que ainda não é o fim.

      Jesus não menciona as guerras pra dizer que é o sinal do fim, mas pra consolar os discípulos. “Não vos assusteis, porque é mister que tudo isso aconteça”. Da mesma forma que o aviso anterior sobre os falsos cristos revela algo sobre a expectativa dos discípulos, as palavras de Jesus fazem surgir um questionamento importante: Por qual motivo os discípulos poderiam ficar tão assustados com a existência de guerras ao ponto de Jesus ter que consolá-los dizendo que é mister que tudo isso acontecesse, isto é, que tais coisas estavam dentro do controle de Deus? Afinal, as guerras não sempre existiram? O Antigo Testamento não é cheio de guerras? Por que isso seria algum motivo de espanto como se a existência de guerras fosse algo fora do normal?

      O aviso de Jesus pressupõe que expectativa dos discípulos era que não deveria continuar a haver guerras. A contínua existência de guerras poderia fazê-los perder a fé em Jesus como o Messias, pois a contínua existência de guerras seria contrario as suas expectativas para o que aconteceria mediante a vinda do Messias.

      É verdade que o Reino do Messias Jesus não é um reino fundamentalmente político. Mas isso não quer dizer que ele não tenha implicações políticas também. Tiago diz qual é a origem das guerras: “Donde vêm as guerras e contendas entre vós? Porventura não vêm disto, dos vossos deleites, que nos vossos membros guerreiam?” (Tiago 4:1) As guerras e outros problemas e desgraças políticas entre as nações tem como raiz a falta de regeneração nos homens.

      Se a o erro dos judeus e a falsa expectativa dos discípulos em relação a Jesus foi acreditar que a vinda do Messias significaria a submissão de todas as nações a Deus e que isso traria paz mundial ao ponto de que não haveria mais guerras, então o problema dos judeus foi o de acreditar no Antigo Testamento e nas profecias de Zacarias e de Isaías e de Miquéias e de muitos outros, pois é exatamente isso o que o Antigo Testamento profetiza claramente que aconteceria mediante a vinda do Messias.

      Isaías foi claro: “A visão que teve Isaías, filho de Amoz, a respeito de Judá e de Jerusalém. Acontecerá nos últimos dias que se firmará o monte da casa do Senhor, será estabelecido como o mais alto dos montes e se elevará por cima dos outeiros; e concorrerão a ele todas as nações. Irão muitos povos, e dirão: Vinde, e subamos ao monte do Senhor, à casa do Deus de Jacó, para que nos ensine os seus caminhos, e andemos nas suas veredas; porque de Sião sairá a lei, e de Jerusalém a palavra do Senhor. E ele julgará entre as nações, e repreenderá a muitos povos; e estes converterão as suas espadas em relhas de arado, e as suas lanças em foices; uma nação não levantará espada contra outra nação, nem aprenderão mais a guerra”. (Isa 2:1-4)

      Veja que ele diz que isso aconteceria nos ÚLTIMOS DIAS. Como eu disse no meu texto, “Quando [a Bíblia] fala nos últimos tempos está é uma referência toda a História depois da vinda de Jesus Cristo”. É por isso que Jesus diz que “E ouvireis falar de guerras e rumores de guerras; olhai não vos perturbeis; porque forçoso é que assim aconteça; mas ainda não é o fim”. (Mateus 24,6) Não seria o fim porque a expectativa daqueles que criam no Antigo Testamento não seria fracassada. “E este evangelho do reino será pregado no mundo inteiro, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim”. (Mat 24:14) Tal pregação no mundo inteiro é que trará o fim e NÃO as desgraças, pois tal pregação fará se cumprir a palavra de Isaías sobre os últimos dias, que começaram na vocação dos gentios subindo ao templo no dia de Pentecostes e terminarão com as nações conversão de todas as nações a ponto de não haver mais guerra, como disse os profetas.

    2. Frank Brito Diz

      Eu creio que se referem ao Milênio sim. Mas eu acredito que já estamos no Milênio. A prova que o Milênio não pode ser depois da Segunda Vinda está em I Coríntios 15:

      “Pois como todos em Adão morrem, do mesmo modo todos em Cristo serão vivificados. Cada um, porém, na sua ordem: Cristo as primícias, depois os que são de Cristo, na sua vinda. Então virá o fim quando ele entregar o reino a Deus o Pai, quando houver destruído todo domínio, e toda autoridade e todo poder. Pois é necessário que ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo de seus pés. Ora, o último inimigo a ser destruído é a morte”. (I Coríntios 15,22-26) Paulo está aqui citando o Salmo mais citado no Novo Testamento: “Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos por escabelo dos teus pés”. (Salmo 110,1) Jesus assentou-se a direita do Pai em sua Assunção: “Ora, o Senhor, depois de lhes ter falado, foi recebido no céu, e assentou-se à direita de Deus”. (Marcos 16,19) Desde então, ele vem expandindo o seu reino progressivamente, colocando seus inimigos de baixo de seus pés até que tenha completamente “destruído todo domínio, e toda autoridade e todo poder”.

      Isaías já havia predito que “ele exercerá o seu juízo sobre as nações e repreenderá a muitos povos”. (Isaías 2.4) O Salmo diz o mesmo: “Eu tenho estabelecido o meu Rei sobre Sião, meu santo monte. Falarei do decreto do Senhor; ele me disse: Tu és meu Filho, hoje te gerei. Pede-me, e eu te darei as nações por herança, e as extremidades da terra por possessão. Tu os quebrarás com uma vara de ferro; tu os despedaçarás como a um vaso de oleiro. Agora, pois, ó reis, sede prudentes; deixai-vos instruir, juízes da terra. Servi ao Senhor com temor, e regozijai-vos com tremor. Beijai o Filho, para que não se ire, e pereçais no caminho; porque em breve se inflamará a sua ira. Bem-aventurados todos aqueles que nele confiam”. (Salmo 2,6-12) Esse é o pano de fundo para compreender as aflições mencionadas por Jesus. “E ouvireis falar de guerras e rumores de guerras; olhai não vos perturbeis; porque forçoso é que assim aconteça; mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino; e haverá fomes e terremotos em vários lugares”. (Mateus 24,6-7)

      Paulo diz que o ÚLTIMO inimigo a ser derrotado será a morte: “Ora, o último inimigo a ser destruído é a morte”. (I Coríntios 15,22-26) E ele diz também que isso acontecerá na SEGUNDA VINDA: “Eis aqui vos digo um mistério: Nem todos dormiremos mas todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos serão ressuscitados incorruptíveis, e nós seremos transformados. Porque é necessário que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade e que isto que é mortal se revista da imortalidade. Mas, quando isto que é corruptível se revestir da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revestir da imortalidade, então se cumprirá a palavra que está escrito: Tragada foi a morte na vitória. Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão?” (I Coríntios 15:51-55) Se a morte é o último inimigo a ser derrotado e isso acontecerá na ressurreição dos justos na Segunda Vinda, isso significa que não poderá haver Mil anos depois com pecado, morte e o Diabo ainda sendo solto. Nós já estamos no Milênio. Cristo já reina a direita do Pai. O Milênio é a vocação dos gentios. O selo sobre o Diabo é que ele não poderá mais enganar os gentios como ele fez sob o Antigo Pacto. Os gentios estão sendo chamados. As nações estão se prostando diante do Rei dos Reis.

    3. Vini Diz

      E lá vai um debate sobre escatologia kkkkkkkkkkkkkkkk

      E a postagem nem era sobre isso :P

    4. Eduardo Diz

      Obrigado pela resposta Frank, na verdade nunca tinha visto o “Fim” sob essa perspectiva, como assembleiano – ainda – fazemos sempre mençao da visão Dispensacionalista como voce ja deve saber. Mas ainda ficou uma pergunta: Por diversas vezes Jesus orientou seus discipulos a vigiarem, por não saberem a que hora viria o noivo. De acordo com o que voce escreveu não devemos nos preocupar com uma vinda repentina de Jesus? Se quiser responder só mais essa, prometo que paro.

      PS. Gostaria, se voce quiser, manter contato fora desse espaço público.

    5. Wesley Leal Diz

      ô Vini eu ia falar a mesma coisa,rsrsr.
      Mas o texto é muito bom juntamente com os comentarios.
      Eu tenho a mesma “impressão” de que a volta do Senhor Jesus irá demorar um pouquinho, alguns “dias”.

    6. Frank Brito Diz

      Caro Eduardo…

      Sob a vigilância, eu creio que I Tess 5 nos ajuda a entender:

      “porque vós mesmos sabeis perfeitamente que o dia do Senhor virá como vem o ladrão de noite; pois quando estiverem dizendo: Paz e segurança! então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida; e de modo nenhum escaparão. Mas vós, irmãos, não estais em trevas, para que aquele dia, como ladrão, vos surpreenda; porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas”. (I Tessaloniscenses 5.2-5)

      Veja que Paulo diz que o Dia do Senhor virá como “o ladrão de noite” para dizer que virá de forma repentina e inesperada. Mas veja que será inesperado somente sobre os réprobos e não aos santos. Sobre os eleitos ele diz “não estais em trevas, para que aquele dia, como ladrão, vos surpreenda”. Certamente é verdade que “Quanto, porém, ao dia e à hora, ninguém sabe”.(Marcos 13:32) Por isso é um erro gravíssimo marcar a hora da vinda de Jesus como muitos falsos profetas fazem. Mas ainda assim, as Escrituras nos mostram os tempos e as estações e por esse motivo “não estais em trevas, para que aquele dia, como ladrão, vos surpreenda”, pois os eleitos em estado de vigilância podem saber de quais são os sinais. Quando chegar o tempo, eu creio que os cristãos já estarão atento para os sinais que, na minha opinião, não serão guerras e desgraças e etc., mas será o mundo em “Paz e segurança” (I Tess 5:3) decorrente da evangelização do mundo e dos benefícios e bençãos que isso trará depois que ” plenitude dos gentios haja entrado”. (Romanos 11.25)

      Eu acredito que o sinal último e final será o fim da Grande Comissão, com a conversão da maioria das pessoas (não todas), sendo Israel a ÚLTIMA nação a ser converter ao Senhor: “Ora se o tropeço deles é a riqueza do mundo, e a sua diminuição a riqueza dos gentios, quanto mais a sua plenitude! … Porque, se a sua rejeição é a reconciliação do mundo, qual será a sua admissão, senão A VIDA DENTRE OS MORTOS?… Porque não quero, irmãos, que ignoreis este mistério (para que não presumais de vós mesmos): que o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado. e assim todo o Israel será salvo…” (Rom 11:12,15,25,26)

      Veja que Paulo explica ai que a queda de Israel trouxe o Evangelho aos gentios. Essa queda, disse Paulo não significava a apostasia de todos os judeus, mas somente da MAIORIA, com um remanescente fiel: “Pois quê? O que Israel busca, isso não o alcançou; mas os eleitos alcançaram; e os outros foram endurecidos”. (Rom 11:7) Mas ele diz que esse não seria a situação eterna de Israel, mas que em algum tempo no futuro, deixaria de ser um remanescente salvo e “todo Israel será salvo”. Mas isso só acontecerá depois que “a plenitude dos gentios haja entrado”. Plenitude ai não pode significar um remanescente, uma minoria entre os gentios, pois “plenitude” está em claro contraste com “remanescente”. “Plenitude” é o contrário de “remanescente” e aponta para a conversão NACIONAL dos povos. Além disso, Paulo diz que quando a conversão nacional e futura de Israel trará um benefício ainda maior que a vocação dos gentios, trará a “VIDA DENTRE OS MORTOS”, claramente apontando para a ressurreição final que acontecerá na Segunda Vinda (leia I Coríntios 15) Esse, creio eu, é o último sinal da vinda de Jesus, pois a Grande Comissão terá chegado ao fim.

    7. Frank Brito Diz

      Essa era e é a perspectiva de muitos bons teólogos:

      Charles Hogde:

      “O segundo grande evento, que segundo a fé comum da Igreja, deve preceder a Segunda Vinda de Cristo é a conversão nacional dos judeus…. Como a rejeição dos judeus não foi total, por isso também não é permanente. Primeiro, Deus não determinou lançar fora todo o seu povo, mas pela rejeição de Israel estabeleceu o progresso do evangelho entre os gentios e a conversão dos gentios será o meio de conversão dos judeus. .. Porque se a rejeição dos judeus tem sido uma fonte de bênção, muito mais a sua restauração ser o meio do bem … a restauração dos judeus aos privilégios do povo de Deus está incluído no antigas previsões e promessas feitas respeitando eles … o plano de Deus, portanto, contemplou o chamado dos gentios, a rejeição temporária e restauração final dos judeus…”

      Jonathan Edwards:

      “A infidelidade judaica será subvertida … os judeus em todas as suas deixarão para trás sua velha infidelidade e terão seus corações maravilhosamente transformados… Eles correrão à Jesus com humildade, alegria, o reconhecendo como seu Rei glorioso e único Salvador… Nada foi profetizado de forma tão clara quanto esta conversão nacional dos judeus em Rom 11…”

      Catecismo de Westminster:

      “191. O que pedimos na segunda petição?
      Na segunda petição, que é: “Venha o teu reino”- reconhecendo que nós e todos os homens estamos, por natureza, sob o domínio do pecado e de Satanás -, pedimos que o domínio do mal seja destruído, o Evangelho seja propagado por todo o mundo, OS JUDEUS CHAMADOS, e a plenitude dos gentios seja consumada; que a igreja seja provida de todos os oficiais e ordenanças do Evangelho, purificada da corrupção, aprovada e mantida pelo magistrado civil; que as ordenanças de Cristo sejam administradas com pureza, feitas eficazes para a conversão daqueles que estão ainda nos seus pecados, e para a confirmação, conforto e edificação dos que estão já convertidos; que Cristo reine nos nossos corações, aqui, e apresse o tempo da sua segunda vinda e de reinarmos nós com ele para sempre; que lhe apraza exercer o reino de seu poder em todo o mundo, do modo que melhor contribua para estes fins”.

      Declaração de Savoy (John Owen foi um dos principais responsáveis por essa declaração):

      “… esperamos que nos últimos dias… os judeus serão chamados, os adversários do reino do Filho amado quebrados, as igrejas de Cristo serão engrandecidas e edificadas através de uma comunicação livre e abundante de luz e graça, desfrutando neste mundo de uma condição mais tranquila, pacífica e glorioso do que jamais desfrutou”.

      Se quiser falar mais a respeito, pode me add no MSN: [email protected]

      Todavia, é bom lembrar que diferenças em correntes escatológicas não é a coisa mais importante na vida cristã. Muitos bons cristãos pensaram e pensam de maneira diferente, inclusive aqui no Voltemos ao Evangelho.

      Abraços em Cristo. =)

    8. Alan de Oliveira Diz

      uma pergunta, Jesus voltará quando o mundo estiver em qual situação? o evangelho terá progredido bastante restando poucos que não crerão, ou num mundo caótico?

    9. Vini Diz

      Depende muito da visão escatológica, mas creio que a parábola do trigo e do joio esclarece muito. (Aprendi esta com D.A. Carson no livro Escândalo, publicado pela Fiel)

      Lá Jesus fala que haverá tanto trigo crescendo, como joio crescendo até o julgamento final. Portanto, tanto a impiedade, como a piedade cresceram.

    10. Esdras Diz

      Caro Frank,

      Talvez esteja me metendo em terras desconhecidas, mas resta uma pergunta em relação a tudo o que foi dito, porque Paulo, que já vivia os ultimos dias, claramente já esperava a volta do Senhor ainda em seus dias? I Ts 4.16,17 “… depois nós os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles mas nuvens…”

  4. José William Diz

    Irmãos se vocês fossem Judeus e 10 (Dez) anos antes da Segunda Guerra Mundial eu lhe avisa-se sobre Hitler e o que iria acontecer com os Judeus na Europa, você acreditaria? Vai haver uma perseguição aos cristãos que guardam os Mandamentos de Deus! Eu te digo hoje. Assista por favor, esses vídeos no youtube, :Decreto Dominical Pastor Samuel Ramos/ Conflito Cósmico – A Origem do Mal/ Lei Dominical – Nova Ordem Mundial/ Eventos Finais.. . Boa Pesquisa e Continue Sempre Buscando a Verdade.

Comentários estão fechados.