A Cruz de Cristo – Michael Haykin

Nesse artigo, Michael Haykin nos mostra, através do exemplo de Andrew Fuller, a importância da cruz de Cristo:

Quem, na opinião de Charles Haddon Spurgeon, foi o maior teólogo do seu século? Bem, ninguém mais do que Andrew Fuller, o pastor batista e teólogo missionário que pastoreou durante a maior parte da sua vida, em Kettering, Northamptonshire, na antiga Inglaterra. Se alguém perguntasse a Spurgeon as razões de sua admiração por Fuller, uma razão que ele poderia dar seria a ênfase de Fuller sobre a centralidade na cruz.

Em toda sua vida cristã, Fuller foi convencido de que a cruz de Cristo era a essência do Cristianismo. Em 1802, ele defendeu que “ela é o ponto central no qual se encontram e são unidas as linhas da verdade do evangelho”. Assim como o sol é absolutamente vital para a manutenção do sistema solar, assim “a doutrina da cruz é para o sistema do evangelho; é a sua vida”. Outras observações semelhantes aparecem em uma série de obras de Fuller. Em um sermão pregado em 1801, Fuller traz à memória de seus ouvintes: “Cristo crucificado é o ponto central no qual se encontram e são unidas todas as linhas da verdade do evangelho. Não há outra doutrina nas Escrituras que tenha uma relação tão importante”. A morte redentora de Cristo, Fuller declarou em 1814, nada mais é do que “o sangue vital do sistema do evangelho”. Em resumo, a cruz é “a magnífica peculiaridade e a principal glória do cristianismo”, e tudo o que for equivalente ao próprio evangelho: “A doutrina da salvação através de Cristo… é, por sua primazia, chamada de evangelho”.

Diante dessa visão sobre a morte de Cristo, não ficamos surpresos em encontrar Fuller afirmando a respeito da doutrina da cruz, que “Deus, em todas as eras, se deleitou em honrar”. Qualquer que seja o lugar onde a igreja tenha experimentado tempos de vitalidade e vigor espiritual – “tempos de grande avivamento”, como Fuller os denominou – ali a obra expiatória de Cristo obteve um lugar de exaltação. Fuller observou que essa foi a doutrina central da Reforma, e à qual os Reformadores deram proeminência. Foi o tema principal dos puritanos e dos antepassados espirituais de Fuller, não conformistas do século XVII. Em seus dias, os triunfos missionários dos morávios nas Índias Ocidentais, entre os esquimós, e na Groelândia, foram triunfos da cruz: a “doutrina da expiação pela morte de Cristo (…) forma o grande assunto de seu ministério”. Quando Fuller olhou além da realidade histórica para a eternidade e o céu, ele foi convencido de que ali, também, a cruz era o “tema preferido” de seus habitantes.

Leia o artigo completo

Dezembro2012Michael Haykin é professor de história da igreja e espiritualidade bíblica no Southern Theological Baptist Seminary, em Louisville, Kentucky, onde também trabalha como diretor do Centro de Estudos Batistas Andrew Fuller. Haykin é autor de inúmeros livros.

Por Michael Haykin. Extraído do site www.ligonier.org. © 2013 Ligonier Ministries. Original: The Cross of Christ

Este artigo faz parte da edição de Dezembro de 2012 da revista Tabletalk.

Tradução: Isabela Siqueira. Revisão: Renata do Espírito Santo – © Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: www.MinisterioFiel.com.br. Original: A Cruz de Cristo – Michael Haykin

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

Veja mais artigos desta revista

6 Comentários
  1. Lucas Coelho Diz

    nossa

  2. Jardel Diz

    Amigos, quando clico em “Leia o artigo completo” a página exibida acaba voltando para esta aqui. É isto mesmo?
    Abraços!

    1. Guilherme M. Reiss Diz

      Olá Jardel, desculpe-nos por isso. O problema já foi arrumado! Muito obrigado pela ajuda =)

  3. Silvio Fernando Calhiari Diz

    Agradeço ao Senhor que pela Sua infinita misericórdia e graça divide conosco esse banquete de sabedoria.

  4. Jardel Diz

    Opa! Eu que agradeço! O artigo é muito bom. Parabéns pela postagem!

  5. André Ferreira Diz

    Como é bom saboreá estes sermos tão edificador para nossas Almas Obg SENHOR JESUS.

Comentários estão fechados.