E se fosse você?

Domingo de manhã, um sol ralo de inverno inaugurou o dia. Maria Rita vestiu-se, preparou uma bolsa com fraldas limpas, mamadeira, algum produto de higienização, no bolso externo colocou sua pequena Bíblia. Tirou a pequena Luiza do berço, a qual continuou dormindo sem se incomodar com a movimentação, agasalhou bem sua filha, colocou-a no carrinho e saiu para a igreja. Estava frio na rua, Maria Rita caminhava apressadamente para encontrar logo o abrigo quente da igreja.

Onde estavam os pensamentos de Maria Rita? Agora que ela poderia voltar a frequentar os cultos levando sua bebê, como seria a recepção da igreja? Como iriam olhar para ela e para sua filha? Um terrível sentimento de vergonha se apossou de seus pensamentos, seu coração se acelerou, olhou para Luiza dormindo no carrinho, sono profundo, aparência tranquila e despreocupada. Luiza, fruto do amor proibido, fruto do pecado de adultério de Maria Rita. Enrubesceu com esse pensamento. – Escândalo! Foi o que sua mãe lhe disse quando Maria Rita contou sobre a gravidez inesperada. No entanto, seu pastor a conduziu com disciplina e longanimidade, um longo trabalho realizado durante toda sua gravidez. Maria Rita, a princípio, resistiu aos conselhos e advertências do pastor, ela acreditava que Zé, o pai de Luiza, assumiria o relacionamento com ela e, com o tempo e a convivência, amaria as duas, ela e Luiza. Maria Rita acreditava que poderiam ser uma família, pensava que poderia cuidar de Zé e do bebê e ser amada e protegida por Zé, que, obviamente, proveria para o bebê. Mas Zé não amou Maria Rita, também não assumiu a paternidade de Luiza, Zé foi embora sem olhar para trás. Zé amava mais a si mesmo e foi viver a própria vida.

Depois que Zé partiu, Maria Rita procurou o pastor de sua igreja, em prantos, envergonhada, com seu coração intoxicado pela culpa, pela desesperança e com medo da vida. Foi um tempo de desafios, Maria Rita pensava que aquela onda enorme iria afogá-la e que estava condenada a viver submersa pelas suas falhas, pecado imperdoável, será que ela poderia se afastar ainda mais de Deus? A vida nunca mais voltaria ao normal? Maria Rita estava deslocada.

Jesus se levantou e lhes disse: Aquele que dentre vós estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire pedra. João 8.7

Esta história é fictícia, portanto, também os nomes citados, mas, certamente, perto de você, na sua igreja, na sua família ou na sua vizinhança, tem uma “Maria Rita”, mãe solteira, passando por apuros. Não vou entrar aqui na questão de liberdade sexual que o mundo pós-moderno proporciona, nem tão pouco vou abordar a raquítica teologia pregada na maioria das igrejas brasileiras; hoje nós vamos olhar para Maria Rita.

Tira primeiro a trave de teu olho

Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que está no teu próprio? Marcos 7.1

Maria Rita caiu em pecado, sim, todas nós podemos ser tentadas e, sim, todas nós estamos suscetíveis a cair em tentação e pecar, por isso, quem está em pé cuide para não cair (1Co 10.12-13)[i] e cuide para não julgar (Rm 2.1)[ii], cuide para tirar primeiro a trave de seu próprio olho.

Talvez a área de sua vida que a leva ao pecado não seja a área sexual, como a de Maria Rita, e talvez seja mais fácil de ser encoberta, mas com certeza somos todas pecadoras e nada temos de bom, apenas em Jesus Cristo temos suficiente justificador e nossos pecados perdoados.

Fique firme aí, ovelhinha, estamos só começando, em Jesus, tudo vai dar certo.

Igreja, precisamos olhar Maria Rita com misericórdia e longanimidade, afinal, eu e você poderíamos estar no lugar dela, não é verdade? Ou ela poderia ser sua filha, neta ou sobrinha. Nosso papel como corpo de Cristo, de ovelhas mais maduras na fé, é de nos achegarmos a Maria Rita e mostrarmos a ela a cruz de Cristo, nosso terno Salvador. Temos que reconciliar Maria Rita com o Pai, através de Jesus Cristo. Somos ministros da reconciliação (2Co 5.18)[iii] e, se Maria Rita não conhecer o Deus Salvador e sua Palavra purificadora (Rm 10.14-15)[iv], não poderá se arrepender, não poderá pedir perdão e não haverá reconciliação.

Além disso, para onde irão Maria Rita e Luiza se o corpo de Cristo não absorver esta pequena unidade familiar? Sim, elas formam uma unidade familiar, embora incompleta.

Ficando só Jesus e a mulher no meio onde estava (Jo 8.9)

Como Maria, irmã de Marta, Maria Rita poderá estar no melhor lugar: aos pés de Jesus.

Jesus é o lugar seguro, abrigo para o pecador. Jesus é quem entende a nossa alma; o Espírito de Deus é quem pode penetrar cada entranha de nossa vergonha, cada beco escuro e úmido de nossa culpa e redimir nossos assombros. A Escritura nos ensina que, mesmo nossos pecados sendo cor de sangue, ficaremos brancas como a neve (Is 1.18)[v]. Ele prometeu, ele cumprirá, ele não falha, ele não muda, suas misericórdias são renovadas todas as manhãs, e por isso não somos consumidas pela sua ira.

O tempo aos pés do Senhor, conhecendo sua Palavra, é tempo de refrigério, de renovação e de mudança de mente. Se você, assim como Maria Rita, e todas as outras pecadoras precisam se converter de seus maus caminhos, Jesus é esse caminho (Jo 14.6)[vi] de que precisamos.

Nada, absolutamente NADA, poderá nos separar do amor de Deus (Rm 8.38-39).[vii]

Avante, ovelha!

[i] 1 Coríntios 10.12-13 Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia. Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar. 

[ii] Romanos 2.1 Portanto, és indesculpável, ó homem, quando julgas, quem quer que sejas; porque, no que julgas a outro, a ti mesmo te condenas; pois praticas as próprias coisas que condenas. 

[iii] 2 Coríntios 5.18 E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação;

[iv] Romanos 10.14-15 Como, porém, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem nada ouviram? E como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? Como está escrito: Quão formosos são os pés dos que anunciam coisas boas!

[v] Isaías 1.18 Vinde, pois, e arrazoemos, diz o Senhor; ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a lã.

[vi] João 14.6 Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim. 

[vii] Romanos 8.38-39 Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, 39nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.

Por: Renata Gandolfo. © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Original: E se fosse você?

Comentários estão fechados.