um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

A nova crise urbana: quando o “Trickling Down” não funciona

Este post é o segundo de uma análise em três partes do livro de Richard Florida, “The New Urban Crisis: Gentrification, Housing Bubbles, Growing Inequality and What We Can Do About It” (A Nova Crise Urbana: Gentrificação, Bolhas da Moradia, Desigualdade Crescente e o Que Podemos Fazer Sobre Isso).

A última vez discutimos a gentrificação em termos gerais. Como parece que isso é feito em Edimburgo? Aqui está o que observei acontecendo em nossa comunidade à medida que a gentrificação se desenvolvia (e continua a fazê-lo).

  1. Os nomes das ruas históricas estão sendo alterados para colocar a área à venda para novos compradores ricos. Por exemplo, a área ao lado de Niddrie sempre foi conhecida como “Greendykes” e é famosa por conter os blocos de apartamentos onde os dois filmes “Trainspotting” foram filmados. Toda a área foi demolida e agora foi renomeada como “Greenacres”, na tentativa de atrair compradores de famílias mais abastadas e compradores que estão fazendo sua primeira compra. A mesma coisa está acontecendo em Londres, com os planejadores da autoridade local usando a palavra “propriedades” em desuso e chamando-as de “vizinhança”.
  2. Os blocos de apartamentos locais receberam uma reforma completa em preparação para a construção de novas moradias e casas ao lado deles.
  3. As casas foram compradas e vendidas para construtores e corretores com a promessa de que uma certa porcentagem de residentes desapropriados poderia voltar atrás. Isso raramente acontece, se é que acontece. Em vez disso, muitas das casas estão indo para imigrantes, o que está causando tensão racial.
  4. Os preços dos imóveis subiram vertiginosamente, então é praticamente impossível comprar no mercado imobiliário se você trabalha em uma indústria de serviços ou é da classe trabalhadora mais humilde (como definido por Flórida).
  5. Os aluguéis também são astronomicamente altos com o mesmo efeito.

O fato do custo de vida no centro da cidade de Edimburgo ser tão alto, aliado a uma escassez crônica de moradia, significa que a autoridade local está valorizando nosso conjunto habitacional em um esforço para tentar fazer com que a classe média mais educada compre propriedades aqui. Eles construíram uma biblioteca de última geração (um sinal claro de gentrificação, segundo Flórida), um shopping center, supermercados e novas escolas. “A realidade é que as coisas são melhores para aqueles que podem pagar”.  Note que nenhuma dessas coisas estava disponível para a população nativa até que os mais abastados precisassem de um lugar mais acessível para viver. Na próxima década (talvez muito em breve), Niddrie não será mais um conjunto habitacional para pessoas carentes e a maioria da população nativa terá mudado para outros conjuntos habitacionais ou terá sido forçada a se mudar para locais como a região de Fife, onde os preços das casas e aluguéis são muito mais baratos. A nova classe média entrante não saberá nada da história tradicional da área e dos antigos nomes de casas e ruas. Nem se importarão. Eles apenas vão invadir a comunidade e a classe dominante acabará dominando. O tempo todo tendemos a ser gratos porque essas políticas melhoraram as coisas. A realidade, porém, é que eles fizeram as coisas melhores para aqueles que podem pagar. Aqueles que não podem serão deixados de lado e, para a maioria, nem todos, suas vidas não terão realmente melhorado.

Uma coisa que Flórida certamente prega no livro é a divisão de classes no Reino Unido. Quero me deter aqui por um momento, porque de vez em quando estou enfrentando os evangélicos da cultura majoritária (de classe média) que pensam que estou inventando isso ou que estou causando divisões por sequer mencioná-lo. No entanto, esse sujeito americano vê isso claro como dia. Há uma divisão de classes neste país que está crescendo e tem crescido, década após década. Mais uma vez, grande parte da igreja evangélica de classe média ignora isso. No entanto, aqui estamos nós como cristãos operários da classe trabalhadora (e também desempregados) perguntando onde todas as igrejas boas e teologicamente sólidas estão em nossas comunidades. Onde estão nossos líderes representados no cristianismo do Reino Unido? Algumas igrejas apontarão a diversidade étnica como prova de que estão sendo inclusivas, mas a presença de algumas pessoas de pele escura em nossas igrejas não nega a questão de uma divisão de classe em nosso país e em nossas igrejas.

O problema, como observei nos últimos dezoito anos, é que grande parte do movimento de plantação e revitalização de igrejas (em todo o mundo) seguiu tendências sociológicas e econômicas globais, e não a Bíblia. De fato, muito disso imita a gentrificação. Deixe-me explicar o que quero dizer. A gentrificação pressupõe uma abordagem de cima para baixo à habitação e à política social (pelo menos no Reino Unido – mas isto é geralmente verdade em todo o mundo). Ao melhorar uma área geográfica em termos de habitação e serviços, a ideia é que a população nativa pobre se beneficiará por consequência. É chamado de “efeito trickle-down”. A realidade é que, embora haja melhorias em muitas dessas comunidades, os mais pobres continuam pobres e são expulsos de suas casas e comunidades. Os problemas não são resolvidos, eles são apenas movidos.

Igualmente, há alguns líderes da igreja no Reino Unido, na verdade no mundo, que continuam a sustentar que o nosso evangelismo e esforços missionários devem ser concentrados nos líderes, políticos, artistas e formadores de cultura nas nossas sociedades. Em outras palavras, vamos direcionar nossas finanças e estratégias para a classe superior e criativa. Isso, eles afirmam, terá um efeito trickle-down quando se trata de alcançar os pobres. Alguns chamam de “plantio a montante”. Em outras palavras, vamos plantar igrejas em comunidades financeiramente ricas e, no futuro, podemos financiar o trabalho em áreas mais pobres. Com o dinheiro e a influência. Segundo o raciocínio, podemos ter mais resultado em plantar uma dessas igrejas “financiadoras” do que em cinco igrejas mais pobres que drenam os recursos. Soa bastante lógico. Até parece viável. Exceto que não funciona, e se os líderes que defendem essa abordagem não sabem, então eles deveriam saber. A realidade nos círculos da igreja é a mesma da realidade na gentrificação.

Não há efeito trickle-down. Alguém recentemente me desafiou a respeito disso e disse que havia, mais do que nunca, igrejas evangélicas em comunidades ricas desenvolvendo ministério de misericórdia, então como eu poderia fazer essas afirmações? Minha resposta é que grande parte do ministério de misericórdia que está sendo realizado pelas igrejas mais ricas e de classe média em nossas comunidades pode ser tudo menos isso. Clique aqui para um post anterior, onde eu considero isso em mais detalhes (em Inglês).

O fato é que as “igrejas a montante” não estão realmente financiando o plantio de igrejas e o ministério de revitalização no Reino Unido. Pode haver aqueles que ajudaram algum trabalho isolado ou talvez até plantaram uma ou duas igrejas (algo raro se estiver acontecendo). Mas nada como a escala que é necessária para mudar as coisas em nosso país. Igrejas a montante com orçamentos a montante financiam projetos de construção a montante antes de financiar cristãos a jusante para plantar igrejas em comunidades habitacionais carentes e bairros de moradias sociais. Essa é a realidade. O 20schemes é quase inteiramente apoiado por indivíduos cristãos e pequenas igrejas (50-100 membros) fora do Reino Unido e não por igrejas ricas a montante. Temos alguns exemplos de grandes igrejas que regularmente nos apoiam financeiramente, uma no Reino Unido e outra nos EUA. Algumas igrejas nos deram presentes únicos, mas nada que chegue perto de financiar esse tipo de ministério por um longo período de tempo.

Eu posso lhe dizer que nenhum de nossos plantadores de igrejas independentes jamais teve sucesso em um pedido de subsídio de uma organização evangélica no Reino Unido. Isso mudou recentemente quando recebemos uma grande concessão da FIEC para reformar um prédio da igreja em uma comunidade em Edimburgo. Também nos beneficiamos enormemente da generosidade da HeartCry, uma organização missionária nos EUA que financia nosso trabalho em Glasgow. Mas, além de nossos dois irmãos presbiterianos (suas denominações cuidam deles), a maioria dos plantadores de igrejas luta para levantar dinheiro para seus salários. Em resumo, não conheço um plantador de igrejas que trabalhe nas comunidades habitacionais carentes e bairros de moradias sociais e que tenha sido ajudado por esse modelo de fluxo reduzido no nível da igreja local. Irmãos em comunidades e bairros de moradias sociais estão lutando por dinheiro e voluntários dispostos a se mudar e ajudá-los a formar equipes. Igrejas maiores podem até doar alguns quilos de alimento de vez em quando, mas nada como o que é necessário para financiar um plantador de igrejas e sua família adequadamente e a longo prazo.

Este post é o segundo de uma análise em três partes do livro de Richard Florida, “The New Urban Crisis”.

[1] Nota do editor: Gentrificação é um processo de transformação de centros urbanos através da mudança dos grupos sociais ali existentes, onde sai a comunidade de baixa renda e entram moradores das camadas mais ricas. (Fonte: Significados)

Igreja em Lugares Difíceis

Como a igreja local traz vida ao pobre e necessitado

Nos últimos anos, cristãos e organizações cristãs têm aumentado seu interesse em ajudar pessoas que sofrem com a miséria e a pobreza. Mas este interesse renovado em aliviar a pobreza está fadado ao fracasso se não tiver raízes na igreja local, que é o meio estabelecido por Deus para atrair pessoas miseráveis para um relacionamento transformador com ele.

Enfatizando a prioridade do evangelho, Mez McConnell e Mike McKinley, ambos pastores de igreja local em regiões de pobreza, oferecem direção bíblica e estratégias práticas para o trabalho de plantação, revitalização e crescimento fiel de igrejas em lugares difíceis, em nossa própria comunidade e em outros lugares ao redor do mundo.

CONFIRA

Por: Mez McConnell. © 20schemes. Website: 20schemes.com. Traduzido com permissão. Fonte: The New Urban Crisis: The New Urban Crisis: When Nothing Is Trickling Down.

Original: A nova crise urbana: quando o “Trickling Down” não funciona. © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Tradução: Paulo Reiss Junior. Revisão: Filipe Castelo Branco.

1 comentário
  1. Marcelo Diz

    Estou louco, ou realmente estou lendo um artigo sobre “Luta de Classes” no Voltemos ao Evangelho?! O problema começa quando leio um segundo artigo sobre o assunto, e em nenhum momento uma referência bíblica para dar base no argumento foi feita. Ou seja, qual o propósito disso tudo mesmo?

Comentários estão fechados.