David Powlison (1949–2019)

David Powlison faleceu às onze horas da manhã (horário da costa leste dos EUA) na sexta-feira, 7 de junho de 2019, depois de sofrer de câncer pancreático.

Ele tinha 69 anos de idade.

Pais

Dora Powlison, a mãe de David, chamada por “Dodie”. Ela nasceu em Port Townsend, Washington, e mudou-se para o Havaí em 1948, onde serviu por muitos anos como professora na Central Union Church Preschool em Honolulu.

Peter Powlison, pai de David, nasceu na Turquia e cresceu no bairro de Lanikai, em Kailua, na costa leste de Oahu.

Na década de 1920, o pai de Peter, Arthur K. Powlison – um oficial da YMCA, marinheiro e construtor de barcos – recebeu permissão das autoridades havaianas para construir uma casa à beira-mar em um penhasco, mas apenas com uma condição: ele não podia remover ou destruir as rochas, que são sagradas para o povo havaiano. Então ele construiu o “Hilltop Home” (agora um marco) sem lavrar ou lascar uma única rocha, usando os entalhes de pedra natural para apoiar vigas e incorporando os penhascos rochosos do penhasco no chão da casa.

A casa dava para a Estação Aérea Naval de Kaneohe, 20 milhas a leste de Pearl Harbor.  Na manhã de domingo, 7 de dezembro de 1941, Anne Powlison estava se preparando para servir o café da manhã para suas duas filhas e quatro convidados, quando notou pela janela que fumaça e chamas estavam saindo da base aérea do ataque japonês.  Ela realmente fez contato visual com alguns dos pilotos voando.  Escreveu cartas para Peter, depois na metade de seu segundo ano na Universidade de Washington, dando-lhe atualizações diárias sobre as consequências.  (Anos mais tarde, a carta foi descoberta e compilada no livro December 7, 1941: Letters from Hilltop Hous). Durante três anos, durante a Segunda Guerra Mundial, as forças armadas dos EUA requisitaram a casa de Powlison para servir como centro de treinamento e ponto de vista para procurar bombardeiros japoneses.

Depois de se formar na Universidade de Washington e servir no Corpo de Fuzileiros Navais, Peter se casou com Dodie e eles retornaram ao Havaí.  Em 1949, ele começou a ensinar em sua “alma mater”, a Punahou’s Junior School – no mesmo ano em que David nasceu.  Em 1951, ele ajudou a criar o Asian History Department for the Punahou Academy.

Tão lendário foi Peter Powlison como professor que quando ele se aposentou em 1981, a escola aposentou sua sala de aula – 201 Griffiths – junto com ele.

Peter Powlison era nadador americano na escola secundária e na faculdade.  Aos 64 anos de idade, após quatro cirurgias de “ponte de safena”, ele ganhou cinco medalhas de ouro e estabeleceu quatro recordes mundiais no Campeonato Mundial de Natação Masters em Tóquio.

Peter teve um colapso e morreu aos 65 anos em 10 de julho de 1987, na University of Hawaii, depois de estabelecer outro recorde mundial no Master’s Swim Meet.

David Powlison

David Arthur Powlison nasceu em 14 de dezembro de 1949, em Honolulu, Havaí, o primeiro de três filhos de Peter e Dora Powlison.  Ele tinha dois irmãos mais novos: Daniel e Diane.

Peter Powlison ensinou seu filho David a nadar aos três anos de idade, e David ia para as praias perto de sua casa praticamente todos os dias de sua infância.

Mais tarde, ele se manifestou sobre a cultura em torno dele como um caucasiano crescendo no 50º estado dos Estados Unidos:

“Eu cresci em um lugar que era tão centrado na Ásia quanto Eurocêntrico – Honolulu – e a maioria dos meus colegas de escola eram ameríndios.  Meu pai ensinava história asiática, e nossos convidados para o jantar eram tão frequentes quanto o sul ou o leste da Ásia”.

O pai de David nunca o forçou.  David era fascinado pelo relacionamento pai-filho e, na faculdade, escreveu um artigo de 70 páginas sobre sua relação com o pai para o professor Goethals, de Harvard.

Como seu pai, David estudou na Punahou School, em Honolulu, uma escola particular preparatória para o ensino médio.

(Quatro anos depois de David se formar em Punahou em 1967, um menino de dez anos de idade, chamado Barack Obama, recebeu uma bolsa de estudos na prestigiada escola e entrou na quinta série. Ele se formou no ensino médio em 1979.)

Religião e a busca por significado

Os Powlison participavam de uma igreja muito liberal – que provavelmente era Unitariana em crença funcional. Quando adolescente, David argumentou:

“Jesus era uma pessoa muito boa que se preocupava com pessoas menos afortunadas do que ele.

Portanto, devemos ser boas pessoas que cuidam de pessoas menos afortunadas do que nós”.

Isso era o resumo de seu pensamento sobre Jesus e o cristianismo.

Foi durante os anos do ensino médio de David que ele se preocupou com questões existenciais: o que permanece? O que importa? O que é significativo?  Quem sou eu?  Ele tornou-se totalmente distante de sua igreja nominal principal.  O cristianismo, pensou ele, era um verniz educado para pessoas que se recusavam a enfrentar realidades difíceis.

Durante esse tempo, ele mesmo foi confrontado com a morte e a depravação, incluindo o bullying (de si mesmo e dos outros), o assassinato de um colega de classe, amigos suicidas, exposição à pornografia e vendo outros se auto sacrificando com drogas.

Mais tarde ele escreveu:

“Eu era um passageiro em um carro que matou um homem enquanto ele caminhava por uma estrada escura.  Ainda posso ver o rosto dele – ele se virou para os faróis nos últimos segundos, e eu olhei em seus olhos quando batemos nele.

E eu me sentei na cabeceira do meu avô depois que ele teve um grave derrame.  Ele estava vasculhando suas conquistas, relacionamentos, aspirações e viagens.  Ele estava procurando por algo que tivesse significado, algo em que ele pudesse segurar, algo que ele pudesse me dizer que importava na vida.  Mas tudo o que ele mencionou pareceu desmoronar diante de seus olhos enquanto falava.  No final, tudo o que ele podia dizer era que a vida é mais do que dinheiro, e tudo o que ele podia fazer era desmoronar e chorar.

Depois de me despedir, sentei-me nos degraus do lado de fora do hospital e também chorei”.

Harvard na década de 1960

Em 1967, David começou uma licenciatura em relações sociais no Harvard College, adquirindo o AB na primavera de 1971. Ele tinha sido um exemplar nadador americano nos últimos dois anos e, em Harvard, tornou-se um “letter-winner” na equipe de natação nos seus últimos três anos lá.

Mas as coisas não estavam bem em seu mundo espiritual.

“Nem universidade, nem atletismo, nem carreira podiam aliviar o peso da identidade e do significado.

Relacionamentos próximos falharam.

Uma incursão no uso de drogas quase me desequilibrou.

A conscientização do meu próprio egocentrismo estava despertando lentamente.

Somos sempre os últimos a conhecer a pessoa no espelho”.

Ele se matriculou em Harvard como professor de matemática e ciências, mas logo migrou para a psicologia e ciências sociais, e depois passou para a literatura e artes.

Foi através de sua leitura de Dostoiévski e TS Eliot que lhe ocorreu lentamente que o cristianismo abordava diretamente as grandes questões da vida, embora não adotasse os ensinamentos do próprio cristianismo.

Seus interesses durante a turbulenta década de 1960 incluíam a política radical, os protestos contra a Guerra do Vietnã, a cultura das drogas, o existencialismo, o hinduísmo e a Nova Era.  Ele estava envolvido com política estudantil radical, tornando-se chefe do grupo SDS (Students for a Democratic Society) em Harvard.  Em um de seus conflitos com a polícia (muito temperamental) de Boston, David foi designado o “médico” vestido de roupa camuflada, mas com uma braçadeira de médico.  Quando a linha de policiais se desfez e começou a perseguir os estudantes, dois policiais o cercaram em um beco e ele escapou pulando uma cerca alta.

De 1973 a 1976, ele trabalhou para o Departamento de Saúde Mental, servindo no McLean Psychiatric Hospital, em Belmont, Massachusetts, a apenas oito quilômetros de Harvard.

Foi nesse meio tempo em sua vida que ele foi radical e inesperadamente convertido a seguir a Cristo.

Conversão a Cristo

Em Harvard, o melhor amigo e colega de quarto de David, Bob Kramer, tornou-se cristão quando tinha vinte anos de idade.  Ambos pensavam sobre os mesmos tipos de perguntas, e começaram uma conversa e debate que duraria pelos próximos cinco anos.

David lembra:

“Eu era teimoso.

Eu poderia seguir a lógica plausível da fé cristã.  Mas cada linha de pensamento chegava ao mesmo beco sem saída.

Eu não queria que alguém me salvasse.

Eu não queria que alguém me dissesse o que fazer.

Eu queria fazer a minha vida sozinho e nos meus próprios termos.  Mas Deus tinha outras ideias sobre o que fazer da minha vida.  Ele foi misericordioso”.

Um domingo à noite, em 31 de agosto de 1975 – cerca de quatro anos depois de se formarem em Harvard, Bob falou com David com uma franqueza inesperada e atípica.  Eles tinham conversado muitas vezes sobre as questões comuns da Escritura, sobre Cristo e filosofia, dando voltas e voltas, com David sempre se esquivando.

Mas naquela noite Bob foi muito pessoal com ele.

“David, Diane e eu realmente amamos você.

Eu te respeito tanto quanto qualquer um que conheço….

Mas em que você acredita?  Como você está vivendo…

Você está se destruindo”.

David relembra o que aconteceu depois:

“Eu sabia que ele estava certo.  O Espírito Santo usou suas palavras como um projétil perfurador de armaduras.  Cheguei à convicção abrangente e específica da minha pecaminosidade, impureza, incredulidade e inaceitabilidade diante de Cristo.  Foi um momento em que minha vida inteira passou diante dos meus olhos.  Eu senti o peso de muitos pecados.  Os dois que mais me cortaram não estavam na lista popular de transgressões hediondas.

Como um homem com uma veia existencialista, eu acreditava que era o desespero, não a alegria, que tinham a última palavra.

E como alguém que queria dirigir a própria vida, eu não havia acreditado no amor de Deus em Jesus Cristo, mas implacavelmente o rejeitei.

Eu percebi o meu erro em ambas as acusações.

Quando eu respondi (um minuto depois? Dez minutos?), Perguntei: Como eu me torno um cristão?”

Bob compartilhou com ele Ezequiel 36. 25–27, uma promessa do Deus da esperança:

“Então, aspergirei água pura sobre vós, e ficareis purificados; de todas as vossas imundícias e de todos os vossos ídolos vos purificarei. Dar-vos-ei coração novo e porei dentro de vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne. Porei dentro de vós o meu Espírito e farei que andeis nos meus estatutos, guardeis os meus juízos e os observeis”. (Ez 36. 25-27).

David continua:

“Bob me convidou para pedir misericórdia a Deus.  Eu implorei a Deus por misericórdia.  Deus foi misericordioso.  Promessas da eternidade passada se provaram verdadeiras – Deus voluntariamente salva, perdoa pecados, cria uma nova vida, dá seu próprio Espírito, promete grande ajuda para podermos obedecer.  Ele fez tudo isso.  Ele me encontrou e me levou para casa.  Fiquei surpreso pela alegria e pelo amor de Jesus”.

David não “pediu para Jesus entrar em seu coração”. Em vez disso, ele clamou para ser resgatado: “Deus, seja misericordioso comigo, um pecador!”

Bob deu a Davi um livreto simples de “Vida Nova”, escrito pelo evangelista Jack Miller, que juntou as peças para David sobre o que significava responder a Cristo com fé.

A essa altura já era tarde e ele foi para casa sozinho.  Ele não tinha nenhum senso do tipo: “Oh, eu me tornei um cristão”. Em vez disso, ele sentou-se no carro, pensando consigo mesmo: “Huh, isso é interessante.  Nunca pensei em mim como pecador antes”.

Quando ele entrou em seu apartamento, tendo sido golpeado pela realidade, ele foi dormir.

Ele acordou na manhã seguinte e foi absolutamente inundado de alegria.  Os primeiros pensamentos que passaram por sua mente após o despertar foram: “Estou em casa”. “Sou cristão”.

Mais tarde ele escreveu:

“Era como se toda a minha vida tivesse percorrido estradas quentes e empoeiradas à procura de algo que não fosse Deus, mas ele estava procurando por mim e estando em casa descobri que eu havia sido encontrado e amado.  Eu sou um cristão”.

Aos 25 anos, ele havia nascido de novo.

Mas como um adulto convertido, ele ainda se sentia como um estranho, algo que ele nunca perdeu totalmente:

Experiência educacional e prática – um diploma em relações sociais no Harvard College, a alienação dos valores capitalistas e nacionalistas nos anos 60, três anos de trabalho nas enfermarias do McLean Psychiatric Hospital e estudos de doutorado na University of Pennsylvania – reforçaram os hábitos de desaculturação crítica e antipatia ao triunfalismo de Whigg. Como um adulto convertido ao cristianismo, e como participante de um movimento por vezes triunfalista e paroquial, eu ainda posso me encontrar como um estranho na terra às vezes estranha do cristianismo protestante conservador.

Seminário e Casamento

No outono de 1975, David conheceu Nancy Gardner. Ela estava fazendo uma apresentação multimídia em um festival de arte realizado no Westminster Theological Seminary em Glenside, Pensilvânia. Bob Kramer era agora um estudante na WTS, e David – um novo crente – estava visitando como um estudante em potencial.

Um ano depois, no outono de 1976, David estava matriculado na WTS. Os Kramers convidaram Nan e David para almoçar com eles. Nan tinha ido à Filadélfia para fotografar um estudante da WTS que era artista e fazia cerâmica no porão do centro de aconselhamento, onde morava. Ela transformou isso em uma apresentação multimídia: “The Potter”.

David e Nan se encontraram mais algumas vezes na Filadélfia e fizeram coisas juntos, mas sem realmente namorar. Naquele inverno, eles serviram juntos como conselheiros em um acampamento FOCUS em Owl’s Nest, New Hampshire. O FOCUS era um ministério para escolas preparatórias privadas nos estados da Nova Inglaterra / Mid-Atlantic (semelhante aos Bash Camps no Reino Unido, onde John Stott veio a Cristo). Bob Kramer e Charlie Drew eram amigos deles e estavam envolvidos com o FOCUS. Estava congelando lá fora, mas David e Nan foram esquiar juntos e patinaram no gelo escuro para uma ilha no lago com as crianças, tendo momentos muito felizes.

Anos depois, Nan lembra aquela noite em um poema para David:

“Lembra-se daquela noite mágica de lua cheia deslizando sem parar em um lago de New Hampshire. Com todas aquelas crianças em uma longa fila E nós dois muito tímidos para segurar as mãos seguindo as sombras um do outro. E oh as estrelas no espelho da noite! Estrelas caindo ao nosso redor, caindo aos nossos pés. Nós cortávamos sua luz. E eu estava me apaixonando por você. Seu coração de lua cheia e seu casaco azul! Lembra-se das sombras caligráficas das árvores da ilha na neve. Escrevendo o que parecia ser a Escritura. E nós – cercados por crianças éramos apenas dois. Então patinando de volta O frio batendo em nossos rostos. E luz se derramando na luz. De alguma forma nós sabíamos”.

Ele se matriculou como aluno de Mestrado em Divindade no Westminster Theological Seminary em Glenside, Pensilvânia, graduando-se no seminário em 1980. David e Nan tiveram três filhos: Peter (1980), Gwenyth (1982) e Hannah (1986).

Aconselhamento Bíblico

Nesse mesmo ano tornou-se escritor, editor e conselheiro da CCEF (Christian Counseling and Education Foundation), fundada em 1968 em Glenside, Pensilvânia. David também se tornou professor visitante no Westminster Theological Seminary.

De lá, ele recebeu um mestrado (1986) e, em seguida, um PhD (1996) da University of Pennsylvania, escrevendo sua dissertação na área de estudo da história da ciência e da medicina: “Competent to Counsel? The History of a Conservative Protestant Anti-Psychiatry Movement” (later published at The Biblical Counseling Movement: History and Context).

Em 1970, Jay Adams, um pastor presbiteriano de 41 anos, publicou um livro intitulado Competent to Counsel, que efetivamente lançou um movimento antipsiquiatria entre os protestantes conservadores norte-americanos. Parcialmente inspirado por OH Mowrer e Thomas Szasz, Adams fez três afirmações primárias: (1) as teorias psicológicas modernas eram uma teologia ruim , interpretando mal os problemas funcionais da vida; (2) as profissões psicoterapêuticas eram um falso pastorado , interlocutor de tarefas que pertenciam adequadamente aos pastores; (3) a Bíblia, interpretada pelos Protestantes Reformados, ensinava aos pastores os assuntos necessários para aconselhar com competência.

Adams chamou isso de aconselhamento “noutético” (da palavra grega, noutheteo, “admoestar”). Formas institucionais logo se desenvolveram, as quais conflitavam com três poderosas constituições profissionais: (1) as profissões psicológicas seculares dominavam o discurso e a prática do século XX em relação aos problemas da vida; (2) o movimento principal de aconselhamento pastoral protestante moldou o aconselhamento religioso desde a década de 1940; (3) uma comunidade rapidamente profissionalizante de psicoterapeutas evangélicos compartilhava a fé protestante conservadora de Adams, mas buscava integrar essa fé com as psicologias modernas.

Antes do trabalho de David Powlison, ninguém havia estudado esse conflito sobre a jurisdição profissional que estava sendo travada entre Adams e os psicoterapeutas evangélicos. Ele trabalhou quase exclusivamente com fontes primárias, incluindo entrevistas, publicações e registros de casos.

No final do dia, Powlison escreveu:

“Adams ganhou seguidores entre os pastores e seus paroquianos, mas em grande parte perdeu o conflito interprofissional.

Nos anos 80, os psicoterapeutas evangélicos afirmaram com sucesso sua reivindicação de autoridade cultural sobre problemas de vida, ampliando seu poder institucional no ensino superior, nas publicações e na prestação de cuidados.

O movimento de aconselhamento noutético tornou-se isolado da corrente principal do protestantismo conservador; suas instituições definhavam; linhas de falha surgiram internamente. Mas nos anos 90, o aconselhamento noutético voltou a prosperar”.

O CCEF – o empregador de David – explica seu próprio relacionamento com esse movimento e como eles se desenvolveram ao longo dos anos:

“A história inicial do CCEF era em grande parte profética e, portanto, polêmica. A igreja foi desafiada a repensar suas crenças sobre porque as pessoas lutam e como ajudá-las quando o fazem. O CCEF chamou pastores e seminários de volta ao primado das Escrituras como base para cuidados e aconselhamento pastoral atencioso e eficaz. Desde o início, sempre houve uma preocupação em definir o que poderia legitimamente ser aprendido com a psicologia moderna, mas as Escrituras forneciam as ‘generalizações’ orientadoras: uma visão de pessoas, problemas e soluções centrada em Deus. O que estava em jogo era qual fonte seria primária.

Como o CCEF entrou nos anos 80 e 90, ficou claro que a segunda e a terceira geração de líderes se beneficiaram dos pontos fortes de seus antecessores e aprenderam com suas fraquezas. Eles moveram o CCEF em uma direção de maior sensibilidade ao sofrimento humano, à dinâmica da motivação, à centralidade do evangelho na vida cotidiana do crente, à importância do corpo de Cristo e a um compromisso mais articulado com a cultura secular”.

O legado de David Powlison

O legado de David Powlison começa dentro de sua própria família. Ele era um homem que amava sua esposa, seus filhos e seus netos.

Seu legado se estende àqueles que ele instruiu e tocou através do movimento de aconselhamento bíblico, em particular através do CCEF e do Westminster Theological Seminary

David não foi um autor de livros prolífico, por alguns padrões. Ele foi, no entanto, um ensaísta prolífico, e seus folhetos em particular são cheios de sabedoria gentil e profunda reflexão sobre como a Palavra de Deus fala em todas as partes da vida. Seus últimos livros completos foram dedicados a alguns dos temas que ele ensinou particularmente bem:

  • Making All Things New: Restoring Joy to the Sexually Broken
  • God’s Grace in Your Suffering
  • Good and Angry: Redeeming Anger, Irritation, Complaining, and Bitterness

O livro em que ele estava trabalhando quando faleceu está programado para ser lançado neste outono:

  • Safe and Sound: Standing Firm in Spiritual Battles

Em 23 de maio de 2019, David Powlison tinha agendado fazer os comentários de encerramento na Cerimônia de Formatura do Westminster Theological Seminary. Ele foi incapaz de participar, no entanto, porque ele estava recebendo cuidados paliativos em casa. Suas observações foram lidas em sua ausência e ele se comprometeu com os alunos – prestes a começar seus ministérios públicos – da seguinte maneira:

“Minha mais profunda esperança para vocês é que tanto em sua vida pessoal como em seu ministério para com os outros, vocês não tenham nem o medo de serem publicamente fracos e nem serem a porta para a força do próprio Deus”.

Por que não eu?

Em seu livro de sofrimento, David Powlison observou que muitas vezes nossa reação inicial ao sofrimento doloroso é:

Por que eu? Por que isso? Por que agora?

Por quê? . . .

Ele escreveu:

[Deus] veio para você, na carne, em Cristo, em sofrimento, em seu favor. Ele não oferece conselhos e perspectivas de longe; ele pisa em seu sofrimento significativo. Ele olhará para você e trabalhará com você o tempo todo. Ele vai levar você mesmo em momentos extremos. Essa realidade muda as questões que surgem do seu coração. Aquela revolta interior “por que eu”? Acalme-se, erga os olhos e comece a olhar em volta. Você se volta para fora e novas perguntas maravilhosas se formam.

Por que você? Por que você? Por que você entraria nesse mundo de males? Por que você passaria por perda, fraqueza, sofrimento, tristeza e morte? Por que você faria isso por mim, entre todas as pessoas?

Mas você fez.

Você fez isso pela alegria que tem diante de você. Você fez isso por amor. Você fez isso mostrando a glória de Deus na face de Cristo.

Quando essa questão mais profunda mergulha sobre sua casa, você se torna alegremente sensato. O universo não é mais primordial sobre você. No entanto, você não é irrelevante. A história de Deus faz com que você tenha o tamanho certo. Tudo conta, mas a escala muda para algo que faz muito mais sentido. Você enfrenta coisas difíceis. Mas você já recebeu algo melhor que nunca pode ser tirado. E isso é algo que vai continuar a funcionar por toda a jornada.

A questão gera uma resposta sincera:

“Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e tudo o que há em mim bendiga ao seu santo nome. Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e não te esqueças de nem um só de seus benefícios. Ele é quem perdoa todas as tuas iniquidades; quem sara todas as tuas enfermidades; quem da cova redime a tua vida e te coroa de graça e misericórdia; quem farta de bens a tua velhice, de sorte que a tua mocidade se renova como a da águia”.

Obrigado meu pai. O Senhor é capaz de dar voz verdadeira a um “obrigado” em meio a tudo o que é errado, tanto os pecados quanto os sofrimentos que agora estão sob a benevolência.

Finalmente, você está preparado para colocar – e para dizer – perguntas quase inimagináveis:

Por que não eu? Por que não isso? Por que não agora?

Se de alguma forma, minha fé pode servir como uma luz noturna de três watts em um mundo muito escuro, por que não eu? Se meu sofrimento mostra o Salvador do mundo, por que não eu? Se eu tenho o privilégio de sofrer os sofrimentos de Cristo? Se ele me santifica em meu sofrimento mais profundo? Se eu não temo nenhum mal? Se ele me carrega em seus braços? Se minha fraqueza demonstra o poder de Deus para nos salvar de tudo que é errado? Se minha luta honesta mostra outros lutadores como se prostrar aos seus pés? Se minha vida se torna uma fonte de esperança para os outros?

Por que não eu?

Naturalmente, você não quer sofrer, mas se tornou disposto: “se possível, passe de mim este cálice! Todavia, não seja como eu quero, e sim como tu queres”.

Como ele, seus gritos e lágrimas serão, de fato, ouvidos por aquele que salva da morte. Como ele, você aprenderá obediência através do que sofre. Como ele, você simpatizará com as fraquezas dos outros. Como ele, você lidará suavemente com os ignorantes e desobedientes. Como ele, você mostrará a fé para um mundo sem fé, a esperança para um mundo sem esperança, o amor para um mundo sem amor, a vida para um mundo agonizante.

Se tudo o que Deus promete se torna realidade, então por que não eu?

Por: Justin Taylor. © The Gospel Coalition. Website: thegospelcoalition.org. Traduzido com permissão. Fonte: David Powlison (1949–2019).

Original: David Powlison (1949–2019). © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Tradução: Paulo Reiss Junior. Revisão: Filipe Castelo Branco.

Comentários estão fechados.