um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

Devemos ungir com óleo? (ebook)

Fizemos um pequeno ebook sobre o tema. Esperamos que possa levar a igreja brasileira a buscar o direcionamento bíblico em todas as questões. Clique abaixo para baixar.

 

Baixe o ebook

 

Por Vinícius Musselman Pimentel. © Voltemos ao Evangelho Website: voltemosaoevangelho.com

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que adicione as informações supracitadas, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

40 Comentários
  1. Tom Diz

    Muito bom o arquivo, Deus os abençõe!

  2. Eric Diz

    Excelente material. Parabéns pelo trabalho!
    Um abraço, meu irmão.
    Eric

  3. HELCIO Diz

    Excelente artigo, muito esclarecedor, obrigado…
    Nos liberta de tradicionalismo e rituais carnais que pensava que eram espirituais.

  4. Neto Consani Diz

    Que Deus seja louvado!

    Excelente material que me abriu os olhos para essa prática fora das Escrituras praticada em grande parte das igrejas hj no Brasil.

    Que Deus o abençoe muito!

    Em Cristo,
    Com amor

    Neto

  5. Saulo Diz

    O Cheung trata um pco da passagem de Tiago no “Cura Bíblica”. Ele é favorável.

    1. Vini Diz

      Bem notado, Saulo.

      Irei postar 5ª o texto dele desta parte. E depois postar porque não concordo.

      Basicamente, são dois motivos
      1) O etimológico. Em nenhum outro lugar do NT o termo em grego é usado simbolicamente.
      2) A contradição da obrigatoriedade. Enquanto ele firma a obrigatoriedade do uso medicinal do óleo, ele não o faz o mesmo com o uso simbólico e admite que Deus pode curar sem ele. Logo, segundo a mentalidade dele, nunca um presbítero poderia orar por um enfermo sem o símbolo do óleo. O que discordo e ele mesmo parece não concordar.

      O que você pensa a respeito?

    2. Saulo Diz

      Hmmm… Mas o Cheung não diz que a palavra “óleo” é simbólica de algo, mas o óleo em si. Não entendi mto bem essa tua 1ª obervação.

      Quanto à 2ª, bem notado. Bom, parece, então, que a aplicação do óleo não seria obrigatória, visto em outras partes do NT haver cura sem o óleo. No entanto, o óleo em si não teria necessariamente um valor medicinal nessa passagem de Tiago.

    3. Vini Diz

      Saulo,

      De fato não expliquei bem o 1º ponto. No ebook eu mostro os dois termos para óleo no NT. Um é religioso (e, portanto, simbólico) e o outro rotineiro (e, portanto, prático – como fins medicinais, estéticos ou funerários). O termo usado para ungir é o prático, então acho pouco provável a evocação do simbolismo do óleo.

      Quanto ao segundo ponto, o óleo não tem caráter só medicinal, mas também de bem-estar.

      Juntando, o argumento etimológico, creio que a melhor interpretação seja de fato o presbítero cuidar tanto do aspecto espiritual, quando do natural.

  6. Vinícius Silva Pimentel Diz

    Ainda bem que o Vini tá usando o nome do meio, senão já vinha outra confusão pro meu lado, hahaha.

    Excelente artigo!

    Graça e paz…

    1. Vini Diz

      Recebi um revelamento que dizia que seu nome a partir de hoje será somente Vinícius Silva.

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Abraço, brother

    2. Vinícius Silva Pimentel Diz

      Não, cara! Vc tem o nome do meio mais bonito, internacional!

      E, sempre que for escrever essas coisas polêmicas, que podem te levar ao martírio, não esquece de destacar o Musselman! Assim eu não corro perigo de ir pra fogueira.

      Grande abraço!

  7. Geazy Diz

    Olá!

    Concordo com a grande maioria dos seus pontos. Mas tenho agumas perguntas. O óleo curava todas as enfermidades do primeiro século? No meu ponto de vista não. O texto de Tiago diz que se alguem estiver enfermo, não diz que as enfermidades curadas pela medicina do óleo. Outra pergunta, os presbíteros eram os encarregados de ministrar medicina? Muito improvável. Me ajuda ai.

    Fica na paz!

    1. Vini Diz

      Bom, creio que os outros três pontos (tirando a cura) são de fato mais fáceis.

      O Cheung levanta as mesmas questões. Eu irei postar o texto dele na quinta e depois outro post com minha opinião.
      Mas adiantando:

      1) O óleo não é só medicinal, mas também estético (bem-estar)
      2) Sinceramente, não sei se eles achavam que curava toda doença, mas não creio haver essa obrigatoriedade no versículos. Se tiver, então nunca um presbitero/pastor/bispo poderá orar por um enfermo sem óleo.
      3) Creio que o versículo é uma recomendação para o presbítero cuidar tanto do físico como do espiritual e orar a oração da fé, buscando cura divina.
      4) Qual o problema dos presbíteros ministrarem medicina? Se enxergarmos ele como recomendação e não como obrigatoriedade, então não fica que “só os presbíteros poderiam medicar”.
      5) Se mantivermos que é um preceito de obrigatoriedade, então aí de um presbítero que esquecer seu óleo quando for ao hospital.
      6) De fato, o texto de Tiago não diz que a enfermidade era curada pelo óleo, porque o enfoque dele era justamente a oração e não o óleo. Se pensamos que há obrigatoriedade, então não só a oração é fundamental, mas também o óleo.

  8. Markinhos Falcão Diz

    Bastante oportuna a publicação,visto que muitos ministros se utilizam desta prática rotineiramente mas poucos de fato tem conhecimento da importância e serventia dessa prática.Aproveitando a oportunidade,gostaria de um esclarecimento irmão Vinícius:
    1)Neste ebook você mostra as ocasiões em que o uso do óleo é recomendável ou simplesmente condena a prática? Caso não tenha,com toda a humildade,gostaria de uma resposta esclarecedora.
    Abraço Ungiido ^^
    SOLI DEO GLÓRIA

    1. Vini Diz

      Markinhos,

      Creio que o enfoque do ebook é mostrar que a prática de se ungir com óleo para os seguintes fins:
      1) reconhecimento de ministério
      2) simbolismo do batismo do ES
      3) consagração de objetos
      4) intercessão por cura

      não encontra respaldo no Novo Testamento.

      No Novo Testamento, só vemos aplicação de óleo, argumento, para fins rotineiros como medicinais, estéticos e funerários (isso esta mostrado no ebook)

      Não considero ser uma heresia, nem um erro grave, quando não se põe fé no óleo no lugar de fé em Deus (essa troca chama-se idolatria).

      Paz

  9. Eronides Diz

    E a passagem “Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor” Tg 5-14
    Acreditamos que o óleo não cura, porem é um ponto de contato e estimula a fé, tanto que o versículo posterior nos diz que a oração da fé salvara o doente.

    1. Vini Diz

      O ebook responde justamente sobre esse texto, você o leu?

    2. Vini Diz

      Erodines,

      Também gostaria de que você mostrasse onde vemos no Novo Testamento a permissão ou instrução de usar qualquer objeto para “estimular a fé” ou como “ponto de contato”.

      Aliás, imagens de santos começaram como símbolos de heróis da fé que “estimulavam a fé”. E bem sabemos onde isso foi parar. Creio que você concorde que devemos nos abster de fazer práticas que o NT não prescreve.

      Abraço, no sincero amor de Cristo =)

  10. Luis Filipe C. de Melo Diz

    Graça e paz do SENHOR aos irmãos do blog…

    Certo pastor presbiteriano, numa das reuniões dos concílios da IPB, provou por A mais B que João Calvino ungia com óleo. O irmao conhece alguma informação a respeito?

    Que o ESPÍRITO SANTO nos conduza sempre à verdade!

    1. Vini Diz

      Desconheço.

    2. Renan Siviero Diz

      Mesmo que Calvino o tenha feito , isso nao torna a pratica valida.
      Ele é homem e teve seus erros.
      Devemos nos ater ao que a palavra de Deus diz , e pelo ebook podemos ver que é não ungir.
      Deus abençoe .

  11. Silva Diz

    é interessante que as 2 únicas referências que falam de unção com oléo tem ligação com expectativas messiânicas. No Evangelho Jesus envia seus discípulos para anunciar a chegada do Reino. A carta de Tiago foi escrita para as 12 tribos na dispersão, ou seja, para judeus. Inclusive a carta de Tiago é cheia de elementos judaicos, dentre eles, o uso do oléo. Ainda que alguns argumentem que seja medicinal, acho difícil, uma vez que é ungir em nome do Senhor, o que denota mais sentido religioso do que medicinal. No contexto há menção de possível pecado, ou seja, poderia ser uma enfermidade advinda de uma disciplina divina? é possível. Então porque não pensar na possibilidade do uso do oléo ser de caráter religioso símbolo da restauração do indivíduo? No AT leprosos curados deveriam procurar o sacerdote para oferecer sua oferta e no rito era usadoi sangue e oléo em partes do corpo. Isto é restauração. não poderia ser neste caso o óleo um sinal tangível do pacto divino, de seu cuidado para com Seu povo em momentos de sofrimento? Contudo, isto tem forte conotação num contexto judaíco. Não vejo razão para a adoção desta prática em nossos dias. Ela não nos é ordenada.

    Com respeito a posição de Calvino que alguém citou, sei o seguinte: “Calvino que entendia ser esta unção de caráter simbólico. Contudo, para ele o óleo simbolizava o dom de curar em sua manifestação no período apostólico. Como o dom cessou, a prática também deveria cessar (CALVIN, John. Calvin’s Commentaries, Vol. 22. Grand Rapids, Michigan: Baker Book House, 1979. 355, 356.)”

    1. Silva Diz

      Encontrei a seguinte conclusão em uma exegese:

      “Podemos concluir sobre a unção com óleo o seguinte:

      1) Seu caráter é simbólico. Não pode ela ser entendida como um uso medicinal como dito por alguns. Isto é conclusivo devido o fato de ser ela: a) uma prática realizada pelos presbíteros que não são médicos. b) É realizada em nome de Jesus Cristo, ou seja, seu caráter usual é religioso e não medicinal. c) A cura é obtida mediante a ação curativa do Senhor e não de nenhuma propriedade do suposto óleo medicinal. d) Que embora aleipho seja comumente usado para designar unção física, na LXX o termo é usado em ÊX 40.13 e Nm 3.3 para unção religiosa.

      2) Esta unção não fazia parte momento cúltico da igreja primitiva, porquanto a ação toda ocorria na residência do enfermo impossibilitado de locomover-se.

      3) Em momento algum é tido que Tiago esteja estabelecendo um mandamento apostólico, porquanto este uso era peculiar da igreja primitiva em seu contexto judaico. Inclusive o público leitor de Tiago era judeu (TG 1.1)”

    2. Vini Diz

      Silva,

      Paz. Você poderia passar a referência dessa exegese? Eu irei responder esses e outros argumentos no sábado.
      Mas há algo que não foi considerado:
      1) Há um termo para unção simbólica no NT. Esse termo não foi usado.

      Irei mostrar os argumentos no sábado.

      Muito obrigado pela observação.
      Continuemos conversar sobre tal assunto.

    3. Gabriel Lucas Diz

      Vou pensar sobre os Pontos

      1a) Logo pra se usar um medicamento em alguem precisa ser medico? Minha mae sempre me dah novalgina, paracetamol e outras coisas e nao eh medica.
      Imagina se pra passar Vick no corpo de alguem precisaria ser medico

      1b) Como foi dito no texto, o Oleo era um medicamento da epoca. Mas era ministrado em nome do Senhor, pois era meio q dar o remedio a alguem e orar por essa pessoa, com Fé em Cristo que Cura, Seja pelo medicamento ou seja sem ele tbm.
      Entao ser no nome de Jesus nao significa estritamente q era simbolico.
      Veja que Tiago diz q a Oracao da Fé Curará (salvará) o doente.
      Nao o oleo mas o Senhor. Pense como um remedio em nome de Jesus

      1c) O texto nao eh Claro em como o Senhor vai Curar a pessoa, se eh pelo Oleo ou se nao eh pelo oleo.. nao eh ?!

      1d) Soh pra lembrar q LXX nao eh a palavra de deus
      eh uma traducao e q ateh hoje carece de provas pra demonstrar que realmente ela existia antes de Cristo
      E nao verdade nao existia. Entao eh como basear uma doutrina na NVI e nao no texto grego Original

      2) Nao entendi esse argumento. Parece q ele vai contra o Uso religioso do oleo.. Parece se contradizer aki

      3) Outro argumento q vai contra sua ideia.
      Pois eh bem isso q estamos discutindo: Qual era o Contexto do Uso do Oleo para os Judeus do Sec.1.

      Logo se Os judeus Usavam o Oleo para Fins medicinais e NUNCA para fins simbolicos, a carta de Tiago estah dentro dos seus Contextos.

      “E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem, e cuidou dele” Lucas 10:34

      Isso nos indica um pouco o Contexto do Oleo.

      Ainda tenho algumas questoes sobre o Oleo, mas continuo acreditando q seja um uso medicinal em Nome do Senhor

      Paz irmao

    4. Silva Diz

      Oi Vini,

      esta conclusão é arquivo pessoal, foi um trabalho realizado nos tempos de seminário. apresentei este ponto afim de procurar colocar em consideração o aspecto simbólico do oléo. Inclusive o rev. Augustus Nicodemus considera o que Tiago diz como sendo simbolo da açaõ curadora do Espírito Santo, reforçando a idéia de Calvino: “não posso concordar com aqueles que pensam que oléo era usado como remédio nestes casos” (Augustus Nicodemus Lopes – Tiago, pag. 176). Muito sensatamente ele, Augustus, conclui: quanto a pergunta sobre se a orientação de Tiago nessa passagem se aplica hoje, respondo que não vejo objeção textual. Considerando, contudo, os abusos cometidos pela igreja católica e pela igrejas neopentecostais, pastores e presbíteros deveriam cuidar para não incorrer nos memsos erros e também para não ser levados a essa prática por motivos incorretos. Além do que, deveriam observar criteriosamente o que Tiago recoemnda aqui, para não adotar práticas espúrias, su´perticiosas e humans no ministério pastoral, que acabam por corromper a fé dos crentes. (Tiago, pag 176). é uma posição bastante equilibrada, que leva em consideração o registro do texto e seu contexto.

    5. Silva Diz

      1a) Logo pra se usar um medicamento em alguem precisa ser medico? Minha mae sempre me dah novalgina, paracetamol e outras coisas e nao eh medica.
      Imagina se pra passar Vick no corpo de alguem precisaria ser medico
      Duvido que alguém use novalgina, paracetamol ou vick para tirar outra pessoa da cama. Este era o caso apresentado por Tiago. Várias palavras são designadas no grego para doença, mas Tiago usa o verbo: a)sqenei= que indica de modo literal: alguém estar sem força, e com o uso do tempo verbal no presente do indicativo é possível crer que o estado da pessoa pode estar em agravo, ou seja, a tradução poderia ser: adoecendo. O corpo da pessoa está em estado de debilitação, e por um mal interno ou externo sendo enfraquecido.

      1b) Se o nome do Senhor significa pouco, então tem validade seu argumento. Mas o que significa fazer algo em nome do Senhor? Comemos em nome do Senhor, bebemos em nome do Senhor, fazemos tudo em nome do Senhor. Tomamos remédio em nome do Senhor. Sabemos que devemos fazer tudo para a Glória de Deus, tudo em Nome do Senhor, e com certeza encontramos no NT sempre a expressão em nome do Senhor acompanhando tudo o que fazemos, certo? Não. Quando a expressão é usada indica um tipo de relação simbólica ou uma bendita ordenança. Tiago não está dando uma ordem geral a igreja, mas instruindo uma prática para um contexto bastante específico. Poderia a frase indicar fazer como Jesus ordenou seus discípulos no Evangelho? Sim! Mas tronou-se prática dos apóstolos orar e ungir? Não. A própria ordenança de Jesus dada aos apóstolos sinalizava a chegada da restauração messiânica, a plenitude dos tempos.

      1c) O texto é claro sim. Não é pelo oléo, mas intervenção de Deus buscada na oração. Aqui temos outro ponto de discussão: o que é a oração da fé? mas isto fica para outra oportunidade, o fato é que Tiago enfatiza a oração como recurso para o alcance da cura.

      1d) Vamos aplicar a regra da LVII a todas as versões, afinal é isso que ela é, uma versão grega do AT. O mesmo pode ser dito da RC, RA; NVI e etc. Com respeito aos manuscritos gregos originais que não existem mais, posso dizer o seguinte: nem que os tivesse não resolveria. O texto grego não apresenta a razão da ligação que Tiago faz. Se Tiago estivesse aqui conosco, seria mais fácil, por isso, nos valemos das ferramentas que temos, seja a LVII. A NVI, NTLH, RC, RA ou mesmo a tradicional King James.

      2) A questão não é ir contra o uso religioso do óleo, mas o local onde o óleo é usado. Nessa você furou. Não encontramos em lugar nenhum do NT a prática da unção com óleo em culto público.

      3) Agora quem não entendeu fui eu. Não estou defendendo que o uso seja exclusivamente simbólico, há sim um uso medicinal, estético, combustível, consagratório, etc. Apenas acredito que o caso aqui não seja simplesmente medicinal como alguns resumem: ore, mas não se esqueça de tomar o remédio. Não sou defensor de práticas que colocam de lado o uso medicinal, mas é estranho que num texto onde a oração é a ênfase, a oração da fé, onde pecado é perdoado, o trato com o óleo seja apenas medicinal. Existem mais coisas aqui. Tudo bem que alguém queira fazer uso do óleo como unção medicinal, mas que sejam respeitados os critérios apresentados aqui.

      Fique na paz, não somente na paz, mas na Paz do Senhor.

    6. Vini Diz

      Silva,

      Sábado colocarei novamente a discussão em pauta e gostaria de colocar sua boas observações.

      Peço permissão para colocá-las. Assim como seu nome inteiro.

      Acho razoável a opção do simbólico, mas ainda acho o argumento etimológico, mais forte que o contextual.

      Se há outro termo que denota unção simbólica, por que este não foi usado? Por que foi usado o que representa questões não-simbólicas?

      Também não acho que procede as referências do VT, por serem traduções.

      Mas estou gostando do debate, desde que permanecemos no amor de Cristo, que edifica todo conhecimento.

    7. Silva Diz

      oi Vini,

      Sim você pode fazer usa das considerações. Só quero deixar claro o seguinte: não defendo a unção com óleo, não a pratico em circunstância nenhuma, nem quando já me pediram. Apenas apresentei minhas considerações para mostrar que existe uma possibilidade além do que a maioria diz, ou seja, como remédio, ou uso indiscriminado. Com respeito ao uso do termo, ou argumento etimológico, não sou tão ferrenho defensor. Creio de todo coração que o melhor modelo de interpretação é o histórico-gramatical, mas me preocupa até que ponto o termo pode ser seta direcionadora. Posso citar como exemplo o caso de Agape e Philos, que batalha absurda se faz por causa destas 2 palavras. Olho para o texto de Tiago numa condição mais ampla. São muitas coisas ditas por Tiago, inclusive a questão da enefermidade e o pecado. Não defendo que toda doença seja disciplina divina, mas não posso negar que Deus o faça, basta ler 1 Cor. 11.30.
      Tiago não diz que foi resultado de uma disciplina, mas considera a possibilidade. Com respeito a outro termo, não ou expertt no assunto, mas sei que alipho e Krio são os 2 principais termos. Krio, porém, aponta para a unção que pertence a todo Cristão, o próprio Cristo. Não sei talvez seja chrisma, mas nos textos que ele é usado, João refere-se exclusivamente não a um símbolo, mas a uma realidade, que é o próprio Cristo. Além do que não é termo aleipho que denota ser uso símbolico, mas a razão porque se pratica o ato. Veja por exemplo a ceia do Senhor, pão comum, vinho comum, celebradas em Corinto numa circunstância festiva, e o que fazia o comer e beber do vinho símbolo do sacrifício de Cristo? com certeza não foi o uso de um termo diferenciado, mas a especificação e dedicação dos elementos. Com respeito ao uso de termos retirados do AT, concordo são traduções, mas não deixam de ser ferramentas que ajudam na compreensão de determinados textos. Contudo, não devemos ser convenientes, agora me ajuda, uso, já não me ajuda mais, deixa pra lá. Creio que há um limite para estas coisas. Enfim, permanecermos no amor de Cristo, afinal, discussões assim só são proveitosas se focarem o principal: crescer no conhecimento de Cristo e na prática de suas ordenanças.

    8. Gabriel Lucas Diz

      Sim no Ponto 2 eu nao tinha entendido direito o argumento =D

      No ponto 3 eu coloquei “Logo SE os judeus Usavam o Oleo…”

      Botei um “se” (condição) pois nao sei ao certo qual era o Uso do oleo dos judeus do Sec1, ou ateh mesmo de todos os judeus em todas as epócas.

      Lucas 10.34 foi um lugar onde achei uma referencia a esse uso, nao pela igreja mas pelos judeus em geral. Mas tbm isso nao encerra o contexto desse uso e tbm nao afirmo que ele nao fosse usado de forma simbolica.

      Continuo preferindo o lado do uso medicamentoso, mas tbm eh bem valido o Uso Simbolico dele. Entao estou na duvida rsrs.

      No fim de tudo nao concordo com seu ponto 3 .. Sim, ter os manuscritos originais de Tiago nao ajudaria nada.
      Mas nao aceito a Septuaginta como ANTERIOR aos tempos de jesus e que ele e os apostolos a usavam.
      Eu Uso todas as traducoes q a irma citou e mais algumas tbm, mas uso-as com cautela e visando sempre o texto grego que elas traduzem.
      Nao vou entrar nesse assunto, pois jah estah ficando massante.

      Obrigado pelos seus comentarios e suas respostas
      Abração e Paz, a mesma paz q eu tbm tenho rsrsr

    9. Gabriel Lucas Diz

      Perdao por ter colocado “a irma” no ultimo comentario. Jah tinha tempo q nao o respondia e o nome “Silva” me complicou rsrsrs

      Vini e Silva, claro q a gente vai permanecer no amor de cristo, pois:

      “O que nos faz ter Comunhao uns com os outros Nao é o Fato de Concordarmos em Tudo, mas a nossa Vontade Mutua de Obedecer à Verdade”

      essa frase nao eh completamente certa mas eu gosto.. eh de minha autoria e eu cobro direitos autorais rsrsr..
      abraços irmaos

  12. Thiago Alvim Diz

    Muito bom…faz um tempo que acompanho o VE excelente trabalho…parabens

  13. Gilson Junior Diz

    Graça e Paz!

    Fiquei muito feliz por ter lido e baixado esse livreto, pois veio a fortelecer o que eu acreditava e defendia me dando mais argumentos em Deus e nas escrituras.

  14. Thiago Costa Diz

    Muito bom o estudo sistematico que o Vinícius Musselman Pimentel nos trouxe, eu sempre tive essa visão. O que doe no meu coração é saber que os crentes atuais estão como os da galácia, querendo viver na lei, e como paulo adivertindo os galátas a não ficar de baixo de cerimonias, guardando dias, mes, anos, assim Deus tem levantado homens, para pregar paulatinamente o evangelho da graças, e mostrando que Cristo é o fim da lei.

  15. Ronaldo Diz

    Sou grato por cada livro de edificação e doutrina que tens posto no blog. Há milhares de pessoas que não possuem acesso a livrarias e a internet, em comunidades carentes. Trabalho com essas pessoas e sinto-me encorajado cada vez que desfruto de materiais acessíveis a pessoas simples. Grato pela excelência nos materiais e pelo cuidado com a doutrina.

  16. ALBERTANA G LIMA Diz

    GOSTARIA DE SABER QUE TIPO DE ORAÇAO DEVO FAZER PARA MEUS OLHOS FICAR ,DA COR DA OUTRA PESSOA,TROCA DE COR OU SEJA VER O QUE A OTRAA ESTAR VENDO TER A MESMA VISÃO..ESTÃO FAZENDO ISTO COMIGO…AGUARDO RESPOSTAS…..MEUS OLHOS FICAM FUNDOS E DA OUTRA PESSOA FICA GORDO….

  17. Moisés Felipe Gomes Diz

    Parabéns irmão pela postagem, gostei muito do estudo e da metodologia empregada, e até gostaria de incentivá-lo a continuar a postar materiais com essa qualidade. Deus o abençoe 

  18. Carlos A. Oliveira Diz

    procuro baixar e-books e não consigo, o que se passa ou que devo fazer? Obrigado

  19. ELIEL Diz

    Vinícius Musselman Pimentel é formado em engenharia química pela UNICAMP… graduando em Teologia pelo Seminário Martin Bucer… fundou o blog Voltemos ao Evangelho… conheceDOR Da doutrina reformada… Editor Online no Ministério Fiel…

    VINICIUS TANTA FORMAÇÃO E POUQUÍSSIMA SABEDORIA A RESPEITO DAS COISAS DE DEUS. SE REALMENTE QUISER DISCUTIR ESTE TEMA, FAÇA-O, MAS NÃO FAÇA AS PESSOAS REGREDIREM.

    ESTUDE TODO O LIVRO DE TIAGO. MEDITE DE DIA E DE NOITE… ORE, PEÇA A DEUS SABEDORIA QUE VEM DO ALTO…

    PRESTE ATENÇÃO NAS PALAVRAS DE TIAGO E VOCÊ VAI ENTENDER SE O ÓLEO É APLICÁVEL OU NÃO PELOS PRESBÍTEROS… DE FORMA TÓPICA OU APENAS “SIMBÓLICAMENTE” ESPIRITUAL.

    MEU CONTATO: [email protected]

  20. Paulo Martins Diz

    Não estou conseguindo baixar o livro.

Comentários estão fechados.