A História do Inferno: de 1400 a 1500 d.C.

O que os cristãos creram a respeito do inferno ao longo da história?

Após uma introdução das três principais visões sobre o inferno, apresentamos aqui grandes nomes da história e o que defendiam sobre o assunto. (acesse a introdução para ver o índice)

história do inferno - cobra

Desidério Erasmo (c. 1466-1536)

Erasmo foi um pioneiro da escolástica bíblica, patrística e clássica na virada do século XVI. Referia-se ao âmago da fé cristã como a phi­losophia christiana (filosofia cristã) e cria que essa mesma filosofia cristã tinha muito em comum com os ensinos éticos dos grandes filósofos pagãos. Em seu colóquio O banquete religioso, a personagem Eusébio elogia as declarações feitas no leito de morte por antigos pagãos, considerando-as sinais de que eles haviam vivido de maneira virtuosa e estavam assim preparados para morrer, em contraposição a muitos cristãos que se fiavam em cerimônias supersticiosas.

a história do inferno“Às vezes”, dizia Eusébio, “encontro declarações proferidas ou escritas pelos antigos, bem… mesmo por pagãos […] tão divinas, que não posso senão me convencer de que, quando as escreveram, eles foram divinamente inspirados, que o espírito de Cristo se difunde para mais além do que imaginamos… e que existem muitos outros santos além daqueles que temos arrolados”. Aludindo especificamente à humildade do discurso de Sócrates pouco antes de sua morte, discurso esse que foi registrado em um dos diálogos de Platão, a saber, Críton, Eusébio faz o seguinte comentário: “Mal posso me conter ao ler os escritos desses homens, e preciso exclamar: ‘Santo Sócrates, rogai por nós!’”.

Ulrico Zuínglio (1484-1531)

Zuínglio seguiu Erasmo na esperança de que pagãos virtuosos tivessem sido salvos. Ele fundamentou sua posição inclusivista na doutrina da predestinação. A fé era a resposta inevitável do eleito diante da proclamação do evangelho, mas os recém-nascidos e aqueles que jamais haviam ouvido do evangelho poderiam ser salvos sem a fé, simplesmente por terem sido eleitos por Deus. Se crescessem, viveriam virtuosamente e, se ouvissem o evangelho, creriam, mas a salvação dependia de nada senão da escolha soberana de Deus.

Martinho Lutero (1483-1546) 

a história do inferno

Lutero entendia o inferno sobretudo como separação em relação a Deus, uma separação resultante do vão esforço humano por ser justificado pelas próprias obras. Em seus primeiros escritos, como as preleções em Romanos, Lutero sustentava que o purgatório na verdade não se distingue do inferno, e que uma pessoa que se acha verdadeiramente na graça de Deus aceitará essa inegável condenação como justa punição de seus pecados. Nessa altura, o purgatório terá cumprido seu papel e o pecador arrependido experimentará a presença de Deus. O esforço por escapar da condenação (entendida como tormento horrendo após a morte) ou mesmo do purgatório (geralmente entendido na época de Lutero como um estado temporário de tormento, ainda que igualmente horrível) é espiritualmente prejudicial e de fato resultará em condenação. Somente ao se lançarem na misericórdia de Deus e abandonarem os esforços da autojustificação, os seres humanos podem escapar ao juízo divino. Nas preleções sobre Romanos, Lutero também defende a posição de Erasmo, segundo a qual os pagãos virtuosos podiam ser salvos.

Mais tarde, Lutero rejeitou completamente o purgatório e insistiu na importância de realmente ouvir a Palavra proclamada (diferentemente de Erasmo, Zuínglio ou Denck). Não obstante, continuou a ressaltar a condenação como um afastamento em relação a Deus, resultante da autojustiça e não um estado de miserável tormento.

 

© 2011 Christian History. christianhistorymagazine.org | Usado com permissão.

Tradução: voltemosaoevangelho.com

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que adicione as informações supracitadas, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.


19 Comentários
  1. tito monteiro Diz

    O inferno para os cristãos não existe,pois não falamos (hoje) nele. O paraíso,se existe e se lá é melhor do que aqui (terra), o céu pode esperar, eu prefiro morar na terra,mesmo que seja um pré-inferno. Qdo perguntamos a igreja: Quem quer ir para o céu? Todos levantam a mão. Quem quer ir agora para o céu? Nenhuma mão se levantou, tá? Então tá. Tito from brasília.

    1. tito monteiro Diz

      Um pregador perguntou a sua platéia: Quem acredita que o céu é melhor do que viver na terra? Quase que a maioria levantou a mão. Veio outra pergunta: Quem quer ir para o céu agora?
      tito from brasília.

    2. Vini Diz

      Como seria lucro ir para ao lado do meu amado Salvador.

    3. Lucas Diz

      Eu não pensaria duas vez em trocar tudo, TUDO, para estar com o Senhor.

      Nada nesse mundo é mais importante que o meu Deus.

    4. Diogo Diz

      eu levantaria minhas mãos, sem sombra de dúvida =]

      “Como seria lucro ir para ao lado do meu amado Salvador.” [2]

    5. Felipe Diz

      Sinceramente, não me vejo com profundo anseio de ir para o céu, mas sim que o céu venha até nós.

      Se morressemos agora, ainda sim esperariamos a vinda de Cristo para ser ressucitados!

      Meu anseio é pela vinda de Cristo.

    6. Ecsjunior Diz

      Quero parabenizar pela sua resposta. Não sei se o irmão pensa como eu, mas sua resposta foi muito boa. Tambem espero a vinda do Senhor para receber meu novo corpo e a vida eterna e reinar com Ele no seu reino aqui na terra durante 1000 anos e depois na nova terra.

    7. Ecsjunior Diz

      Acho essa pergunta sem sentido. Pois em nenhum lugar nas escritura o Senhor nos promete nos levar para o céu, porem nos promete entrar no Reino dos céus, que será estabelecido aqui na terra com o a sua vinda. Por isso minha resposta seria quero está com o Senhor Jesus para sempre.

  2. Wesley Leal Diz

    Tenha misericordia de nós meu Senhor Jesus!

  3. Diego Moreira Diz

    “No entanto, ele continuou a enfatizar a condenação como alienação de Deus resultante da autojustificação e não como um estado de tormento horrível.”

    Não entendi. Lutero não acreditava na existência do inferno?

    1. Francisco Diz

      Pelo que entendi da frase, quer dizer que o inferno que lutero entendia, tinha como seu principal tormento a loucura , pertubação mental de estar afastado e longe de Deus…
      Entendi isso…

      mas me corrijam se eu estiver errado.

      abç

    2. casio Diz

      NN ele nn acreditava no purgatório que segundo o catolicismo pregava, o inferno pra ele era o
      caminho de destino pra todos akeles que iriam andar contrar a vontade de Deus.

  4. Anderson Paz Diz

    Mais uma vez quero parabenizar o Voltemos Evangelho pela iniciativa de publicar esta série sobre a História do Inferno. O tema tem sido muito interessante.

  5. casio Diz

    AMEI saber disso Lutero foi perfeito em sua conclusão, infelizmente hj ainda existem loucos como Ulrico Zuínglio que acreditam na predestinação isso é um absurdo. E um cristianismo sem cristo

    1. Vini Diz

      Cássio,

      “a única preparacao infalível para a graça […] é a eleição eterna e a predestinação de Deus” (Lutero)

      http://www.monergismo.com/textos/predestinacao/deixem_predestinacao_lutero_timothy.htm

  6. Ana Paula Diz

    Como seria lucro ir para ao lado do meu amado Salvador ³!’

  7. Jair Barreto Diz

    Minha única razão de permanecer neste mundo corrupto e vil é para tão somente servir ao Senhor. Nem mulher, filhos ou bens me manteriam presos aqui se o Senhor Jesus me desse a escolha de viver ou morrer.
    Prender-se a esta vida é de fato não conhecer ao Senhor ou sequer ter desfrutado um pouco de sua real presença!!!
    “Mais vale um dia nos teus átrios…”
    Rei Davi
    “Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é lucro…”
    Ap. Paulo

  8. ricardo de oliveira santos Diz

    se tem algu que deve nos aprocimar de DEUS é o seu amor e a sua graça,medo de um inferno e sofrimento eterno pois isso não salvara ninguem.Se o dia do julgamento não chegou as pessoas não podem esta nem no inferno nem no céu,pois so no dia do julgamento final é que cada um recebera de DEUS a recompensa;e se as pessoas não estão nem no inferno nem no céu como o rei DAVI que aguarda no pó da terra e também apocalipse diz que o inferno sera lançado no lago de fogo e enxovre, então logo o inferno não é um lugar tormento,sabe uma moça chamada janaina disse muitas coisas
    contraditorias a biblia,mas também disse algu que devemos pensar, DEUS não enviaria seus filhos rebeudes para um tormento eterno,não precisamos de um inferno queimando minha familia para ter medo de ir para o inferno,as marcas nas mãos de CRISTO basta, o que deve nos fazer temer é não estar com o nosso CRISTO para toda a eternidade,não o inferno e sim não terCRISTO deve nos causar terror

  9. Fernando Mendonça Diz

    Irmãos, continuei sem entender a posição do Lutero quanto ao Inferno.

Comentários estão fechados.