um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

A História do Inferno: de 1500 a 1700 d.C.

O que os cristãos creram a respeito do inferno ao longo da história?

Após uma introdução das três principais visões sobre o inferno, apresentamos aqui grandes nomes da história e o que defendiam sobre o assunto. (acesse a introdução para ver o índice)

história do inferno - cobra

João Denck (c. 1500–1527)

Denck foi tido em sua breve vida como um dos principais representantes do pensamento anabatista, ainda que imediatamente antes de sua morte tenha abjurado da ideia de que o batismo deve ser um sinal da prévia existência da fé, e tenha assim se reconciliado com o protestantimo clássico. Denck entendia que a “Palavra de Deus” era uma palavra interior que fala ao coração de todo ser humano. Isso possibilitaria que aqueles que não ouviram o evangelho fossem salvos. Denck foi acusado de universalismo, e seus ensinos sobre a salvação parecem apontar nessa direção, embora não esteja claro se de fato afirmava que todos serão salvos.

João Calvino (1509-1564)

Calvino posicionou-se ao lado de Lutero contra Zuínglio sobre a total indispensabilidade de ouvir a Palavra de Deus para sermos salvos. Para Calvino, a doutrina da predestinação explicava por que era justo que somente os que ouvissem o evangelho fossem salvos. (Ao ratificar o pecado original conforme definido por Agostinho, o qual Zuínglio havia questionado, Calvino obtém um alicerce para sustentar a condenação mesmo daqueles que pareciam jamais ter tido oportunidade de salvação.) Ainda assim, à semelhança de Lutero, Calvino se focou no aspecto existencial da condenação, na qualidade de separação em relação a Deus, e não nos tormentos físicos do inferno descritos em boa parte da pregação e dos escritos visionários da Idade Média. Por essa razão, na descrição de Calvino, Jesus sofreu os tormentos do inferno no Getsêmani e na cruz quando foi abandonado por Deus por causa de nossos pecados.

John Milton (1608-1674)

A influência de Milton em concepções posteriores sobre o inferno foi possível em grande medida por meio de sua obra prima da poesia, O Paraíso perdido, obra em que se retrata um Satanás humanizado em oposição às tradições que descreviam o Diabo como grotesco e monstruoso. Satanás, como ficou bem conhecido, descreveu sua sina mais em termos psicológicos que físicos: “Só o Inferno essa fuga me depara:/ Eu sou Inferno pior! o outro, cavando/ No fundo abismo, abismo inda mais fundo,/ E ameaçando engolir-me em tais horrores,/ Para mim fora um céu se o comparasse/ Com este Inferno que em mim mesmo sofro!” (tradução de António José de Lima Leitão, Rio: W. M. Jackson, 1956). Muitos autores do romantismo, com sua inclinação para os heróis proscritos e angustiados, acharam nesse retrato algo com que se identificar e consideraram Satanás o verdadeiro herói do poema.

A descrição física do inferno feita por Milton ― um lugar grande, escuro, quente, doloroso, infindo e centrado em torno de um lago de fogo ― é a visão tradicional, mas tem força particularmente vívida a reforçar todos esses traços: “Mas luz nenhuma dessas flamas se ergue;/ Vertem somente escuridão visível/ Que baste a pôr patente o hórrido quadro/ Destas regiões de dor, medonhas trevas/ Onde o repouso e a paz morar não podem,/ Onde a esperança, que preside a tudo,/ Nem sequer se lobriga: os desgraçados/Interminável aflição lacera” (tradução de António José de Lima Leitão).

John Locke (1632-1704)

Locke é bem conhecido como um escritor que favoreceu a tolerância religiosa e defendeu o cristianismo como uma religião razoavelmente adequada para intelectuais iluministas crerem. Em pelo menos alguns de seus escritos, ele endossou o aniquilacionismo – a visão de que enquanto os salvos aproveitarão a vida eterna com Cristo, os condenados serão simplesmente aniquilados imediatamente ou após um período definido de punição, em vez de sofrer tormentos por toda eternidade. (Em relação ao “fogo inextinguível” citado em várias partes da Bíblia, ele comentou que isso não significa “que os corpos que eram nele queimados nunca eram consumidos, mas só que os vermes que roíam e o fogo que queimava eram constantes e não cessariam até que as pessoas fossem destruídas.”)

Como John Milton, Locke é frequentemente citado em sites unicistas universalistas, mas, assim como em relação a Milton, isto acontece mais por causa de suas crenças heterodoxas sobre a Trindade e sua defesa de um cristianismo tolerante (dentro de limites – ele se recusou a tolerar tanto católicos quanto ateus) do que em qualquer universalismo em seus escritos.

© 2011 Christian History. christianhistorymagazine.org | Usado com permissão.

Tradução: voltemosaoevangelho.com

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que adicione as informações supracitadas, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.


11 Comentários
  1. Alisson Barateli Bodelon Diz

    A paz do Senhor Jesus!
    Para um estudo mais abrangente e detalhado sobre o assunto, sugiro o site oficial da Igreja Presbiteriana Betânia de Cuiábá (www.ipbetania.org.br); um artigo intitulado como: O destino dos homens ímpios – autoria do pastor Nelson.
    Abraços e Saúde!
    Somente a Deus glória!

  2. Douglas Iran Diz

    Paz do nosso amado Senhor Jesus Cristo, irmãos!
    Frenquentemente me empolgo com temas relacionados à escatologia e esses assuntos desperta meu interesse em entender cada vez mais a respeito do reino milenar, arrebatamento, céu e inferno… Sei que não posso compreender tudo e certos mistérios só serão revelados na eternidade e outros, talvez, nem na eternidade serão conhecidos, mas tudo isso me deixa deslumbrado com a grandeza e soberania do nosso eterno Deus.

    Irmãos evangelistas, tem algum problema em pregar semões acerca do inferno para pessoas que nunca tiveram ou tiveram pouco acesso ao evangelho? Eu particularmente acho o tema importantíssimo e que exige ser pregado e esclarecido aos quatro cantos da terra, já que o destino eterno de todos está condicionado à “escolhas” que fazemos enquanto estamos vivos. Em outras palavras, depois da morte não há como mudar o curso de nossas almas, então o curso que ele terá na eternidade depende de parâmetros tomados em vida (decisão por Cristo) – se é que podemos decidir segui-lo sem que tenhamos sido chamados… desculpa, mas eu não entendo bem a doutrina da eleição e suas implicações apesar de crêr nela.

    1. Vini Diz

      Douglas,

      Creio não haver nenhum problema e aliás acho necessário explicar a justa condenação que Deus, o Bom Juiz, aplicará aos pecadores não-arrependidos. Contudo, falar só da condenação da Lei e não expor a salvação em Cristo não é falar do Evangelho.

      Quanto a doutrina da eleição, que Deus lhe guie em conhecê-Lo cada vez mais.

      Paz

  3. Vinícius S. Pimentel Diz

    Irmãos, parece haver um erro de tradução no início do texto. A frase “Isso possibilitava que aqueles que ouvissem o evangelho fossem salvos” não tem sentido dentro do contexto…

    No mais, ótimo texto!

  4. Douglas Iran Diz

    Paz de Cristo, Irmãos!

    Esta série sobre a história do inferno me trouxe à tona uma curiosidade que tenho desde que comecei a pensar a respeito do tema… a localização geográfica do inferno estaria em um plano espiritual ou será que ele iria existir fisicamente aqui na terra mesmo?

    Quando paro pra pensar sobre vulcões e a quantidade de magma que existe sob o nosso planeta chego a imaginar que após o julgamento final a terra se tornaria um grande lago de fogo que poderia caracterizar o inferno, mas quando olho as escrituras e vejo que o inferno será o reflexo da ira de Deus então não dá pra se comparar com o calor existente no centro da terra ou mesmo com o calor presente no núcleo do sol – porque seria bem mais intenso que isso!!

    “Porque o nosso Deus é um fogo consumidor.” Hb. 12.29

  5. MARILENE Diz

    DEUS cntinue abençoãndo voçÊs mais e mais

  6. MARILENE Diz

    SABEMOS QUE DEUS É FOGO CONSUMIDOR E QUE ELE (DEUS JEOVÁ) NÃO TOMÁRA NIMGUÉM POR INOSÇENTE ENTÃO QUE VENHA O JUIZO DE NOSSO DEUS JEOVÁ PARA OS JUSTOS E PARA OS INJUSTO PORQUÊ SABEMOS QUE CADA UM DE NÓS PRESTAREMOS CONTA A DEUS DAS NOSSAS OBRAS AQUI NA TERRA QUE O SENHOR NOS DÁ EM NOME DE JESUS.
    DEUS CONTINUI NOS ABENÇOÃNDO MAIS E MAIS .

  7. MARILENE Diz

    A GRAÇA E A PAZ DO NOSSO SENHOR E SALVADOR JESUS CRISTO ESTEJA SEMPRE CONVOSCO E QUE O OLEO DA UNÇÃO QUE É O ESPIRITO SANTO DE DEUS NUNCA FALTE EM NOSSAS VIDAS, PARA PODERMOS OBTER O VERDADEIRO CONHECIMENTO SABEDORIA E DISCERNIMENTO DA PALAVRA DE DEUS. EM NOME DE JESUS CRISTO.

  8. MARILENE Diz

    Nunca tive a esperiência de como verdadeiramente é o inferno mas eu não duvido da esistência dele porrque DEUS os fez para satanás o diabo seus anjos e para todos aqueles que se esquece de DEUS.

  9. Anderson Paz Diz

    Passando mais uma vez por aqui para elogiar essa série sobre a História do Inferno.
    Que Deus siga enriquecendo a vida de vocês com graça e com mais do Seu Espírito.

  10. djailson Diz

    “e muinto massa esse estudo .mais nois temos que procurar obedecer a palavra de DEUS , seguindo jesus ser semehante a ele ai sim tudo tera sua resposta se o inferno existe ou nao blz vlw…

Comentários estão fechados.