A restauração de Deus

Nem sempre estamos onde queremos ou temos o que desejamos. A vida é cheia de altos e baixos. Nossos dias depois da queda são de “canseira” e “enfado”. Sim, temos força, virilidade, alegria, mas elas nunca perduram o tempo todo. Precisamos ter as energias renovadas para encarar o mundo debaixo do sol.

O hinário dos peregrinos é o hinário dos altos e baixos da vida. Ele fala do cansaço, do medo, da angústia, e, ao mesmo passo convida o peregrino a subir mais um degrau, cravando os olhos na misericórdia do Eterno.

Por assim dizer, a métrica do Salmo 126 reflete a restauração das forças em Deus. Este salmo é a poesia do sorriso de uma ponta a outra. Não existe lei que nos proíba de ter deleite em Deus. Vejamos que lições o texto sagrado nos ensina:

Ficamos como sonha

Os peregrinos, no primeiro momento, olharam para os grandes feitos de Deus no passado e encontraram razões para alegria (1). Houve um tempo de restauração em Sião, talvez o período da libertação do cativeiro babilônico. Seja como for, depois de um tempo difícil, o Senhor mudou a sorte do seu povo e a alegria foi renovada. Gosto da expressão do puritano M. Henry quando ele diz: a providência assobiou para eles, e eles estavam dançando. Parecia um sonho! Era um momento de grande fascínio!

As nações não falavam em outra coisa, senão sobre o que aconteceu com o povo de Deus (2). Não apenas Israel, mas o cenário internacional foi impactado com atos de Deus na história da redenção do seu povo. Nesse ponto vemos uma antecipação do interesse do Senhor por todos os povos, aleluia!

Note ainda que os peregrinos não estavam alegres por causa das coisas que eles podiam realizar. Eles estavam alegres por causa dos feitos de Deus (3). Era como se estivessem dizendo para o mundo e uns para os outros: cantem com força, renovem suas forças em Deus, ele já nos libertou no passado! Temos motivos de sobra para cantar!

Restaura Senhor

Parece que no tempo presente o salmista passava por um momento difícil, por isso, mais uma vez ele clamou: restaura Senhor. A fé de ontem não substituía a necessidade de continuar acreditando no Deus do pacto! Por vezes, o povo de Deus atravessa momentos de aridez espiritual, mas a verdadeira fé perdura e clama por restauração.

De alguma forma o salmista se sentia seco, tal como os uádis da região sul de Israel. Durante a maior parte do tempo essas terras ficavam secas ou apresentavam uma pequena lâmina de água. Porém quando a chuva caia rapidamente o cenário mudava e a vida se renovava. Isto posto, creio que o salmista estava fazendo o seguinte pedido: enche minha vida novamente Senhor, assim como foi feito no passado! Derrama um poderoso avivamento sobre o teu povo!

Quem sai andando

Nos versos 5 e 6 os olhos do salmista se movem na direção do futuro de Deus. Os olhos cheios de lágrimas se encheram de esperança. O coração nostálgico se encheu de expectativas. O peregrino começa a andar em direção as promessas de Deus!

Enquanto anda o peregrino, mesmo chorando, deve semear. O peregrino deve espalhar, mesmo nas horas difíceis, o temor do Senhor, mesmo que ele não veja os frutos da colheita. Os peregrinos já sentiram a alegria (Salmo 122), mas existem situação em que a peregrinação é feita com os olhos cheio de lágrimas.

Com os olhos da esperança o salmista tem certeza em Deus dos frutos que sobrevirão. Os olhos marejados não lhe impedem de ver a ceifa certa e garantida pelas promessas do pacto! A esperança em Deus é o motor do peregrino em tempo de sequidão espiritual.

Cristo é a nossa esperança

Éramos escravos do pecado, porém, na cruz, o Senhor rasgou o escrito de dívida que constava em nosso desfavor. Jesus é a nossa passagem para Deus! Ele é a nossa Páscoa e por ele somos declarados justos e perdoados diante do Senhor.

Ainda que tenhamos tamanha certeza do que Cristo fez por nós, alguns experimentarão momentos de sequidão espiritual. Molhamos a Bíblia com lágrimas, participamos do serviço de adoração com sentimentos de tristeza insepultos. Você se sente assim?

O Salmo 126 deve ser lido com a luz do Evangelho: Cristo nos arrancou do cativeiro do pecado. No final de todos as coisas ele virá e enxugará dos nossos olhos todas lágrimas. Continue caminhando pela fé, não pelos sentimentos. Se cremos em Cristo semearemos em tempos de alegria e tristeza. Lembre-se: o Senhor vai enxugar dos nossos olhos toda lágrima e nos dará eterno descanso.

Continuemos nossa peregrinação! Deus nos dará alegria plena! Deus vai mudar nossa sorte de uma vez por todas! Ore para que o Senhor derrame seu poderoso avivamento! Uma gota da sua misericórdia é o suficiente para encher nosso coração de alegria e renovar nossas forças!

Por: Francisco Macena. © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Original: A restauração de Deus.

Comentários estão fechados.