É realmente nossa tarefa trazer paz as nossas comunidades?

“Informa-se o justo da causa dos pobres, mas o perverso de nada disso quer saber”. (Provérbios 29:7)

“Shalom” tornou-se um termo popular em certos círculos evangélicos, particularmente em torno de todo o debate “justiça para os oprimidos”. O que exatamente queremos dizer com a palavra Shalom? Tim Keller certamente escreveu mais sobre isso do que você possa imaginar, há também um interessante (e excelente) livro de Greg Gilbert e Kevin De Young intitulado “Qual a Missão da Igreja”? Claro que todas as posições na discussão têm seus simpatizantes e seus detratores.

Mais importante do que os pastores americanos, o que a Bíblia ensina? Por exemplo, lemos, em Efésios 2.14, que “ele é nossa paz” referindo se a Cristo. Em Números 6.24-26 e Isaías 9.6 descobrimos que o Senhor é o nosso Shalom, em Isaías 9.2 é usado no contexto da luz, em Ezequiel 37.26 é usado em conexão com uma futura bênção espiritual. Curiosamente, Shalom aparece no hebraico cerca de 250 vezes, mas nenhuma vez no NT. No entanto, ele tem um equivalente grego, “eirene” (eye RAY nay). A palavra irênica”, na linguagem moderna, significa pacífica, nós a encontramos em Lucas 2.14, Atos 10.36 e Romanos 1.7 onde é usada como saudação. Em Filipenses 4.7 é usada para abençoar o povo de Deus. Das noventa vezes usada no NT é empregada quase da mesma maneira que Shalom é usado no AT.

Mas não podemos parar por aí. Shalom também é usado de formas incomuns. É mencionado no contexto da guerra em 2Samuel 11.7, derrubando as torres em Juízes 8. 9 e em termos de castigo em Isaías 53.5. É uma palavra difícil de entender, se formos honestos, por ter um significado muito amplo nas Escrituras, sempre tento ser cauteloso quando as pessoas insistem em um significado imperativo e procuram particularizá-lo e aplica-lo unicamente ao debate em torno dos pobres e dos oprimidos.

Tim Keller definiu shalom da seguinte maneira:

“O entrelaçamento de Deus e do homem com toda a criação para criar prosperidade e inteireza universais. Vemos, no Salmo 104, que Deus fez o mundo como uma vestimenta com bilhões de entidades tecidas para compor a beleza de tudo o que foi criado. O pecado entrou e rasgou todo o tecido”.

Em outras palavras, o shalom precisa de revisão, ele vai além e aponta três tipos de shalom:

1. Shalom Físico

Quando todas as partes se encaixam em um corpo, entendemos como “Shalom Físico”. Então, por exemplo, se você tem câncer, você experimenta uma perda desse shalom físico.

2. Shalom Psicológico

Quando a mente, a consciência e as paixões me dizem para fazer alguma coisa e eu a faço, eu experimento o shalom psicológico. Quando queremos fazer alguma coisa e a consciência diz “não”, e mesmo assim fazemos, nós perdemos o shalom psicológico.

3. Shalom Social

Quando aqueles que têm afinidades estão lidando com sinergia em toda a comunidade, podemos perceber que há uma interconexão, no entanto, isso se quebra quando as pessoas se sentem excluídas da sociedade, eles estão, de fato, experimentando uma ruptura no shalom social.

Agora, é muito claro que existe um colapso do shalom, como definido por Keller, na comunidade de Niddrie, sem qualquer dúvida. Certamente, não é preciso ser um gênio teológico para traçar a linha desde o pecado original até os efeitos terríveis, físicos, psicológicos, sociais e cosmológicos que isso causou ao nosso mundo. A verdadeira questão surge quando perguntamos: “o que devemos fazer com o colapso do shalom em nossas comunidades?” Devemos simplesmente ignorar os acontecimentos ao nosso redor, como alguns fazem, e apenas proclamar o evangelho de Jesus Cristo? Ou devemos buscar o bem-estar de nossa comunidade, procurando maneiras de aliviar a dor e restaurar parte do shalom aos nossos vizinhos? Como igreja nós não deveríamos estar procurando tornar Niddrie um lugar mais seguro, mais feliz e mais pacífico para se viver? Ou não deveríamos procurar permanecer fiéis à grande comissão que nos encarrega de pregar a Cristo e de fazer discípulos? Existe uma forma satisfatória de se fazer isso?

Essas perguntas não são novas para as pessoas que leem meus escritos regularmente. Temos que afirmar, em primeiro lugar, que o NT não nos oferece nenhuma ordem direta em relação a agirmos no sentido de reparar qualquer um dos “shaloms” acima. Timóteo, por exemplo, foi desafiado a continuar pregando a Palavra “a tempo e fora de tempo”. Em Efésios, lemos que o principal dom dado à igreja; pregadores, mestres, apóstolos etc., eram todos ministérios baseados na Palavra. Em Judas somos desafiados a batalhar pelo evangelho, Romanos é claro em mostrar que é apenas o evangelho que tem o poder de transformar qualquer crente e, portanto, por consequência, a sociedade. Então a resposta, certamente, é pregar o evangelho em primeiro lugar. Sim, nós nos importamos um com o outro, nós nos amamos, nós nos alimentamos e abrigamos os “estrangeiros” (aqueles que estão fora da comunidade da aliança), mas isso é resultado de corações que expressam a fé através do amor (Gálatas).

Por exemplo, em Niddrie, eu prego Cristo para o Sr. X, que tem uma história de alcoolismo, roubo e maltrata sua parceira. Ele vem a Cristo. O que acontece?

  1. Seu shalom físico começa a melhorar sob a influência do Espírito Santo quando ele para de envenenar seu corpo.
  2. Seu shalom psicológico melhora quando ele dobra os joelhos ao Rei Jesus e procura viver sob seu governo.
  3. O shalom social entra em ação quando ele para de abusar de seus vizinhos, arrombar casas na comunidade, roubar da loja local, bater em sua parceira e atormentar seus filhos. Em vez de contribuir para o colapso do shalom social, ele começa a se tornar uma força do bem.

Todas essas coisas são resultado da obra do Espírito Santo na vida de uma pessoa que ouviu a Palavra de Deus proclamada em primeiro lugar. É o evangelho acima de tudo. Então o shalom não vem como resultado de evangelismo pessoal, mas como uma prova do Espírito de Deus agindo em uma pessoa e em uma comunidade. Certamente temos que orar pelo shalom de nossas comunidades, mas precisamos nos lembrar que sem um retorno à proclamação fiel e destemida do evangelho, esses lugares e pessoas permanecerão nas trevas; perdidos e destruídos, afinal, é por isso que temos tantos problemas em nosso país hoje. Não faltam agências de assistência social e organizações eclesiásticas que oferecem todo tipo de ajuda social, mas a necessidade mais profunda, no entanto, é o crescimento e estabelecimento de igrejas centralizadas no evangelho, nas quais as pessoas possam verdadeiramente crescer e florescer espiritualmente para o benefício de suas comunidades particulares.

Por: Mez McConnell. © 20schemes. Website: 20schemes.com. Traduzido com permissão. Fonte: Is It Really Our Job To Bring Peace To Our Communities?

Original: É realmente nossa tarefa trazer paz as nossas comunidades? © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Tradução: Paulo Reiss Junior. Revisão: Filipe Castelo Branco.

4 Comentários
  1. ROGERIO MARQUES SANTOS Diz

    O novo testamento tem muito a dizer sobre assistência aos pobres, aos enfermos, aos presos. Tiago, ademais, exorta os ricos contra a retenção injusta dos salários daqueles que trabalharam pra eles. Paulo diz a Timóteo pra exortar os ricos da igreja a fazerem diferença neste mundo de necessitados. Pedro e Paulo fornecem também aos crentes instruções úteis sobre obediência civil nos limites da ordem divina estabelecida para as autoridades. Tudo isso mostra que a igreja primitiva fez diferença no mundo de seu tempo. E a história subsequente da igreja dá testemunho de seu envolvimento social por meio de hospitais, escolas, orfanatos e luta até pela humanização do sistema prisional e pela abolição ou reforma de leis de opressão. Isso sem falar da experiência de governo em Genebra durante a reforma protestante, em que a igreja esteve à frente da renovação da sociedade. Enfim, a visão acima não reflete em sua inteireza o que o NT e a história da igreja tem a nos ensinar sobre sua missão no mundo. Mas o curioso é que o autor lembra do quanto a comunidade de fora da sua igreja em particular está envolvida na solução dos problemas sociais locais, o que é uma marca do povo dos EU e uma herança da influência do evangelho pregado e vivido há séculos naquela nação fundada por crentes piedosos e comprometidos com a vinda do reino de Cristo sobre a terra.

  2. Rosane Pontes Diz

    A definição para o “shalom” segundo alguns autores vai além do desejar apenas a paz. Envolve bem estar, saúde e justiça e consequentemente paz. Jesus diz que felizes serão as pessoas que promovem, ou seja, fazem a paz. Compreendo quando o autor menciona os três estados da paz e enfatiza qye o evangelho é transformador. Ou pelo menos deveria. Tem cristão que acredita e reforça a guerra, a intolerância, o machismo, a inflexibilidade e não faz uma leitura das escrituras adequada senão que deturpa a graça legitimando e justificando a lei. Pensa que seu papel é apenas proclamar o evangelho e não vive-lo como o próprio Jesus que denunciou as injustiças. E quando se fala em injustiça ela acomete a todos e todas. Então qual o papel da igreja senão trazer alento e demonstrar o shalom de Deus que se doou a justos e injustos? Penso que a igreja tem um papel significativo na promoção da paz e igualdade entre as pessoas.

  3. Rosane Pontes Diz

    A definição para o “shalom” segundo alguns autores vai além do desejar apenas a paz. Envolve bem estar, saúde e justiça e consequentemente paz. Jesus diz que felizes serão as pessoas que promovem, ou seja, fazem a paz. Compreendo quando o autor menciona os três estados da paz e enfatiza que o evangelho é transformador. Ou pelo menos deveria. Tem cristão que acredita e reforça a guerra, a intolerância, o machismo, a inflexibilidade e não faz uma leitura das escrituras adequada senão que deturpa a graça legitimando e justificando a lei. Pensa que seu papel é apenas proclamar o evangelho e não vive-lo como o próprio Jesus que denunciou as injustiças. E quando se fala em injustiça ela acomete a todos e todas. Então qual o papel da igreja senão trazer alento e demonstrar o shalom de Deus que se doou a justos e injustos? Penso que a igreja tem um papel significativo na promoção da paz e igualdade entre as pessoas.

  4. Aline Diz

    O papel fundamental da Igreja é e sempre será pregar o evangelho, Jesus. A Igreja se perde hoje em dia priorizando a justiça social. Nós devemos atender órgãos e viúvas, mas sempre lembrando que Jesus não veio trazer a paz social, ao contrário, Jesus mesmo afirma em Mateus 10:34 que veio trazer a espada da justiça. A paz de Jesus excede qualquer pensamento que tenhamos (Filipenses 4:7) é maior que os ismos políticos, tenham cuidado com isso. O verdadeiro cristão exerce a paz de Jesus em sua vida, liberalmente, não se compromete com filosofias. Ele demonstra em ações sem julgamento precipitado ou paixões idealista. Se vemos a necessidade do irmão, da nossa rua, da nossa cidade devemos socorrer, mas o Ide de Jesus sempre será nosso foco, nosso caminho até que cheguemos ao verdadeiro alvo. Meditemos ainda mais nessas palavras.

Comentários estão fechados.