Não seja um escravo dos aplausos do mundo

Transcrição do vídeo:

Uma alegria verdadeira, como vimos agora no Novo Testamento, liberta a alma da dependência da aprovação e da conformidade cultural. Ela te liberta. Em outras palavras, quando sua alegria vem de Deus, através de Cristo, e é absolutamente inabalável ao passar por luto, aflições, fraqueza, pobreza, vergonha, desonra, perseguição, perdas… A cultura perde o poder de controlar você. Você é alguém livre.

Se você tomar uma posição que a cultura odeia, ou falar uma palavra que a cultura condena, eles te envergonham, te perseguem, te defraudam, e te cancelam! Sua alegria permanece inabalada, e você é liberto, você não é mais controlado. Livre! Quando a sua cidadania é do céu, e toda a sua herança está no céu, e toda a sua alegria vem de Cristo no céu, você é uma pessoa livre aqui na Terra, e muito subversivo! Muito contracultural e ninguém pode te tocar. Eu quero pessoas livres.

Se a sua alegria vem do mundo, com seus benefícios, com seus confortos e louvores, você é como uma folha ao vento. Sua alegria não é genuína, mas uma alegria de segunda mão. Você não está livre. Você é sacudido pelo noticiário todos os dias. Por um telefonema, por um e-mail sério, pela palavra de alguém, suas emoções são sacudidas por todo lado, pois você é uma folha ao vento, sua alegria é apegada a pessoas, ou à aprovação delas, ao dinheiro, à casa, ao conforto, ao carro, às joias, à herança, à esposa, àquele filho de três meses… Ela está concentrada aqui, e tudo que acontece aqui é o fim para você. Você não é alguém livre. Esse não é o modo que o cristianismo é.

Uma alegria genuína liberta as pessoas, e as torna as pessoas mais seguras e subversivas no que se refere ao controle cultural. Sempre foi verdade, desde dois mil anos atrás, não há nada novo sobre isso. Uma alegria genuína em Cristo ao passar pela dor sempre foi radicalmente libertadora do controle cultural. Ao obter alegria do céu, os cristãos são libertos na terra. Sempre foi verdade. A novidade hoje é que as mídias sociais criaram uma intensificação das velhas táticas de controle cultural. As táticas não são novas; a dinâmica emocional de controle e vergonha não são novas. A mídia é nova, predominante e poderosa. Você pode ser odiado por 10 mil pessoas de um dia para o outro. Então, na nossa cultura, e vocês devem saber disso, eu suponho… é chamado de cultura da reclamação, ou cultura da indignação, cultura do cancelamento, cultura dos mimados…

Essa última frase é de um livro chamado “A superproteção da mente americana”, do Jonathan Haidt, e aqui está uma frase que achei muito esclarecedora. “Essa cultura de hoje, na qual os jovens têm crescido pelos últimos 20 anos, talvez, ensina as pessoas a verem as palavras como violência, e a interpretar ideias e oradores,” como eu, “como seguros ou perigosos, ao invés de verdadeiros ou falsos.” Então, se você tomar sua posição, e falar sua verdade, talvez esteja sujeito a reclamações em massa, ou a indignações, ou a ser “cancelado”, ou acusado de que você não agradou as pessoas que precisam ser mimadas. Uma alegria genuína é um maravilhoso libertador dessa cultura, assim como foi com qualquer outra cultura.

Por: John Piper. © Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org. Traduzido com permissão. Fonte: Be a Slave to the World’s Applause No Longer.

Original: Não seja um escravo dos aplausos do mundo. © Ministério Fiel. Website: MinisterioFiel.com.br. Todos os direitos reservados. Tradução: Renan Araújo. Revisão: Filipe Castelo Branco.