um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

20 citações de O Que Deus Diz Sobre as Mulheres, de Kathleen Nielson

Esse é um livro bastante singular sobre as mulheres. A autora nos oferece um olhar feminino e bíblico sobre o plano de Deus na criação da mulher. Muito bem posicionada teologicamente, a autora, Kathleen Nielson, ensina sobre o papel das mulheres em complementariedade com os homens, com a mansidão de quem já travou muitas lutas interiores.

Não espere um texto adocicado que trará alegrias passageiras, não é assim a abordagem de Kathleen. Ela escreve verdades para mulheres que desejam se libertar de pré-conceitos legalistas. O texto nos leva para o cume da montanha onde podemos ver como Deus amorosamente criou a mulher. Esse livro é para toda a mulher que faz aquela antiga pergunta: Por que Deus me criou?

A leitura de O Que Deus Diz Sobre as Mulheres é esclarecedora, confrontadora e reconfortante. Se deseja aprender mais sobre o papel da mulher conforme o plano perfeito de Deus, esse é um livro indispensável.

1. “Gênesis 1 (e o restante das Escrituras) nos diz que o gênero humano não é arbitrário, ou autodeterminado, ou uma parte socialmente determinada de nossa identidade; é a nossa identidade como homens ou como mulheres, conforme o bom desígnio de Deus acerca de nosso sexo biológico. As vozes da mídia — na verdade, todas as vozes que nos cercam — insistem, contudo, que devemos deixar que as pessoas descubram e escolham o gênero em que se sentem mais confortáveis, não importando seu sexo biológico. A “identidade de gênero” tem-se tornado uma questão muito volátil e politizada. A Wikipédia — máquina da mídia social de definições atuais e cooperativas — define a identidade de gênero como “a experiência pessoal do próprio gênero”. Parece que gênero mudou para algo que é definido por cada pessoa em seu interior, em vez de ser um dom dado por um Deus que criou e governa o universo.” (p. 34-35)

2. “Quando exclamamos, “É menino!” ou “É menina!”, não estamos impondo distinções sexistas, arbitrárias ou autoritárias sobre uma vida humana; estamos recebendo e celebrando a verdade de que foi assim que Deus nos fez, à sua imagem, homem e mulher. Hoje em dia, soa radical afirmar o ensino da Bíblia de que os gêneros masculino ou feminino foram uma boa ideia de Deus, instituída como parte de sua ordenação soberana da criação, a fim de mostrar sua própria imagem nas pessoas que criou. Mas a verdade da Bíblia nos alcança, no fim, não como uma corrente para nos prender, mas como uma luz que aponta o caminho quando estamos no escuro, tateando, buscando encontrar nosso caminho.” (p. 35-36)

3. “Essa história da criação nos oferece vislumbres de um padrão criacional e universal que se aplica a todos os homens e a todas as mulheres, de modo que há um sentido em todas as mulheres serem chamadas para atuar como “auxiliadoras”. Mas, se eu tomar esse modelo universal como significando, por exemplo, que uma mulher não deve dirigir uma empresa ou ser reitora de uma faculdade, ou ser presidente de um país, eu estaria confundindo papéis biblicamente definidos com outros papéis sobre os quais a Escritura não fala. Eu estaria impondo restrições nada bíblicas sobre as portadoras femininas da imagem de Deus.” (p. 50-51)

4. “É no contexto das congregações locais da igreja que eu tenho visto mais nitidamente a beleza da parceria entre mulheres que ajudam, de modo ativo, todos a seu redor, e homens que recebem e apreciam essa ajuda, quando o povo de Deus serve e trabalha em conjunto.” (p. 51)

5. “A primeira razão para a ordem de criação do homem e da mulher seria mostrar a grande necessidade do homem, e o grande presente de Deus em suprir essa necessidade. Podemos discernir também uma segunda razão: Deus quer estabelecer ordem na humanidade.” (p. 52)

6. “Vemos o homem andando à frente e sozinho em diversas responsabilidades. Deus chama o homem para dar nome aos animais, exercendo, assim, o domínio humano sobre eles ao demonstrar a imagem de Deus, a quem acabamos de ver dando nome a tudo que criou. Curiosamente, é ao homem que Deus diz, inicialmente, para deixar pai e mãe a fim de se unir à sua esposa — e não o contrário. E, assim como o sol e a lua não são intercambiáveis, o homem e a mulher, igualmente, não são intercambiáveis. Ao homem, são dadas as instruções, e ele é posto para trabalhar, então a mulher se reúne a ele como auxiliadora.” (p. 53-54)

7. “Em termos lógicos, quem de nós realmente desejaria igualar papel a valor humano? Certamente, não iríamos dizer que um CEO bem-sucedido é mais valioso que um portador de deficiência ou alguém que esteja desempregado, ou que uma bela estrela de cinema na casa de seus vinte anos é mais valiosa que uma senhora idosa ou um bebê recém-nascido. Mesmo que, com frequência, vivamos de modo a atribuir valor de acordo com os papéis das pessoas, no fundo, nós, seres humanos, sabemos que isso não é verdade. No fundo, com frequência queremos que nosso valor não esteja associado aos papéis nos quais atuamos ou às posições que temos, mas a algo que vá muito além disso. Esse anseio encontra cumprimento nas verdades de Gênesis 1 e 2 — na revelação de que nosso Criador nos fez à sua imagem, homem e mulher juntos. E é somente aos seus olhos que se mede o valor verdadeiro.” (p. 55-56)

8. “Em Gênesis 3.1-7, não testemunhamos uma falha feminina, mas uma falha humana. A mulher pode ter aberto a porta para o pecado, mas Adão podia e devia ter fechado essa porta. As diversas representações de Eva como burra, má ou sedutora são injustas. Mas a Escritura não é. E o Deus da Escritura não é.” (p. 66)

9. “Gênesis 3 mostra-nos a origem e a natureza de nossas lutas como mulheres e homens pecadores. Não, nem todas as mulheres são pessoas manipuladoras que tentam controlar os homens para conseguir o que desejam. Não, nem todos os homens são dominadores, governando com severidade as mulheres. Temos de tomar o máximo de cuidado para não julgar os atos uns dos outros simplesmente à luz desses modelos pecaminosos.” (p. 74)

10. “Podemos facilmente criar um deus tenebroso à imagem de seres humanos, em vez de confiar no Deus de luz que nos criou. Há uma razão para tantas culturas terem deuses imaginários que exigem abuso sexual de meninas e mulheres como parte de seus rituais religiosos; eles fizeram deuses à sua própria imagem, em vez de buscar o Deus em cuja imagem foram criados.” (p. 82)

11. “Ao levantar Débora e incluir essa história em sua palavra inspirada, Deus envia uma mensagem encorajadora sobre as mulheres e seu potencial de servir a Deus de maneira ativa, até mesmo em meio às piores maldades. Já vimos que, quando a maldade não é restringida, com frequência as mulheres são as maiores vítimas da opressão da parte de homens cruéis. Contudo, algumas das luzes mais brilhantes surgem nesses lugares mais tenebrosos da história da salvação, provenientes de mulheres que são chamadas para servir a Deus, e que o fizeram fielmente, desempenhando papel crucial na história da redenção.” (p. 105-106)

12. “Como todo pecado, o pecado sexual traz enfermidade para a alma — não apenas em casos sofridos de abuso explícito, como também nos casos mais rotineiros e cada vez mais aceitos de desrespeito pelo plano de Deus dentro do casamento. Se pudéssemos ver essa realidade espiritual, provavelmente tremeríamos ao contemplar o rompimento despreocupado com os bons e santos desígnios de Deus para a sexualidade humana. Essas separações sangram até a morte, embora as feridas nem sempre estejam imediatamente visíveis.” (p. 135-136)

13. “O corpo feminino conta as verdades sobre Deus: primeiro, sobre Deus, o Criador. As Escrituras revelam que Deus, em sua soberana bondade, criou as portadoras femininas de sua imagem com corpos prontos para conceber e portar uma nova vida. Mesmo antes da Queda, Eva foi projetada com a capacidade de dar à luz filhos (Gn 1.28). O corpo feminino é distinto, feito para complementar o corpo masculino como criação de Deus separada e bela — refletindo, de modo vívido, o poder de Deus criar a vida.” (p. 146-147)

14. “É importante ouvirmos as histórias de dor umas das outras, especialmente de mulheres em estágios diferentes dos nossos; aquelas que tiveram filhos precisam ouvir as vozes de irmãs que anseiam tanto por isso e não conseguem. Vejo o mundo de um modo diferente do meu porque tenho escutado as histórias de amigas solteiras que olham os anos e ciclos de sua vida se passarem, colocando em prática a disciplina de acatar a vontade de Deus; elas me ensinam muito. Vejo meu mundo de uma maneira diferente porque tenho sofrido a dor e orado junto com amigas que passam por longos meses de tratamento de fertilidade — um tempo que exerce grande pressão sobre seus casamentos — e que, às vezes, fracassam. Vejo de maneira diferente meu mundo porque tenho esperado com amigos que desejam adotar filhos e, em muitos casos, me uno a eles para dar boas-vindas a essas crianças na família da igreja, enquanto, em outros casos, me junto a eles no sofrimento, quando essas adoções não são realizadas.” (p. 151)

15. “A dor pode nos levar de volta a Deus e, muitas vezes, ela faz exatamente isso. Até mesmo aqueles que não conhecem Deus, quando estão sofrendo, clamam muitas vezes — se não a ele, contra ele —, perguntando o porquê e pedindo ajuda. A Palavra de Deus ilumina a resposta a esses clamores. Na verdade, ela afirma nossos gemidos e nosso choro, dizendo-nos que as coisas não são como originalmente foram criadas para ser. Ao ouvirmos as Escrituras, entendemos que o desconforto e a dor que vêm de ser mulher pregam a condição caída deste nosso mundo, mas também apontam para nossa esperança.” (p. 154)

16. “Jesus nos mostra como Deus vê as mulheres. Em Jesus, vemos que Deus valoriza as mulheres assim como ele valoriza todo ser humano — com toda a graça e com toda a verdade que emanam do coração de Deus.” (p. 178)

17. “O modelo bíblico para o casamento não conduz ao abuso. O pecado é que leva ao abuso. Sim, o modelo bíblico tem sido usado equivocadamente como desculpa para o abuso, e algumas mulheres têm afirmado, de modo equivocado, que a Bíblia ensina que elas precisam submeter-se ao abuso sem alternativas. Mas não é verdade que o uso pecaminoso da instrução bíblica torne má essa instrução ou a invalide. Isso seria como culpar e descartar a ordem de exercer hospitalidade porque existem alguns anfitriões que envenenam a comida servida aos visitantes.” (p. 192)

18. “A Escritura está repleta de vislumbres desafiadores de mulheres que desempenharam papel crucial e ativo junto com os homens, em uma igreja que seguia a ordem disposta por Deus e, dentro dessa ordem, vida e missão compartilhadas. As mulheres estão bem no meio dessa luta: orando… profetizando… aprendendo… ensinando… muito se esforçando no Senhor… sendo parceiras e encorajando os líderes… servindo como missionárias… providenciando sustento financeiro… abrindo suas casas… sofrendo prisões… sendo mães… e a lista poderia continuar e expandir-se. O retrato é vibrante e belo, porque mostra o corpo de Cristo. Somente tendo Cristo como nosso cabeça, nós poderemos, homens e mulheres feitos à sua imagem, ajuntar-nos para adorar e servir ao nosso Deus Criador.” (p. 225)

19. “O que realmente condiz com tudo que vemos nas Escrituras é que as mulheres têm de ser valorizadas como portadoras da imagem de Deus, juntamente com os homens e que todos os crentes, cheios e empoderados pelo Espírito do Cristo ressurreto, sirvam a ele juntos, até que ele volte. A ordem de Deus, para homem e mulher, no casamento e na igreja tem o propósito de trazer unidade. Unidade mediante complementaridade. Tornar-nos um, no fim, com Cristo e em Cristo. Sermos o povo unido de Deus é nossa boa identidade eterna, e nós estamos crescendo agora mesmo nessa identidade, ao refletirmos cada vez mais Jesus.” (p. 234)

20. “As verdades bíblicas a respeito das mulheres apontam-nos de forma implacável para Jesus.” (p. 244)

O que Deus diz sobre as mulheres

Feminilidade x Feminismo

O que Deus realmente diz sobre as mulheres? Há uma maneira de ver essa mensagem não somente como algo que deve ser crido, mas também apreciado?

Neste agradável livro em formato de conversa, Kathleen Nielson analisa aquelas passagens da Escritura com as quais as mulheres mais lutam, seja de forma aberta ou não, principalmente dentro das igrejas: ministério pastoral, submissão, abusos etc. Junte-se a Kathleen em sua pesquisa por respostas honestas para perguntas difíceis e surpreenda-se com a beleza do plano de Deus para as mulheres.

Confira

Por: Renata Gandolfo. © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Original: 20 citações de O Que Deus Diz Sobre as Mulheres, de Kathleen Nielson.

Comentários estão fechados.