Noivas, vamos falar das finanças para o casamento?

Já se passaram 18 anos desde o dia do sim que eu e meu marido demos um ao outro. Enfim, tinha chegado o grande dia! Ufa! Quanta preparação, foram 8 meses do noivado até o casamento. Nós literalmente colocamos a mão na massa, pois minha sogra fazia salgadinhos maravilhosos e nós fomos ajudá-la a moldar coxinha, bolinha, rissoles e todas as delícias pelas quais, depois, receberíamos muitos elogios dos convidados.

O bolo nós ganhamos dos nossos tios, os refrigerantes foram pura ostentação, porque compramos garrafas de 600 ml para colocar nas mesas, uau!

Por causa das amizades que meu sogro tinha, os garçons trabalharam como cortesia. As donas de um Buffet nos emprestaram toalhas, capas de cadeiras e louças. Nas flores ganhamos um bom desconto porque a dona da floricultura era de nossa igreja. Nessa altura do campeonato você já deve estar pensando que foi um casamento brega, com tantas coisas emprestadas, ganhadas e confeccionadas com nossas próprias mãos, pois bem, te digo que não foi: foi bonito, alegre, estávamos radiantes de termos convidados todos das duas igrejas que eu e ele frequentávamos, todos os amigos das duas empresas onde trabalhávamos, todas pessoas de nossas famílias. Sim, os convites foram para os murais das igrejas, publicados em seus boletins e lidos de púlpitos. Queríamos celebrar com o povo de Deus, com nossas famílias e com nossos amigos.

Comecei com essa história não para exaltar o quanto fomos exemplares no modo como fizemos nosso casamento, erramos muito em muitas coisas, mas para colocar uma frase que meu marido sempre fala quando estamos conversando sobre os casamentos e as festas de hoje: ainda bem que casamos há tanto tempo, que não tinha nada disso, da indústria que se criou por traz dos casamentos. Assim como em um filme, chegamos ao que realmente interessa nesse artigo, ao seu ápice, ao que nos faz pensar: como estão as finanças do seu casamento, noivinha? Estão dentro do padrão bíblico? Estão seguindo uma ordem de planejamento bíblico?

Darei algumas dicas para o planejamento, desde os preparativos até o próprio dia do casamento (ah, e estou levando em consideração que você está casando com um rapaz que professa a mesma fé que você, senão, procure seu pastor e tenha uma boa conversa com ele antes):

1o Passo: Já dizia o ditado, quem casa quer casa. Mas mais profundo do que isso é a ordenança bíblica de Gn 2:24 “…deixa o homem pai e mãe e se une a sua mulher…”. Duas questões são levantadas aqui, uma seria mesmo a questão de terem uma casa só para si, construindo um novo lar, unidos em uma só carne, se conhecendo no dia a dia, física, emocional e espiritualmente, sem ter a interferência de terceiros. Outro ponto que é muito relevante é que o novo casal deixe de ter o financiamento dos pais assim que casar (salvo se são missionários e os pais são uns dos mantenedores do ministério). O sustento do lar vem do Senhor por meio do trabalho do esposo e não do pai do esposo ou do sogro do esposo. Se não houver um bom planejamento durante os preparativos do casamento, vocês já vão entrar no casamento cheios de dívidas e, talvez, já entrem para a estatística dos divórcios que acontecem por problemas financeiros. Aliás o divórcio não deve nem ser considerado por nós cristãos, no entanto pela dureza dos nossos corações (Mt 19.8) constuma-se ouvir por aí essa frase: “— Se não der certo, separa!”A qual não deve nem ser pensada por nós!

Voltando à questão da casa, muitos tem dúvida entre comprar ou alugar e isso depende muito do quanto reservado vocês têm para investir na parcela de entrada no imóvel. Se vocês optarem por alugar e investir o dinheiro que têm da parcela de entrada e mensalmente aplicarem mais (tendo disciplina para isso) é uma ótima opção, pois vocês vão fazer o seu dinheiro trabalhar para vocês e não pagarão juros para parcelar o valor do imóvel. Mas se vocês não são o tipo de casal com disciplina, o melhor seria fazer um financiamento. Mas comece pequeno, reservem o valor máximo para a parcela de entrada que conseguirem, assim as prestações ficarão com valor mais baixo. E não confiem deliberadamente nos agentes bancários, pois eles trabalham para fazer o banco lucrar, procurem pessoas da área financeira para serem aconselhados. Lembrem-se também de analisar as distâncias entre o imóvel desejado e os locais que mais frequentam: trabalho, escola/cursos, igreja, para que não gastem muito com combustível ou transporte.

2o Passo: Planejamento financeiro. Sabe aquele casal da igreja que vocês os consideram exemplo? Que vivem uma vida modesta, equilibrada, que é perceptível que há um bom planejamento financeiro na vida do casal (de preferência que ainda não tenham filhos)? Pois bem, se acheguem a eles, peçam que os ajudem a informar os valores que gastam por mês dos itens necessários para se viver: mercado, água, luz, internet, gás, IPTU. Esses valores variam de cidade para cidade, de acordo com o custo de vida. Com esses valores em mente, já é possível ter uma ideia do que vocês precisarão separar por mês no orçamento de custos que vocês possivelmente não tenham hoje como solteiros. Lucas 14.28 nos diz que devemos fazer planejamentos, mas não devemos andar ansiosos com isso (Mt 6.25). Tenho visto a mão do Senhor operar na vida de noivos que andam com os passos firmes na presença do Senhor e com o coração pronto a glorificá-lo com seus casamentos. É assim que o Senhor cuida dos seus.

3o Passo: O culto do casamento. Você e seu noivo devem pensar em como vai ser o culto de louvor e gratidão a Deus, rogando a Ele as bênçãos para essa nova família e também será uma ótima oportunidade de amigos e familiares serem evangelizados.

Particularmente eu penso que os casamentos devem ser nas igrejas mesmo, pois há uma maior reverência e atenção ao que está sendo pregado.

Sei que muitas vezes as noivinhas optam por fazer a cerimônia do casamento no local da festa para economizar com decoração e deslocamento dos convidados, mas, sinceramente, nesse dia, Cristo tem que ser o centro e seus convidados tem que ver isso na vida de vocês dois. Pensem em como vocês vão honrar e glorificar mais a Deus e como seus convidados poderão dar mais atenção a ele.

As flores da estação podem ser uma opção mais econômica. Sei que muitas vezes sonhamos com uma ou outra flor, mas hoje em dia a união da beleza das flores que o Pai nos dá com a criatividade que deu aos homens têm feito enfeites maravilhosos. Caso queira contratar uma ornamentadora que não vai caber no orçamento de vocês (e não tem problema se não couber) peça ajuda para aquela irmã da igreja que você sabe que tem habilidade para fazer decoração, a internet está aí com milhões de ideias criativas e com valores muito em conta. Lembrando, novamente, Cristo deve ser o centro desse dia!

4o passo: O vestido. Ah! O vestido. Sonhamos tanto com esse vestido. O meu foi o mais rodado possível, me senti tão linda! E meu noivo também achou, porque era o que ele mais dizia quando me viu! Noivinha querida, sonhe com seu vestido! Sonhe com você entrando na nave da igreja e seu lindo noivo te esperando sorridente! Mas olhe, seu vestido não precisa ser o de primeiro aluguel, não precisa ser bordado com cristais Swarovisk, não precisa ter a renda que veio de Paris. Ele precisa ser do jeito que sonhou, que se adeque a seu tipo de corpo, sem extravagância, decotes e transparências. Há dezenas e dezenas de lojas, experimente muitos, tenha paciência, aproveite esse momento, que será único, até achar aquele que caia no seu gosto e no padrão de modéstia de uma mulher cristã (1Tm 2.9). E, muito, muito importante, que caiba no bolso! Muitas vezes a mãe da noiva faz questão de pagar o tão sonhado vestido da filha, ou o pai, ou uma tia, ou até você mesma juntou durante um bom tempo um dinheirinho para você estar exuberante. E esteja, mas não alugue naquela loja chique só para ostentar, vá até aquela loja que você não dá nada para ela e você pode achar um do seu gosto e que não vai esfolar ninguém para pagar um preço exorbitante em um aluguel. E tem mais, as lojas normalmente já têm o véu e o acessório de cabelo para emprestar, procure ali até achar um do seu gosto, não gaste mais com isso. Pechinchar no preço também é uma boa, porque é cultura do brasileiro deixar uma “gordurinha” no valor para a negociação.

5o passo: Equipando a casa. Ore ao Senhor para que vocês tenham na casa de vocês os itens básicos e guardem o dinheiro para isso: Cama, guarda-roupa, armários de cozinha, fogão, geladeira, máquina de lavar roupa, televisão e rack. Façam um levantamento de preços dos itens novos e guardem o dinheiro. Não se apressem a comprar, pois as pessoas tendem a presentear até mesmo com esses itens, mas não é isso que deve estar no coração ao convidar padrinhos, por exemplo, o que deve estar no coração de vocês é o versículo 14 de Provérbios 11, ou seja, pessoas mais maduras na fé que vocês, que tenham liberdade de darem conselhos a vocês durante a caminhada matrimonial. Se elas vão ter dinheiro para presente, ou não, nem deve passar pela cabeça dos noivos. Ultimamente cresceu o número de pessoas usando os desapegos e vejo itens muito bons sendo negociados. Se você sente vergonha ou fica embaraçada em falar para as pessoas com medo do que elas vão pensar de você, é sinal de que existe um ídolo no seu coração, o desejo de agradar a homens. Peça ao Senhor para quebrar esse ídolo e te dar forças para vencer esse pecado.

6o passo: A Festa. Você tem vontade de fazer uma festa? Eu já fui a casamentos que não tiveram festa, mas o culto foi tão voltado ao louvor ao Senhor que não fez falta. Também já fui a casamentos que foi servido bolo e guaraná pelos próprios diáconos da igreja e era visível a alegria deles em ajudar a servir no casamento de irmãos queridos. Também já fui a casamentos que toda a igreja se manifestou para ajudar. Meu coração pulsa com isso, pois meu pensamento vai logo lá para o Sl 133.1 “Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos”, para mim é uma das expressões de comunhão da igreja, onde todos se juntam em serviço ao próximo. Mas também já fui em festa daquelas super festas que não pareciam casamento de crentes, só porque os noivos não queriam desagradar alguns convidados e acabaram se moldando aos padrões deles (Cl 2.8) e não queriam que o casamento fosse mal falado ou porque queria seguir a moda, porque os casamentos de hoje TEM QUE TER os itens x, y e z. Precisa mesmo? Tem mesmo que ter? Ou o casamento pode ter a cara, o jeito dos noivos e o padrão que eles vivem, segundo Cristo. Me lembro de um amigo que foi convidado para dar uma palavra em uma festa, a primeira coisa que ele falou: “vocês acham que Deus está aqui? Vocês acham que Deus está se agradando do que está vendo aqui?” Ouvimos o silêncio, ouvimos a intrepidez desse irmão e a sinceridade dele em exortar, o que não abalou em nada a amizade com os outros irmãos, pelo contrário, fortaleceu. Se você quer dar uma festa para seus convidados, não há pecado. Noivinha, se você quer oferecer um momento de festejar com aqueles que foram prestigiar esse momento único, que se arrumaram, que estiveram presentes, faça! Desde que você use 2 parâmetros: Deus está sendo glorificado em cada detalhe dessa festa? Tenho dinheiro em mãos para pagar por esses itens?

7o passo: A Lua de Mel. Outro ponto bem complicado, porque nesse item pôde-se parcelar em tantas vezes que pode até passar para depois do casamento as prestações, já começando a vida a dois com dívida. Vocês dois precisam decidir que tipo de viagem gostam: praia, montanha, aventura. A questão de que falam de ser mais barato viajar para o exterior do que dentro do Brasil é relativo e sazonal. Ir para algum lugar só para postar nas redes sociais é ostentação, querer mostrar para o outro o que você tem e o outro não é incitar inveja e ciúmes nas pessoas. Não que seja errado postarmos as fotos que mais gostamos, estou dizendo pela motivação do nosso coração, a real razão que nos leva a fazer isso ou aquilo. Então, se a sua opção de escolha do local de lua de mel for para ostentar, está errado! A esccolha deve ser de comum acordo com seu noivo, afinal, ele tem que desfrutar também. Acompanhem as promoções dos sites, sempre aparecem coisas boas e adequem ao dinheiro que vocês têm separado para isso. O foco da lua de mel são os primeiros momentos a dois, o local é secundário.

O seu coração

Peça ao Espírito Santo que sonde seu coração (Sl 139.23). Ore sobre cada questão, espere no Senhor, tenha calma em resolver cada item, procure alguém para te ajudar nessa caminhada que não foque no seu “eu”, naquilo que “você merece” – lembrando que não merecemos nada, é Deus que nos alcança com sua graça e misericórdia – dê a ela liberdade de te exortar quando você estiver trilhando caminhos longe da Palavra de Deus, permita que ela aponte a cruz de Cristo para você. Não esqueça do seu noivo, ele deve ser o primeiro a ser consultado em cada item, já vá exercendo o cuidado e o pastoreio dele com você, assim como Cristo e sua igreja, não decida nada sem que os dois estejam em comum acordo.

Oro por cada noivinha que ler esse artigo, para que seu casamento tenha o foco de glorificar ao Pai, desde os preparativos e até que a morte os separe.

Por: Michelle Almeida. © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Original: Noivas, vamos falar das finanças para o casamento?

Comentários estão fechados.