um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

Obedeça a Deus com a sua criatividade

O dever cristão da imaginação

Um dos grandes deveres da mente cristã é a imaginação. Mas nem todos os usos da imaginação são um dever cristão. Alguns são exatamente o oposto. A imaginação também não é o único dever da mente cristã. A mente também está encarregada das funções de observação, análise e organização.

A imaginação acontece quando a mente vai além da observação, análise e organização do que está lá, e imagina o que não é visto, mas pode estar lá – e pode explicar o que vemos (como no caso da maioria das pesquisas científicas). A imaginação também acontece quando a mente imagina uma nova maneira de retratar o que já está lá (como no caso da escrita criativa, da música e da arte).

Imaginação Sequestrada

Há imaginação que é incrivelmente criativa, e ainda enganosa, até mesmo patológica. O livro de Provérbios retrata criativamente esse tipo de criatividade enganosa. Por exemplo, Provérbios 26.13–16:

“Diz o preguiçoso: Um leão está no caminho; um leão está nas ruas. Como a porta se revolve nos seus gonzos, assim, o preguiçoso, no seu leito. O preguiçoso mete a mão no prato e não quer ter o trabalho de a levar à boca. Mais sábio é o preguiçoso a seus próprios olhos do que sete homens que sabem responder bem”.

Esses versos pitorescos (imaginativos!) Podem ser quatro provérbios distintos, relacionados apenas pelo fato de serem todos sobre o preguiçoso. Mas suspeito que haja mais coisas nesse agrupamento do que isso.

A imaginação do preguiçoso está em pleno andamento no versículo 13. Ele inventa, por sua própria cabeça maravilhosamente imaginativa, uma situação inexistente para justificar sua preguiça de se levantar e ir trabalhar: “Há um leão nas ruas”! Ele não quer sair. Então sua imaginação entra em ação e cria uma situação na qual ele não pode sair. Isso é enganoso. Ele está usando sua imaginação para mentir.

Mas pode ser pior que isso. Ele pode até acreditar em sua própria imaginação. Os dois provérbios do meio enfatizam as profundezas da preguiça desse homem. Ele fica na cama. A maior extensão do seu progresso em direção a um objetivo produtivo é como uma porta na dobradiça. Se move. Mas sem progresso.

“Como a porta se revolve nos seus gonzos, assim, o preguiçoso, no seu leito”.

Quando consegue chegar à mesa do café da manhã, ele é tão preguiçoso que pode colocar a mão em seu prato, mas não pode tirá-la. Este homem está a caminho da fome. Não vai agir. Não pode comer.

“O preguiçoso mete a mão no prato e não quer ter o trabalho de a levar à boca”.

O ponto: a indolência leva à autodestruição.

Mas então vem o mais impressionante. Este homem acha que ele é brilhante. Ele está mais impressionado com a perspicácia de seus poderes imaginativos (“Há um leão nas ruas”!) Do que com a verdadeira sabedoria de sete sábios.

“Mais sábio é o preguiçoso a seus próprios olhos do que sete homens que sabem responder bem”.

Em outras palavras, seus poderes de imaginação alcançaram níveis tão elevados de criatividade e inteligência a serviço de sua preguiça que ele perdeu o contato com a realidade e está vivendo em sua própria gaiola de criatividade magistralmente trabalhada. É por isso que eu disse que a imaginação pode ser patológica. Isso não é dever cristão, mas deserção cristã. O pecado sequestrou a imaginação e tornou a serva da auto ilusão.

Mentes no Seu Mais Divino

Então, vamos passar desse uso destrutivo da imaginação para o dever cristão da imaginação. Eu digo que a imaginação é um dever cristão por duas razões. Uma é que você não pode aplicar a Regra de Ouro de Jesus sem ela. Ele disse: “Tudo quanto, pois, quereis que os homens vos façam, assim fazei-o vós também a eles”; (Mateus 7:12). Devemos nos imaginar em seu lugar e imaginar o que gostaríamos que fosse feito a nós. Amor compassivo, simpático e prestativo depende muito da imaginação de quem ama.

A outra razão pela qual digo que a imaginação é um dever cristão é que quando uma pessoa fala ou escreve ou canta ou pinta sobre a verdade de tirar o fôlego de uma forma entediante, provavelmente isso seja pecado. A supremacia de Deus na vida da mente não é honrada quando Deus e seu mundo surpreendente são observados verdadeiramente, analisados ​​devidamente, organizados claramente e comunicados aborrecidamente.

A imaginação é a chave para matar esse tédio. Devemos imaginar formas de dizer a verdade pelo que ela realmente é. E ela não é chata. O mundo de Deus – todo ele – soa com maravilhas. A imaginação evoca novas palavras, novas imagens, novas analogias, novas metáforas, novas ilustrações, novas conexões para contar a verdade antiga e gloriosa – seja do mundo ou da palavra de Deus. A imaginação é a faculdade da mente que Deus nos deu para tornar bela a comunicação de sua beleza.

A imaginação pode ser o trabalho mais difícil da mente humana. E talvez o mais divino. É o mais próximo que chegamos da criação a partir do nada. Quando tentamos expressar a bela verdade, devemos pensar em um padrão de palavras, talvez um poema. Devemos conceber algo que nunca tenha existido antes e que atualmente não existe em nenhuma mente humana. Devemos pensar em uma analogia, metáfora ou ilustração que ainda não exista. A imaginação deve se esforçar para ver na mente quando ainda não está lá. Precisamos criar combinações de palavras, música e formas visuais que nunca existiram antes. Tudo isso nós fazemos, porque somos como Deus e porque ele é infinitamente digno de novas expressões verbais, musicais e visuais.

Faça uma nova canção para cantar

Uma faculdade – ou uma igreja ou uma família – comprometida com a supremacia de Deus na vida da mente cultivará muitas imaginações férteis e algumas grandes. E como o mundo precisa de mentes cheias de Deus que possam contar as grandes coisas de Deus, cantar as grandes coisas de Deus e tocar as grandes coisas de Deus de formas que nunca foram ditas ou cantadas ou tocadas antes.

A imaginação é contagiante. Quando você está perto de alguém (vivo ou já falecido) que a usa ou usou muito, você tende a pegá-la. Então eu sugiro que você saia com algumas pessoas contagiosas (mortas ou vivas) que transbordam com formas imaginativas de expressar as coisas. (A Bíblia pode ser o livro de prosa mais imaginativo do mundo. Não porque crie uma realidade que não existe, mas porque coloca essa realidade em tantas expressões surpreendentes.)

A imaginação também é como um músculo. Ela fica mais forte quando você a flexiona. E você deve flexioná-la. Ela não se coloca em ação naturalmente, mas aguarda a vontade. Encorajo-vos a usar esse músculo em sua mente. Faça esforços conscientes para expressar a verdade preciosa de maneira notável e útil. Pense em uma nova maneira de dizer uma verdade antiga. Deus é digno. “Cantai ao Senhor um cântico novo” (Salmos 96. 1; 33. 3; 98. 1; 144. 9; 149. 1; Isaías 42.10) – um quadro, um poema ou uma figura de linguagem. Vamos fugir juntos do pecado de pessoas chatas para com Deus e suas incríveis obras e caminhos.

Por: John Piper. © Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org. Traduzido com permissão. Fonte: Obey God with Your Creativity.

Original: Obedeça a Deus com sua criatividade. © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Tradução: Paulo Reiss Junior. Revisão: Filipe Castelo Branco.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.